Log In

Reviews

Nashville – I’ll never get out of this world

Pin it
Série: Nashville
Episódio: I’ll never get out of this world
Número do Episódio: 01x21
Data de exibição nos EUA: 22/05/2012
79.428571428571
3.9
7

Olá queridos leitores! Começo pedindo desculpas pelos episódios sem review, mas a vida anda bem mais corrida do que eu gostaria. Prometo que na próxima temporada serei mais assídua e responsável com o compromisso assumido.

Nashville vinha numa crescente impressionante. A temporada não teve nenhum momento que possa ser considerado ruim, mas cresceu de uma maneira que eu avalio, sem pestanejar, os últimos episódios como cinco estrelas. A dinâmica da série estava cada vez melhor e os atores parece que se encontraram ainda mais.

Nesse tempo diversas coisas aconteceram. Lamar esteve perto da morte, mas conseguiu resistir a essa e acabou aproximando-se de Rayna. Enquanto isso Tandy procurou aproveitar-se da saúde frágil do pai para assumir o controle da empresa. Rayna quase caiu nos braços de Liam, mas percebeu que o amor da vida dela é o Deacon e resolveu correr atrás dele, que largou da veterinária e reconciliou-se com a amada. Esse período – curto, é verdade – que os dois ficaram juntos me fez ter a certeza de que eles PRECISAM ser endgame. São fofos demais juntos e, não importa o que aconteça, se amam mais que tudo. Juliette envolveu-se com Dante, que acabou dando o golpe nela e roubando fortunas dela. Scarlett assina com a gravadora de Rayna e Gunnar começa a assumir a personalidade do irmão morto em busca de fama. Enquanto isso Avery trabalhava como roadie na turnê de Juliette e Rayna.

Procurei resumir em um parágrafo os acontecimentos que culminaram nessa season finale de tirar o fôlego. Drama pouco é bobagem, viu? O clima era quase de Grey’s Anatomy e desconfiei por uns segundos que Shonda tivesse dado uma mexida no roteiro de Nashville.

Para começar confesso que sofri junto com Juliette. A garota pode ser mimada e insuportável, mas a maneira como as coisas se sucederam e resultaram na tristeza da morte por overdose de Jolene fez com que eu sentisse pena dela. Ainda mais porque de certa forma ela pode se sentir culpada pelo acontecido, embora saibamos que as coisas são muito mais complexas do que isso. No fim, Jolene, por se sentir culpada pelo destino da filha, acabou optando por matar e morrer, mas não deixar a filha ser humilhada mais uma vez pelo que considerava ser um erro seu. Triste e bonito.

Estou gostando da aproximação da Juliette com o Avery, mas acho que devem ir devagar para não precipitar as coisas. Eu achei que a Rayna ia ganhar o CMA, especialmente por se tratar de um prêmio dado pela crítica, mas acho que depois de tudo os roteiristas não deixariam Juliette amargar mais uma derrota. Achei bonita também a maneira como a Rayna e o ex-empresário da Juliette ficaram do lado dela, mesmo apesar de tudo. Mostraram que são adultos e maduros.

Quanto ao núcleo Tandy – Lamar – Peggy – Teddy acho que essa história ainda vai dar muito pano pra manga, especialmente depois do pedido de demissão da Tandy e da gravidez da Peggy. Parece que Tandy vai depor contra o próprio pai, de olho no poder da empresa. Ainda se ela estivesse interessada na justiça, mas sabemos que não é assim. Acho que as coisas podem ficar feias para Lamar e Teddy e que talvez tenhamos mais personagens atrás das grades na segunda temporada.

Eu tinha certeza que quando Maddie e Deacon descobrissem que são pai e filha as coisas seriam horríveis, mas jamais pensei em um acidente de carro, confesso. Eu achei que Deacon nunca mais iria olhar na cara da Rayna, mas não pensei que tudo seria tão catastófrico. Fiquei com raiva da Maddie por um segundo, porque acho que ela agiu errado. Devia ter procurado primeiro a mãe, mas entendo que ela estava muito magoada. No lugar dela eu também estaria. Não acho que Rayna fez o certo quando escondeu de Deacon que ele era o pai da garota, mas quando ele bebeu novamente o primeiro copo de whisky eu tive certeza que faria a mesma coisa. Essa certeza se reafirmou na cena do carro, quando ele é violento com ela.

Não acho que nenhum dos dois vai morrer – porque comprometeria em muito o andamento da série, embora não duvide de nada depois que Connie se disse descontente com os problemas de bastidores da série – em nem acredito em consequências duradouras mais graves, como sequelas permanentes. Acho que o acidente vai servir pra reaproximar os dois, que talvez sem isso nunca mais se falariam. Acho que assim Deacon pode perceber que também tem a sua parcela de culpa nessa história e que qualquer pessoa no lugar da Rayna tomaria a mesma atitude. Achei fofa a cena da ‘reconciliação’ entre Maddie e Rayna. A garota de treze anos parece ser mais adulta que o ‘homem barbado’ algumas vezes. No fim das contas, tudo que a Rayna fez foi por amor, por mais (in)justificável que isso seja.

O Gunnar errou o quanto podia com a Scarlett e consigo mesmo, mas agora resolveu se redimir e pedir ela em casamento. Será que depois da reaproximação dela com o Avery ela vai aceitar o pedido? Eu gostaria que sim.

Não tenho palpites para o que irá acontecer na próxima temporada, só sei que com certeza o acidente sofrido por Deacon e Rayna trará consequências não só para a vida dos dois, mas de todos que os cercam.

Depois desta primeira temporada tão boa e que cresceu tanto, só posso desejar que continuemos sendo brindados com essa trilha sonora perfeita e que os problemas de bastidores não prejudiquem o andamento da série. No mais, vida longa à Nashville!

Séries citadas:

Relações Públicas e Mestre em Comunicação Midiática pela UFSM. Não esconde sua paixão por reality shows, sendo fã especialmente de The Voice, Survivor e The Amazing Race. Suas séries preferidas são Friday Night Lights e The O.C, mas também nutre um profundo amor por Friends e Sex and the city. Atualmente assiste Orphan Black, Orange is The New Black, Broadchurch, Faking It, Girls e Nashville... Suas paixões mais recentes são The Affair, How to Get Away With Murder e Scandal (cujas 4 temporadas completas assistiu em apenas 20 dias).

Website: http://www.assmanncomunicaçãoestrategica.wordpress.com

6 Comments

  1. Carol Cadinelli Mauler

    Concordei com quase tudo o que você disse, mas, sinceramente, eu acho que podiam ter investido um pouquinho mais em Rayna+Liam (ADOOOORO) e, sinceramente, a cada dia gosto menos do Gunnar. Achava ele legal quando o Avery era sacana, agora já acho ele chatinho. Confesso que gosto da ideia do Avery com a Juliette, ia ficar bem fofo, mas, sei lá… Scarlett merece mais que o Gunnar, mesmo que eu AME os dois no palco juntos. Estranha, eu, né? LOL
    Curiosíssima pra saber como vai ficar a relação da Rayna com as filhas e o Deacon… ‘Vem ni mim’, 2ª T!

  2. Paullo Kidmann

    Ótima Review Gabriela e ta perdoada hahahhhaha! Shonda em Nashville #Morri kkkkkkkkk! Sobre a Tandy eu concordo contigo mas eu tenho que dizer : Se hoje ela é uma cobra ela aprendeu com o Lamar e confesso que ele foi um pouco injusto com ela! Sobre o acidente realmente também nunca passou pela minha cabeça mas eu acredito (Como vc até sitou acima )que isso foi uma forma dos roteiristas apressar essa briga da Rayna com o Deacon por que afinal depois dessa experiência de quase morte pode ser que eles percebam o quão curta é a vida e que não vale a pena brigar e blá blá blá…
    Também fiquei com raiva da Maddie mas vamos combinar ela é muito chatinha aprontou daquela vez no show da Juliette e provavelmente não vai parar!
    Gunnar Gunnar Gunnar…Eu tava tipo com muito ódio dele nesses últimos episódios, por que ele tava muitooooo chato mas ele se redimiu aí na final!
    E estou gostando muito da mudança do Avery, espero realmente que ele tenha aprendido!!

    #VidalongaaNashville!

  3. Paullo Kidmann

    Realmente Carol, concordo por mais que eu amo Rayna & Deacon, Também amo Rayna e Liam acredito que na próxima temporada ele volte pra disseminar o mal, principalmente quando ele souber do acidente!!

  4. coelho rebelde

    Eu sou e sempre fui APAIXONADA pelo Avery.

    Gosto dele com a Juliette,mas ele e a Scarlett tem uma historia forte e k no fundo acho k ñ termino.

    O Gunnar como bom moço k é ñ pode errar(o publico ñ intende) pk mocinhos sempre tem k fazer o certo.

    Mas o Avery como um “anti-heroi” pode,é aceitavel já k a linha k o bom moço não pode ultrapassar o anti-heroi pode e ainda assim ser perduado.

    OBs: Super entendo a Rayna, pela reação alcoolica do Deacon ficou mais k claro k ele ñ teria estrutura pra ser pai kuando a Rayna engravido.E o Teddy apezar de pessimo nos negocios é um otimo pai.

  5. Edissa Lopes

    O final da temporada foi ótimo, embora eu ache que há um certo excesso de acontecimentos trágicos… mas é uma série. Quanto ao casal Rayna/Deacon, considero-os chatérrimos, sempre o mesmo mimimi (Liam é melhor, Rayna!!)… E analisando a decisão da Rayna quanto a revelar ou não os detalhes do nascimento sobre Maddie, acredito que qualquer pessoa sensata faria o mesmo, Deacon não tinha (e não tem) condições de assumir responsabilidade, infelizmente. E Teddy nunca discriminou a menina, é o verdadeiro pai dela. Tenho uma particular simpatia por Avery, e espero uma boa relação dele com Juliette (meio difícil, não, são tao complicados!!!). Alguém precisa sacudir aquela menina Scarlett, fazê-la erguer a cabeça, sacudir os braços, cortar o cabelo, segurar a vida, trocar de roupa, parece que tem 80 anos!!!! Ansiosa pela próxima temporada!!!!

  6. Paula

    Ah!! segunda temporada!!!! mas eu prefiro Rayna e Deacon!!! Eles tem muita quimica… e precisam viver essa história para poderem seguir a diante ou ficarem juntos de vez!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account