Log In

Reviews

Nada está decidido em ‘Veep’, além do fato dela ser a melhor comédia do ano

Pin it

Se você é fanático pelas séries da HBO você deve ter sofrido muito este domingo: com Sansa, com Cersei, com Arya, com Jon Snow… Mas também, de uma forma menos trágica, mas não menos dramática, você sofreu com Selina Meyer.

A quarta temporada de Veep chegou ao fim neste domingo de uma forma irretocável, mostrando a montanha-russa emocional para um candidato que é a expectativa pelo resultado de uma eleição – e como vem sendo cada vez mais frequente nestes quatro anos, Veep vai cada vez ficando mais parecida com The West Wing (que é a melhor série de todos os tempos, logo este é o maior elogio que eu posso dar a Veep).

Veep - Election Night

Em Election Night, acompanhamos em um quarto de hotel a espera de Selina pelos resultados da eleição mais apertada da história americana. Ao mesmo tempo temos um gostinho da cobertura da eleição, com Dan participando da cobertura da CNN ao lado de um humilhado representante de um instituto de pesquisa que não acertava uma projeção. Alô Ibope e Datafolha: não é só no Brasil que os estatísticos erram feio!

O episódio ainda nos brindou com uma linda e aguardada reaproximação de Selina com Amy.

Election Night é também o resumo do que é Veep: uma série com um senso de humor que pode simplório mas eficaz (seja com as piadas com as bolas de Jonah, ou com Mike dando levando choques por causa do carpete do hotel) mas que ao mesmo tempo capaz de entregar tramas bastante sofisticadas sem ser pedante. O exemplo disto está no desfecho do episódio: o que acontece quando a eleição termina empatada no colégio Eleitoral?

Veep - Election Night

Tudo pode acontecer no quinto ano de Veep. Especialmente o mais improvável: Selina voltar a ser VP. E virar VP daquele que escolheu para ser seu VP. Desculpe Jon Snow, mas isto sim foi imprevisível!

E me desculpe Modern Family, amo vocês, mas estou desde já torcendo com todas as minhas forças para que Veep leve em setembro o Emmy de Melhor Comédia. Porque ela é, de fato, a melhor comédia da TV da atualidade.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

5 Comments

  1. Thiago FLS

    Diferente de Silicon Valley, que teve dois episódios horrorosos antes de limpar a barra com um final de temporada muito bom, Veep teve uma temporada excelente do início ao fim. Pessoalmente, estou torcendo para Tom James realmente ganhar a eleição no congresso e Selina voltar a ser vice, fazendo o título da série voltar a ter sentido.

    Mas, como eu tinha dito antes, estou bastante apreensivo com a troca de showrunners. David Mandel é competente e foi um dos principais responsáveis por Seinfeld ter mantido a qualidade mesmo após a saída de Larry David, mas seu estilo de humor é bem diferente do de Armando Iannucci.

  2. Paulo Serpa Antunes

    Eu não tenho nenhuma crítica aos episódios finais da temporada de Silicon Valley. Gostei de todo o arco final. Acho que a diferença entre as duas é que Silicon às vezes constrói um episódio todo em cima de uma piada que pode ser meio infantil ou retardada. Mas ainda assim, as série também é incrível.

    Sobre a mudança de showruuner, até nisto Veep está dando uma de The West Wing!

  3. Thiago FLS

    Meu problema com os dois episódios anteriores ao final é que os roteiristas forçaram demais a barra para criar complicações para os protagonistas, que não cansam de dar tiro no pé. O jeito como os advogados da Hooli descobriram que Richard usou um computador da empresa para mexer no código do Pied Piper foi o mais forçado possível, quando seria muito mais natural Big Head mencionar a “namorada” de Richard no seu depoimento, já que aquilo era uma piada particular entre os dois.

    E como eu trabalho com informática (infraestrutura, mais especificamente), não deu para fazer vista grossa a todos absurdos tecnológicos envolvendo aquela cena em que apagaram um terço do acervo de um site pornô só porque aquele bilionário imbecil colocou uma garrafa em cima da tecla delete. Para mim, foi como se tivessem sacrificado a verossimilhança em prol de uma piada.

    Outro exemplo dos roteiristas forçando a barra é Jared, um cara que sabe todo tipo de cultura inútil, não conhecer a hipótese do gato de Schroedinger, só para a gente poder ver Dinesh e Gilfoyle explicando algo que já virou clichê de tão disseminado na ficção. Nessa hora, senti que subestimaram a inteligência e cultura dos espectadores.

  4. Paulo Serpa Antunes

    Tua lógica faz sentido!
    Encomendei pra um colaborador uma resenha de Silicon Valley, torcendo aqui para que ele entregue e para o que ele vai dizer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account