Log In

Spoilers

Lá Fora: Lisa Kudrow em Cougar Town, a volta de Make it or Break it e um episódio especial de Desperate Housewives

Pin it

Desperate Housewives - If...

Chega de feriadões! Entramos e 2010 e está na hora de nossas séries favoritas voltarem! E aos pouquinhos elas estão voltando! Na última semana, Desperate Housewives voltou mostrando Gabrielle e Lynette velhinhas e uma Susan tamanho plus size. Os hits da temporada The Good Wife e Modern Family retornaram do hiato. Dollhouse entrou na reta final. Cougar Town promoveu o reencontro das ex-Friends Lisa Kudrow e Courteney Cox. Make it or Break it voltou para a segunda metade de sua temporada. E ainda temos reviews de Law & Order: Special Victims Unit, Friday Night Lights e Men of a Certain Age.

A coluna voltou! Só falta agora a participação de você, deixando seu comentário!

Desperate Housewives: If… (6×11)
Exibição: 3/1/2010
MVP: Felicity Huffman

É bastante difícil para um real fã de Desperate Housewives não se emocionar com If… Assim como o ótimo episódio que encerrou a primeira parte da atual temporada, este último foi um louvável “começo”. Como o próprio nome do episódio diz, “se…” mostra como seriam as vidas das cinco donas de casa se determinado acontecimento não tivesse acontecido na vida de cada uma delas.

Destaque para a produção que transformou Susan em uma obesa e Gabrielle e Lynette em senhoras de idade. Alias, foi nas cenas de Lynette que o episódio se ancorou e fomos presenteados com uma das cenas mais emocionantes da série até hoje. Felicity Huffman sempre rouba a cena, mas em If… ela foi sensacional.

O episódio em sí não mostrou muitos avanços na trama – alguns, apenas, nas cenas com Angie. Particularmente, encarei como um episódio especial, algo esperado pelos fãs após o angustiante capítulo da queda do avião.

Como disse na minha última review de Desperate, se Marc Cherry quisesse deixar as coisas mais interessantes, mandaria Karl para a cova. E ele fez a lição direitinho. (Ivan Guevara)

Cougar Town - Rhino Skin

Cougar Town: Rhino Skin (1×11)
Data de Exibição: 6/1/2010
MVP: Christa Miller Lawrence

Esse podia ser mais um dos episódios meia-boca de Cougar Town – que infelizmente sempre aparecem entre um e outro episódio realmente bom – não fosse pelo espaço aberto para que os coadjuvantes brilhassem.

Fosse por causa de Ellie e Andy mostrando de maneira perfeita a loucura que é sobreviver em um casamento – e quando falo sobrevivendo não estou falando que isso seja ruim, apenas que é uma aventura – seja quando Laurie se mostra mais que uma loira burra.

Diga-se de passagem, o momento das duas no bar de Grayson demonstrando a regra do “no-mínimo-a-dois-metros-de-distância” foi a melhor de todo o episódio.
Uma pena, mais não foi dessa vez que a reunião de duas amigas de Friends tenha funcionado como esperaríamos: Lisa Kudrow no papel da doutora Amy foi apenas uma história menor. (Simone Miletic)

Modern Family: Up All Night (1×11)
Data de Exibição: 6/1/2010
MVP: cast of Modern Family

A volta das pequenas férias de Modern Family nos trouxe, mais uma vez, um episódio de fazer rir do começo ao fim. Conhecemos aqui Javier, o pai boa pinta do colombiano Manny, e tivemos uma noção de quão trapalhões e desastrosos pais Mitchell e Cameron podem ser.

Mas, nesta semana, de todos os pontos positivos da série, vou dedicar meu comentário as tão bem escolhidas e talentosas crianças. Além da quase adulta atriz de 11 anos, Ariel Winter, que interpreta a inteligente Alex Dunphy, eu a-do-ro o papel do menino Rico Rodriguez, Manny Delgado. De verdade, os diálogos desenvolvidos com ele, as histórias que o envolvem e a maneira como ele passeia pelos núcleos e consegue ser um dos personagens mais simpáticos é incrível.

Não é uma peculiaridade das crianças, aliás. Não enxergo um único personagem que não esteja sendo interpretado pelo ator certo em Modern Family. Mérito da série? Certamente! Mas o melhor de tudo é que quem ganha somos nós. (Rafael Maia)

Dollhouse - Getting Closer

Dollhouse: Getting Closer (2×11)
Exibição: 8/1/2010
MVP: Olivia Williams e Amy Acker

Ao que parece, Joss Whedon quer levar seu público a loucura. O que de certo modo é uma coisa boa, visto que ele realmente está mostrando a verdadeira face de sua série, que é extremamente melhor que a mostrada na primeira temporada. O grande “porém” é que a série nunca sobreviveria na TV aberta, tanto com o modo procedural do primeiro ano, como nesse aprofundamento da mitologia e dos personagens.

A Dra. Saunders finalmente voltou e não acredito, por enquanto, que ela estivesse no modo “dormente” quando matou Bennett, acho que ela fez aquilo para finalmente se vingar de Topher e todo o drama que passou, principalmente na premiere dessa segunda temporada.

Adele ainda tem a melhor personagem desse grupo de personagens e é incrível vê-la pulando de mocinha a vilã em segundos, e tudo isso graças à atuação de Olivia Williams.

Nunca quis conhecer Caroline, e meu medo se concretizou, ela é muito chata. Extremamente idealista, pedante e certinha, tudo que poderia odiar em uma personagem como ela, porém foi a partir dela que tivemos a grande revelação da série: Boyd, o homem por trás de tudo, ou melhor, um dos homens por trás de tudo? É, Whedon quer realmente nos enlouquecer. Pena que só faltam dois episódios. (Lucas Bonini)

Law & Order: Special Victims Unit - Quickie

Law & Order: Special Victims Unit: Quickie (11×11)
Data de Exibição: 6/1/2010
MVP: Stephanie March e Mariska Hargitay

Quickie foi um episódio típico de SVU. E quando eu digo típico, não quero dizer apenas no formato. Várias vezes durante os quarenta e tantos minutos eu tive a impressão de estar revendo alguma coisa já abordada de maneira semelhante ou igual em um dos 10 anos anteriores da série. Mais proeminentemente, o caso do HIV positivo que sai por aí dormindo com mulheres sem dizer a elas que tem a doença, levando a promotoria a processá-lo por tentativa de assassinato. Não tivemos uma storyline assim? Tenho certeza de que tivemos.

Achei que foi um episódio bom, mas esquecível, justamente por trazer uma série de elementos que apesar de não serem irrelevantes, já foram abordados e discutidos. Porém, ver um episódio de SVU nunca é um desperdício de tempo e pelo menos tivemos bastante destaque da Alex, uma personagem de quem gosto muito. E Olivia, que havia ficado um pouco apagada no começo da temporada, aparentemente voltou a ser o destaque da dupla e Mariska é sempre extraordinária, mesmo sem nada demais para fazer. Quanto ao Meloni, ele está meio de lado, mas eu não me preocupo. Daqui a pouco ele ganha storylines de destaque de novo. (Thais Afonso)

The Good Wife: Infamy (1×10)
Data de Exibição: 5/1/2010
MVP: Denis O’Hare e Christine Baranski

Tá legal, posso ser bem sincera? Alicia me deixa frustrada. Há uma parte de mim que gostaria de vê-la explodindo, gritando, xingando e, quem sabe, batendo no canalha do marido dela. Toda essa nobreza e essa calma dela me tiram do sério! Mesmo que fosse pra no final perdoar, eu daria tudo pra vê-la provocar dor em Peter. Pronto, falei. Acho que eu queria escrever isso desde o primeiro episódio ^_^.

Infamy foi mais um excelente episódio, quando eu penso que não, a série já me surpreendeu. O caso de divórcio parecia o mais entediante e eis que o novo procurador se vê ameaçado. Quer acabar com a vida de um homem? Apela pra esposa e ele cai fácil, fácil. Mulher quando quer ser vingativa…

E o restante da equipe perdeu nos tribunais contra um jornalista que em seu programa acusou uma mulher de matar a própria filha. E Alicia continua lá, naquela mesmice, sempre amiga, sempre conciliando as partes e visitando o marido na prisão. (Lara Lima)

Make it or Break it - The Eleventh Hour

Make it or Break it: The Eleventh Hour (1×11)
Data de Exibição: 4/1/2010
MVP: Ayla Kell

Eu comecei a assistir Make it or Break it porque me pareceu o entreterimento leve perfeito. A série é simples, e os personagens muitas vezes não passam de estereótipos. Mas era um passatempo, meramente. Porém, desde a finale da primeira parte da temporada a série se tornou consideravelmente mais dramática, e honestamente tem me deixado deprimida. É claro que se os personagens ficarem mais densos a medida que as tramas também ficam, será ótimo. E nesse sentido The Eleventh Hour foi bem sucedido em alguns pontos.

Foi muito bom ver as reações de Payson e Kayley frente a reversão dos papéis. Enquanto a Kayley era a ginasta distraída de quem ninguém esperava nada, agora tem que lidar com a pressão de ser a campeã e com a idéia de que talvez não o mereça ser.

E Payson perdeu seu sonho, por enquanto. Ela não pode fazer ginástica, e ela viu sua amiga ganhar o título que deveria ser seu enquanto ela estava em uma cama de hospital. É triste e Ayla Kell retrata muito bem a depressão de Payson, mas com o auto-controle de sempre da ginasta. Foi uma storyline bem forte e que ficou ainda mais destacada se considerarmos que ainda temos que lidar com o estúpido triângulo Kayley/Carter/Lauren e também com a vida amorosa de Emily, e com as armações pseudo-vilanescas de Lauren. Possível crise de identidade? (Thais Afonso)

Friday Night Lights: The Toilet Bowl (4×08)
Data de Exibição: 6/1/2010
MVP: Taylor Kitsch

Sendo bem sincero, os dois ultimos epísódios de Friday Night Lights foram bem calmos, e isso não é um defeito. Apesar da série ter poucos episódios por temporada, me anima o fato da série não tentar correr as coisas, e trabalhar surpreendentemente bem com seus inúmeros personagens.

E por falar em personagens, mais dois aparentam estar pertos de encerrar seus ciclos na série: Julie e Tim. A primeira está sendo “forçada” por sua mãe a seguir sua vida sem Matt. Enquanto Riggins aparentemente encontrou um objetivo, mas mais uma vez acaba entrando na confusão de seu irmão para ajudá-lo.

É interessante como todos os personagens antigos da série ganham plots mostrando o motivo que os façem sair ou ficarem na cidade. Julie sempre quis sair do Texas, mas lá encontrou seu lar. Esse é o medo dela, o passo seguinte. Enquanto Tim sabe que precisa mudar, ser alguém, mas entre o querer e ser há um caminho a ser pecorrido.

Caminho que o time dos Lions pecorreu, desde abandonar um jogo até finalmente sair a primeira vitoria. Curioso notar que o que faz do coach Taylor ser bem sucedido, mais do que um técnico que entende muito de estratégia, é saber que uma equipe sem união não consegue ir longe. Hoje os Lions jogam pelos Lions e pelas oportunidades que podem abrir para cada um deles no futuro. (Paulo Fiaes)

Men of a Certain Age - The New Guy

Men of a Certain Age: The New Guy (1×04)
Exibição: 28/12/2009
MVP: Ray Romano e Andre Braugher

Fala-se que para promover Men of a Certain Age, a TNT enviou para os críticos cinco episódios da série de uma vez. E o motivo, agora percebo bem, não é aquela picaretagem de “lá pelo quinto episódio a série fica boa”, mantra que os fãs de Fringe, Dollhouse e Vampire Diaries andaram repetindo para se convencer que não estavam perdendo seu tempo. Aqui o motivo é outro: mostrar a imensa quantidade de boas histórias que este show tem para contar.

The New Guy mostra homens adultos lambendo sua feridas, meses após suas separações. E temos um sentimento diferente de traição – daquele que toma as dores do amigo traído, quando Owen descobre que a esposa de Joe o traiu antes do fim do casamento. Belo plot.

Já elogiei bastante o elenco da série. Mas o que eu não disse ainda é como é bom o elenco de apoio de Men of a Certain Age. Todos, sem exceção: Lisa Gay Hamilton (bela química com Andre Braugher), Penelope Ann Miller (um doce, mas forte o suficiente para largar o marido), Michael Hitchcock (no papel de um “douche”, aqui fumando maconha e com saudades da vida de solteiro), Richard Gant (como pai de Owen, um tipo de macho que não vez na TV com frequência), Carla Gallo (de atriz pornô em Californication para the girl next door) e aqui vale destacar Jon Manfrellotti, que fazia o Gianni em Everybody Loves Raymond e agora volta a ser parceiro de Romano, no papel do bookie ao mesmo tempo assustador e humano. A cena dele em posição fetal na piscina foi bárbara. (Paulo Serpa Antunes)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

19 Comments

  1. ivan

    FNL é mto bom msm, tb fico chateado pelos pucos episodios por temporada, mas tdo bem, e o casal Matt e Julie, acho que nunca vou esquecer!!

  2. Rafael

    A cena da Felicity Huffman com o filho deficiente é para ganhar Emmy. Linda, emocionante. Felicity é uma atriz fantástica, cheia de recursos. Me fez chorar feito criança.

  3. Thais Afonso

    Dollhouse foi tão OMFG essa semana. Achei que o episódio ia ser um tédio quando vi que ia focar na Caroline, porque Deus, a DeWitt tem toda razão quando está conversando com a Echo, e a doll pergunta se Caroline era má, e Adelle responde: “Worse. An idealist” Porque não basta ser mala, né? Tem que achar que todas as merdas que faz são justificadas pela causa.

    Também acho que a Saunders matou a Bennett por vingança, e não porque algúem a estava controlando. Mas é no mínimo estranho ela estar se relacionando com quem estava, e termos essas revelações no final.

    E Adelle, nossa, ela virou uma máquina de disparar one-liners. A coisa pode estar sombria, e a personagem pode ser sombria, mas sempre conto com ela para me fazer rir. “I loathe Arizona” #eurri

  4. Raruiz

    Ao invés de Happy Family, acho que é Modern Family =D

    Resposta do Paulo: Rarará! Morte ao redator!

  5. Walber

    O episodio desta semana de Modern Family achei meio fraco, bom mesmo foi aquele do Natal.
    E realmente as crianças dão um show, apesar da maioria preferir o Manny, eu acho mais engraçado o Luke, acho engraçado o jeito dele falar, por causa da voz tmb.
    Aliás esta é uma das poucas séries em que todos os personagens principais são otimos.

  6. Fernando dos Santos

    SVU-Eu acho que agora os produtores estão procurando equilibrar as coisas por isso o Stabler ficou meio de lado.No início da temporada a série estava virando quase algo como L&O:Eliott Stabler e os demais personagens inclusive a Olivia ficavam quase apagados.

  7. Fernando dos Santos

    Vocês vão fazer review do especial de Family Guy que fez paródia de O Império Contra-ataca?

  8. neto paes

    Ohhh, alguém sabe alguma coisa de Drop Dead Diva?? O Fred saiu da série? Ele ainda volta?? Alguém????

  9. Tati Leite

    Modern Family: Quando a Gloria grita: “Manuel Alberto” eu gargalhei.
    E foi muito bom eles não colocarem o pai do Manny como ‘ameaça’.
    As crianças realmente dão um show. O Luke chorando achando que o pai iria morrer foi engraçado também.

  10. Mariana

    O Fernando tem razão, a paródia do 1º filme ficou muito muito bom, acho que a que a do Império Contra-Ataca merece review

  11. Paullo kidmann

    Modern Family sem comentários…Rocks!
    Dollhouse perfeitooo a série ta tudo, realmente é uma pena q vai acabar.
    dormente ou não a Dra. Saunders fez consiente afinal se ela estava esse tempo todo com o Boyd ela é cumplice dele…
    A meu Deus louco p ver o proximo epi.
    ´xoxo

  12. Nat_Series

    Espero anciosa pelo Lá Fora da próxima semana, com as estréias de Chuck e Being Human (será que alguém comentará?), volta de Legend of the Seeker, House, Castle, The Mentalist, Fringe, Sanctuary (outro que provavelmente ninguém vai comentar… sniff)…

  13. Mica

    Na verdade Legend of the Seeker já voltou…
    Being Human volta esta semana? Ah, eu quero minha internet, snif, snif.

    Dollhouse: fantástico. O episódio foi muito bom. E embora eu adore a Amy Acker e tenha sido maravilhoso revê-la no episódio, não achei que ela tenha se destacado dos outros em atuação para ganhar o MVP. Fui muito mais a Summer Glau neste episópdio. Mas, como o MVP é meio pessoal, deixe estar ^_^.
    Não sei se a Saunders atirou por ser dormente ou não. Eu não consigo enxergar um sentido real para a Rossum matar a Bennett (o Topher já havia entendido como reconstruir a Caroline mesmo). Mas fiquei com uma dor terrível ao ver a dor que ela causou em Topher. É bem verdade que o abestalhamento do Topher antes do tiro me irritou um pouco, mas era tão bonitinho ele apaixonado.
    E quem diria que a Bennett tinha um coração? Dá até para entender o motivo dela ter ficado com raiva da Caroline (embora nós saibamos que a chata da Caroline a deixou para salvá-la e não para a abandonar).
    Caroline é chata sim, sempre foi, mas Echo não está muito atrás. Porém gostei da hora que ela vai cobrar de Topher a diferença que ela vê em Paul. Sim, porque eu gostei dos dois terem perdido a conexão entre eles. E fiquei tão radiante quando revi Mellie. A forma como ela ficou feliz ao rever Paul, ao perceber que ele encontrou Caroline e que ela estava dentro da Dollhouse. E ainda ficou por lá até o final.
    A grande revelação entretanto foi Boyd. Coisa de louco! O que ele realmente tem em mente? E sua relação com a Saunders? Qual o verdadeiro propósito?
    E pensar que ele sempre soube de tudo, desde antes de tudo acontecer… Não é a toa que ele é um personagem bem mais interessante e gostável do que o chato do Ballard. Mas acho que preciso reassistir Epitaph One -_-.

  14. Thais Afonso

    Mica,

    Being Human volta essa semana, sim. Foi ao ar Sábado e saiu torrent acho que ontem.

    Quanto a Dollhouse, concordo plenamente que a Echo é tão chata e idealista quanto a Caroline. Tocraram gato por lebre, mas agente finge que não vê, porque tirando ela e Paul, todos os personagens estão ótimos nessa temporada. Também adorei rever a Mellie, e olha que eu nem gostava dela no começo! O mais engraçado, foi que no final ela foge com Adelle, de todas as pessoas!! Fiquei pensando, quem vai defender essas duas? Porque elas com certeza não conseguem bater em uma mosca, kkk.

  15. Thomaz Jr.

    MODERN FAMILY: Sempre esperei que Javier fosse um personagem “místico” como a Maris de Frasier ou o marido da Karen de Will&Grace. Era bem mais divertido a imagem especulativa que eu fazia dele do que sua presença.

    Aqueles depoimentos inicias das crianças foram ótimos.

  16. Raruiz

    Modern Family: Ainda acho o episódio do FIZBO o melhor até o momento. MAS, este teve muitos pontos altos. O Phil gritando que era cancer e que a morte tinha chegado eu CHOREI de rir. Me lembrou o Michal Scott quando ele queima o pé no George Foreman.

    Cougar Town: O elenco de apoio estava excelente, porém, a Lisa…Já vi ela em cenas mais engraçadas.

  17. Ketilly

    Sem dúvida esse episódio de Desperate foi memoravel, na mesma hora que você se emociona com a Gaby ela te faz literalmente chorar de rir que de todas foi a mais engraçada e triste apesar da caracterização ter sido a pior.
    A atuação da Felicity nossa demais como sempre ela ahazou.

    Mas agora mudando de assunto eu estava adorando ver a Bree mais livre dos seus principios e totalmente apaixonada fazendo loucuras, sinceramente sem dúvida queria que o Orson tivesse morrido mas fazer o que né, espero que a Bree tenha um bom desfecho e ache um novo amor, porque não consigo ve-la o resto da vida com o OrSON chatão.

    AGora courgar town realmente a Busy esta roubando a cena, morrro de dar risada dela com a Christa. E sinceramente a Lisa foi otima no episódio, porém sua participação ficou em segundo plano devido as cenas engraçadissimas e sugestivas como a do final elas comendo morango com o novo namorado (historia totalmente dispensavel) da Jules.

  18. Mônica A.

    The Good Wife – O episódio foi ótimo. Acho que o Peter está cada vez mais encrencado. E a mulher do procurador poderia ter dito algo mais. Também me sinto meio frustrada com a Alicia em relação ao Peter. Ela devia ter umas explosões com ele de vez em quando. Nunca vi uma mulher tão calma na situação dela. Mas o melhor do episódio foi o final. A risada da Diane foi tudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account