Log In

Spoilers

Lá Fora: episódios especiais de NCIS e How I Met Your Mother, a volta de Being Human e mais um crossover entre Grey’s e Private Practice

Pin it

NCIS - Flesh and Blood

Se me permitem editorializar este espaço, preciso dizer que o TeleSéries mais uma vez está enfrentando sérios problemas técnicos. Infelizmente, o caos aconteceu na pior semana possível: às vésperas do Golden Globe e no auge da mid-season, quando tínhamos textos incríveis de Os Simpsons e American Idol e ainda começamos a publicar nossa primeira review paralela com a exibição americana, de Chuck.

Os problemas nos obrigaram a publicar uma coluna Lá Fora única e maior que, infelizmente, ainda não deverá ser acessada por todos os nossos milhares de leitores. Mas não podíamos atrasar mais e seguimos com o barco.

A seguir, resenhas de NCIS (episódio 150, com Robert Wagner), How I Met Your Mother (episódio 100), nova temporada do reality Project Runway e da britânica Being Human, a estreia do desenho adulto Archer, mais um crossover entre Grey’s Anatomy e Private Practice, Bones (com alienígenas!), Castle (com Alyssa Milano), Desperate Housewives (com strip de Susan!), Dollhouse na reta final e ainda House, Cougar Town, The Big Bang Theory, Two and a Half Men e Men of a Certain Age. Não desista de nós! E se estiver acessando nosso site, deixe seu comment abaixo! (Paulo Serpa Antunes)

NCIS: Flesh and Blood (7×12)
Exibição: 12/1/2010
MVP: Michael Weatherly e Mark Harmon

Por anos soubemos que Anthony Dinozzo tinham um pai. E um pai que não era o melhor pai do mundo. Assim que eu soube da contratação do Robert Wagner para o 150º episódio da série, justamente para fazer o pai de Michael Weatherly, pensei que além da escolha ser perfeita (já que Weatherly interpretou Wagner num filme para TV sobre a vida de Natalie Wood), haveria um cuidado especial na apresentação da personagem. E, na minha opinião, os roteiristas superaram as expectativas.

O fato de Tony – que apesar de ainda algumas pessoas não perceberem – ser um dos melhores investigadores da série, ele perdeu completamente o controle com a presença do pai. Chegando a comprometer o seu trabalho.

O episódio foi alternado com momentos de diversão como o fato do ‘Dinozzo Pai’ ficar dando em cima da Ziva. E Gibbs ‘espancando’ Tony com o chapéu de cowboy. E a curiosidade absurda da Abby que no meio da investigação queria saber como era o pai dele (Tony) e se eles era parecidos. E Ziva que começa o episódio com um corte de cabelo e de repente muda ‘do nada’.

A conversa entre Gibbs e o pai de Dinozzo foi muito boa. Gibbs mostrou mais uma vez o quanto ele se importa com o seu time e que se alguém é a figura paterna de Anthony, esse alguém é ele. Destaque para a continuidade ao vermos ele lembrar que Tony quase morreu e nem assim o pai dele apareceu. (Tati Leite)

Bones: The X in the File (5×11)
Data de Exibição: 14/1/2010
MVP: n/a

Não se pode dizer que Bones é entediante já que tudo de extraordinário chega ao Jefersonian. Esses episódios não são o que a série tem de melhor, mas até que são engraçados e fogem um pouco da rotina. Se aliens existem ou não pouco importa, o legal foi ver cientistas tão céticos como Brennan acreditar neles.

Booth quase não apareceu, inclusive quem conduziu a investigação foi o xerife local. E o episódio se prendeu a relação de Wendell e Angela. Os dois são muito fofos juntos, mas eu não queria que esse relacionamento significasse a escolha dele como substituto de Zack. Gosto dele, mas eu também gosto dos outros.

E como assim Hodgins quer Angela de volta? (Lara Lima)

Castle - A Rose for Everafter

Castle: A Rose for Everafter (2×12)
Data de Exibição: 11/1/2010
MVP: Nathan Fillion e Alyssa Milano

Por semanas em seus twitters, Fillion e Milano, junto com John Huertas (Esposito), falavam do quanto tinha sido divertido gravarem juntos o episódios desta semana. Trocaram elogios, divulgaram fotos dos bastidores e etc. Isso, claro, criou expectativas sobre como seria o episódio. Alyssa declarou em entrevista após a exibição que já tinha sido convidada para participar em outras oportunidades e que quando leu o roteiro ficou contente com o que viu. Lê-se: não era a assassina. (risos).

O menos importante foi o ‘crime da semana’ a história serviu para nos apresentar a mulher que parece ter sido o grande amor de Castle. Como a própria personagem diz: quando ele era apenas Rick. E mostrar Beckett tentando disfarçar o ciúme porque no final das contas ela não foi (é) a única musa do escritor.

Eu gostei de cada detalhe do episódio e a química entre Alyssa e Nathan funcionou muito bem e é sempre interessante sabermos mais de como era a vida dele antes de se tornar o escritor bem sucedido que ele é. Já se comenta a possibilidade de Kyra aparecer novamente na vida de Rick mesmo ela tendo deixado claro para Beckett que a partir daquele momento Castle ‘era todo ela’. Destaque também para Parish falando para amiga que ela tem sim interesse em Castle, e Kevin e Esposito ‘discutindo’ qual dos irmãos Jonas (Jonas Brothers) é o mais interessante. Tudo bem leve e divertido como Castle sabe ser. (Tati leite)

Grey’s Anatomy: Blink (6×11)
Exibição: 14/1/2010
MVP: Eric Dane, Sandra Oh e Chyler Leigh

Eu acho que a Shonda deveria parar de trazer a Addison para o Seattle Grace. Não porque eu não goste da Addison, aliás, justamente pela razão contrária. Eu adoro a Kate e cada vez que a Addison retorna, me faz lembrar de que não importa o quanto a série estiver boa, tem sempre um pequeno elemento faltando. Addison muda a dinâmica de interação de vários personagens. Porém, ao contrário das outras vezes, ela não foi o destaque do episódio.

Sua trama, envolvendo Sloan Sloan, Mark e Lexie, foi mesmo dominada pelo trio, cujo arco finalmente culminou naquele ponto em que todos esperávamos: o ponto em que Mark teve que escolher entre sua filha quase adulta e sua namorada quase adolescente. Poderia ser clichê, mas foi tocante, e é tudo crédito de Dane e Leigh, em performances maravilhosas. Sandra Oh também merece ser mencionada, não só pelo desabafo com Teddy no final, mas porque sua trama foi a mais divertida e também foi muito bem atuada, e se eu tivesse mais duas vagas para MVP, daria para Cynthia Stevenson e Kim Raver.

Já o arco do Chief não me interessou em nada, pois não consigo mais sentir simpatia por ele. Ele tem uma doença, mas deveria ser consciente e se afastar do seu trabalho, antes que mais alguém inocente pague. (Thais Afonso)

Private Practice - Another Second Chance

Private Practice: Another Second Chance (3×11)
Data de Exibição: 14/1/2010
MVP: Paul Adelstein, KaDee Strickland e Molly Price

A resposta para sua pergunta é sim, mais um crossover. E pelo visto este não pretende ser o último. Dessa vez é Mark Sloan quem dá as caras em Los Angeles.

Normalmente eu criticaria essa carência da Addison e o fato de que do jeito que as coisas estão ela vai pra cama do primeiro homem que aparecer na frente. Mas em se tratando de Mark Sloan, eu compreendo perfeitamente. Brincadeira ^_^. Mas falando sério, alguém reparou que Sam ficou com ciúmes? Ah, por favor, Sam e Addison juntos não! Eu aturo Cooper e Naomi juntos, mas eles não.

Cooper, aliás, finalmente disse o que queria e o que não queria para Charlotte, aquilo foi pior que um tapa e olha que eu não sou muito fã de Charlotte, hein! Quero ver como fica a relação dos dois na clínica agora.

O episódio ainda teve Molly Price, sempre maravilhosa, uma pena que não souberam aproveitá-la melhor. E depois disso tudo (eu nem mencionei Dell tentando explicar a filha porque não a deixou ver a mãe) Maya está grávida.

Que novela!! (Lara Lima)

House: The Down Low (6×10)
Data de Exibição: 11/1/2010
MVP: Hugh Laurie

Eu nunca pensei que diria isso um dia, mas como foi chato assistir House essa semana! The Down Low foi bobo, sem graça e sem criatividade.

O paciente: um policial disfarçado chega ao hospital com vertigens induzidas por ruídos altos. Boring!! Pelo menos ele morreu no final, pra variar um pouco.

Enquanto isso Wilson tentava desmentir os boatos sobre sua sexualidade e House usava os boatos para dormir com a vizinha. Não entendi nada, nem Wilson tão interessado nela e muito menos House o ajudando no final. Again, boring!!!

E depois da saída de Cameron, Foreman e Chase ficaram sem lugar na série, também fiquei sem entender porque da ‘brincadeirinha’; se foi pra rir, ninguém avisou. (Lara Lima)

Desperate Housewives - You Gotta Get a Gimmick

Desperate Housewives: You Gotta Get a Gimmick (6×12)
Exibição: 10/1/2010
MVP: Felicity Huffman

Após o fenomenal episódio If…, Desperate Housewives retorna com o episódio mais fraco da temporada – e isso não quer dizer que tenha sido totalmente ruim. Se o passado não avançou muito na resolução do mistério da temporada, esse episódio não progrediu absolutamente nada nesse sentido, e nem mesmo Drea DeMatteo apareceu.

Mesmo assim as donas-de-casa conseguiram divertir seus súditos como sempre. Destaque óbvio para Susan, que herdou do falecido marido um clube de strippers, o qual será, certamente, palco para ótimas histórias. Paralelo a isso, Gabrielle enfrentou alguns problemas de “sangre”, na família. A trama de Bree foi delineada com a morte de Karl e agora terá de conviver com o carma que se tornou o marido-apêndice-sanquessuga, Orson.

Contudo, se teve algum momento nesse episódio que realmente teve vida, no mais filosófico sentido da palavra, foi na cena da discussão entre Lynette e Tom. Ela tem que ganhar múltiplos Emmys por essa personagem. E… quanto ao mistério, no próximo episódio deve ter algumas boas novidades.

“Yes…”, como diz Mary Alice narrando cada final de episódio, dá pra prever que a tal boate vai ser palco pra ótimas histórias. (Ivan Guevara)

Project Runway: Back to New York (7×01)
Data de Exibição: 14/1/2010
MVP: n/a

Essa premiere da sétima temporada de Project Runway só confirmou o que todos acharam da sexta temporada, que ela foi muito ruim e tudo deveria voltar como era antes. Nova York é a cidade certa, Michael Kors e Nina Garcia precisam ficar sempre como jurados e o mais importante de tudo: competidores talentosos. E aqui eles conseguiram isso.

Nesse primeiro episódio tivemos tudo o que faz Project Runway um dos melhores reality shows da TV: pequenos dramas (teve uma candidata que chorou o episódio inteiro, por nada), brincadeira com o artista convidado (escreveram TV Personality para Nicole Richie) e ótimas críticas, tanto com intuito destrutivo, como o construtivo.

Sinceramente espero que a série mantenha esse padrão e não comece a inventar muito. (Lucas Bonini)

How I Met Your Mother - Girls vs. Suits

How I Met Your Mother: Girls vs. Suits (5×12)
Data de Exibição: 11/1/2010
MVP: Neil Patrick Harris

Expectativa é algo que realmente pode acabar com muita coisa. A grande expectativa para esse centésimo episódio de How I Met Your Mother, estava centrada no musical. Desde o começo achei que seria um episódio musical, com todos cantando e dançando, mas para minha surpresa, foi apenas um número, no final, e claro, com Barney (Neil Patrick Harris, o melhor cantor da gangue) como protagonista.

Confesso que gostei da música e de como ela participou do episódio, apesar da coreografia mal feita da cena.

As descobertas envolvendo a mãe do título não foram nem um pouco empolgantes, Rachel Bilson foi desperdiçada com esse papel, pois qualquer atriz faria a mesma coisa e nem precisaria ser tão famosa quanto.

Mas, ao contrário do que possa parecer, o episódio foi divertido, mais pelo Barney do que pela trama central da série. Parece que os roteiristas tem medo de revelar a identidade da mãe e frustrar os fãs e não conseguir dar sequência a uma história. (Lucas Bonini)

Cougar Town: Scare Easy (1×12)
Data de Exibição: 13/1/2010
MVP: Courteney Cox e Ian Gomez

Há uns dias atrás, até menos, li em algum lugar que a cara de Courteney como Jules era sempre a da Monica competitiva – desculpe quem quer que tenha escrito por não lembrar o nome para a citação – com seus olhos arregalados.

Por mais que um lado meu pudesse concordar com esta afirmação, acabo encontrando mil coisas para não concordar. Talvez a principal decepção com Cougar Town é que este não é um seriado de uma estrela só como era esperado e boa parte das melhores cenas de Jules é porque existe uma troca – às vezes ela recebe a escada, às vezes ela a faz.

Neste episódio Courteney teve excelentes cenas e acho sua personagem bastante crível – nada fácil recomeçar, mais difícil ainda quando se vive um casamento de tantos anos – mas as melhores cenas cômicas foram por causa de Ian Gomez.

Seja quando ele aconselha Travis, sejam suas brigas de convivência com Ellie, seja quando ele sozinho consegue as piores caretas e tiradas que eu já vi – todas vez que eu tiver uma azia ou tiver de guardar um segredo vou lembrar de seu Andy agora.

Agora, Greyson: Shame on You!!! Encrenca da boa a caminho – fica o vizinho bonitão ou a melhor amiga descabeçada? (Simone Miletic)

The Big Bang Theory - The Psychic Vortex

The Big Bang Theory: The Psychic Vortex (3×12)
Data de Exibição: 11/1/2010
MVP: Jim Parsons

A esperada participação de Danica Mckellar (a eterna namoradinha do Kevin de Anos Incríveis) acabou apagada pela lanterna do Lanterna Verde, as mãos de Hulk, Bernadette e Howard, Raj paquerador e, principalmente, por Martha, quase uma versão feminina de nossa migo Sheldon – não fosse pelo fato dela estar interessada em uma relação mais física e ele não.

Confesso ter adorado a concepção de Martha – a cara dela ao ver a lanterna foi tudo – e adoraria vê-la novamente com Sheldon.

O namoro de Penny e Leonard, por outro lado, parece entrar em uma nova crise – epa, nem saímos direito da última – o que torna cansativo acompanhá-los. Seja por isso, seja por qualquer outro propósito, o maior tempo em tela dos demais nerds têm sido uma ótima saída para não sobrecarregar Sheldon e manter a história correndo. (Simone Miletic)

Two and a Half Men: Fart Jokes, Pie and Celeste (7×12)
Data de Exibição: 11/1/2010
MVP: Jon Cryer e Ryan Stiles

O lado perdedor de Alan podem cansar. Com exceção dos episódios em que ele se torna o mais perdedor de todos, com direito a compensar a falta de mulheres com a companhia e amizade de Herb – a despeito do ódio de Judith, até porque ele já está bem acostumado com isso afinal, não é?

Pois a dupla Jon Cryer e Ryan Stiles mostrou tudo que sabe com seus trejeitos e olhares insinuando a duplicidade por trás da solidão de ambos, com direito a impagável cena final com Alan atirando pedras na janela de Herb e este desabando da trepadeira ao tentar fugir de Judith – por mais previsível que isso tenha sido.

Charlie acabou ficando bastante em segundo plano, mas suas poucas tiradas com Alan e seus conselhos para que Jake reconquistasse Celeste, por mais que achasse isso uma tremenda perda de tempo.

No final das contas tivemos um dos melhores episódios desta temporada. (Simone Miletic)

Archer - Training Day

Archer: Training Day (1×02)
Exibição: 14/01/10
MVP: H. Jon Benjamin

Archer é um desenho adulto da FX, nos moldes do Adult Swin, que segue uma agência de espionagem um tanto quanto incompetente e um James Bond às avessas, Sterling Archer. A comédia animada teve um preview no ano passado, e retorna essa semana já no seu segundo episódio, o que pode não parecer uma estratégia muito brilhante da FX, mas eu garanto que ninguém vai ficar muito perdido na trama. Na verdade, é fácil se perder em Archer, mas são os diálogos rápidos e cheios de referências, algumas bastante obscuras, que farão sua cabeça rodar.

A estória em si é bem simples. Archer é um espião narcisista e rude que trabalha para a ISIS, a agência de espionagem dirigida por sua mãe. É uma grande paródia e não há realmente um arco maior por enquanto. Cada episódio teve sua trama e a desse se dividiu entre Archer ensinando o contador da agência e atual namorado da sua ex a se tornar um agente de campo e outra envolvendo sua mãe e o plano de saúde da agência. Apesar desse tipo de piada sobre burocracia ser normal na série, é mesmo Archer, e sua aparente falta total de caráter e bom senso, que se destaca. H. Jon Benjamin está fazendo um trabalho de dublagem fantástico e a série merece 20 minutos da sua vida. (Thais Afonso)

Being Human - Episódio 201

Being Human: Episódio 01 (2×01)
Exibição: 10/01/2010
MVP: Sinead Keenan e Russell Tovey

Eu gosto da forma como a BBC usa o site para interagir série e público. O blog sempre traz vídeos com informações, prequels, discussões e outros detalhes. Aproxima-nos desse mundo criado pela série, e proximidade é uma coisa que precisamos, principalmente após 10 meses de espera entre uma temporada e outra.

Essa temporada começou bem mais pesada do que toda a temporada anterior, e os primeiros minutos do episódio não me empolgaram muito (e cheguei a sentir uma raiva imensa do George, em especial pela forma como se deixou levar por Daisy. Sorte dele que se redimiu ao conversar com ela no hospital), mas em dado momento a série fez um ‘click’ (acho que foi a transformação de Nina) e tudo voltou a funcionar.

Muito bem feita a luta psicológica da Nina antes e depois de confirmar que foi contaminada. Fiquei emocionada ao ver George abraçado a ela no corredor do hospital. Horrível o que ela passará daqui para frente, mas é como disse Mitchell: ele, George e Annie passaram por isso sozinhos, Nina terá os três para buscar conforto.

A única que me decepcionou foi Annie. Não acho que ficar sólida e decidir ter uma vida depois de morta fez bem à personagem. Perdeu parte da essência dela.

E qual será o propósito dessa organização (ou seita, sei lá) que parece tão interessada nos lobisomens e que parece conhecer tanto de seres sobrenaturais? Lloyd é apenas um cientista ingênuo ou não tem caráter mesmo? Mistérios para a nova temporada. (Mica)

Dollhouse: The Hollow Men (2×12)
Exibição: 15/1/2010
MVP: Harry Lennix e Enver Gjokaj

Só eu tive que ver esse episódio várias vezes e rever o anterior? Eu achei a coisa toda muito confusa. Era muita informação, e o problema não foi só falta de tempo, porque tinha muita coisas desnecessária ali. Por exemplo, para que Victor e Sierra na Dollhouse tentando descobrir o que havia acontecido? É sempre um prazer ver o Gjokal encarnando o Topher, não só com todos os maneirismos do Fran Kanz, mas também imitando perfeitamente sua voz.

Mas colocá-los para descobrir o Boyd como traidor meio que retira um pouco da importância da Caroline. O fato de Clyde estar em outro corpo também não ajuda. Afinal, o que a Caroline sabia perde a relevância quase que por completo. E o fato de que a Rossum a queria para tirar seu fluido espinhal torna as coisas ainda mais idiotas, porque o Boyd podia muito bem te-la levado para Tucson logo depois de Meet Jane Doe para fazer isso.

E há o fato de que não importa tudo o que eles fizeram aqui, o fim do mundo virá, então esses quarenta minutos deixam a sensação de serem sem sentido.

Porém, algumas partes do episódio são entreterimento de primeira. Lennix encarna de forma genial sua nova faceta e o momento em que ele anuncia que ama Topher, Echo e Adelle, e que os considera sua família é brilhante por ser hilário e totalmente aterrorizante ao mesmo tempo (e explica porque diabos eu não deixou a Rossum matar a Adelle). E o que dizer de Topher nomeando sua criação, o Thoughtpocalypse? (Thais Afonso)

Men of a Certain Age - Powerless

Men of a Certain Age: Powerless (1×05)
Exibição: 4/11/2010
MVP: Ray Romano e Marshall Allman

Finalmente vemos os homens de meia idade enfrentando problemas de homens de meia idade – Owen está sem luz em casa (e pode ter sua obra embargada pela prefeitura) e Joe precisa lidar com o garoto que está perseguindo sua filha. Para resolvê-los, no entanto, pensem em atitudes bem infantis. Voilà, um episódio bem previsível de Men of a Certain Age, mas tão envolvente como os demais (destaque para as citações de Rocky e a participação do ótimo Marshall Allman, o LJ de Prison Break, fazendo papel de adolescente).

E Terry? Bom, este segue com problemas típicos de teenager, saindo com duas garotas ao mesmo tempo e deixando uma delas plantada (já falei que amo o nariz torto da Carla Gallo?).

Já escrevi esta semana no meu Twitter (aqui), mas repito: Men of a Certain Age é a melhor série que você não está assistindo. E é bom começar a assistir, pra não ser surpreendido quando Ray Romano, Andre Braugher e Men of a Certain Age aparecerem em julho na lista de indicados ao Emmy. (Paulo Serpa Antunes)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

25 Comments

  1. Jessica

    Não desisti de vocês, não! Está difícil mas estou aqui. :)

    Aperto o F5 várias vezes até funcionar. hahaha

  2. Isabela

    Adorei o crossover de Grey’s com Private Practice. É sempre bom ver a Addie de volta ao SGH. <3

  3. Tati Siqueira

    Eu só assistir o Pedaço de Private desse Crossover, mas deu para entender /-…..rsrsrsr. Maya Grávida??????A mãe dela vai mata-la pode ter certeza. Os episodios de Private Pratice, estão cada vez melhor!!!!

  4. Carla

    Tbm não desisto do Teleséries nunca!! =P

    Semana passada tava mais difícil de acessar o site – mtos F5s e teve um dia q sequer abriu.

    Mas hj a coisa melhorou! agora, por exemplo, abriu direto! =)

    Sobre o post, só vi TBBT!!

  5. Pedro Paulo

    O crossover de Greys foi muito bom por dois simples motivos: Eric Dane mostrou talento quando necessário, ao invés de ser apenas o garanhão de sempre.

    Cheguei a pensar por um momento que ele iria mesmo para LA.

    O segundo motivo foi ver mais um BANHO de interpretação da KaDee… sério, o que foi o lava-roupa da Charlotte e do Cooper? Emmy pra ela já!!!!!

    Maya grávida… tá F**IDA!!!!

  6. Daniele

    Mica também estou super curiosa com o q vai acontecer no Being Human e achei mto linda a cena da Nina com o George no hospital….ah, e o Mitchell chegando em casa e querendo saber quem era o cara “q para mim é um espião”

  7. Roseana

    Faltou legend of the seeker com o episódio sensacional da volta da Deena!

  8. anderson

    The bigbang Theory esta cada vez mais fantástica. E ate two and a half men deu uam melhoradinha.

    agora, sobre House, o último q sair apague a luz ta?

  9. Mica

    Só consegui assistir o episódio de Legend of the Seeker mais tarde, por isso não escrevi o review, Roseana. Mas confesso que tive vontade de escrever depois de ter visto o do último sábado (embora o anterior tenha sido bem melhor, Denna SEMPRE merece algumas palavras minhas ^_^). Infelizmente estava sem condições de usar a internet ou mesmo o computador por uns motivos pessoais e não consegui escrever a tempo :-(

    @Daniele, essa do ‘cara é um espião’, me faz lembrar que o ator foi regular em Spooks, série inglesa de espionagem ^_^.

  10. Cristiane Martins

    Esse House não seria numero 11, pois lí que Wilson conta sendo o episodio 10, e vocês sabem quando a Universal volta, com episódios novos???
    Obrigada.

  11. Luiza

    Jamais desistiria do teleséries,fiquei sem entender qdo. não consegui acessar,mas após algumas tentativas deu certo,afinal aqui é para onde corremos quando buscamos informações e boas resenhas sobre nossas series.Aliás,eu gostaria que alguem me esclarecesse algo que me deixou intrigada,assisti ao ep 11 de FRINGE_POR FAVOR QUEM NÃO BAIXA PODE TER SPOILER NA MINHA PERGUNTA ENTÃO NÃP LEIA,e fiquei boquiaberta com a presença do agente Francis-primeiro achei que era tipo um fantasma que só a Olívia tava vendo,mas depois ele interagiu com um 3º personagem,será que perdi algum apsodio de ressureição?alguem sabe o que aconteceu??

  12. Fernando dos Santos

    NCIS-Eu sempre achei estranho o fato dos pais do Dinozzo não terem aparecido quando ele foi dado como morto.Ainda bem que os roteiristas lembraram de voltar ao assunto.

    Grey’s Anatomy/Private Practice-E a desesperada ABC segue fazendo incontáveis crossovers entre seus dramas médicos.O crossover é um recurso pra marcar uma ocasião especial,um evento significativo, um fato diferente.Não é pra ser banalizado desse jeito apenas porque os índices de audiência estão aquém do esperado.

  13. Thiago FLS

    Luiza, esse episódio de Fringe foi na verdade um episódio perdido da primeira temporada, que havia sido pulado pela Fox. Na segunda temporada, o agente Francis continua morto.

  14. Mauricio Costa

    Eu adorei esse episódio de House. E consegui enteder toda a dinâmica do house e do Wilson em relação à vizinha. Na verdade, não tinha nada a ver com ela e sim com eles. Era um jogo entre os dois. E todo mundo sempre reclama do Foreman se achar mais que os outros. Então, também entendo os companheiros de equipe tentarem fazê-lo descer do pedestal. Lara, vc deve ter perdido o senso de humor!

  15. Majo

    Lamento muito os probelmas que voces estão tendo, pois deve fazer ums tres anos que vivito o site todo día. Sou uruguaia e moro no uruguay,e quando começou a aparecer uma pagina que dizia que eu não tinha autorização para ver o site, entrei em pánico, achando que por morar em outro país estava dando galho, por isso fiquei aliviada de saber que na verdade e um problema técnico para qualquer um, seja de onde for. Adoro o trabalho de voces

  16. Lara Lima

    Maurício Costa
    Talvez. É possível. Ou você pode considerar a possibilidade de que o humor da série está horrível. Ou ainda que gosto é gosto e cada um tem o seu, não é verdade? Eu entendi a razão da brincadeira com Foreman, só achei ridículo eles procurarem a Cuddy arrependidos. E House e Wilson já tiveram jogos melhores, na minha opinião. Mas é isso mesmo, talvez a série não me empolgue mais.

    Abraço!

  17. Mauricio Costa

    Eles procuraram a Cuddy arrependidos porque pensaram que o Foreman iria se demitir sem ter outro emprego a vista. Então, nada mais do que normal eles terem se arrependido achando que a brincadeira tinha ido longe demais. E nada mais normal vê-los fazendo esse tipo de coisa depois de conviverem com House. Até a Cuddy e o Wilson aprenderam. E Foi o que pensei que talvez a série não te empolgasse mais. Acontece, é normal. Tem muitas séries que eu adorava que já não me empolgam mais como CSI, Law & Order SVU, Lost, Desperate Housewives, entre outras. Não digo que são séries ruins porque realmente não são. Mas me desencatei. Acontece!!

  18. Danilo

    Grey’s Anatomy.
    Gostei do episódio, Sandra tava ótima mesmo, pra mim Cristina é a melhor personagem de Grey’s, às vezes só assisto por ela mesmo. E a Lexie também me conquistou. E esse episódio foi do “triângulo”.
    E concordo com você que apesar de ser bom ver a Addie no Seatlle Grace, a gente percebe que falta alguma coisa.
    Ah, senti falta da Arizona. E to gostando da Teddie.

    Desperate Housewives.
    A Lynette/Felicity foi de novo dona do episódio.
    Foi fraco mesmo, o mais fraco da temporada, mas me divertiu, especialmente a Susan que andava desgastada.
    E de fenomenal no “If…” pra mim, só a Lynette.
    Não que não tenha gostado do episódio, mas acho que as outras tramas não funcionaram tão bem.

    Cougar Town.
    Assisti semana passada, então não lembro muita coisa.
    Adoro ver a série, mas tipo, eu sei que não é excepcional, mas me divirto.

    Ah, não teve review de Modern Family =(. Ri muito com o cachorro.

    Semana que vem começa Damages. Vai ter review?

    Abraços. =)

  19. Graziella

    Teleséries é a minha página inicial e não pretendo mudá-la tão cedo. Espero que vocês consigam resolver os probleminhas técnicos porque esse site é ótimo. Vocês são demais ^^

  20. Lara Lima

    Maurício
    Não concordo com você, mas acho que já ficou claro. O que posso dizer é que fico feliz que você gostou do episódio. Pelo que li muitos também gostaram. Fico feliz. A série é excelente – apesar desse episódio.

  21. Paullo kidmann

    Dollhouse. Epi confuso msmo…acho q parcela disso foi por que esperei dmais dele hehehe

  22. Mica

    @Graziella Teleséries também é minha página inicial. Ou era, enquanto eu usava o Internet Explorer até o finalzinho do ano passado (o Chrome entra em outra página que eu acho mais prática, já que não guarda os endereços no browse).

    Sobre Dollhouse…eu amei o episódio anterior, mas esse eu achei muito estranho. Sei lá, ficou com cara de coisa feita as pressas. Boyd como o fundador ficou sem sentido e, confesso, não entendi qual era a dele de verdade (quero dizer, entender eu entendi, mas não tinha lógica e o Boyd sempre teve lógica, então deveria mantê-la sendo o fundador). Também achei errado trazerem Victor e Sierra de volta e matarem Mellie.
    Tudo pareceu absurdo demais, principalmente para uma temporada que estava num crescendo constante. Sem falar que a importância da Caroline foi pelo ralo (e esse negócio de fluido é a coisa mais ridícula da face da Terra). E em Epitaph One eles mencionam muito a Caroline (que é parceira do Ballard, mas o relacionamento dos dois é só isso), mas nesse episódio a Caroline sequer apareceu! Quero dizer, ela teoricamente estava dentro da Echo novamente, mas aparecer que é bom, neca de pitibiribas.
    E como eles se safarão da explosão de um prédio em plena cidade?
    Ficou a desejar, definitivamente.

  23. Hadassa

    Amei a materia…quero muitooo assistir os epiisodios de Private Practice…mas a Sony tá repetindo os episodeos do ataque de Charlotte…e eu não aguento mais ver isso de novo..como faço pra assistir os novos episodeos até q a sony decida voltar??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account