Log In

Spoilers

Lá Fora: Dexter, V, Heroes, The Good Wife e um desenho animado de Doctor Who

Pin it

The Big Bang Theory - The Vengeance Formulation

A semana foi marcada pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos e as comemorações se estenderam por alguns seriados, como How I Met Your Mother, Heroes e NCIS, que ganharam resenhas nesta edição da coluna Lá Fora.

Mas a coluna tem ainda mais: um desenho animado de Doctor Who, a participação de Katee Sackhoff em The Big Bang Theory, um episódio de Natal de Lie to Me, House dividindo opiniões e elogiados episódios de The Good Wife, Dexter e V. Confira e deixe seu comment.

The Big Bang Theory: The Vengeance Formulation (3×09)
Exibição: 23/11/2009
MVP: Simon Helberg, Katee Sackhoff e Kunal Nayyar

Finalmente assisti a um episódio de The Big Bang Theory que correspondeu à altura o hype criado em torno dessa temporada.

The Vengeance Formulation teve duas storylines. A primeira, que intitula o episódio, narrou a vingança de Sheldon pra cima de Kripke, que o humilhou ao encher de hélio sua sala durante uma entrevista de rádio – as tiradas de Raj foram perfeitas! A resposta, de maneira relativamente “científica”, mostrou o quanto química pode ser legal, que homicídio por envenenamento nem sempre é a resposta, que no momento certo uma almofada de peido provoca boas risadas e sempre, sempre se deve ter uma maneira de abortar uma vingança – ou, no mínimo, procurar não declarar a autoria da mesma!

A segunda teve os receios de Howard (espécie de “censura-livre” do Quagmire de Family Guy), sobre Bernadette: é só um rolo ou deve virar algo mais sério? Como a meta dele são mulheres do tipo Megan Fox ou Katee Sackhoff, dá pra ver que seu conflito é imenso. A decisão veio numa conversa com a “Head Starbuck” (faltaram mais referências a Battlestar Galactica, não?), que numa participação relâmpago, colocou um pouco de juízo na cabeça desse maluco. Claro, ele pediu Bernadette em casamento e ainda fez um musical patético, mas que criou juízo, criou sim. (Thiago Sampaio)

How I Met Your Mother - Slapsgiving 2: Revenge of the Slap

How I Met Your Mother: Slapsgiving 2: Revenge of the Slap (5×09)
Data de Exibição: 23/11/2009
MVP: Alyson Hannigan e Neil Patrick Harris

Tinha tudo para ser um dos grandes episódios da temporada e até da série, visto que a combinação de Ação de Graças e a aposta do tapa já fez muito bem para a série antes. Porém dessa vez parece que a expectativa foi grande demais para ser correspondida.

Encontro entre familiares sempre é um grande marco nas séries, mas dessa vez, Lily encontrando seu pai foi tudo, menos um grande acontecimento.
Por mais que seu olhar de “Você está morto para mim” tenha sido engraçado, assim como alguns dos jogos de tabuleiro, toda essa situação se mostrou extremamente piegas, exatamente aquilo que não era para ser.

A aposta do tapa, o grande evento do episódio, também foi uma decepção. No começo até foi engraçado com a disputa entre Robin e Ted para ver quem iria estapear Barney, e as caretas e reações do último, porém o piegas do assunto familiar se juntou com o piegas dos casais da série e tudo saiu fora do controle, mesmo a série tentando fazer uma sátira dos episódios comemorativos..

Mas no fim conseguiram se redimir com as crianças jogando o Jogo do Tapa. Bem incorreto mas ao mesmo tempo bem no melhor estilo da série. (Lucas Bonini)

House: Ignorance Is Bliss (6×08)
Exibição: 23/11/2009
MVP: Lisa Edelstein

Ignorance Is Bliss é o episódio em que os erros da quinta temporada são retomados, não todos, mas boa parte deles, e conseguimos entender o que funciona e o que não funciona quando o assunto é House.

No primeiro episódio da temporada tivemos só House. E foi perfeito. Depois tivemos House menos sarcástico, mas não menos infeliz, e a nova equipe e ainda funcionou. Aí tivemos House e a velha equipe e foi perfeito. Aí veio o desastre da saída da Cameron com um House maldoso e sarcástico.

Neste episódio tivemos um House infeliz e maldoso, uma nova equipe em que Chase ficou apagado e Foreman me irritou. Fiquei esperando algum grande segredo por trás da doença do físico que abandonou tudo para ser entregador e não veio.

O que mais gostei, no final das contas, foi Cuddy se protegendo do estrago que House queria fazer em sua vida. Resta torcer para que o House que apareceu no finalzinho do episódio volte na próxima semana. Acho que com todo o resto eu consigo conviver. (Simone Miletic)

The Good Wife - Threesome

The Good Wife: Threesome (1×09)
Data de Exibição: 24/11/2009
MVP: Chris Noth e Juliana Margulies

Imagino que essa seja a vida de esposas como Alicia. Como destaquei uma vez, acho admirável a serenidade delas, mas Julianna superou expectativas ao conseguir, tão facilmente, achar o tom para a personagem: uma mulher que não enxerga o que acontece a sua volta, não por ingenuidade ou cegueira, mas por ter uma genuína confiança. Fica claro até mesmo na relação com os filhos; ela parte do princípio de que eles serão sempre honestos e sinceros com ela assim como Peter. Em vez de procurar prostitutas pra satisfazer fantasias como ménage ele a procuraria porque eles se amavam. Pra mim Peter a amou um dia, mas hoje ele ama a idéia de ter alguém o esperando em casa, de alguém que não vai abandoná-lo, mesmo que seja por amor aos filhos.

E com a vida particular exposta para o mundo Alicia defendeu Jonas Stern, um dos donos da firma que se envolveu em um acidente e sua melhor defesa seria revelar que tem demência. Um dos melhores episódios de Good Wife que nos surpreende a cada episódio; eu não esperava que a trama caminhasse de forma que Will fosse o inescrupuloso e Peter o injustiçado. Mas o grande mérito da série está em nos deixar divididos sobre amor, fidelidade e perdão. (Lara Lima)

V - It's Only the Beginning

V: It’s Only the Beginning (1×04)
Exibição: 24/11/2009
MVP: Mark Hildreth, Morena Baccarin, Joel Gretsch

Muito em breve precisará decidir o que é. Padre ou soldado.

Esta é tarefa que Jack tem em mãos, mas comparado à de Erica (voltar a confiar nas pessoas), Ryan (convencer Valerie a não tomar a vacina) e Tyler (escolher entre sua mãe e futura sogra), isso parece ser muito fácil. O flashforward inicial prometeu muito e nada cumpriu, mas como estamos falando de V, sempre há excelentes surpresas.

O que mais surpreendeu foi ver Joshua tendo que matar seu amigo e companheiro da 5ª Coluna, David, o qual deu sua vida pela causa do grupo. Outro personagem que vem crescendo maravilhosamente é Padre Jack, o qual já foi um soldado e talvez tenha que voltar à guerra em breve. E finalmente tivemos mais informações sobre as curas miraculosas que na verdade, não passam de uma armadilha para a dizimação dos terráqueos.

Quem é e qual a real poder e importância de John May? Joshua conseguirá ser tão eficaz sem seu companheiro? Chad está doente de verdade? O que acontecerá com Jack? (Henry Akashi)

Heroes: Thanksgiving (4×11)
Data de Exibição: 23/11/2009
MVP: Cristine Rose

Não posso negar: Heroes me conquistou com a quarta temporada. Tenho escrito entuasiamadamente sobre os episódios, com uma esperança que devoto a poucas séries. Com o décimo primeiro Thanksgiving, minha opinião não muda. Só que, também, eu não posso deixar de pensar que, talvez, isso aconteça mais pela recuperação heróica da trama do que pelo próprio enredo de fato.

Eu me pergunto por que as pessoas continuam a achar Heroes confuso, complicado e, por vezes, sem sentido. E penso que o caminho tortuoso percorrido pela série nas temporadas passadas tenha feito os fãs desistirem dela. E agora, como diz minha avô, já passou muita água por debaixo dessa ponte.

Neste episódio, temos um jantar de ação de graças com todo drama, tango e tragédia de uma família com sangue latino, mas que, ao contrário, são os Petrelli. Cortes de cena, fotografia, atuações muito bem feitas. Sem contar a minha insistência em elogiar o excelente ator, com uma ótima história nas mãos, que é o Robert Knepper.

Do meu sofá, eu vejo a vontade de Heroes de dar certo. Isso é louvável. Mas mais do que isso, eu enxergo o respeito ao público ao tentar transformar a série, novamente, em um entretenimento bem construído. Mas talvez, deixando meu otimismo de lado, realmente esteja tarde demais. (Rafael Maia)

Doctor Who - Dreamland

Doctor Who: Dreamland
Exibição: 21 a 26/11/2009
MVP: David Tennant

Este ano Doctor Who não voltou com uma temporada completa, mas a BBC não nos deixou órfãos. Além dos quatro especiais, o Décimo Doutor ainda fez uma brilhante participação na terceira temporada de The Sarah Jane Adventures, e essa semana nos apresentaram diariamente a animação Dreamland. David Tennant está se despedindo do seu papel como Doutor, mas não sem nos brindar com alguns agradinhos.

Dreamland teve seis episódios que alternavam entre 12, 7 e 6 minutos cada e foram emocionantes. A história se passou 11 anos após a queda da espaçonave em Roswell. Totalmente por acaso o Doutor se viu capturado (juntamente com a garçonete Cassie e Jimmy, um rapaz amigo da garota) pelo exército americano que havia se aliado a uma raça alienígena (os Viperox). Entre fugas, muita correria e ainda a chance inimaginável de encontrarem um alienígena da raça dos Grey, o Doutor consegue convencer o Coronel Stark de que Lord Azlok – o manda-chuva Viperox – iria destruir a Terra tão logo conseguisse seu intento: matar o casal Grey (pois é o DNA de um deles que ativa a arma que consegue destruir por completo os Viperox).

O mais legal é que o Doutor se nega a aniquilar os inimigos, pois ninguém tem o direito de extinguir uma raça inteira (e ele sabe bem do que está falando), além do mais, no futuro os Viperox irão se redimir e mudar totalmente. Então ele dá o seu ‘jeitinho’ de sempre e consegue afugentá-los da Terra e tudo termina bem quando se está bem.

Por curiosidade, vale dizer que a companheira do Doutor nessa aventura é dublada por Georgia Moffett (a filha legítima do ator que interpretou o Quinto Doutor), que já participou da série como a filha do Décimo. Só não entendi por que não acrescentaram o nome de Tim Howar na abertura, já que seu personagem segue o Doutor tanto quanto a de Georgia. (Mica)

Dexter: Hungry Man (4×09)
Data de Exibição: 22/11/2009
MVP: Michael C. Hall e John Lithgow

Está temporada tem destacado um trabalho excepcional de John Lithgow e Michael C. Hall mas, mais do que isso, um estudo mais do que aprofundado na natureza humana.

Seja por Arthur Mitchell, que criou um mundo de faz de conta para esconder sua verdadeira face, na qual espanca seu filho constantemente e aprisiona sua própria filha a fazendo se entregar para qualquer homem na esperança que este a tire de casa. Ele mata diariamente sua própria família enquanto todos a sua volta o acham um exemplo a ser seguido.

Dexter, que no início se deslumbrava com a máscara que Arthur Mitchell usava, e enxergava nele seu futuro, agora mais do que nunca se assusta ao encarar uma parte de sua natureza. Ele tenta acreditar que é diferente de Trinity Killer, mas como ser diferente se ele não sente nada por ninguém e todos seus familiares e amigos são apenas uma máscara para a sociedade? E mais do que isso, mesmo que hoje sinta amor de verdade por Rita, seus filhos e amigos e sinta remorso ao tirar a vida de uma pessoa “inocente”, será que isto realmente o torna diferente de Arthur Mitchell?

E seria a esposa de Arthur Mitchell vitima ou cúmplice? Ela talvez não saiba que ele é um assassino, mas acho que o que ele faz com sua família é tão cruel quanto tirar a vidas de inocentes, e nisso ela foi omissa, ou condicionada a aceitar.

E que virada de 180º no final do episódio, com a descoberta que a namorada de Quinn, Christine, é filha de Trinity Killer e é a responsável por atirar em Debra. Sem sombra de dúvidas, esta é a temporada mais imprevisível da série. (Paulo Fiaes)

Lie to Me - Secret Santa

Lie to Me: Secret Santa (2×08)
Data de Exibição: 23/11/09
MVP: Tim Roth e Kelli Williams

Lie to Me resolveu adiantar seus episódios de feriado, já que entra em hiato em dezembro – e era isso ou não fazer episódio de feriado nenhum. Particularmente, não gosto muito de ver episódios de feriado fora de época, porquê não consigo me emocionar com aquele clima. Mas com a ida de Lightman para o Afeganistão, Secret Santa se tornou um episódio de Natal americano atípico e rendeu bem mais do que eu esperava.

A divisão com Cal em campo e Gillian coordenando o caso do escritório com Torres e Loker criou uma dinâmica inédita e interessante. Essa temporada está inovando bastante e estou gostando bem mais dela do que da anterior (que achei apenas mediana no geral). O caso do agente secreto que é abandonado e trai os EUA foi interessante, mas houveram muitas reviravoltas, tiros, explosões, e a trama ficou um pouco embolada e recebeu um final apressado e que não fez sentido algum. Talvez fosse melhor sem a storyline dos soldados americanos sequestrados.

Por outro lado, as partes que não tiveram nada a ver com o caso foram fofas. Finalmente estou aprendendo a gostar da Emily, e já tenho um novo não-casal para adorar, Cal e Gillian! Tensão sexual não resolvida cada dia mais aparente! (Thais Afonso)

NCIS: Child’s Play (7×09)
Data de Exibição: 24/11/2009
MVP: Mark Harmon e Madeline Carroll

Tem episódios que são maravilhosos e episódios horrorosos. E tem ainda aqueles que ao acabar você pensa: ok. E em pouco tempo terá dificuldades de lembrar-se da história. Pra mim esse foi o caso do episódio da semana.

Tudo bem que Mark Harmon consegue ser ótimo até comendo um cupcake e que todas as cenas dele com Madeline Carrol (Angela) foram boas. Em especial a cena no elevador.

De resto, foi tudo muito previsível. O fato de Gabriel Olds ser um ator que frequentemente aparece em seriados pode ter contribuído. Assim que o vi pensei: é o culpado. A única coisa que poderia ter mudado isso seria a menina estar manipulando a todos. Não que fosse algo muito original. Até Dinozzo que sempre me diverte estava um tanto ‘engraçadinho demais’. Claro que eu ri com algumas de suas referências mas houve momentos que mandei ele calar a boca.

O jantar de Ação de Graças na casa do Duck foi um final esperado para um episódio sem surpresas. E por mais que eu adore todos juntos como uma família esperava mais. Tudo bem, não dá para ser perfeito sempre. E NCIS sempre tem uns episódios mais tranqüilos antes de grandes episódios. (Tati Leite)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

19 Comments

  1. Lucas Vieira

    TBBT simplesmente genial, melhor episodio da temporada sem sombras de duvida, rir d com Sheldon Sensacional e Howard Hilario, se continuar assum TBBT recupera com certeza os bons momentos das temporadas anteriores.

    Howard Vergonha Alheia
    Genial aquela musica no final
    Sheldon com uma vigança sensacional e o video dele, citando Raj e Leornard insuperavel
    Vou voltar para India. Qual seu plano? – Raja para Leornad d

    SINCERAMENTE SEU HOWARD WOLOWITZ
    Sensacional!!!

    Q episodio genial, do começo ao fim

  2. anderson

    DEXTER ta genial!!!

    Michael C Hall ta supremo (emmy pra ele pelo amor de deus!!!) e John Lithgow nem se fala.

    Foi interessante até aqui ver q Dexter tinha várias idéias sobre Trinity, no começo achava q era um lobo solitário, após descobriu q tinha família e ficou maravilhado, achando q ele poderia fazer o mesmo e continuar com seu monstro interior e ter uma família, e nesse episódio ele se dá conta do preço q a família de Trinity paga ao viver por tanto tempo com um psicopata.
    Excelente trama.
    E os personagens secundários tb estão evoluindo.

    Melhor temporada até aqui sem dúvidas.

  3. Thais Afonso

    O que mais gostei nesse episódio de House também foi a Cuddy, Si. Estou gostando dessa fase dela em que ela está conseguindo evitar ser arrastada pelo imã House. Porque já estava na hora de ela parar de jogar com ele, se isso é tão ruim pra ela. E se não é ruim, que ela fique logo com ele, ué.

  4. Fernando dos Santos

    Dexter-Ainda não vi essa temporada, mas se tem o John Lithgow interpretando um maníaco então deve estar muito legal.Nos filmes Um Tiro Na Noite e Sindrome de Cain(ambos de Brian DePalma) ele já fazia este tipo de papel e de forma brilhante.

  5. Fernando dos Santos

    The Big Bang Theory-Agradeço ao editor pela escolha da bela fotografia que ilustra o post.

  6. Thiago Sampaio

    The Big Bang Theory Pra mim, TBBT está longe de ser a melhor comédia da temporada, mas tem seu fator de diversão e finalmente nesse 3º ano tivemos um episódio à altura. Escolher os três melhores em cena foi muito difícil. Katee infelizmente apareceu pouco, mas eu tinha que colocá-la. Os biquinhos dela foram perfeitos. E entre os três nerds, tive que colocar o Sheldon de fora porque ele já tem destaque demais. De resto, bom episódio, mas a série ainda precisa fazer muito pra ser considerada a melhor.

    House Ó o tabu: mesmo nas três primeiras temps, nunca me importei com o trio de funcionários do House, apenas ele, Wilson e a Cuddy. Gostei bastante da 4ª temporada, e apesar de alguns solavancos na 5ª, tô chegando à (tardia) conclusão que: odeio Foreman, Chase é um inútil, Cameron era a melhor dos três e infelizmente saiu, Kutner não precisava ter morrido, Taub tá ficando um ótimo personagem, a Thirteen até que está me agradando nesse ano, Wilson precisa aparecer mais, Lucas não tinha nada que voltar e esses jogos de amor entre House e Cuddy estão indo longe demais! Simone, Cuddy foi mesmo uma das coisas que funionou essa semana, mas ela também precisa ser tão profissional em mind-games?

    The Good Wife Ainda não assisti o dessa semana =T

    V Hanry, achei o flash da cena inicial algo muito cantado. Muito, muito óbvio mesmo que Ryan não ia atirar em Erica. No mais, o dilema do padre/soldado até que funcionaria melhor, se esse episódio não fosse tão fraquinho (infelizmente, o que abre até março o hiato da série). E precisavam ter achado um ator melhor pro papel de Tyler: o personagem é importante demais pra ser interpretado por alguém tão limitado. Chato é que, insisto, serão muitos meses de espera por um novo episódio e achei muito fraco o gancho de Jack entre a vida e a morte. Achei muito melhor a reação de Ryan ao saber que a esposa está grávida do híbrido deles…

  7. Claudemir A. Zamproni

    Ainda não assisti ao episódio acima citado de “THE GOOD WIFE”, mas já vi a foto e, pelo conteúdo da resenha, não gostei do rumo que a trama pretende tomar. Não torço para o happy-end de Alicia e Peter; seria um retrocesso, e, agora que ela está saindo do casulo, então, vivendo a vida, realmente, por mais amor que haja entre os dois (ele?!?!), perde toda a coerência que vinha pautando a série. Mas, primeiro, vou assistir.
    “DEXTER”, ah!, “DEXTER”, não tem o que falar. sensacional é pouco; a gente fica impaciente, aguardando pelo próximo episódio… nesta quarta temporada, muitas cartas ainda estavam guardadas na manga. Ainda bem!!! Já vi também o “THE BIG BANG THEORY”, o “HOW I MET YOUR MOTHER” e o “V” e gostei, muito, mas muito mesmo dos três. O que atrapalha, como já disse, é esperar pelo episódio seguinte.

  8. Jessica

    Eu acho que já está mais que na hora da Academia reconhecer o quanto brilhante Dexter é, e dar um prêmio pro Michael C. Hall.

  9. Henry Akashi

    Thiago… acabei de falar em outro blog q o grande problema de Tyler está em seu intérprete e não na construção do personagem.O ator é muito muito muito ruim e não consegue expressar nada pelo seu rosto… Sem contar que aqwuela franja caindo o tempo todo… me irrita.
    O episódio em si eu gostei. Achei interessante essa jogada gravidez de Valerie…
    Mas fiquei impressionado mesmo e muito feliz com a trama de Joshua. Adorei. Só lamento a saída de Tudyk, que ainda tenho esperanças de vê-lo novamente como Dale (humano ou V… tanto faz)

  10. Silvia_05

    House – a única coisa boa foi que pararam de tratar a Cuddy como uma adolescente apaixonada retardada. Droga!!! A 13 voltou. O resto eu nem sei o que dizer.

    TBBT – deram espaço pro Howard e ele surpreendeu. Sheldon é insuperável e Raj tá melhorando. Leonard poderia assumir outra postura. O carinha desajustado-que-não-pega-ninguém já não serve mais prá ele. O namorado ciumento pode ficar chato logo,logo. Tomara que pensem algo além disso.

    Dexter – beira à perfeição. Mas levo medo de Breaking Bad fazer estrago este ano denovo. Mas que MCHall tá merecendo um Emmyzinho, tá.

  11. Cristina

    Dexter
    Fantástico!

    V
    Estou gostando bastante, mas tb acho o Tyler um horror.

    House
    O trio pra mim sempre será: House, Cuddy e Wilson. Essa série eu sempre gosto, mesmo quando o episódio não é genial.

    Lie to Me
    Não sei exatamente explicar o pq, mas adoro essa série.

  12. Fernando dos Santos

    Sugestão para o Teleséries:
    Vocês poderiam fazer reviews sobre Misfits.É uma sci fi teen britânica que promete revisitar o universo dos super-heróis mas de forma ousada.Ainda não vi, mas pelo que andei lendo o grupo de jovens super-poderosos que protagoniza a trama é tão pervertido e devasso quanto os jovens de Skins.
    Parece bastante promissora, pois é produção inglesa e naquele país como já se sabe as séries tem mais liberdade para ousar e os roteiristas geralmente conseguem evitar cair na apelação.

  13. Juninho

    Heroes

    O Rafael disse tudo,a série está ótima,Heroes voltou com a intenção de se redimir e ao meu vêr e de muitos a série conseguiu,porém tarde demais,assisto a essa temporada com muita raiva do Tim Kring,porque agora vejo uma série bem feita com atuações fantásticas e um roteiro bem escrito,porém só um milagre faria a audiência dá uma outra chance a série,e é quase certo que essa seja a ultima temporada,só fico feliz em vêr que Heroes pode terminar bem,e para o poucos e fiéis público que sobrou de forma encantadora como era na primeira e inesquesivel temportada.

  14. ju

    Amigos, alguém sabe se o FX vai exibir a terceira temporada de Dexter?

  15. Thiago Sampaio

    The Good Wife Legal saber que há uma série na TV aberta em que os personagens não sejam preto no branco… que todos tenham suas falhas e ninguém é 100% idôneo (apesar de eu achar que Will não fez nada demais nesse). Gostei mesmo do episódio, da maneira que o roteiro foi conduzido, dessa avó mala… A série está muito, muito boa. Mas eu não queria ver Alicia perdoando o marido tão cedo. Ok. O beijo foi mais pelo sócio senior dizer que armaram pra ele e a prostituta dizer que foi ameaçada, mas.. Bem, ótima série, o Emmy de melhor atriz desse ano já tem dona

  16. Thais Afonso

    Também só vi Good Wife agora e gostei. Já estava torcendo por Peter/Alicia mesmo, mas apesar disso, não acho que aquele beijo foi uma indicação de que vai ficar tudo bem entre eles. Concordo com você, Thiago, pareceu algo feito frente ao alívio de ver Peter tomando uma atitude frente a prostituta somada a mais uma evidência de que seu marido é uma “vítima”. Também não acho que Will tenha feito nada de tão terrível contra Stern, mas nunca gostei dele, até porque sempre me pareceu que o interesse dele na Alicia era ambíguo e que a contratação da Alicia por ele tinha segundas intenções.

  17. Mônica A.

    The Good Wife foi ótimo essa semana. Também não acho que o Will tenha feito nada de mais no episódio. O Stern é que está querendo colocar caraminholas na cabeça da Alicia. E acho que aquele beijo foi apenas um alivio temporário por toda situação. Não acho que a Alicia vai perdoar (se perdoar) o Peter tão cedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account