Log In

Spoilers

Lá Fora: a finale de Friday Night Lights e mais Life Unexpected, Vampire Diaries e Greek

Pin it

Friday Night Lights - Thanksgiving

Cansado de Carnaval? Nós também! Por isto interrompemos o feriado para uma edição mais light da coluna Lá Fora, trazendo resenha de nove seriados.

A coluna reúne resenhas de Grey’s Anatomy, Greek, Life Unexpected, The Vampire Diaries, Castle, Psych, The Big Bang Theory, Cougar Town e abre comentando o final de temporada de Friday Night Lights. Confira a seguir.

Observação: a coluna foi atualizada nesta terça-feira, 16/2, incluindo review de Modern Family.

Friday Night Lights: Thanksgiving (4×13)
Exibição: 10/2/2010
MVP: n/a

Eu disse semana passada que Laboring mexeu muito comigo e só depois de assistir a season finale descobri uma forma de explicar o motivo.

Não tinha outro jeito da série encerrar essa temporada, ela começou muito bem, apresentando uma realidade bem diferente do lado leste de Dillon e uma nova fase na vida da família Taylor. Mas durante esses treze episódios muita coisa ficou subtendida e, como sou obcecada em ver as coisas bem esclarecidas, acho que o nó na garganta que me deu ao assistir Laboring foi porque não dá pra entender porque Tami não colocou Becky, Luke e seus respectivos pais em uma mesa e esclareceu a situação! Não sei se bastaria, mas pelo menos seria uma maneira de tentar provar que não é a diretora quem precisa pedir desculpas; talvez quem devesse é a mãe de Becky por não estar lá quando a filha mais precisou; ou os pais de Luke, por se preocupar tanto com a fazenda e esquecerem que há um mundo lá fora pronto pra ensinar tanto o bom quanto o ruim para seu filho.

Também não consigo entender porque Matt e Julie ficaram choramingando a ida dele pra Chicago. Eles nem ao menos pensaram em fazer essa relação dar certo! E se ela achava mesmo que ele era “the one” porque se contentou com ele não telefonar?

O mais decepcionante foi Tim Riggins ser preso. Isso foi um completo absurdo que eu nem sei o que dizer. Apesar disso os Lions ganharam um milagre e encontraram o orgulho. Bom pra eles.

Thanksgiving foi o esperado. Já esperava que não fosse um excelente episódio já que o roteiro fez alguma escolhas que acabou não dando o resultado esperado. Pagou-se um preço alto e a temporada foi bastante razoável. Outrora a série nem precisava de palavras, o subtendido era suficiente. Desta vez nem o silêncio faz sentido. (Lara Lima)

Grey's Anatomy - Valentine's Day Massacre

Grey’s Anatomy: Valentine’s Day Massacre (6×14)
Data de Exibição: 11/2/2010
MVP: Chandra Wilson e Eric Dane

Logo no início, com Mer, Cristina, Derek e Owen indo comemorar o dia dos namorados, eu pensei que seria como o primeiro encontro de Cristina e Burke e que no meio da “comemoração” um acidente os levaria de volta ao hospital. Ao mesmo tempo em que pensava isso, também achei que as duas não conseguiriam nem entrar no restaurante. E nem precisou. Um massacre no dia mais romântico do ano as impediu desse martírio.

De volta ao hospital, Derek se depara com a parte ruim de ser chefe enquanto tenta ajudar Kepner a lutar por seu sonho. Meredith e Karev cuidam de um homem que passou a vida amando sua melhor amiga e vendo a vida passar pela janela da cozinha; e Little Grey tenta superar Mark, que, aliás, não tem nem a namorada e nem o neto como queria. Por fim, Teddy se dá conta de que é ruim ser amiga do homem que ama, mas pior é não tê-lo na sua vida.

Singelo o episódio dessa semana, não tão bom quanto o anterior, mas ainda assim bom, podia ter ficado melhor se Cristina Yang tivesse dado o ar da graça e se a Bailey tivesse saído pra jantar com o anestesista. (Lara Lima)

Greek: Take Me Out (3×13)
Data de Exibição: 12/2/2010
MVP: n/a

Greek continua fazendo uma boa temporada (mas a anterior até o momento foi melhor). E eu preferia não ter visto os vídeos promocionais divulgados, pois eles pareciam vender algo e no fim me desapontei.

O campeonato de softball parecia render um romance, bem improvável depois de ver o episódio, entre Ashleigh e Beaver, mas fico até feliz de isso, ainda, não ter acontecido. Os dois são muito diferentes, e ele teria que mudar muito para entrar no padrão dela. Até foi bonitinho ver os dois abraçados, mas as atitudes de Beaver, como assoar o nariz de forma nojenta e as piscadelas para o Cappie, assustaram Ash, que prefere arriscar com um cara da Omega Chi.

Achei que a disputa entre Kappa Tau e ZBZ fosse desencadear algum drama entre Cappie e Casey mas por sorte os roteiristas resolveram deixar o drama longe deles, afinal Casey preferiu dar a vitória para sua fraternidade a perder para que a Kappa Tau esfregasse isso na cara dos Omega Chi.

Rusty e sua vontade de enfiar na cabeça dos calouros os valores de levar a fraternidade no coração estava muito chato no início. Mas melhorou depois que vi que por trás da fachada de babaca do Grant há um cara bacana e que está fazendo seu amigo Calvin feliz. Os três estão aprendendo bastante, principalmente Calvin, que queria mudar o namorado por ele achar exagero da parte dele defender seus direitos por causa de brincadeiras.

Rebecca e Evan é que estão apagados, espero por tramas melhores para eles, e a volta dos diálogos dinâmicos da garota. Rebecca não acreditar no amor é até verossímil, afinal ela já sofreu o bastante com sua família. (Dan Artimos)

Versão editada de review publicada originalmente no weblog Episódios Comentados.

Life Unexpected - Bong Intercepted

Life Unexpected: Bong Intercepted (1×04)
Data de Exibição: 8/2/2010
MVP: não houve

Chegamos a Bong Intercepted, quarto episodio de Life Unexpected, com o fácil pensamento de que a série não tem história para se sustentar ao longo de muito tempo. Não há grandes ganchos, o enredo é muito leve, os personagens não são peculiares. Tudo parece morno e quase se pode chegar à conclusão de que se trata de uma produção ‘à-toa’. Só que não. Ser leve não significa ser bobo. Neste caso, estaria se cometendo injustiça sem tamanho a esta série tão bem contada.

Neste episódio, Lux leva uma suspensão de cinco dias por ter comercializado, dentro do colégio, um instrumento utilizado para se drogar. É o abajur estilizado do Nate, vendido para pagar o aluguel do novo e desajeitado papai. Acontece que, mais uma vez, a menina não poderia prever as consequencias e, o que era um ato de bondade, culminou na criação de uma bola de neve negativa que prejudicou tanto a relação da ‘nova família’ de três como a carreira de Kate. E claro, não poderia deixar de comentar a entrada de Erin Karpluk, a linda e querida Erica Strange, de Being Erica, como colega de trabalho da rádio.

O que mais me encanta aqui é a despretensão da história contada, mais preocupada em cativar por ser ‘amigável’ do que por ser chocante, polêmica, dinâmica ou vampiresca, como dezenas por aí. Num mundo de dentes e sangue, viagens no tempo, extraterrestres, a produção se destaca pela simplicidade. Life Unexpected é uma série de sessão da tarde, de assistir comendo pipoca sem ter de se preocupar com o horário. E isso é excelente. (Rafael Maia)

The Vampire Diaries: Fool Me Once (1×14)
Data de Exibição: 11/2/2010
MVP: Ian Somerhalder

E a série está cada vez mais bagunçada com suas teorias e mistérios. E, sem querer ser repetitivo, tudo isso combina perfeitamente com The Vampire Diaries.

Saber que Katherine não está na tumba só demonstrou como a personagem realmente é tudo o que esperávamos dela: uma vadia fria. Sério, a luta desesperada de Damon para tirá-la da tumba acabou se tornando o ato mais patético do personagem, sempre cheio de si.

Gostei de Anna ter conseguido tirar sua mãe daquele local, porém temo pelo destino das duas personagens, pois vimos que a série adora matar personagens femininas, principalmente vampiras.

A morte da avó de Bonnie ocorreu em um momento bem estranho, pois muito poderia ser desenvolvido com ela até a season finale, porém finalmente poderemos ver Bonnie em ação, quem sabe lutando contra os vampiros que escaparão debaixo da terra? (Lucas Bonini)

Castle - Suicide Squeeze

Castle: Suicide Squeeze (2×15)
Data de Exibição: 8/2/2010
MVP: Nathan Fillion, Jon Huertas e Stana Katic

E mais uma sério com uma trama envolvendo Cuba. E mesmo Castle sendo uma série policial mais leve conseguiu mostrar pontos interessantes dessa ‘relação’ entre Cuba e EUA que é muito mais complexa do que podemos imaginar. A vítima era um atleta de beisebol que largou Cuba após as olimpíadas de 1992 para jogar pelos EUA. A grande questão era que ele havia visitado seu país recentemente e causou revolta entre a comunidade cubana radicada nos EUA por ter aparecido apertando a mão de Fidel. No final das contas o assassino foi o empresário responsável por convencê-lo a abandonar seu país.

Contudo acredito que este episódio foi uma preparação para uma futura aparição do pai de Castle, já que não deve ser à toa tantas referências ao ‘pai desconhecido’. Com direito a cena fofa entre ele e sua filha no final. E a Esposito perguntando se a paternidade de Castle tem alguma semelhança com Mamma Mia. E agora fico aqui pensando que ator poderia fazer o pai do Nathan Fillion.

No início de Castle a única personagem que não me cativou de primeira foi a Beckett. Com o tempo fui criando empatia e hoje posso dizer que Katic encontrou o tom da personagem. Foi hilária a reação dela ao conhecer Joe Torre, famoso ex-jogador de beisebol. Ela que geralmente é tão concentrada para a investigação no meio para telefonar para seu pai. Totalmente tiete. (Tati Leite)

Psych - A Very Juliet Episode

Psych: A Very Juliet Episode (4×12)
Data de Exibição: 10/2/2010
MVP: n/a

Juliet é uma graça e ponto. Não existe outra afirmação mais verdadeira que essa a respeito de Psych. E não existe fã do seriado que não torça diariamente para que ela e Shawn finalmente se ajeitem.

O ponto positivo deste episódio é porque, em determinado momento, você esquece que torce por isso pelo simples fato de ser tão linda a história do retorno a mesma estação de trem depois de dez anos de sua partida da cidade para a academia de polícia.

Juliet estava linda, tanto na despedida quanto no retorno, e nenhuma outra garota poderia ser tão prática e romântica ao mesmo tempo!

Em alguns momentos eu achava que o namoradinho era na verdade um bandido, deviam ser os momentos em que eu me ressentia por causa de Shawn, e isso foi bom, porque fiquei surpresa com a verdade a respeito do agente do FBI.

Momento que faz valer o episódio: Shawn e Gus tentando remendar o que fizeram procurando o bandidão terrível na prisão. Escolha de mestre este ser Arnold Vosloo e citarem Billy Zane no diálogo – já que um monte de gente vive confundindo os dois. (Simone Miletic)

The Big Bang Theory - The Large Hadron Collision

The Big Bang Theory: The Large Hadron Collision (3×15)
Exibição: 8/2/2010
MVP: Jim Parsons e Kaley Cuoco

Sim eu sempre falo que basear o sucesso única e exclusivamente em Sheldon é um risco alto pela possibilidade de cansar o telespectador. Mas, é claro, existem episódios geniais em que esta exploração funciona muito bem, por saber demonstrar características muito peculiares do personagem.

Nesta temporada nem toda brincadeira funcionou, mas, especialmente aquelas que colocam Sheldon e Penny em lados contrários, têm se mostrado bastante eficientes. Este episódio nada mais é que isso: explorar a loucura de Sheldon – jura mesmo, um tratado para dividir um apartamento? Existem casamentos que não têm isso! – e colocar Penny como ser superior, ela entendendo a loucura do vizinho.

Não foi um episódio sensacional como o passado – ainda dou risada sozinha lembrando da piscina de bolinhas e tenho uma filha de seis anos, o que torna ainda mais fácil lembrar disso – mas foi acima da média.

P.S. Já imaginaram conhecer o CERN que loucura? Tá, até entendo porque Sheldon surtou. (Simone Miletic)

Cougar Town: When a Kid Goes Bad (1×15)
Data de Exibição: 10/2/2010
MVP: Ian Gomez

Horrível! Chato! Péssimo! Essas palavras e tantas outras resumem esse episódio que passou dos limites de tanto que foi ruim. Como a vida seria fácil (e chata) se fosse como em Cougar Town.

Parece que ninguém trabalha nessa série, e eu não sei como eles vivem. Os personagens da série passam praticamente o dia todo dentro de casa, vivendo suas vidinhas em um bairro maravilhoso e cheio de casas bonitas, onde o maior problema é arrumar alguém para passar o dia dos namorados. Desesperador. Algo que só a Courteney Cox e Busy Philipps fariam.

Eu sei que os americanos adoram dramas de mulheres quarentonas separadas sofrendo no dia dos namorados mas, em Cougar Town, Jules praticamente implora para o Grayson pegar ela. Simplesmente pedindo na cara dura mesmo, em total desespero. Ela estava tão desesperada que chegou a pedir um beijo na boca do próprio filho. Enquanto isso, a Laurie praticamente esqueceu o Grayson e está de volta com o Smith. Eita menina pistoleira! Só está com o cara por causa da grana. A briguinha da Ellie com o Grayson foi bobinha e a cena final dele eu achei absurda e ridícula. Era para ser engraçado ver a casa de Ellie toda enfeitada como se fosse Natal?

A única coisa boa do episódio foi o Andy e suas maluquices, inclusive a dança da sorte, escrota e divertida ao mesmo tempo. Não posso esquecer de mencionar a paixão do Andy por pés e a cena dele imaginando o pé da Laurie com mel. Fantástico! Ele e o Travis são os únicos que sempre estão bem em todos os episódios da série. (Diógenes Ternero)

Versão editada de review publicada originalmente no weblog Conquistadores.

Modern Family

Modern Family: My Funky Valentine (1×15)
Data de Exibição: 10/2/2010
MVP: Sofia Vergara

O dia dos namorados chegou bombando essa semana em Modern Family. E embora a previsibilidade tenha comandado boa parte do episódio, de longe foi ruim, muito pelo contrário.

Sofia Vergara é sem dúvida a culpada das principais risadas. A personagem dela fica melhor a cada novo episódio – o mesmo acontece com Manny, que o que tem de fofo tem de engraçado.

Como todo episódio cujo pano-de-fundo é o dia dos namorados, os casais da série tiveram seus respectivos programas. A previbilidade apareceu quando todos os encontros deram errado. Mas quem liga pra previsibilidade quando estamos assistindo a Modern Family?

O maior trunfo da série, além de todos os já reconhecidos explicitamente, é o fato do programa conseguir te fazer chorar de rir durante todo o episódio e, ao final, conseguir te tocar de forma sensível e emocionante. E isso acontece, sobretudo, nos momentos em que percebemos efetivamente a química existente entre os personagens, fazendo com que eles realmente se tornem uma família, aquela que uma vez por semana, durante 30 minutos, morremos de vontade de fazer parte também. (Ivan Guevara)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

21 Comments

  1. anderson

    TBBT entrou em ascendencia nessa temporada, desde o episódio de natal com a mãe do leonard está tendo um episódio melhor que o outro, mas eh obvio q a cena da piscina de bolinhas no episódio anterior é insuperável, mas esse episódio foi muito bom sim.

  2. Roseana

    Acho incrivel como greys anatomy consegue reinventar as coisas e passar lições de vida para todos que o assistem!!

    Foi um episódio bom, que mostra o outro lado dos personagens, gostei dos seguintes pontos:

    1) A forte amizade de Mark com Callie, sendo que ela se disponibilizou a cuidar do bêbe, a cena dela desmontando o berço foi linda!!!

    2) A história da mulher que escolheu o marido no lugar do garçom!! Sensacional…e como isso passou a mensagem de como um verdadeiro casamento funciona para a Meredith!!

    3)Com essa citação: “As vezes acontece por acidente…” E Alex e Lexie dizem que odeiam o dia dos namorados e dormem mais uma vez juntos!

    Ou seja, é uma série repleta de mudanças e que sinceramente consegue prender seus fãs mais ainda!! Faz gosto assistir!!

    Bem eu não vi aqui o comentário sobre a série LEGEND OF THE SEEKER! O que aconteceu? Porque não estão escrevendo mais sobre a série? Logo essa semana que teve a exibição do episódio mais esperado da série e bastante comentado nos sites dos EUA como o Eonline, SCI-FI, TORCH, … por favor comentem…

  3. Mica

    Nem me fale, Roseana. Eu estou viajando e ainda não assisti Legend of the Seeker esta semana. Estou me corroendo de ansiedade aqui, só esperando voltar para casa para poder baixar.

  4. Pedro

    Pessoal da coluna Lá fora, estou sentindo falta das resenhas de Old Christinee Gary Unmarried, que esta temporada ainda não tiveram nenhuma.


    TBBT arrebentando nessa temporada, um episódio melhor que o outro.
    Cougar Town não me prendeu, acho que já é um tema muito batido.

  5. Flávio Silva

    Ah, eu gostei desse episódio de Cougar Town, se achou ele ruim, compare esse episódio com os episódios iniciais da série. A graça da Jules é o desespero dela, assim como suas crises exitênciais.. Mas não acho que esse episódio foi ruim não, pra mim, foi um dos melhores. E o MVP tá corretíssimo, Andy foi de longe o melhor do episódio.

  6. Roseana

    Mica,

    quando vc chegar entra na comunidade do orkut pra gente comentar sobre o episódio ou até mesmo aqui se resolverem escrever sobre a série (antes escreviam…não sei porque pararam…espero que retornem)…tudo o que posso dizer a vc é BRIDGET REGAN arrasaaaaaaaaaa!!!

  7. João da Silva

    Quando os inéditos de Greek vão ser exibidos no Brasil? Já faz um longo tempo que o Universal Channel não exibe episódios inéditos da série. Na verdade nem exibem mais reprises.

  8. Thomaz Jr.

    FRIDAY NIGHT LIGHTS: Olha, td mundo tá questionando pq não chamaram a Becky para “depor” ou esclarecer os fatos. Bem, pelo que entendo ela teria direito ao sigilo. Aborto é algo particular e ela fez legalmente, então não caberia ela ter sua intimidade exposta.

    Mesmo que ela se prontificasse a pegar um microfone e contar a versão dela dos fatos. Creio que agravaria mais a situação. Provavelmente, iam alegar que a Tammy, alem de “tudo”, expôs uma menor a uma situação constrangedora.

    Alem do mais, para o bando de conservadores pouca importa se Tammi incentivou ou não a Becky. Para mutidão raivosa, o simples fato da diretora ter entregado um panfleto e a menina ter abortado, já é um pecado e um pecado merece castigo. Infelizmente, mta gente pensa assim.

    Enfim, acho que FNL é uma das poucas séries que explora o lado conservador e religioso americano. Em quase todo o inicio de episódio, qdo vai passando paisagens da cidade, focam uma igreja diferente. Alias, FNL sempre aborda o impacto da religião no comportamento dos personagens.

    Achei o final bem realista para Tim (não dá para encurtar o caminho), Landry (ou alguém achava que ela gostava dele),para o casal Matt e Julie, para a Tammi… acho que só no campo houve espaço para otimismo.

  9. Vicente

    Endosso a pergunta do João da Silva sobre os episódios inéditos de “Greek”. Se não me engano o UNIVERSAL CHANNEL não chegou nem a exibir a temporada completa, interrompendo sua exibição num hiatus realizado pela TV americana…

    Essa ausência até me leva a pensar na possibilidade que quererem tranferir a série para o seu novo canal: o STUDIO UNIVERSAL…

  10. Paullo kidmann

    To adorando Life unexpected, muito boa mesmo!
    The Vampire diaries, gostei do epi, tava indo tudo bem até aquele final q foi ridiculo, poupe me. e não gostei da vó da Bonnie morrer.
    Modern family exelente como sempre, morri de rir com a Clair presa na escada rolante!!
    e Cougar Town essa eu já dexei de ver a séculos atrás, o problema da série para mim é a Courtney cox ( no caso a Jules e não a atriz.) e a tentativa irritante de ser boazinha….!

  11. Lara Lima

    Thomaz,
    Eu não me refiro a Becky depor em público sobre os fatos, até porque, numa cidade daquelas, até parece que ninguém sabe quem fez aborto e quem não fez, mesmo que legalmente. Eu digo quando a estória começou, quando a mãe de Luke disse que Tami induziu sua “nora” a abortar. A primeira coisa que eu faria era chamar Luke e dizer pra ele esclarecer com a mãe o que aconteceu; ou até mesmo sentar com a mãe dele e explicar o que aconteceu. Pelo que aconteceu Tami levou a garota na clínica e tudo. Eu não vi ela dizendo: “olha, eu disse assim e assim, disse pra ela procurar a mãe e conversarem, bla bla bla..”. Eu não estou dizendo também que a conversa por si só resolveria, mas ficr sentada, esperando que os outros esqueçam, ou aceitem é ridículo.

  12. Thomaz Jr.

    Lara Lima,

    Tbm fiquei meio angustiado com a falta de esclarecimentos, mas me lembro que a Tammi negou as acusações e disse que apenas aconselhou dentro dos padrões estabelecidos. E administrativamente ela foi absolvida.

    Qto ao Luke e família do Luke, acho que a Tammi nem sabia que era dele q Becky estava grávida.

    Ainda vejo que nada faria diferença no caso, se analisarmos o caso dentro do contexto social. Nos EUA, mesmo com o aborto legalizado, tem pessoas que não aceitam sua pratica e pouco importa se quem participou/colaborou/indicou fez de forma profissional (como a Tammi)ou não. Para eles o aborto é um mal (um pecado) e deve ser combatido a qq custo. Inclusive usando violência. Eles já MATARAM um médico que executava abortos legalmente.

    Então, não seria um esclarecimento que iria calar a multidão raivosa, irracional e poderosa (afinal ressuscitaram um caso).

  13. Lara Lima

    Mas é exatamente isso que eu não aceito. Ela não sabia que Luke era o pai, mas sabia que a mãe dele é que fez a primeira acusação? E quando ela foi absolvida, se me lembro bem ela apenas disse:”não, eu não fiz isso”. Ela teve muitas oportunidades de se defender e de tentar inverter a situação a seu favor ANTES da multidão raivosa pedir sua demissão.

    Mas como eu disse, não estou sonhando que apenas uma conversa resolveria…é que o silencio dela não me convenceu se era esta a intenção.

  14. João da Silva

    Vicente, você está correto. O Universal Channel só exibiu a primeira metade daquela temporada de Greek. Eu acho que o canal desistiu da série.

  15. Pedro Paulo

    Não gostava de Modern Family e amava Cougar Town.
    Agora estou me apaixonando pela primeira e detestando a segunda.

    Realmente a culpa é da VIAGRA HUMANO. O sotaque fortíssimo mexicano ajuda a deixar a personagem ainda mais engraçada.

    Life Unexpected: Amei a entrada da Erica (quer dizer… Erin Kapluk)! Estava tão fofa de coadjuvante, e o episódio foi muito om. E cá pra nós, achei ridículo a escola apelar pelo abajur, sendo que era um ABAJUR de Bong.

  16. Lara Lima

    É mesmo Vinicius?? Não me aparece depois falando que eu tenho razão não hein, kkkkkkkkkkkkk

  17. Vinicius Silva

    Que isso, Lara! Eu gosto dos seus comentários ahahahah É sempre bom quando você lança algum olhar crítico (você costuma sempre ser pior do que eu, incrível).

    Mas, em relação à season finale de “Friday…”, eu discordo de você viu? ahahhahaha Discordo mesmo, sem dó nem piedade auihsihsuius

    beijos!!

  18. Mônica A.

    Life Unexpected – o melhor do episódio foi a presença da Erin Karpluk. A Lux foi muito infantil dando aquele showzinho no bar e a escola muito exagerada. Cinco dias de suspensão por causa de um abajur? Fala sério!

    Castle – uma das minhas séries preferidas no momento. Adoro a dupla Castle/Beckett. Eles são muito engraçados juntos. E a química entre os dois é prefeita. E a maioria das cenas do Castle com a Alexis são fofas. A menina é uma graça. Acho que o lance do pai dele ainda vai dar o que falar.

    Psych – fiquei meio torcendo no início do episódio pra o namorado da Juliet ser o vilão da história, mas depois desisti. Ela não mereceria mais essa decepção. Gostei do jeito que a história foi conduzida e o final ficou uma gracinha. Mas muita coisa pode acontecer em um ano…

  19. Pingback: O que vou assistir esta noite na TV – sexta, 19/3/2010 » TeleSéries

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account