Log In

Reviews

Grey’s Anatomy – Love the One You’re With

Pin it
Série: Grey's Anatomy
Episódio: Love the One You're With
Número do Episódio: 9x03
Exibição nos EUA: 18/10/2012
94
4.7
6

Nessa semana, Grey’s Anatomy apresentou um episódio mais leve, mais divertido. E um ótimo episódio, na minha opinião. O melhor dos três já exibidos nessa temporada.

Estou gostando do encaminhamento que a história do acidente está tendo. Acho que o plot da investigação da causa dos acidentes é necessário e bem-vindo. Curti bastante o processo da tomada de decisão. Óbvio que receber uma bolada e “deixar” tudo para trás era uma opção tentadora, especialmente para Derek e Arizona – ou melhor, Callie -, já que ele não operará mais, aparentemente; e ela está impossibilitada de exercer a profissão, temporariamente. Mas foi totalmente compreensível a decisão que eles tomaram. Foi, inclusive, a mais sensata. Como médicos, que lutam pra salvar vidas, seria uma irresponsabilidade encerrar o caso com um acordo, paralisando as investigações.

À propósito, estou adorando a forma que Derek está enfrentando a situação. Gosto muito de observar como ele e Mer tem funcionado como casal nesse período de crise. Lembro que sempre que havia algo que fugisse do controle deles, eles rompiam ou ficavam a um passo de fazer isso. Então ver cenas de Mer e Der felizes na Mc House, que enfim é uma realidade, é bom demais.

Outro personagem que está tendo muito destaque nessa temporada é Callie. Ela, que já foi “figurante” em um passado remoto, tem comandado os bisturis do Seattle Grace. Sara Ramirez tem atuado brilhantemente, e ouso dizer que Callie é a principal personagem desse início de temporada.

A morena aparenta fortaleza para os demais, quando na verdade está com o coração partido pela perda de Mark e a situação vivida pela esposa. Arizona continua uma bitch de primeira, mas é completamente compreensível o seu comportamento. Ela está furiosa com o universo, e a representante imediata de sua frustração é Callie. Por isso tanta amargura e ressentimento. Mas penso que a cena do banheiro – que ficou BRILHANTE – será como um divisor de águas para Arizona, já que pela primeira vez ela presenciou, de fato, que Callie está fazendo um esforço sobre humano para gerenciar a situação, e que sua vida está sendo tão prejudicada quanto a dela. Literalmente, creio que Robbins levantará da poça de urina e recomeçará sua vida. Não sem algumas dificuldades, é claro. Mas com muito progresso.

Progresso que creio que virá, também, para outros dois personagens. Para April, com o plot do Avery; e para Bailey.

Cansei de ver Bailey ridicularizada, servindo como alívio cômico. Essa não é quem ela realmente é. Acho que foi proposital Miranda estar tão patética nesse episódio, limpando microondas e fazendo mimimi por causa do filho, do ex-marido e do namorado. Gostei muito das palavras do Chief para ela. Acho que serão o estímulo que ela precisa para voltar a ser a médica que já foi um dia, e deixar de ser a “Bailey Rapidinha” que só se preocupa com questões extra-hospital. To torcendo muito por isso.

Já April voltou com a mesma chatice de sempre, contrariando minhas previsões. Acho que a postura dela quanto à primeira vez dela com Avery beira o ridículo, já que ela está se re-virginando e orando para Justin Timberlake. Seriously? Dei graças quando Avery venceu o bloqueio da amiga com benefícios e conseguiu ter uma conversa franca com ela, e quase gritei de emoção quando os dois se agarraram novamente. Acho que se April se libertar um pouquinho mais, vai deixar de ser uma personagem tão chatinha.

Yang, como já havia dito, tá interagindo fortemente com o médico vovozinho. E isso fez com que ela apreciasse uma nova técnica cirúrgica e até abrisse um sorriso, espontaneamente. Creio que os próximos passos de Yang serão em busca de uma assinatura, uma marca de identificação. E deve ser bastante interessante observá-la nessa jornada, que a reconduzirá ao Seattle Grace, tenho certeza. Mas ainda não sei qual o final da situação dela com Owen. Durante todo o episódio ficou evidente que ainda há uma forte conexão entre eles, e Cristina inclusive mostrou que além de estar apreciando a reaproximação, precisava do apoio de Owen. Mas inexplicavelmente, no final do episódio, ela decide se afastar de vez. Pra mim é medo de voltar ao que ela tinha antes, vontade de seguir adiante. Só não sei se o seguir adiante dela não acabará lhe levando aos braços de Hunt. É esperar para ver.

Quem está tentando fortemente regredir é Alex. Ele voltou a ser, definitivamente, aquele conquistador barato que já dormiu com todas as novas internas e residentes. E foi bem idiota com a Jo durante boa parte do episódio. Mas sabemos que de ogro Karev não tem nada, e o final do episódio confirmou que a inabilidade dele em lidar com a menina se deve ao fato de não ter – ainda – tirado as calças dela. Ficou meio óbvio pra mim que Jo será o próximo relacionamento sério de Alex. Torço para que, se isso acontecer, ajude a desenvolver a personagem, porque não vai dar pra aguentar ela chorando pelos corredores por muito tempo. Parece que o conselho de Owen caiu no vazio.

Os casos médicos da semana não me prenderam muito, mas serviram para o seu propósito: interagir com a vida dos protagonistas. O caso da plástica na barriga teve tudo a ver com o momento de Jackson e April; e Callie salvando o pé da adolescente super sensata (só que não) também foi super contextualizável com seu drama pessoal.

Nessa semana tem um novo episódio de Grey’s Anatomy, que antecederá mais um hiato. Então, até lá!

P.S.1: os novos atendentes transformaram a Sala dos Atendentes em uma pocilga. Tem que ver isso aí.

P.S.2: mais alguém riu muito com o espanto da Mer ao constatar que April não era mais virgem, e depois repreendendo Jackson? (A propósito, adorei a resposta do rapaz). E contando para Yang, depois, toda prosa?! Me diverti bastante.

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

3 Comments

  1. Tatiana Da Silva Siqueira

    Mari esse episodio realmente foi o melhor, graças a deus……até entendo os dramas paralelos de GA, mas na boa cansei……espero que sinceramente a serie volte aos bons episodios da 8º temporada. Serio que terá outro hiato……eu desteto isso…..e pior que no fim do ano tem mais.

  2. Mariela Assmann

    Os hiatos de agora são em razão das eleições presidenciais nos EUA. =/

  3. Pingback: Destaques na TV – Segunda, 5/11

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account