Log In

Reviews

Fringe – Welcome to Westfield

Pin it

Série: Fringe
Episódio: Welcome to Westfield
Temporada:
Número do Episódio: 4×12
Data de Exibição nos EUA: 10/02/2012

Em 14/01/2010 foi ao ar Johari Window, o 12° episódio da 2ª temporada de Fringe. O seriado ainda passava nas quintas, e o episódio marcou 6.529 milhões na audiência e 2.6 de rating.

Dois anos e alguns dias depois, vimos Welcome to Westfield, o 12° episódio da 4 ª temporada de Fringe. Muita coisa mudou. Agora, Fringe vai ao ar nas “malditas” sextas-feiras, e atinge míseros 3.08 milhões na audiência, e 1.1 na rating. Os altos índices de audiência (máxima de 13.27 milhões no episódio The Same Old Story – 1×02) estão em um passado distante, que não voltará mais. Certamente já tem fã chorando o cancelamento, ou torcendo para algum canal fechado dos EUA comprar a série.

Mas se muita coisa mudou, muita coisa permanece “igual”. Os roteiristas de Fringe – ao contrário do que aconteceu com os de muita série de sci-fi por aí – não perderam a mão, e continuam desenvolvendo muito bem – e coerentemente – a mitologia da série. Os episódios continuam empolgantes, surpreendentes e deixam os fãs sempre com um gostinho de quero mais. E teorizando muito, é claro.

Welcome to Westfield fez uma clara menção à Johari Window. O caso da “cidade amaldiçoada” de Westfield remontou à cidade de Edina, ainda que as semelhanças não fossem tantas. E ainda que nós não fizemos a conexão de instantâneo, acabaríamos lembrando do episódio, por que alguém nos lembrou da ligação existente. E que alguém.

Tudo começou com um sonho romântico/hot em tons de azul. Olivia e Peter em um momento in love, juntos e felizes. Olivia, ou aquela que seria a C-Olivia, estava tendo sonhos românticos com Peter. Será que o jovem Bishop estava gerando nela o efeito gerado nas suas outras versões? O sonho foi interrompido por uma ligação com uma espécie de aviso. “Estou prestes a voltar para casa”, diz Peter. Mal sabe ele que não há para onde voltar. Ele já está em casa. Mas, para Peter, Olivia e Walter estão esperando por ele em algum lugar.

Olivia é chamada para Westfield, a fim de investigar mais um evento fringe (a cena do avião remontou à Lost. Mas ainda assim eu acabei linkando com o avião do Pilot – 1×01 -, que inaugurou a série e sua mitologia). E, para a surpresa geral da nação – ou de todas as nações multiuniversos -, Walter apareceu em campo, louco para investigar. E para comer tortas de ruibarbo.

O clima sombrio que cercava a cidade de Westfield deixou tudo mais interessante. Era óbvio que algo aconteceria a Peter, Walter e Olivia, e que uma vez na cidade eles teriam problemas para deixá-la. Mas isso não tornou as coisas óbvias. Pelo contrário, manteve o suspense no ar. Cheguei a cogitar alguma coisa que causasse distúrbios de personalidade múltipla após a cena da torta, mas logo ficou evidente que se tratava de algo mais grandiosos.

E eu pensei logo “Massive Dynamic + exército”. E aí a 1ª bomba do episódio. Liv, muito naturalmente, citando o caso QUE ELES investigaram em Edina. Eu vibrei, confesso. Pensei: Ela está lembrando.

Mas em Fringe cada explicação vem cercada de uma dúvida e logo pensei que Olivia estava apenas sofrendo dos mesmos efeitos que os demais habitantes da cidade, já que os “sintomas” da loira se pareciam com aqueles citados por Cliff. E sim, pensei que um vírus, uma molécula, um experimento justificassem a “esquizofrenia coletiva”.

Mas Olivia é empata (olha o glyph code da semana passada tendo relação com esse episódio! Pensei que empath se relacionava com March. Mas agora creio que se insere em um contexto ainda maior, já que o code dessa semana foi Olive) e ela estava apenas somatizando os efeitos sentidos pelos habitantes. Ou seja, os roteiristas estavam jogando na nossa cara que ela estava lembrando, e ainda inseriram conversas de Peter e Liv para demonstrar o crescente interesse da agente no “parceiro”. Conversas com informações que logo na seqüência seriam usadas para “explodir nossas mentes”.

Walter e Peter, funcionando cada vez mais como a dupla de pai-e-filho que estávamos acostumados a ver, conseguiram salvar – se não a cidade toda – os habitantes que restaram, depois do maligno plano de Jones de fundir os universos começar a funcionar. Foi bizarro ver as pessoas se fundindo com seus duplos do outro universo. E amedrontador também. Qual a próxima cartada de Jones? Achei interessante que Walter cita que a fase 2 estava começando. Seria essa, mesmo, a fase dois referida por Jones e Nina, anteriormente, e a qual teria participação de Olivia?

Westfield se foi. Assim como também se foi o universo que Peter conhecia. E talvez essa seja a maior mensagem do episódio. Há coisas que mudam, e que não voltarão a ser como antes. Então, se estamos esperando que aconteça algo que restaure as coisas que aconteceram nas 3 primeiras temporadas, acho melhor desistirmos.

No final de tudo, Walter fazendo waflers, como era usual. E desejando que o jovem – que cada vez mais ele identifica como filho – desista de voltar pra casa. Pra mim, a dinâmica entre eles (assim como Peter/Olivia) está cada vez mais parecida com a do universo A não-modificado.

E para os segundos finais estava reservada a maior surpresa da noite de sexta. Olivia recordou. Assim, de repente. Talvez até inexplicavelmente – por enquanto. E agiu com Peter como se ele nunca tivesse ido embora. Para espanto de todos os seres vivos sobre a Terra, inclusive de Peter, que deve ter pensado que não poderia errar de Olivia novamente.

E agora, como ficarão as coisas? Como indica a promo de A Better Human Being, nada deve ser fácil. E nem imaginaria que fosse. Mas confesso que estou muito ansiosa para o que os roteiristas ainda tem para nos apresentar. Então, até semana que vem, pessoal!

P.S.: pode não ter relação alguma, mas será que pro plano de Jones dar certo, Olivia não precisa se recordar de Peter, e por isso as drogas ministradas por Nina? Não consigo parar de pensar que a loira está tendo mais facilidade em relembrar por causa das drogas administradas.

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

10 Comments

  1. Mariana

    TENSO!!!

    Esse foi o melhor episódio desta temporada na minha humilde opinião de Fringemaníaca.
    Foi tudo muito bom! O Peter trabalhando com a Olivia e o Walter, o Walter saindo do laboratório. Os três como um time novamente.

    Mais uma vez, o Lincoln tá comendo bola e deixando a Olivia de aproximar do Peter. E deu no que deu.

    Agora tá tenso porque a Olivia “lembra” de tudo, mas o resto da galera não. Então não sei… Porque, pela reação da Olivia, eu diria que ele stá no lugar certo e ela está começando a lembrar. Mas ninguém mais tá lembrando, nem o Walter que tem passado muito tempo com ele.

    E eu acho que o Walter vai fazer alguma coisa para a máquina dar errado. Ele não quer perder o Peter de novo.

    A COISA VAI FICAR SÉRIA AGORA!

  2. Mica

    Vou roubar meu comentário lá no blog da Si, porque estou com preguiça de escrever de novo.
    Mas antes de eu colar o comentário, deixe-me dizer que, ao meu ver, Olívia não lembrou…simplesmente a Olívia daqui desapareceu e a outra assumiu.Pelo menos foi esta a sensação que eu tive. Diferente do momento que ela lembra do caso em Edina, ou mesmo do sonho. Esta cena final deixou a maior sensação de que a Olívia que temos visto por toda esta temporada não estava ali, só a nossa velha e boa Olívia.

    Mas vamos lá para o meu comentário colado:

    O problema de crermos que é o mesmo universo onde o povo apenas esqueceu a presença do Peter, é que tudo correu diferente nesta versão dos universos. As pessoas são diferentes, suas motivações são diferentes (e não apenas os diretamente ligados ao Peter).

    Eu prefiro a tese de que há muitos universos (bem Sliders mesmo), porque ela faz mais sentido para mim. A partir do momento que eu passo a acreditar que há apenas dois, como dois lados de uma moeda, então quando Peter deixou de existir, o universo A e B também deixaram. Ele voltar a existência, ou acabará por destruir essa nova versão, que chamaremos de A2 e B2 e aos poucos A e B voltará a ser como era (e tudo o que se vivenciou em A2B2 será apagado) ou então A+A2 e B+B2 se fundirão e as memórias e experiências terão que se fundir igualmente, para que seja uma única coisa e todo mundo terá duas sequências de memórias diferentes para os mesmos acontecimentos.
    Eu acho mais complicado. 
    É claro que os roteiristas podem ter outra ideia completamente diferente e conseguirem me convencer, mas eu acho complicado. Fico com a sensação de que se Peter voltar ou se os personagens de A2 começarem a ter flashes da vida em A, o A2B2 será deletado.

    Mas esta é a minha visão…tenho a sensação de que a minha visão não é a mesma que a dos roteiristas.

  3. Mica

    Eu sinto falta do Lee. Eu gosto muito dele, e já se foram dois episódios sem o Lincoln :(

  4. Mariela Assmann

    Eu gosto do Lee, mas não do A. Eu gosto do hot Lee, do B. No A, pra mim, ele não faz muita falta.

  5. Mariela Assmann

    Eu acho que com o “retorno” de Peter, as coisas não voltarão a ser como antes. Acho que teremos um misto, o AB com o que você chama de A2B2. Mas de Fringe espero tudo, e talvez eu esteja enganada. Ou melhor: possivelmente eu esteja muito enganada.

  6. Bruno

     A2 e B2 ao invés de C e D?

    Como Olivia do universo A tinha a capacidade de se mover entre universos (como fez para ir ao B em algumas ocasiões), talvez ela (ou as memória dela) estejam “escapando” para o universo C. Em busca do Peter?

    Alguém viu o Observador neste episódio?

  7. Mariela Assmann

    Hm, interessante sua colocação. Eu não tinha pensando nisso, mesmo! Sobre a escapada…

  8. Ricardo Granja

    Boa review mari. foi um dos melhores episódios de Fringe na minha opinião. Evocou X-files, com pitadas de Stephen King… Os roteiristas mandam mto bem, e aliás, são fãs destes q citei…

  9. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 19/3 a 25/3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account