Log In

Reviews Spoilers

Fringe – Entrada

Pin it

Série: Fringe
Episódio: Entrada
Temporada:
Número do Episódio: 3×08
Data de Exibição nos EUA: 2/12/2010

Gosto de pensar que entendo um pouco de série, longe de me considerar um “entendido” do assunto, mas gosto de pensar que costumo enxergar qualidades, defeitos e futuros potenciais, quando estes existem, lógico. Lembro que na primeira temporada frisava que a participação do Joshua Jackson era decepcionante, não por culpa do ator, mas pelo roteiro que não havia criado um sentido para o personagem… até descobrirmos que ele veio do outro lado. Lembro que, ao descobrir isso, disse que fiquei feliz com o fato da série não ter dado um “super poder” a ele e nem criou historias que ele e Olivia ficassem brigando para saber quem é mais forte, ou algo do tipo, deram apenas relvância ao personagem, e isso o mudou e fez crescer consideravelmente na série.

O Peter Bishop que conhecemos sempre foi um personagem frio e dotado de uma inteligência muito acima da média. Peter também sempre foi muito protetor, por isso a “Olivia real” só abaixa a guarda para ele e por isso ele termina o episódio com uma expressão de raiva e culpa.

Na temporada passada, eu dizia que estava ocorrendo uma super exploração do personagem de John Noble, tudo que ocorria nos universos da série era diretamente ou indiretamente causa dele e, mais do que isso, Walter estava sendo muito mais desenvolvido do que os outros, era uma diferença abismal.

Hoje eu noto que estava certo em relação a super exploração do Walter, e parece que os produtores também notaram isso, e diminuíram… diminuíram até demais o tempo de tela dele. Nesta temporada Walter tem servido apenas para expressar algumas frases engraçadas e fora de contexto (uma das melhores características do personagem, diga-se de passagem), mas é pouco para quem sozinho carregou a série por dois anos.

Alguns podem dizer que isto ocorre já que agora temos Walter em dose dupla, mas sinceramente, não sigo essa corrente. O problema do Walternativo é a empatia, ou melhor, a falta dela. Se Broyles conhece a Olivia Real outro dia e se sacrifica por ela traindo seu país e deixando seu filho órfão, não é porque ela salvou a vida do filho dele, mas porque ela demonstrou sentimento de compaixão com a dor dele.

O Walternativo continua sendo um personagem frio mas, ao contrário de seu filho, distante. E essa distância é o ponto fraco da série nesta temporada, pois aprendemos a gostar do outro universo, talvez até mais do que do universo real, mas se houver guerra, ou se tivermos que escolher apenas um, ficará difícil salvar um universo que tem personagens interessantes, mas que falta algo, falta empatia com seu principal personagem.

Sim, eu quero que Lee viva, que o Charlie fique mais tempo na série, que Broyles assuma a família do outro universo, mas não posso colocá-los acima de Walter, Peter, Astrid, Olivia, e até da vaca, porque eles são reais. É com Peter que fiquei imaginando o que aconteceria quando ele descobriu a verdade sobre a troca das Olivias, é com Walter que fiquei rindo quando ele tentou encobrir seu filho e depois disse que ficou três dias em uma outra casa, por engano.

Enfil, é igual aquela pessoa que se conhece em qualquer lugar, de início é interessante, mas pra continuar sendo precisa se abrir (e não é da maneira que estão pensando mentes poluídas, apesar de fazer parte do processo, rs) e com isso precisa ter conteúdo para que queiramos ficar por mais tempo. O universo alternativo parece ser interessante, mas se não começar a desconstruir os personagens, eles se tornarão vazios, sem conteúdo.

Se a série vai levar até as últimas consequências a questão da guerra entre os dois mundos, não sei dizer. Mas aposto que se isto ocorrer será muito mais difícil para nós fãs, se estivermos indecisos por qual lado torcer.

Fringe - Entrada
E a volta de Olivia pode ter sido considerada por alguns como rápida demais (oito episódios), por outros podem ser considerada sem sentido (já que ela já havia voltado duas vezes e retornado), mas eu acho que o tom da série tem que ser este, objetivo. Independente de se a série for cancelada ou não, está temporada está acima da média porque está sendo muito bem cuidada pela sua equipe criativa e porque está com uma trama muito bem costurada – e o melhor exemplo para isto foi este episódio que tivemos um mix dos dois universos e em nenhum momento deu pra ficar confuso sobre o que estava acontecendo.

Por falar em cancelamento, recentemente li um boato sobre os produtores de Fringe já saberem de antemão que está temporada seria a última da série e com isso ela foi planejada para encerrar a série e as pontas soltas. Ficarei feliz, caso isto seja verdade, pois uma das maiores faltas de respeito de quem faz a série (desde a emissora, ao produtor, roteirista, etc…) é simplesmente tratar aquele fã, que assistiu ao programas por anos como um qualquer, e com isso soltar qualquer coisa e colocar um fim. Se este boato for verdadeiro, por mais triste que possa ser imaginar que Fringe seja cancelado em sua melhor fase, ao menos temos o consolo de que o final será digno.

Séries citadas:

3 Comments

  1. Anônimo

    Paulo Fiaes, agora, depois do 9o. epi., deu para sabermos que tudo se encaminha para haver uma solução em que os dois universos coexistirão pacificamente – o Broyles se sacrificou por isso e Olivia vai lutar por isso. Não é mesmo?

  2. Paulo Fiaes

    provavelmente… ainda é cedo pra sabermos, mas acho que haverá mais perdas dos 02 lados, mas antes disso eles encontrarão uma solução

  3. Anônimo

    Yep, muitas perdas. O Walternativo, por exemplo, tenho quase certeza que vai morrer, e estou achando que até o Walter-1 não vai escapar…
    Desde que as histórias tenham uma conclusão das questões propostas (boa ou ruim, isto depende do talento dos roteiristas), não existe exatamente um problema no cancelamento de séries. Aliás, o termo para isso deveria ser “fim da série”, e não “cancelamento da série”. Caprica, Rubicon (para ficar só em duas) teriam muito material para desenvolver, que eu gostaria muito de acompanhar, mas os produores queriam shows com mais audiência, preferiram investir em outros whows, sei lá quais foram exatamente as razões dele. Contudo, essas séries tiveram um final digno, que demonstrou respeito por nós. Tudo bem.
    Ao contrário, a série Reunion foi um tremendo desrespeito. Deveria ser criada uma legislação em relação a esses assuntos, assim como está sendo criada uma legislação para os assuntos da Internet. Pensei em pena de morte… exagerei?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account