Log In

Reviews

Falling Skies – Prisoner of War

Pin it

Série: Falling Skies
Episódio: Prisoner of War
Temporada:
Nº do Episódio: 1×03
Data de Exibição nos EUA: 26/06/2011

Falling Skies continua daquele jeito, nem quente nem frio. Inclusive, lembrei-me neste momento de uma passagem do Apocalipse que diz ‘assim, porque és morno e nem és frio nem quente, estou a ponto de vomitar-te da minha boca’. Pois é, Não me entendam mal, eu não odiei o episódio, apenas o achei sem graça. Tudo era muito requentado e óbvio demais. Mas eu sou rata de filme/série alienígena e pós-apocalíptico (exceção aos zumbis, que não me apetecem), então para ter algo surpreendente tem que ser realmente inovador. Gostaria de saber o que os novatos no gênero estão achando da série. Pelo puro amor ao debate, seria interessante uma discussão com aqueles que estão entrando neste mundo agora.

Mas de volta (ou entrando finalmente) ao episódio, o objetivo é resgatar Ben. E pela primeira vez há alguma chance de sobrevivência para as crianças resgatadas, já que até então todas as que tinham o arreio alienígena entranhado em suas costas morriam no momento da retirada ou logo após a extração.

O médico responsável pela cirurgia é ninguém menos que Michael Harris, o homem que sobreviveu a um ataque dos skitters enquanto a mulher de Tom morreu. Não tenho certeza se o drama entre os dois era realmente necessário (porque é tão manjado e esperado esse tipo de recurso, que já deu sono de vê-los juntos na primeira cena), mas pelo menos me fez refletir um pouco.

Tom culpa Harris por ter fugido e deixado a sua esposa para trás, precisando se defender sozinha dos alienígenas. Harris diz ao professor que se ele sente necessidade de achar um culpado, então a culpa é do próprio Tom, que era a pessoa escalada para ir naquela missão, mas que estava tão cansado que a esposa foi no lugar. E eu me pergunto, alguém tem realmente culpa? Bom, os alienígenas, mas não é este o caso discutido.

Eu gostaria de dizer que eu seria toda altruísta e ficaria do lado do meu amigo no momento de uma fuga, mas a verdade é que eu não sei como eu agiria. Se me perguntassem agora, friamente, eu diria: ‘ficar e talvez ajudar o amigo a sobreviver e muito provavelmente morrer na tentativa ou fugir e garantir minha vida e torcer pro amigo também conseguir sobreviver? Com certeza fugir e viver’. A verdade é que heroísmo pode ser muito bonito na teoria, mas para a morte não há volta. Desculpem aos que discordam ou me acham muito egoísta, mas friamente analisando, minha vida tem mais importância para mim do que qualquer outra no mundo. No calor do momento eu confesso que não sei como reagiria, afinal, nada melhor do que uma situação difícil para descobrirmos lados novos de nossas personalidades, mas sendo bem sincera, não posso condenar Harris por ter fugido.

Assim como é impossível condenar Tom por ter sobrevivido. Tudo bem, a esposa dele estava no seu lugar naquele dia, mas isso não quer dizer que ele é culpado da morte dela. Acho que nesta guerra na qual eles estão engajados, não se deve acumular culpas e picuinhas. O objetivo é sobreviver, colocar os skitters para correr e retomar o planeta. Se para isso for preciso mudar a personalidade, engolir o orgulho, aprender a conviver com quem não se suporta, que assim seja. Minha vida vale mais do que tudo, mas a continuidade da raça humana vale (talvez) ainda mais.

O que não consigo entender é o motivo pelo qual os alienígenas capturaram os adolescentes. Só para usá-los de mão de obra barata? Parece tão pífio. E o que querem com aquelas ferragens? A série nos dá a entender que haverá algum grande evento e que os alienígenas estão construindo alguma coisa grandiosa e de grandes proporções, mas o povo não está fazendo um trabalho muito bom em nos deixar preocupados com os acontecimentos ou cheios de expectativas. Aliás, preocupados com qualquer coisa, porque por enquanto eu não daria a mínima se qualquer um dos personagens morressem, com exceção, talvez, de Tom.

E por falar em Tom, o que foi aquela luta dele com o skitter? Se todos os alienígenas forem como aquele, pergunto-me como fomos subjugados tão facilmente. Ou será que ele se deixou capturar? Aquela cena final com o filho de Mike foi feita para deixar o povo com a pulga atrás da orelha.

Achei legal que o filho resgatado tenha sido o de Mike e não o de Tom. É claro que a coisa foi feita desta forma para que o filho de Mike seja a criança controlada pelo skitter (e talvez até morra) e não Ben, e para que Tom ainda tenha um propósito na série, mas mesmo assim gostei da forma como as pessoas reagiram, em especial Tom. Tudo bem que assim que possível ele voltou para buscar Hal (acho que eu teria reagido como o garoto naquela hora que reviu o pai) e agora fará o impossível para resgatar Ben, mas foi especial vê-lo aceitando o fato de ser outra criança salva – afinal, todos têm os mesmos anseios ali – apoiar o colega e nem querer matá-lo por colocar todos em risco ao se expor daquela forma (inclusive, Karen foi capturada porque Mike se descontrolou).

As técnicas dos alienígenas também tem se mostrado cada vez mais humanas, como bem o demonstrou o assassinato do restante do grupo ao qual pertencia o filho de Mike. Eu tenho cá comigo que esse povo vinha estudando nós humanos há muito, muito tempo.

As tentativas de alívio cômico ficaram por conta de Pope. Eu digo tentativa, porque não funcionaram (quem realmente estava interessado naquela conversa sobre frango, feijão e temperos?), embora Pope seja um dos personagens mais interessantes e agradáveis de ver. Inclusive, deixe-me retificar uma afirmação que fiz logo acima: eu sentiria falta de Tom e de Pope caso um dos dois morresse.

Agora resta-nos esperar pelo desenrolar dos acontecimentos. O que fará o skitter? Qual será a função de Harris na história? O que fará Pope agora que se integrou à resistência? Tom conseguirá resgatar o filho (e todas as crianças do grupo)? E Karen? Será que sai alguma história interessante dessa captura da garota? E principalmente, será que desenvolverão melhor os personagens a ponto de eu me importar com algum deles?

Séries citadas:

Michele Reis Martins, a Mica, é advogada e mantém o blog Esperando o Esperado. Fã de Arquivo X, Highlander, Buffy, Doctor Who e sci fi em geral.

2 Comments

  1. Maria Eduarda

    Eu tenho cá comigo que esse povo vinha estudando nós humanos há muito, muito tempo. [2]

    Adoro filmes, histórias e documentários que retratem o fim do mundo, mas eu ainda sou noob no caso dos aliens, com exceção dos filmes óbvios – e de V. E estou gostando bastante de Falling Skies. Apesar de ser quase impossível não pensar no Carter ao ver o Noah Wyle – ER fan detected -, com a tensão do episódio, acabo me esquecendo disso e me vejo torcendo pelo professor de história.

    Não sei o que o futuro da série aguarda, mas estou muito curiosa quanto ao propósito dos aliens para invadir a Terra, o aparato nas costas dos adolescentes e a diferença entre os aliens.

  2. MicaRM

    Eu estou curiosa com o uso dos adolescentes também. Não pode ser só mão-de-obra barata, seria muito imbecil (ainda mais que os skitters tem 8 membros e nós só 2).
    Confesso que ainda não decidi se eu torço pelo Tom porque o personagem é gostável mesmo ou se é porque ele é o Noah Wyle, hehehe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account