Log In

Especiais Opinião

Especial Mid-Season: Justiça sem Limites, Entourage, The Office e Em Terapia

Pin it

Cenas de Justiça sem Limites, Entourage e The Office

Sempre fui fã de seriados, desde a minha infância. Comecei com a saudosa Anjos da Lei, passando por Barrados no Baile e Anos Incríveis, até Dexter e House, entre outras. Eu sempre assisti a seriados, mas não era dependente. Hoje em dia percebo que as séries fazem parte do meu dia-a-dia. Pude perceber isso ao longo dos últimos anos – sempre que chega este período que vai do final de maio a setembro, eu fico com uma sensação de que falta algo para completar meu dia.

Há três anos atrás era ainda pior, porque dependia exclusivamente da TV paga e tinha que ficar assistindo as reprises, ou uma ou outra série que eles colocavam na grade – que para aumentar minha tristeza, quase sempre eram séries que já estavam canceladas. Atualmente faço parte do universo crescente de pessoas que baixam seriados pela Internet e, graças a isto, a sensação de vazio nessa época do ano diminuiu drasticamente.

E nesse ano tive a sorte de ser apresentado a quatro obras-primas da TV moderna: Entourage, Justiça sem Limites, The Office e Em Terapia. Nenhumas dessas séries estão canceladas e cada uma dessas séries tem algum motivo pra eu não ter assistido quando foram ao ar no Brasil, e pra eu está correndo desesperadamente atrás do tempo pra colocá-las em dia.

O fato de eu querer desesperadamente colocar em dia Justiça sem Limites se deve ao prêmio Emmy que James Spader recebeu no ano passado. Eu já havia assistido nos últimos anos a um ou outro episódio da série na Raposa (que na época ainda era Fox) e sempre tinha gostado do que tinha assistido, mas precisou Spader ser eleito o melhor ator do ano pela segunda vez pra eu reparar um erro grave que estava fazendo. A série é sensacional, uma obra prima. E olha que me dizem que não é nem a melhor série de David E. Kelley – lá se vai minha vida social indo embora indo atrás de Ally McBeal. Após assistir a terceira temporada de Justiça sem Limites, eu não consigo entender como Spader ganhou só dois Emmys. Ele deveria ter ganhado todos os Emmys e Golden Globes. E Oscars – sim, o trabalho é tão sensacional que deveriam abrir uma exceção pro Oscar! E agora já estou me preparando para ver a quarta temporada da série. E espero ansiosamente assistí-la antes do Emmy e com isso poder colocá-la na minha lista de séries que acompanharei na próxima fall season.

Entourage passei a acompanhar pela insistência de Eric (que escreve as reviews de Grey´s Anatomy), que após conhecer essa série usou todos os meios possíveis (Twitter, MSN, blogs) pra convencer não só a mim, mas a todos que gostam de seriados pra que dessem uma chance a Vince Chase e seus amigos. Obrigado Eric, é só o que posso dizer, e claro, se alguém ainda não assistiu essa excelente comédia, corram pra Internet mais perto de vocês e baixem (ok! vocês podem comprar também nas Americanas ou outra loja especializada, mas só encontrarão a primeira temporada da série em DVD). Eu claro, estou correndo pra assistir a quarta temporada. E, só pra vocês terem idéia do quanto a série é boa, este é um daqueles raros seriados em que cada nova temporada é ainda melhor do que a anterior.

The Office era mais curioso ainda, eu não gostava de séries inglesas, passava longe da série original e até mesmo dessa versão americana quando eu via um episódio ou outro no FX. Mas todos, de A a Z aqui no TeleSéries, falavam maravilhas sobre essa série e eu me sentia um peixe fora d´gua, logo eu, um dos mais antigos colaboradores do site, não podia entrar numa conversa quando o assunto era The Office.

E lá vou eu baixar essa série. Antes perguntei ao Juliano (escritor da review de Dexter e antigo escritor da review de Smallville) se valia a pena mesmo assistir The Office e ele disse que a série era uma obra-prima (ou quase isso) mas que algumas pessoas não gostam. A dica dele é pra que eu assista a primeira temporada (que segundo é a que mais parece com a série inglesa) e assistir até o episódio de Natal da segunda temporada. Se até lá eu não gostar, eu podia desistir. Depois de três episódios da primeira temporada eu já cogitava The Office como uma das melhores comédia de todos os tempos. Hoje eu corro contra o tempo pra assistir aos episódios da quarta temporada.

O curioso com Em Terapia foi que assim que a série saiu eu comecei assistir. E assisti aos oito primeiros episódios, mas de repente tive uma falha que costuma ocorrer comigo as vezes, eu simplesmente deixo algumas séries de lado, mesmo gostando muito. Talvez seja falta de tempo, ou talvez seja indisciplina mesmo, pois com a Internet é diferente da TV, onde tínhamos que estar a tal hora sentados no sofá. Enfim, deixei a série de lado – que acabou se tornando a grande injustiça do Emmy e a nova obra prima da HBO. Parece com aqueles casos clássicos que nos distraímos por alguns instantes e quando voltamos pra realidade o mundo está completamente diferente. Já encomendei também essa primeira temporada, só não sei ainda se devo assistir tudo de uma só vez, ou um episódio por dia, pra poder fixar melhor todas as idéias que a série trabalha, o que vocês recomendam?

E eis minhas prioridades pra mid-season. E se eu dependesse da TV a cabo teria que assistir The Bachelor ou Big Shots (e isso definitivamente não é uma coisa boa). Só quero saber quando colocar essas séries em dia, como vou conseguir trabalhar, sair, namorar e estudar quando a próxima fall season chegar. Infeliz daquele que colocou apenas 24 horas em um dia.

Nota do Editor: A primeira temporada de Entourage está em promoção no Submarino.

Séries citadas:

17 Comments

  1. Paulo Antunes

    Fiaes, quem diria, vai acabar trocando One Tree Hill pelas séries acima :)

    Tem uma coisa que eu descobri que detesto nesta época do ano, que é assistir seriados em maratona, um atrás do outro. Detesto. Também não me agrada assistir um episódio de uma série por dia, todos os dias. Gosto de assistir um episódio de um determinado seriado por semana, ou sei lá, um episódio da série a cada três ou quatro dias.
    Porque eu realmente gosto de esperar, acho que parte da experiência deste gênero audiovisual que é o seriado está na continuidade. Pensar o que vai acontecer no próximo episódio faz parte da experiência de assistir um seriado.

    Outra coisa que eu gosto é do intervalo, nem que seja para dar fast forward no DVR. O corte do intervalo também é bacana, ele dá a pausa na ação, dá o tempo de reflexão (ou do xixi, whatever!)

    Bom, não tem nada a ver com o que tu escreveste, mas pensei nisto lendo o teu texto.

  2. Rodrigo

    Bom, das séries indicadas no texto só não vejo Entourage e embore goste bastante das outras, não considero JSL e The Office obras-primas.

    Acho The Office ótima, mas nunca me fará rir como Friends ou Seinfeld. E quanto a JSL, embora divertida e inteligente na abordagem de temas relevantes no tribunal, deixa a desejar em vários aspectos como desenvolvimento/esquecimento/sumiço dos personagens secundários ou as próprias tramas nas quais estes personagens estão incluídos(90% das boas tramas giram em torno do Alan, e até Denny é por vezes esquecido, passando vários episódios “apagado”). Acho que pra achar a série obra-prima tem que abstrair isso tudo e se concentrar no Alan e toda sua fodeza. É o que eu venho fazendo ultimamente, e só assim não me decepciono com a série.

    Paulo, caso você comece a assistir Ally Mcbeal, tenha um pouco paciência com a série. Concordo com os que dizem que ela é melhor que Boston Legal(beeem melhor), mas ela demora pra encontrar o seu ritmo. Até a primeira metade da primeira temporada, a série é centrada DEMAIS na personagem-título. Tudo gira em torno dela, ela está presente em praticamente todas as cenas, e as tramas secundárias praticamente NÃO EXISTEM. Lá pra metade da temporada, no entanto, o David E. Kelley passa a dar maior atenção a outros personagens(dos quais se destaca o ótimo John Cage) e consegue fazer uma série muito mais interessante, mais coesa. Até algumas gags e momentos de humor que pouquíssimo funcionavam antes passam a ser mais eficientes. É praticamente uma nova série(e que vale muito a pena ser apreciada). Portanto, paciência!

    E quanto a In treatment: pra mim essa é a grande série da temporada. Roteiros fortes, personagens cativantes(nem tanto pelo casal, devo dizer) e um elenco muitíssimo bem selecionado. Quanto a maneira de assisti-la, acho que cada um sabe como prefere. Talvez umas duas “sessões” seja um bom número.

    Abraço.

  3. Diego A.

    É uma ótima sensação mesmo descobrir uma série que vai se tornar a sua próxima “paixão”. Principalmente quando você vicia logo no piloto e descobre que a série ainda tem várias temporadas pela frente para se deliciar!

    Meu novo vício é Monk. Assisti ao 1º episódio nesta tarde de domingo e já me apaixonei pela comédia investigativa (será exagero meu?). Só espero que a série continue me cativando pelas próximas 6 temporadas que vem pela frente!

  4. Diego A.

    Quanto as séries citadas na matéria, concordo com a classificação de Boston Legal (me recuso a me referir a série pelo breguíssimo título de Justiça Sem Limites) e The Office. São verdadeiras obras-primas que talvez só serão reconhecidas dessa forma ao longo dos anos, provavelmente depois que chegarem aos seus finais.

    Já em relação a Entourage e In Treatment, acho a primeira muito sexista e a segunda é chata (lenta) demais. Pronto, falei. Podem jogar as pedras… hehe

  5. Paulo Fiaes

    Diego,

    que nada, aqui o espaço é democratico, todos tem direito a opinião sem críticas. Analisando Entourage, eu não acho ela do time de Friends e Seinfield por exemplo, e já comentei com alguns amigos que é mais fácil um homem gostar da série do que uma mulher, mas esse o que me chama mais atenção é uma história até certo ponto futil chamar tanto a minha atenção e a cada temporada fico mais preso e atento ao que acontece com Vince e seus amigos. Sem contar, que aprendemos a torcer por todos durante a série.

    Rodrigo,

    só assisti a terceira temporada de Boston Legal até agora, e o que eu vi fiquei realmente impressionado com a série, dizem que essa quarta temporada se perdem um pouco. Mas sobre Mcbeal, irei assistir sim, ja estou procurando uma forma de conseguir as 3 primeiras temporadas… e pode deixar que vou ter paciência com a série, com tantos elogios, n tem como eu ignorá-la por causa de um ou dois eps

  6. marília

    the office é obra-prima sim. e tô falando da versão americana. é toda amarradinha, sem forçação de barra. pessoas com dwight e michael, que vc pensa serem impossíveis de existir por conta do estado permanente de “sem-noção” são tão legais que vc acaba até desenvolvendo afeto. e tem como não sa acabar de rir com Kelly perseguindo Ryan? ou como não fazer “awnn” para jim e pam? sem contar que vc pode passar um episódio inteiro sem rir, de repente acontece uma coisa hilária e dá pra se acabar de rir!

    tô tentando ver se eu consigo ver essa 4° temp. que acabei vendo toda recortada.

    uma coisa que recomendo pra quem não viu, é o episódio duplo de my name is earl de qnd cops foi ser gravado na cidade. é na atual temporada. é muiiiito engraçado. tá fácil na lista dos episódios mais engraçados de todas as séries!

  7. Renata

    Eu gostaria mesmo que mais pessoas parassem pra assistir Entourage. Ela pode ser meio sexista mesmo mas até ai quem é que não tem amigos assim? O que importa é que eu sempre me divirto muito.

    Quanto a Em Terapia, as vezes eu passo semanas sem assistir e de repende eu vejo vários episódios de uma vez. Depende muito do que acontece durante a semana. As vezes acontece uma coisa num dia e vc não consegue esperar pra ver o que ele vai falar pra Gina sobre isso e ai tem que assistir todos de uma vez. Esse é o bom de esperar a temporada acabar e ver pelo computador.

  8. Lucas

    Adoro todas essas séries. Boston Legal acompanho desde o começo, porque já assistia The Practice. Aliás, quando o Alan Shore apareceu nessa série, a primeira coisa que pensei foi: “Pô, esse personagem merecia uma série só sua”. Perdi vários episódios dessa série e me desestimulei por causa da Raposa, mas ainda acho brilhante, com alguns episódios que me deixam mais leve depois de assistir. Sou um proto-advogado e me espanto com a retórica dos personagens e os diálogos afiados, tanto que até já organizei debate na faculdade em torno de episódios da série. E prefiro Boston Legal à Ally McBeal, que nunca achei mais do que uma série “bonitinha” ^^, questão de gosto mesmo.

    Entourage eu pego praticamente um episódio sim, um não, é aquele tipo de programa que não vicia, mas serve como entretenimento. A série é meio sexista sim, mas eu gosto bastante da sua dinãmica.

    Quanto à The Office eu estranhei muito a série no começo, nunca entendia o celeuma que faziam em torno dela e meio que deixei de lado, nunca parei pra acompanhar. Mas desde que começei a vê-la não largo mais, também passei a crer que mereça a pecha de brilhante.

    Quanto a In treatment, a primeira coisa que pensei foi que não podia ter coisa mais chata do que ver a terapia dos outros. Me dei mal, pois começei a ver por acaso só na terceira semana e me surpreendi. Atuações nada menos que brilhantes e uma fluidez que é uma coisa linda de se ver. Até fiquei com vontade de fazer terapia hehe.

  9. dan

    A melhor maneira de assistir In Treatment é em blocos compostos pelos 5 episódios semanais, que, na verdade, são um só.

    Adoro todas essas séries, estão mesmo entre as melhores da atualidade (embora ainda só tenha visto as duas primeiras temporadas de Boston Legal). Para mim, In Treatment é também a série do ano. Nunca pensei ver uma série assim tão PERFEITA.

  10. Rafa Bauer

    Boston legal eu nunca vi, mas acho que, se garimpar as séries antigas do David E. Kelley, vai ver que ele não é tão original assim, e reaproveita roteiros de episódios antigos de outras séries das quais participou, como LA Law.

    Quanto a In treatment, comigo aconteceu a mesma coisa que com vc. Vi muitos episódios, aí dei um tempo. Depois retornei e já estou na reta final (faltam 8 episódios). Eu costumo ver uns 2 ou 3 por vez. Minha personagem favorita é a Sophie (embora eu goste MUITO da Laura). O piloto me irrita e o casal é muito chato. E agora, com a atriz que faz Sophie sendo a protagonista do próximo filme do Tim Burton (Alice no país das maravilhas), acho que a série vai atrair mais atenção.

  11. Luciano Cavalcante

    “In Treatment” vicia. É incrível que possa acontecer tanta coisa – boa, má, excitante, deprimente, assustadoras… – em apenas 30 minutos, e sem mudança de cenários. Assistam.

  12. Pedro

    Na verdade no ano passado foi o terceiro Emmy que Spader ganhou pelo personagem. Ele(e também William Shatner, mas como ator convidado)ganharam Emmys pelos mesmos papéis ainda na genial oitava temporada de The Practice. Na época o personagem de Alan Shore era um pouco mais sombrio e menos ético, talvez ainda mais divertido. E o Denny Crane era ainda mais absurdo.
    Gostei bastante do post. Adoro as séries do David E. Kelley desde que vi por um acaso um episódio de Chicago Hope, em 1996 ou 1997, na record. Desde então acompanho todas: O desafio, Ally McBeal, Boston Public… e até as de vida curta Snoops, Girls Club, Wedding Bells.
    Espero que ele mantenha a mesma qualidade no remake de Life in Mars.

  13. Thiago

    Não acompanho Justiça sem Limites, mas eu deveria. Negócio que vidrei nela dublado. Adoro os dubladores de Spader e Shatner…

    Entourage ainda não vi. Falta tempo.

    In Treatment… amei. Só não digo que é perfeito por causa de sua reta final. Mas adorei a série, roteiro, direção e personagens.

    Ah, The Office. Até hoje não sei pq não me candidatei pra fazer reviews de TO e largar de vez as minhas de ER. Ou fazer as duas, vá lá. Amo Pam e Jim (vivi isso, só que sem final feliz) adoro o Michael (por causa dele vou ver Entouraaaaaaage) e Dwight (por causa dele, vejo Battlestar Galactica e não sou mais idiota). Melhor comédia ever! E o UK não bateu com meu santo tbm…

  14. Nanda

    Michael Scott imitando Chris Rock: foi aí que a série me conquistou. Uma das cenas mais hilárias que já vi.
    “…e Dwight (por causa dele, vejo Battlestar Galactica e não sou mais idiota” x2
    Também não bati com a original. Só Gervais mesmo. O resto… Rain Wilson dá de 10 a 0.

    Sempre quis ver Boston Legal (tb me recuso a chamar de Justiça sem limites) por algum motivo ou outro nunca consegui… quem sabe esse ano vai.

    E a melhor coisa de Entourage é o Ari Gold. Concordo que é um pouco sexista, um pouco não, muito, mas é divertida.

    E In Treatment, uma das melhores estréias do ano. É incrível como vicia. Ansiosa pela segunda temporada, tomara que a Sophie volte. O que é mais legal é que tenha tanta gente que goste, pelo menos aqui no Brasil. É uma série incomum, sempre achei que seria super injustiçada. Bom que seja constantemente mencionada.

  15. Pingback: Entourage… « My Craps

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account