Log In

Especiais

Séries de TV ensinam como sobreviver ao apocalipse

Pin it

O ano de 2012 está chegando ao fim e o tão temido dia 21 de dezembro de 2012 está batendo na porta dos mais supersticiosos. Segundo o calendário Maia a existência do mundo como conhecemos hoje se encerraria neste dia. No entanto, para quem é fã de séries de televisão a imaginação vai mais longe. Afinal, na telinha muitos seriados já mostraram a chegada do apocalipse de várias formas diferentes e (pasmem!) a vida continuou depois disso. Em alguns casos até ficou mais divertida.

Quem ainda tem medo do que pode acontecer ainda nesse dia 21 de dezembro pode ir pegando seu bloco de anotações, o TeleSéries vai viajar por algumas séries que vivenciaram o apocalipse e mostraram como sobreviver a ele. Anote as sugestões que mais te agradarem, abra a imaginação e sobreviva com a gente.

Revolution e Jericho

Os Maias não disseram que o mundo ia acabar com um asteróide atingindo a Terra, como a maioria dos filmes como 2012, Armageddon e Impacto Profundo mostraram. Assim podemos imaginar que ele poderia acontecer de várias maneiras diferentes. No recente sucesso de audiência da NBC, Revolution, toda a energia do planeta, incluindo baterias, energia elétrica e pilhas, pararam de funcionar. A série mostra as pessoas sobrevivendo 15 anos após o apagão em meio a um caos total. Governos foram derrubados, milícias inescrupulosas tomaram o controle à base da força e trouxeram medo para a população.

No meio do caos um grupo de cientistas responsável pelo apagão se esconde enquanto a milícia tenta recrutá-los para restabelecer a energia com o intuito de aprimorar o uso dos armamentos. De outro lado a família Matheson se estabelece em uma pequena colônia de agricultores, mas logo a filha mais velha, Charlie, é obrigada a começar uma trajetória em busca do irmão sequestrado pela milícia e atrás de vingança pela morte do pai. Quem entra em cena é o “tio” Miles, em grande atuação de Billy Burke. Ex-comandante da milícia ele agora tenta derrubar o general Monroe enquanto a destruição e a violência não se espalhem ainda mais pelo que sobrou da população.

No entanto, o poder de imaginar o mundo tomado por um caos total já tinha forma muito antes da série da NBC. Seis anos antes de Revolution imaginar um mundo sem eletricidade, um seriado projetou um cenário tão caótico quanto: Jericho. No piloto da série, os moradores de uma pequena cidade do Kansas, nos Estados Unidos, assistiram atônitos ao aparecimento de um cogumelo nuclear no horizonte e, na sequência, surgiram as consequências das explosões nucleares (sim, foram múltiplas): queda nas comunicações, falta de luz e especialmente de informação sobre o que acontecia no resto do mundo.

Ao longo de duas temporadas (a segunda garantida por conta de uma forte campanha feita pelos fãs), a audiência acompanhou o medo e a luta pela sobrevivência do grupo liderado pelo ex-militar Jake Green (Skeet Ulrich) e tentaram entender o que gerou aquela espécie de apocalipse. As informações vieram naturalmente, a audiência descobriu que Jericho era uma cidade estratégica e um refúgio para os que sabiam que o cataclisma iria acontecer. O município era abastecido de fazendas e localizado estrategicamente perto de uma mina de sal, era o cenário ideal para sobreviver no mundo sem energia que Jericho apresentou.

Falling Skies e The Walking Dead

Já em outras séries as preocupações iriam muito além da falta de energia. Em Falling Skies e The Walking Dead os sobreviverem até conseguiam alguma forma de obter um pouco de energia elétrica com geradores e também combustível com o que sobrou no mundo de gasolina. Inclusive após duas e três temporadas, respectivamente, as duas séries ainda não esgotaram seus estoques de combustível e suprimentos. Por outro lado, o problema dos sobreviventes nesses seriados é muito maior que a falta de energia, comunicação ou comida. Enquanto em Falling Skies a ameaça vem do céu, através de uma invasão alienígena em The Walking Dead a briga é em terra com seres humanos infectados por uma praga que os transforma em zumbis.

Em Falling Skies o grupo sobrevivente da 2nd Massachussetts peregrina pelo o que sobrou dos Estados Unidos. A guerra com os alienígenas obriga os grupos de sobreviventes a se organizarem como um exército de vários batalhões e o ex-professor de história Tom Mason (Noah Wyle) vira um dos homens no comando e seus filhos em exímios soldados. Em The Walking Dead os sobreviventes formam pequenos grupos que dificilmente aceitam novos membros e também peregrinam pelo país, mas fugindo de zumbis e procuram suprimentos e locais seguros para se abrigar. A série mostra a saga do ex-xerife Rick Grimes (Andrew Lincoln) e seu pequeno grupo de sobreviventes que evoluíram e se adaptaram ao sistema para que, mesmo com poucas pessoas, consiguissem sobreviver ao apocalipse zumbi.

No mundo de Falling Skies, assim como em The Walking Dead, a grande maioria da população mundial foi dizimada e pouca informação se obtém sobre o que aconteceu no resto do planeta. Enquanto no mundo tomado por alienígenas os intrusos capturam as crianças, colocam arreios e controlam seus movimentos, em The Walking Dead a mordida de um zumbi não tem volta e a solução é um tiro na cabeça para que a pessoa não se torne um morto-vivo em poucas horas.

Fringe, Arquivo X e The Event

Outras séries não vivenciaram o fim do mundo, mas foi por pouco. Fringe e Arquivo X pareciam ter temas estranhos, mas que não comprometeriam a vida no planeta Terra. No entanto, com o avanço das temporadas o mundo esteve perto de um fim no roteiro dessas duas séries. Fringe não tinha uma temática de final de mundo até a segunda temporada quando dois universos paralelos começaram a se fundir. Aí a coisa começou a ficar séria e a correria tomou conta dos dois universos para que o mundo não acabasse por ali. A série de J.J. Abrams mostrou que nessa hora inteligência e uma dose de drogas faz toda a diferença. O gênio louco Walter Bishop e sua vaca inseparável que o digam. Em Fringe, Walter se torna a peça chave para salvar o mundo, seu filho Peter é o salvador, sempre é preciso um salvador no apocalipse, Olívia fecha o trio principal da série e forma o casal apocalíptico com Peter. Quando tudo parecia perdido em Fringe, inteligência, amor e algumas doses de loucura e drogas ajudaram a evitar o apocalipse, se não em todos os universos pelo menos no nosso.

Em Arquivo X o amor também esteve no ar em meio a abduções alienígenas e teorias conspiratórias de que o planeta Terra seria invadido pelos homenzinhos de verde. Fox Mulder e Dana Scully formaram um dos casais mais queridos e torturadores de fãs já existentes na série. Com nove temporadas no total, foi só no sétimo ano da série que os dois trocaram o primeiro beijo e mesmo assim a coisa demorou para tomar forma. Durante a série Scully e Mulder foram abduzidos, passaram por experiências alienígenas, lidaram com seres estranhos, mutações e lutaram diariamente em busca da verdade, do que escondia o governo e ainda tentavam proteger o mundo da colonização alienígena.

A invasão extraterrestre não ficou só em Arquivo X, em 2010 a NBC apresentou The Event que apesar de não ter tido tempo para explicar exatamente o que era o evento, trouxe novamente uma raça alienígena tentando colonizar a Terra. Os homenzinhos de verde nesse caso não eram tão verdes assim, se pareciam com os humanos e isso facilitou o plano deles. Sophia (Laura Innes) sofreu um acidente com sua nave e foi presa pelo governo americano, junto com alguns conterrâneos dela. O que ninguém sabia é que vários alienígenas já estavam vivendo normalmente entre os humanos, #homensdepretofeelings. A série foi cancelada ainda na primeira temporada e as tentativas de reativar a história entre outros canais de televisão ainda não vingou. Mais uma vez a invasão alienígena não conseguiu completar a missão, mesmo que dessa vez a grande “salvadora” tenha sido a NBC e não o mocinho da série Sean Walker (Jason Ritter).

Smallville e Heroes

Enquanto o apocalipse não chega algumas séries se prepararam para ele. Smallville e Heroes trouxeram para as telinhas heróis que poderiam ser muito úteis em um possível apocalipse. Isso, é claro, se esses heróis não precisassem sobreviver primeiro vivendo normalmente entre seres humanos. Em Smallville Clark Kent, um jovem que veio do planeta Krypton a bordo de um asteróide quando ainda era criança, tenta sobreviver à adolescência em uma pequena cidade no interior dos Estados Unidos. Enquanto lida com a descoberta de seus poderes Clark também sofre com as angústias comuns de um adolescente da sua idade.

Mesmo sendo um salvador do mundo em formação Clark foi responsável por evitar algumas catástrofes naturais e outras não tão naturais assim, enfrentar vilões de outros mundos e dimensões paralelas, chuvas de meteoros, campo magnético maligno e… a lista é grande. Em Smallville a ameaça de um fim do mundo era grande e a única coisa que aparecia como salvação era a existência de um herói, que mesmo em formação, foi responsável por livrar os humanos de vários desastres.

Na dúvida se um herói apenas seria suficiente surgiu Heroes, onde vários humanos apareciam com habilidades impressionantes como capacidade para voar, telepatia, regeneração celular, precognição, dupla personalidade, super força, tecnopatia, manipulação de tempo e espaço e absorção poderes de outras pessoas. No entanto, a ideia geral não deu muito certo, pois muitos desses heróis não estavam tão interessados assim em salvar o mundo de um apocalipse e os que estavam engajados na causa muitas vezes tinham problemas com outros heróis mal intencionados. Com o tempo essas pessoas com habilidades acabam descobrindo que devem evitar desastres previstos por um pintor que também tem habilidades especiais de prever apocalipses e desastres. O grupo de heróis que consegue se organizar em nome da boa causa chegou evitar que a cidade de New York fosse destruída por uma explosão nuclear e que o lançamento de um vírus mortal que causaria uma pandemia global fosse realizado. Tudo isso antes da série ser cancelada pela NBC depois da quarta temporada.

Buffy, Angel e Supernatural

Em Buffy o mundo quase chegou ao fim diversas vezes, mas ficou no quase graças a Buffy (Sarah Michelle Gellar) e seus amigos. Entre os apocalipses interrompidos pela caçadora de vampiros está a chegada de Mestre, um vampiro muito velho que emergiu do submundo. Em outra oportunidade a paixão impossível de Buffy, Angel (David Boreanaz), ficou mau e abriu um portal do submundo que sugaria tudo direto para o inferno. A caçadora de vampiros ainda teve que lutar contra o prefeito de Sunnydale, um ciborgue descontrolado, uma deusa diabólica e até a sua amiga, a bruxa Willow (Alyson Hannigan), acabou envolta em magia negra tentou destruir tudo e todos.

Buffy mostrou que para sobreviver a um ou vários apocalipses é importante ter amigos, não morar em cima da Boca do Inferno e ser altruísta. Essas dicas ajudam sobreviver a um possível fim dos tempos e ainda continuar vivo para ver a luz do sol no outro dia, pois acredite, vai haver um amanhã com direito a outro apocalipse. A série Buffy ainda deu cria a outro seriado apocalíptico, Angel, onde contato com o sobrenatural garantia problemas com demônios e profecias. Ah sim, e apocalipses também. A série teve um quase fim de mundo cercado de sinais como pragas, chuva de fogo, uma besta gigante, mortos virando zumbis e o sol encoberto por trevas.

Quem passou e ainda passa muito trabalho com seres de outro mundo são os irmãos Winchester da série Supernatural. Sam (Jared Padalecki) e Dean (Jensen Ackles) vivem de cidade em cidade caçando demônios e outras criaturas sobrenaturais, algumas quase inofensivas em âmbito apocalíptico, outras poderiam trazer problemas muitos maiores para a população mundial. Os dois entram em conflito até com anjos e demônios na luta para que o apocalipse não aconteça e Dean chega a ser torturado no inferno. Depois de vários eventos apocalíticos durante a quinta temporada o céu e o inferno ficam em completa desordem e a situação segue tensa na vida dos irmãos Winchester, a luta com a chegada de novos seres maus e possíveis causadores de um apocalipse é constante na série. Para salvar o mundo das criaturas sobrenaturais Sam e Dean foram treinados desde pequenos por seu pai, possuem um arsenal de armas e o diário de seu pai que guarda informações importantíssimas para vencer as criaturas mais bizarras que podem aparecer.

Sanctuary e Terra Nova

Quando o mundo atual já ameaça a sobrevivência e o apocalipse parece próximo outra solução inteligente é se organizar para descobrir outro local, ou tempo, diferente para se viver. Enquanto em Sanctuary o mundo passou perto do fim devido a inúmeras ameaças de criaturas diferentes, em Terra Nova ele já estava devastado pela poluição e não oferecia mais condições seguras de vida. Em Sanctuary, a imortal Dr. Helen Magnus administra um dos vários santuários do mundo que abrigam criaturas das mais diversas possíveis, de sereias e o pé grande até vampiros e lobisomens. O grupo que trabalha no santuário tenta dar suporte a todas as criaturas estranhas do mundo e cuidar para que as mais perigosas não mandem o planeta todo pelos ares. O conflito entre humanos e anormais faz eclodir uma guerra em diversos países e que se estende para o mundo subterrâneo e até inclui viagens no tempo. O apocalipse chegou perto e destruiu muita coisa na superfície, tanto que no final da série Helen Magnus e sua equipe resolveram se abrigar em um novo local, escondido no mundo subterrâneo.

Em Terra Nova a solução foi viajar no tempo e voltar até a época dos dinossauros, onde a lua ficava bem mais próxima da Terra e o ar era muito mais limpo. Grupos de pessoas escolhidas foram enviadas a essa nova esperança chamada de Terra Nova e as pessoas que ficavam precisavam lidar com o ar praticamente irrespirável e o controle rigoroso de natalidade imposto pelo governo. No novo mundo os escolhidos precisaram se adaptar aos perigos da natureza desconhecida e tentar sobreviver a ela. Em Terra Nova os humanos voltaram no tempo e foram em busca de um novo recomeço no mesmo mundo que eles mesmo destruíram por causa da poluição.

 

Dia 21 de dezembro de 2012 finalmente chegou e tem mais chances de ser um cancelamento do que um sucesso de audiência. Os Maias talvez foram os pioneiros em criar um tipo de história que mexe com a imaginação dos humanos até hoje, a possibilidade de um apocalipse iminente, seja de que forma for. Prova disso é a quantidade de séries que abordaram o assunto e passamos longe de citar todas. Qual outra série que tratou de fim de mundo e apocalipse que ficou de fora do nosso especial? Escreva nos comentários. Toda a ajuda é válida, 21 de dezembro chegou tranquilo, mas não convém baixar a guarda.

*Esse especial teve colaboração de Maria Clara Lima, Mirele Ribeiro e Paulo Serpa Antunes.

Séries citadas:

é Jornalista, Publicitária, Gaúcha, Capricorniana de 84. Além de escrever no TeleSéries, trabalha como coordenadora de imprensa na Prefeitura de Taquari e assessora de imprensa no Campeonato Gaúcho de Rally 4x4. Fã de cinema, esportes, literatura, música e séries de televisão. Começou a assistir seriados com E.R. e Arquivo. X. Gostaria de ter estudado em Hogwarts, jogado quadribol e tomado cerveja amanteigada, mas se contenta com um gol do Grêmio e uma Heineken. Nunca ganhou um prêmio importante, mas já levou pra casa um Kikito de chocolate de Gramado/RS.

Website: http://www.alineben.blogspot.com

2 Comments

  1. Pingback: Emissora britânica compra direitos de exibição de três temporadas de ‘Revolution’

  2. Jade

    Olá Aline, creio que Haven também conte com a destruição do planeta, até mesmo dependendo da anomalia ou dom especial da personagem na série…rs….(Fiquei muito triste com o cancelamento da série Terra nova)! Vc acha que ainda tem chance de retomarem a série?!?
    Lembrei também de um seriado antigo do Spilberg, nome Taken, era uma invasão alienígena, muito bom, mas faz muito tempo q assisti, não lembro se fala de algo a respeito do fim. Bjs, foi um prazer e espero tê-la ajudado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account