Log In

Entreatos

Entreatos: Cultura pop levada a sério – Shonda ‘Drama Queen’ Rhimes

Pin it

Esta semana a internet estava em prantos. Literalmente. Milhares de pessoas postaram fotos chorando após o último episódio de Grey’s Anatomy, no qual Shonda Rhimes resolveu dar uma de J. R. R. Martin e matar o mocinho. E realmente, ver o Patrick Dempsey morrer, mesmo que em ficção, é um evento traumático que eu não desejo pra ninguém. Eu me lembro bem quando Larry Paul saiu de Ally McBeal sem explicações porque na vida real Robert Downey Jr foi preso (sim, eu já assistia séries em uma época em que o mundo era bem diferente e ninguém deixaria o Robert Downey Jr fazer um filme da Disney), e foi horrível. Mas sinceramente, quem assiste as séries da Shonda Rhimes tem que estar preparado pra qualquer coisa.

Eu não assisti este episódio. Grey’s Anatomy já foi há muito tempo uma das minhas séries favoritas, mas eu desisti dela depois da quarta temporada. Pra quem não se lembra Grey’s Anatomy era quase que uma série indie: ótimos atores desconhecidos, trilha sonora excelente, low budget, uma primeira mid season cheia de rejeição, mas, principalmente, um drama bem dosado entre o absurdo e a ironia cômica. Era lindo. Cada catástrofe imensurável era balanceada com a leveza de problemas adolescentes, e diálogos sagazes. Lindo. E então começou o drama.

Divas brigando no set, atores saindo porque achavam que já eram movie stars e, enfim, Shonda começou a desenvolver seu estilo que ela mesmo descreve como “I write myself into a corner and then I try to write myself out of it” (Eu me ‘escrevo’ em uma cilada e depois tento escapar dela’). Ou como eu chamo, ‘Técnica Lost‘, começar um drama sem saber como deve ser o desfecho, aumentando a pressão e a expectativa progressivamente até que você tem duas saídas: ou tudo explode, ou tudo se desfaz em um desfecho decepcionante. No caso de Grey’s Anatomy, a série perdeu seu charme esquisito e sua leveza, para virar um grande drama em que, ao invés da alternância de momentos pesados e leves, traz conflitos que só se acumulam. A mudança foi tão grande que eu até cheguei a pensar que tinham mudado o time de criação, e até hoje não entendo como essa mudança estilística passou batido pela maioria dos fãs e da crítica. Só eu assisti à primeira temporada?

Mas foi por causa deste novo estilo que Shonda foi tão bem sucedida com Scandal — uma série, cuja premissa já é essa panela de pressão. E não há como negar que a mulher é eficiente no que faz. Desde David E. Kelley eu não vejo uma criadora com tantas séries simultâneas no prime time. Mas sinceramente? Não é pra mim. Eu preciso de respiros entre os momentos de drama. É melhor mesmo eu continuar seguindo Games of Thrones. É menos tenso.

Séries citadas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account