Log In

Reviews

Entre campanhas e brigas de bastidores, um balanço da temporada de ‘The Good Wife’

Pin it

Reza a lenda que “a mágica acontece quando você sai da sua zona de conforto”. Robert e Michelle King parecem ter levado este ditado às últimas consequências na já épica quinta temporada de The Good Wife. Mas, após uma temporada perfeita, a pergunta que não queria calar era: como seguir adiante? É possível que a série apresente uma temporada tão ou mais espetacular do que a sua antecessora? As expectativas eram altas, e a missão, difícil e desafiadora. Mas, ao fim destes 22 episódios – que, aliás, passaram com uma velocidade assustadora –, podemos respirar aliviados.

Em que pese o descontentamento de grande parte do fandom da série com o arco político e a candidatura de Alicia à promotoria, devo confessar que não faço parte deste grupo. Na minha opinião, The Good Wife nos presenteou com mais uma temporada primorosa, provando de uma vez por todas que a ousadia e a coragem de seus roteiros vieram para ficar. Será?

Se, por um lado, a quinta temporada usou a morte de Will para jogar tudo o que nos era familiar para o alto e, assim, reinventar-se de maneira brilhante, por outro, a ousadia a que me refiro aqui na sexta temporada diz respeito à evolução de Alicia, que por deliciosos episódios durante sua campanha política, teve sua imagem de “boa esposa” cuidadosamente desconstruída. Cansada de ser coadjuvante na ascensão política de Peter, Alicia, ainda que inicialmente hesitante, agarrou com unhas e dentes a oportunidade de ocupar o cargo que um dia foi de seu marido.

Ela, então, foi à luta. E imersa nela, acabou inadvertidamente vendendo sua alma para um diabo. Ou vários. A despeito de seus valores, princípios e boas intenções, “Santa Alicia” aprendeu com quantos aliados se vence uma eleição, ainda que entre eles estejam um porco homofóbico (porém milionário), Lemond Bishop, Colin Sweeney, entre outras figuras de caráter duvidoso. Navegando em águas turbulentas e até então desconhecidas, Alicia fez o que pode, como pode, fazendo concessões morais e conexões suspeitas a torto e a direito. Sua vitória foi esperada, festejada e… efêmera. Em (mais) uma reviravolta digna de House of Cards, Alicia se viu mais uma vez como o dano colateral da falta de escrúpulos alheia. Cortesia do Partido Democrata, que “jamais esquecerá seu sacrifício”.

Acuada por seu próprio escândalo político, e acusada de cometer o mesmo crime de seu marido.

Esta manobra do roteiro foi tão maravilhosa quanto cruel, e ainda serviu para nos mostrar uma nova faceta do relacionamento de Alicia e Peter: quando tudo estava perdido, a cumplicidade entre “marido e mulher” salvou o dia. O abraço e o choro compulsivo e frustrado de Alicia ao final de Winning Ugly foi uma das minhas cenas favoritas de toda a temporada.

PeteAlicia

Mas, até chegarmos a este ponto decisivo da tortuosa jornada da boa esposa, passamos por alguns episódios memoráveis. The Good Wife e sua maravilhosa mania de trazer ao roteiro escândalos e controvérsias da vida real que pululam em manchetes de jornais mundo afora. Em The Debate (6×12), Chicago se transformou na pequena Ferguson, Missouri, e a história de Michael Brown – ou, neste caso, Colin Willis – estava novamente diante de nossos olhos. Em Undisclosed Recipients (6×17), o vazamento dos e-mails do escritório nos remeteu imediatamente ao escândalo da Sony Pictures – e rendeu momentos suculentos e diálogos épicos. Já em Loser’s Edit (6×18), o roteiro novamente buscou inspiração na realidade, e foi a vez de vermos Diane Lockhart – Christine Baranski maravilhosa! – brilhar em um caso que expôs a homofobia, a intolerância e a imensa hipocrisia do Partido Republicano de R.D. Os legisladores do estado da Indiana poderiam aprender uma lição ou duas com Diane sobre liberdade religiosa e intolerância, não é mesmo? Aliás, as interações entre R.D. e Diane são sempre deliciosas, seja numa discussão passional sobre o porte de armas no meio de muita neve durante um dia casual de caça, seja num julgamento hipotético sobre o preconceito e a intolerância.

Mas o título de episódio favorito desta temporada (e um dos favoritos de toda a série) vai mesmo para Mind’s Eye (6×14). Nele, os roteiristas nos presentearam com um passeio delicioso pela mente de Alicia. Viajamos para dentro da cabeça da nossa protagonista e passamos o dia ali, vendo seus pensamentos tomarem forma e ouvindo tudo aquilo que ela não disse. Will, Peter, Jon, Finn, Grace, Zach e até mesmo Kalinda – quem diria! – passaram diante de nossos olhos enquanto Alicia refletia, ansiosa, sobre seu próprio sentimento de culpa. Apesar de seus conflitos internos, ela formou alianças muito perigosas, e sabia disso. O preço foi alto.

Depois da renúncia, fiquei receosa sobre os rumos que a série tomaria. Alicia poderia voltar para a Florrick, Agos & Lockhart? Certamente. Mas essa seria a decisão mais acertada criativamente? Não. E por um motivo bem simples: ao longo desta sexta temporada, vimos o escritório que Alicia e Cary lutaram tanto para estabelecer virar uma espécie de filial da falecida Lockhart & Gardner. David Lee está aí e não me deixa mentir. O mal-entendido criado pela possível volta de Alicia foi apenas mais um dos sintomas daquele clima de desconfiança já tão corriqueiro desde a virada de mesa da temporada passada. Mas um retorno agora seria o mesmo que voltar à estaca zero, jogar no lixo toda a ousadia que tanto amamos acompanhar. No fim das contas, é um antigo cliente que traz à tona o idealismo há muito deixado para trás pela nossa protagonista, mostrando a ela um possível caminho – um meio-termo, talvez.

Canning

E enquanto Finn recuou (e parece ter dado um adeus definitivo à série), Canning – of all people! –, perguntou: “Wanna partner?”, em um cliffhanger que foi tão inesperado e chocante quanto… Déjà vu? Impossível não lembrar da season finale da quarta temporada, quando era Cary quem estava do outro lado da porta, na mesmíssima situação. Sim, o arco se repete e, de uma forma ou de outra, Alicia terá de recomeçar pela terceira vez, agora com um desafeto. Será? Ou Canning só está fazendo isso para dar uma chance à sua esposa recém-demitida da Agos & Lockhart (Lockhart & Agos? Já não parece certo colocar o Florrick ali na frente…)?

Enquanto isso, a outra grande expectativa desta temporada – the elephant in the room – dizia respeito à despedida de Archie Panjabi, que vinha sendo cuidadosamente arquitetada pelo roteiro desde o início da temporada.

No fim das contas, vimos ambos os arcos de Kalinda se entrelaçarem para selar o destino desta personagem que um dia foi a mais subversiva e intrigante da série, mas que há tempos andava apagada e irreconhecível. Matamos a charada meses antes da finale, já que era bastante óbvio que ela não sairia impune de seu envolvimento com Lemond Bishop e da falsificação daquela evidência crucial para a exoneração de Cary. Entregar o traficante mais poderoso de Chicago numa bandeja para evitar que Diane e o próprio Cary sofressem as consequências era, àquela altura, a única saída. Sua despedida foi triste, amarga e definitiva, porém necessária.

Kalicia

Diante da promessa de uma cena derradeira entre Kalinda e Alicia, foi sofrível ver esta finale tão aguardada ser absurdamente ofuscada pelos bastidores da série. A mim, pouco importa o motivo da briga/picuinha/estranhamento/insira-aqui-o-substantivo-de-sua-preferência que supostamente aconteceu entre Julianna Margulies e Archie Panjabi. Mas, enquanto fã e espectadora da série, fiquei decepcionada ao perceber que os rumores eram reais: Julianna e Archie, de fato, não contracenaram no adeus entre Alicia e Kalinda. Foi uma despedida simples, bonita e despida de qualquer pieguice ou sentimentalismo numa mesa de bar, que encerrou uma era na narrativa de The Good Wife. A cena certamente cumpriu o seu papel, mas…. Nós merecíamos mais…

De qualquer forma, adeus Kalinda.

Mas agora… O que esperar da série em seu sétimo ano?

Peter candidato à Presidência da República, com o propósito de se tornar… vice. What? Não espero que o Senhor Governador se curve à desaprovação de Alicia, até porque, campanhas políticas são sempre muito bem-vindas em The Good Wife, senão por outro motivo, pelo menos para manter sempre relevante aquela criatura fascinante que atende pelo nome de Eli Gold. É justamente aí que o personagem de Alan Cumming brilha mais, e eu espero muitos momentos crocantes e deliciosos do personagem na próxima temporada. O que isso significará para a carreira de Peter? Só o tempo dirá. Mas…. Alguém realmente se importa com sua ascensão política? (e já que estamos falando de Eli, alguém pelamordeDeus traz a Marissa de volta? Por favorzinho?)

Outro ponto importante: a ausência de Kalinda será sentida, é claro, mas queria muito saber: por onde diabos anda Robyn? Li por aí que a atriz Jess Weixler anda fazendo testes e mais testes para novos pilotos da próxima fall season, mas não gostaria que Robyn simplesmente desaparecesse, ainda mais agora que ela poderia tornar o vazio deixado por Kalinda um pouco menos dolorido.

Também acho que não seria pedir muito um pouquinho de consistência quando o assunto são os interesses amorosos de Alicia. Seja com Will, Jon ou Finn, Alicia parece estar sempre gravitando perigosamente em torno de algum colega de trabalho. E com a exceção do nosso saudoso Mr. Gardner, nenhum deles pareceu ter merecido qualquer desenvolvimento… Jon e Finn apareceram como promessas para acalentar o coração solitário de Alicia, mas foram, na melhor das hipóteses… insossos. Além do mais, não vejo com maus olhos vê-la sozinha. Por que não?

Quanto ao recomeço de Alicia… não sei bem o que esperar. Uma parceria inusitada com Canning a esta altura do campeonato parece loucura, mas se aprendemos algo nestas duas temporadas é que, em The Good Wife, não existe zona de conforto capaz de estagnar estes personagens. Ainda que o roteiro tenha freado meio que bruscamente nesta reta final, diante da enorme capacidade do roteiro de contornar todos os percalços que lhe atiraram pelo caminho até aqui (e não foram poucos!), só nos resta confiar (quase) cegamente no futuro planejado por Robert e Michelle King.

Desta vez, a pergunta que não quer calar é: será a sétima temporada a última da série?

Até setembro!

Séries citadas:

é Analista de Relações Internacionais, graduada em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba e em Letras pela UFPR. Apaixonada por livros, música e séries de tv, será eternamente uma "Garota Gilmore", mas também assiste The Good Wife, Castle, Orphan Black, Grey's Anatomy, Hart of Dixie, Nashville, Parenthood - entre um milhão de outras - e jura amar todas.

5 Comments

  1. Paulo Serpa Antunes

    É difícil pensar na temporada como um todo depois de ler tantas fofocas sobre as brigas da Julianna e da Archie. Fico pensando no quanto isto afetou o desenvolvimento da série nos últimos dois anos: e, gente, é certo de prejudicou. Acredito até que o desaparecimento da Robin tenha relação com isto – de repente a tiraram de cena como forma de valorizar a Kalinda.

    Eu particularmente não gostei desta temporada. Teve seus momentos, mas acho que a produção ultrapassou o limite do bom senso diversas vezes – primeiro no arco do Cary, depois no arco da Kalinda de chofer do filho do Bishop (sério) e também na disputa eleitoral.

    Meu medo é que Good Wife tenha virado o House, sabe? Uma série que daqui a algum tempo a gente vai querer rever os primeiros quatro anos e descartar os outros três. Eles tem o próximo ano pra afastar esta triste realidade, espero que consigam.

  2. Gabi Guimarães

    Nunca tinha parado pra pensar que o sumiço da Robin pudesse ter algo a ver com isso, mas agora que vc mencionou, acho bem possível! Kalinda já andava apagada e irreconhecível desde meados da quarta temporada, com aquele arco nonsense sobre o marido bandido… Inegável que o que quer que tenha acontecido entre Julianna e Archie afetou muito os rumos da série e, óbvio, Archie saiu perdendo… Só acho inaceitável os bastidores terem se transformado em algo maior que a própria série nesta reta final. Como vc disse, difícil analisar a temporada como um todo sem se deixar por todo o drama criado…
    E justamente por já estar tão frustrada com a Kalinda, acho que nem me incomodei muito quando ela virou chofer da prole do Bishop… Whatever, sabe? Ela não consegue me envolver ou emocionar há algum tempo, o que é triste. :/
    Pelo que eu tenho lido nas redes sociais, acho que a maioria concorda contigo sobre essa temporada, mas nada do que tem se falado me incomodou muito. Sei lá, acho que é aquela velha história: 22 episódios por temporada é demais, haja criatividade! Mas concordo com vc sobre o futuro da série: hope it doesn’t overstay its welcome. Os King já disseram mais de uma vez que planejaram sete temporadas para TGW. Se a próxima for mesmo o fim, ficarei satisfeita. :)

  3. Silvia

    Eu sei que a personagem estava apagada há muito tempo, mas ler que ela não vai fazer falta, parte meu coração, tanto porque Kalinda sempre foi minha personagem preferida e porque é injusto com Archie. O problema foi o que os escritores fizeram com a personagem. Archie é uma ótima atriz, ou não teria feito Kalinda ganhar tantos fãs. Eles conseguem dar ótimas histórias pra atores convidados. Eles escreveram Kalinda de forma perfeita nas três primeiras temporadas, eles fizeram, como vc disse, temporadas épicas, eu não acredito que eles não tinham capacidade de continuar desenvolvendo Kalinda, eu não acredito que eles não eram capazes de dar uma boa história pra Kalinda em quase três anos, e é aí que a briga importa. Rebaixaram a personagem de propósito. Eu não me importaria se elas se odiassem, desde que não prejudicasse a história, mas prejudicou e principalmente prejudicou uma personagem e a atriz. Mas eu concordo que foi melhor ela sair, porque eles já não dariam nada de bom pra ela nesse show. O que fez eu me sentir melhor foi que nas últimas entrevistas ela parecia aliviada por ter acabado. Seja lá o que aconteceu, a prejudicou. Mas realmente não adianta saber os motivos da briga, Kalinda se foi.

  4. Silvia

    Acho que Colocaram a Robin pra não ficar tão estranho a falta de interação entre Alicia e a investigadora do escritório. Quando Alicia e Kalinda já não trabalhavam mais na mesma firma, ela acabou sendo desnecessária

  5. Gabi Guimarães

    Concordo com vc, Silvia. Kalinda era um dos (muitos) pontos fortes de The Good Wife e, seja lá qual tenha sido o motivo da briga, é fato que Archie saiu muito prejudicada. A Kalinda das três primeiras temporadas faria falta à qualquer série, mas ela já não era mais nem uma sombra do que foi um dia, e isso é triste. Julianna é a boa esposa que dá título à série e tb é produtora executiva, e eu sinto muito que essa tenha sido a “saída” escolhida para Archie e Kalinda; foi incrivelmente injusto. No mais, como disse antes, acho inaceitável que o drama dos bastidores tenha se tornado maior do que a própria série. Prejudicou Archie, Kalinda, a história e a série como um todo… Uma despedida melancólica, mas, a esta altura do campeonato, necessária.
    Obrigada pelo comentário! ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account