Log In

Reviews

Elementary – Details

Pin it
Série: Elementary
Episódio: Details
Número do Episódio: 01X16
Exibição nos EUA: 14/02/2013
97.5
4.8
6

Em Elementary, é normal que a primeira cena do episódio seja a de um crime acontecendo. O que havia de peculiar, no entanto, é que, dessa vez, a vítima do crime era a própria Watson (Lucy Liu), que era golpeada ao entrar no apartamento por um homem mascarado querendo saber o paradeiro de Holmes (Jonny Lee Miller). Depois de levar um tremendo susto e cair de cara no chão, ela percebe: tratava-se do próprio detetive, que estava testando sua capacidade de defesa pessoal – depois dos acontecimentos do episódio anterior. Não sei vocês, mas o fato do mascarado ser o Holmes me pegou de surpresa e me rendeu boas risadas. Não tinha reconhecido a voz dele, não sei se por distração. Depois, quando voltei a cena, vi que dava para notar, mas, na hora, foi uma surpresa engraçada!

Portanto, o caso do Holmes da semana não se tratava de uma agressão à Watson. Quem estava em perigo era outro personagem de destaque na história, o detetive Bell (Jon Michael Hill). Elementary, vira e mexe, trata sobre os dramas pessoais do Sherlock, mas ver outro personagem em meio ao fogo cruzado – literalmente! – foi bem interessante.

O lado obscuro do (perfeito) detetive Bell

Na história, Bell, além de enfrentar o próprio dilema em aceitar o irmão ex-presidiário – já que ele é conhecido por ter uma conduta perfeita -, sofre um atentado enquanto dirigia seu carro e, depois, alguns crimes se sucedem e, em todos os casos, o bandido tenta incriminá-lo. Se não fosse a ajuda de Holmes, que omitiu algumas provas falsas (incluindo uma arma implantada no apartamento de Bell; que tinha uma mobília bonita, diga-se de passagem, veja a foto do topo), o detetive poderia, assim como o irmão, ver o Sol nascer quadrado daqui pra frente.

E esse aspecto foi um ponto que o episódio teve de bem agradável. A gente sabe que o Holmes se importa com a Watson e, se ele teve medo de assumir isso no começo, agora ele grita para quem quiser ouvir. Mas Holmes e Bell, apesar de trabalharem bem em equipe e se respeitaram, sempre tiveram suas diferenças. Sherlock, no entanto, estava preocupadíssimo com ele e disposto a fazer qualquer coisa para proteger a vida dele e, mais do que isso, provar a inocência do rapaz. Parece que nosso detetive durão, que certa vez previram que jamais cultivaria alguma amizade, fez outro amigo na história…

Mas, é claro, Bell terá que passar por todas as etapas que Watson passou e a primeira delas constitui: a negação. Holmes, por todas as vezes, justificou seu empenho especial nesse caso, dizendo que Bell sempre aceitou seus palpites na investigação e, caso ele morresse, teria todo o trabalho de começar com outro detetive. Aham, Sherlock, senta lá.

O resolução do caso de polícia não teve nenhuma complexidade. A principal evidência na cena do crime era uma pegada de bota de borracha, que incriminava Bell, mas que depois descobriram que se tratava de uma “namorada” dele, também policial. Ela queria se vingar do moço por ele ter denunciado o mentor dela – um ex-policial – por ter implantado provas na casa de um suspeito, muitos anos atrás. Quando a policial em questão apareceu em cena, pela primeira vez, e trocou olhares com Bell, logo vi que eles tinham um romance. Achei que ela era uma personagem entrando na série, que fossem começar a dar enfoque de verdade na vida pessoal dos homens da NYPD. Infelizmente, não foi o caso. Adoro um babado pessoal!

Watson e Sherlock em: discutindo a relação <3

Já Watson e Sherlock estavam vivendo uma crise na relação deles. Holmes queria que a amiga começasse a fazer aulas de defesa pessoal – e, para isso, vivia surpreendendo Joan com boladas na cara, no bumbum, uma lindeza – e ela estava relutante, além de, claro, irritada. Chegou uma hora que, cansada de apanhar, a Watson pegou o painel de cadeados do Sherlock, que estavam organizados por país, jogou tudo no chão e disse: comece outra vez! Bem bitch mesmo. Uma diva.

A  terapeuta da Watson – com que já estou desenvolvendo uma antipatia, só dá conselho errado – disse que nossa “cara amiga” deveria deixar Holmes, que já está na hora, que eles já chegaram ao limite (morro de medo toda vez que alguém diz isso, como se a Lucy Liu, ocupada que só ela, fosse deixar a série). Watson fica incomodada com o que ouve e vai para casa. Ela, no entanto, é surpreendida por Sherlock, que diz que sabia que ela estava trabalhando de graça – ao ligar para o pai dele para pedir dinheiro, no episódio anterior; algo que ficou claro que ele teria descoberto ali, desde semana passada – e faz uma proposta a ex-médica: que ela vire uma aprendiz dele e, no futuro, possam até ser “parceiros”.

Love is in the air. É isso mesmo, produção?

Sei que ele quis dizer “parceiros” de trabalho, mas achei que, naquele contexto, ficou ambíguo. Durante vários momentos do episódio, parece que tentaram insinuar um possível relacionamento amoroso entre os dois. Logo em seguida, por exemplo, o Holmes justifica a proposta que faz à amiga (colorida?). “Sou melhor com você por perto, mais focado, mais afiado. Difícil dizer por que, talvez, com o tempo, eu consiga desvendar”. Gente, se um cara me disser isso, vou achar que ele está dando em cima de mim, pfvr.

Nunca tive certeza do que pensar sobre um possível caso amoroso entre o Holmes e a Watson, principalmente porque, antes da série estrear, os roteiristas negavam que isso viesse acontecer. Dezesseis episódios depois, acho que é uma hipótese bem plausível. Pois bem. Nunca tive certeza de como me sentiria em relação a isso, mas vendo os dois ali, em cena, com essa real possibilidade do “affair”, não gostei, me incomodou. Era como se eu estivesse vendo dois irmãos se percebendo com outros olhos. Talvez seja uma questão de costume, mas, definitivamente, não sou shipper desse casal.  Por favor, me desculpe quem é. Até tenho curiosidade em relação a isso. Alguém aí vê esse romance com bons olhos – ou bom coração? :)

Para terminar, depois de aceitar a proposta do Sherlock e, oficialmente, ganhar uma nova profissão no seriado – de acompanhante de sobriedade à acompanhante, sucinto, assim -, Watson revida o que Holmes passou o episódio inteiro fazendo e dá uma bolada (com uma bola de basquete, enorme) bem no meio do rosto do Sherlock. Pode ser só o ângulo da câmera, mas pareceu que ela acertou de verdade, em cheio! Pobre Lee Miller.

Details, ainda que tenha um título ruim, quase descabido, foi um episódio bem bom. Cheio de conflitos pessoais, incertezas. Bem humano, como é típico da série ser. Certo mesmo que já estou ansiosa pelo próximo capítulo. Até mais, meus caros leitores!

Séries citadas:

É jornalista formada pela Unesp e pós-graduanda em Gestão Cultural. No TeleSéries, escreve mensalmente a coluna Estilo. Aficionada pelas histórias de terror, sobrenaturais e de mistério, também não dispensa aquela comediazinha romântica... Pushing Daisies, Jeannie é um Gênio, A Feiticeira, Riget, Lost in Austen, Wonderfalls, Samantha Who?, Copper, Harper's Island e Hannibal estão entre suas séries preferidas de todos os tempos! :)

6 Comments

  1. thayná.

    Adorei a review! Também gostei do muito do episódio! Quanto a questão da Watson e do Sherlock juntos, acho que os roteiristas não queriam (ou querem) isso, mas a química entre a Lucy Liu e o Jonny Lee Miller é inegável e quando se tem um casal de atores com essa química, é preciso trabalhar isso e acho que por isso, talvez haja um possível relacionamento entre eles. Confesso que pra quem é fã de Sherlock e sempre teve Watson como um big brother seja difícil ver isso acontecer, mas com a química dos dois atores principais isso se tornaria algo interessante de se ver! É a minha opinião! hahahahahahahahaha!

  2. Gabriela Pagano

    Oi, Thayná! Obrigada pelo comentário :-)
    Concordo plenamente com você, eles têm uma química deliciosa de se assistir! Sempre pensei ser a favor do romance, mas quando vi essa possibilidade ali, em cena, achei muito esquisito. Mas acho que é uma questão de costume mesmo. Talvez, nesse aspecto “sentimental”, coisas bem interessantes possam ser exploradas… Numa história do Sherlock já retratada tantas vezes, é bem criativo e novo, o que é sempre bom. Tento pensar nesse lado hehehe

  3. Aline

    Francamente, ninguém esperava que House e Wilson ficassem juntos, não sei por que esperariam ver Holmes e Watson como casal.

    Eu não gosto da ideia de ver detetives juntos, por isso nunca torci pra Benson e Stabler, Lilly Rush e Scotty e agora definitivamente não torço para Holmes e Watson.

  4. Gabriela Pagano

    UHEUHSUAHAUHEUAHUE tô morrendo de rir com a comparação com House e Wilson. É bem assim mesmo, tem essa ‘irmandade’, que precisa ser mantida intacta. Ainda não tenho uma opinião forte sobre o romance, mas, assim como você, fiquei incomodada. Vamos aguardas os “próximos capítulos…” =)

  5. Hashimoto

    Também não imagino um romance entre esses dois pra valer. Eu gostei demais dessa cena, que o Sherlock disse que já sabia e tudo mais. Achei a cena muito carinhosa. XDD Não vejo os dois como casal. Eles parecem mais irmãos…

    Isso que a cena me pareceu: Sherlock, preocupado com a situação da amiga/irmã, popõe a ela uma nova possibilidade, a todos que esperávamos – a de ser sua assistente.

    A cena toda me fez vibrar. Foi dito há alguns reviews atrás que o episódio do Super Bowl tinha sido desperdiçado no meio de tantos bons episódios, e esse só veio pra confirmar mais ainda isso. ._.

  6. Gabriela Pagano

    Obrigada pelo comentário, Hashimoto! Concordo com tudo o que você disse, viu? A cena foi muito linda, uma das mais importantes da série até agora, com toda certeza. Quanto ao episódio pós-Super Bowl, até hoje não entendi… Acho que foi uma daquelas situações em que quiseram acertar tanto, tanto, que o tiro saiu pela culatra, sabe? Mas ainda bem que a série continua sendo o que é desde o começo: muito boa :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account