Log In

Especiais Reviews

Balanço da temporada – ‘Desperate Housewives’

Pin it

Ontem chegou ao fim a saga das quatro donas de casa desesperadas de Wisteria Lane, mas antes de mais nada preciso esclarecer que nunca passei pelo que passei ontem vendo o final de Desperate Housewives. Isto porque, antes de ontem, eu nunca tive uma série que gostasse tanto e que fosse tão importante para mim com data marcada para terminar. Quando as séries são canceladas depois da exibição do último episódio, não há aquele sofrimento de acompanhar seus personagens favoritos sabendo que é a última vez. É como tirar o band-aid de uma vez entende? Agora, o final anunciado te faz ficar remoendo e sofrendo a cada segundo do episódio que leva ao encerramento com o pensamento constante de que esta será a última vez que você verá estes personagens. Claro que sempre teremos as reprises e boxes de DVDs e downloads, mas nunca será a mesma coisa.

Agora, deixando meu sofrimento um pouco de lado, e depois de uma retrospectiva com alguns dos melhores momentos da série, vamos falar especificamente da oitava e última temporada da série. Depois do final da sétima temporada de fazer o público perder o fôlego, com Carlos matando o padrasto de Gaby e as outras três ajudando-os a escoder o corpo, a oitava temporada começa com eles fazendo a limpeza do ambiente e enterrando o corpo no meio da mata. Tudo sob mais uma narração impecável de Mary Alice que diz que apenas o verdadeiros amigos ficam, depois da festa, para ajudar a limpar. O grupo faz um pacto de mater segredo sobre o acontecido naquela noite. Só que, como tudo em Wisteria Lane, as coisas não são tão simples assim. Susan e Carlos começam a ter problemas em lidar com o que eles fizeram, o que desencadeia uma série de problemas para todos eles durante a temporada. Carlos acaba se tornando alcoólatra o que o obriga a se internar em uma clínica de reabilitação. Susan, em sua necessidade de se expressar para poder deixar a culpa de lado, acaba entrando para um curso de pitura e como resultado ela pinta as cenas do assassinato e do corpo sendo escondido.

Bree, por sua vez, enfrenta o sofrimento de ser a base que mantém sua ação e de seus amigos firme. Ela tenta, durante grande parte da temporada contornar todos os problemas sem incomodar os outros. Isto inclui lidar com bilhetes ameaçadores idênticos aos que Mary Alice recebia na primeira temporada – ela só compartilha estes bilhetes com Gaby, que concorda em deixar as outras amigas no escuro. Ela também precisa lidar com o namorado policial, que logo se torna o ex, e que faz de sua cruzada pessoal perseguir Bree e suas amigas. Toda a pressão pela qual ela passa acaba levando Bree a sair de sua sobriedade e voltar a beber. Aqui começa o caminho dela para o fundo do poço. Em um momento de desespero, Bree nos surpreende com um dos momentos mais tensos desta temporada. Ela pega uma arma e parte para um motel prota para cometer suicídio. Ainda bem Renee chega e a impede.

Para Lynette, a temporada foi focada no fim de seu casamento com Tom e nas suas tentativas  – frustradas – de recuperá-lo. Lynette teve que lidar com seus sentimentos, sua busca por ser uma nova mulher e com a nova namorada de Tom, Jane. Gabrielle é a que se mantém mais forte durante a temporada, afinal ela não tem escolhas já que se marido perece diante da circunstância. A evolução da personagem é considerável se compararmos com aquela Gaby fútil e adúltera da primeira temporada. Já Renee finalmente encontra seu grande amor: o novo vizinho Ben, que entra na série no começo da temporada. Os dois são as causas de um dos momentos mais tristes desta oitava temporada: a morte do Mike. Depois que Ben pega dinheiro emprestado de um agiota e não consegue pagá-lo, Renee assume a dívida. Quando o agiota invade a casa de Renee, Mike o coloca para fora. Ele então garante para Mike que ele deveria tê-lo matado. O agiota então retorna e mata Mike na frente da casa dele com Susan. Uma das cenas mais tristes da série que levou a um episódio emocionante com o velório de Mike e as recordações que cada um da vizinha tinha dele.

Com o passar da temporada as coisas foram só se complicando para o lado de Bree, que acabou se tornando a principal suspeita do assassinato de Alejandro depois que a polícia encontra o corpo e a digital de Bree está no botão da camisa do morto. Quando chegamos aos dois últimos episódios que encerraram a temporada ontem, Bree está sendo julgada pelo assassinato. Além disso, ela acabou se envolvendo com seu advogado. Lynette e Tom ainda estão separados. Susan está decidida a se mudar de Fairview para morar perto de sua filha Julie, que está prestes a dar a luz a seu primeiro filho. Gaby está trabalhando enquanto Carlos se tornou conselheiro para pessoas com vícios. E Renee está desconfiada de que alguma coisa grave aconteceu naquela noite do janter que Alejandro foi morto, já que Ben esá envolvido e não conta nada para ela.

Além de tudo isso, no primeiro episódio do finale de duas horas, Give Me the Blame, temos o retorno de Karen McCluskey, que andou sumida da série depois de ter tido um pouco de destaque no começo quando descobriu que seu câncer estava de volta e desta vez sem chances de cura. Bree, Gaby, Lynette e Susan descobrem que Karen está saindo de casa e se mudando para um hospital por seu câncer ter atingido um estágio crítico. Sensibilizadas pelo antigo desejo de Karen de poder morrer em casa, elas se oferecem para fazer turnos e cuidarem de Karen para que ela não precise ir para o hospital. Tirando este momento, o resto deste primeiro episódio do final é focado no julgamento de Bree, que tem ganhado cada vez mais destaque na imprensa.

A sitaução de Bree não é nada favorável. Quando Ben é colocado para depor e se recusa a falar, ele acaba preso, o que leva Renee a testemunhar depois de ser pressionada pela promotora que a ameaça mandar Ben de volta para a Austrália. Renee então conta que na noite da morte de Alejandro ela viu Bree chegando em casa de madrugada coberta de lama e folhas e levando uma pá. Diante da derrota, Trip, advogado de Bree, a beija e consegue tirar dela toda a história do assassinato. Com isso em mãos, mesmo com ela pedindo para que ele não faça, Trip chama Gaby para testemunhar novamente decidido a arrancar dela uma confissão. Bree o impede fingindo um desmaio. Quando Gaby chega em casa, ela conta o que aconteceu para Carlos e Karen ouve tudo. Neste ponto as coisas começam a tomar forma para a conclusão.

Karen assume o assassinato já que está quase morrendo como forma de agradecer àquelas mulheres por tudo que elas já fizeram por ela. Assim, todas as acusações contra Bree são retiradas e a promotoria decide não indiciar Karen diante de sua condição. Uma resolução simples e eficiente para a história sem precisar arrastá-la ainda mais. Finishing The Hat, a conclusão da série, mostra a vida das donas de casa entrando nos eixos. Renee finalmente se casa com Ben. Katherine retorna de Paris para fazer uma proposta para Lynette. Ela se tornou uma empresária de sucesso na França e agora está querendo trazer sua empresa para os EUA e quer Lynette para tomar conta de tudo. Tom e Lynette finalmente se acertam e, depois de ela aceitar a proposta de Katherine, eles se mudam para Nova York.

Gabrielle acaba se tornando uma empresária de sucesso com uma loja de roupas. Ela e Carlos se mudam para a Califórnia. Bree começa a namorar com Trip. Eles se mudam para o Kentucky, onde ela entra para a política e acaba se tornando senadora. Já Susan vai morar com a filha e a neta. Mesmo sendo a primeira a se mudar, a cena de Susan saindo de Wisteria Lane é a última e serve como despedida dela e dos espectadores daquela rua que nos fez companhia por oito anos. Neste momento temos um vislumbre de todos os que passaram por aquela rua e morreram ali enquanto Mary Alice faz sua narração final, sendo também a última a aparecer. Mas se você acha que Wisteria Lane acabaria com a saída das nossas amadas donas de casa, se engana. Antes de Susan partir ela recebe a nova moradora de sua casa e ela, como já devíamos esperar, tem um segredo. Não poderia ser diferente em Wisteria Lane.

Desperate Housewives encerrou sua caminhada por Wisteria Lane com a qualidade que a série sempre teve. Durante esta oitava temporada todos os elementos pelos quais a série é conhecida e que apaixonaram os fãs marcaram presença. Temos o humor habitual, o suspense que guia a temporada e o drama pessoal e coletivo. A temporada teve alguns problemas por tentar abordar muitos personagens e temas, às vezes resultando no esquecimento de um ou outro, mas nada que atrapalhasse no resultado final. E estes dois últimos episódios foram compostos por todos estes elementos que fazem parte da história da série. Fãs não devem ter se decepcionado e duvido que algum não tenha se emocionado com a cena do último jogo de pôquer entre as donas de casa. Eu, como sou um pouco exagerado, me emocionei desde a primeira cena e até agora estou um pouco anestesiado, sem acreditar que terminou.

Séries citadas:

Jornalista apaixonado por cinema, música e televisão. Buffy the Vampire Slayer foi o primeiro grande vício, mas antes já acompanhava Friends e Barrados no Baile. Ama Desperate Housewives, True Blood, Community, Game of Thrones, Glee, Happy Endings, Revenge, Shameless e The Good Wife, entre tantas outras. Não resiste a uma comédia, mas também não dispensa um bom drama.

Website: http://behindthescenes-takes.blogspot.com.br/

5 Comments

  1. biancavani

    Eu havia desistido desta série e fui dar uma espiadinha na sua review, para saber como foi o fim da história.  Vendo pela sua perspectiva, ela se redimiu para mim. Muito boa a review (“eu, como sou um pouco exagerado…”, rsrs) 

  2. Paullo Kidmann

    Concordo plenamente com o Texto e confesso que vai ser dificil proxima temporada saber que Desperate é coisa do passado :( O legal é que cada um teve um fim parecido com o seu personagem, e Eles realmente acabaram com todas as chances de sei lá tipo a série virar um filme ou algo assim, vou sentir muitas saudades…

  3. Marcos Aurelio

    parabens pela review beto, voce escreve muito bem. mesmo sendo fã incondicional da serie, vc consegue escrever de forma natural e interessante. eu nunca fui um fã ardoroso de DH, assistia a serie mais por ver, mas nao ha como negar q era divertido esperar toda semana para ver aquelas 4 doidas, e o final foi brilhante, digno da serie. emocionou muito… so achei uma pena a decisao de matar mike e gostaria que andrew tivesse aparecido no ultimo episodio, nao entendi pq a historia dele nao teve algum desfecho mas mesmo assim foi um episodio emocionante. karen foi incrivel, a ideia do nascimento do bebe e a morte dela, foram de um constraste forte e com certeza a serie deixara saudade. parabens pela review

  4. Fabiana Faustino de Medeiros

    Oiii Beto.. Sei que a série desesperate housewives terminou a 3anos atrás. Como nunca tinha TV a cabo, nunca assisti. Mas agora com netflix, resolvi assistir essa tão comentada série. E assisti numa paulada só. Comecei assistindo o primeiro episódio da primeira temporada e não conseguia parar. Ontem terminei de assistir o último episódio da 8. Temporada. Como vc citou no seu comentário acima sobre a série, isso tb aconteceu comigo. Estou anestesiada e sem acreditar que terminou. Fiquei muito emocionada. Acho que me envolvi demais com os personagens. Isso nunca me aconteceu, mas choro o tempo todo ao. Lembrar de todas as cenas. Fiz uma pesquisa e vi que teria uma 9. Temporada. Mas não encontrei nada pra assistir. Será que teve mesmo? Bom então é isso. Resolvi escrever aqui, porque que vi que meus sentimentos em relação ao final da série foi colono seu. Gostinho de quero mais. Abraços.

  5. Poliana

    Sou muito apaixonada por essa série até hoje! A minha única frustração foi a morte do mike, ele não merecia morrer nem a suzan ficar só é sobre o endrew também gostaria que ele tivesse um final marcante!

  6. Valquiria Rocha

    Melhor série que já assistir. Estou ansiosa para a 9 temporada .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account