Log In

Reviews

Castle – Rise

Pin it

Série: Castle
Episódio: Rise
Temporada:
Número do Episódio: 4 x 01
Datas de Exibição nos EUA: 19/09/2011

No dia 16/05, fomos todos “nocauteados” por Knockout, a ‘season finale’ da ótima 3ª temporada de Castle (perdão pelo trocadilho, não pude evitar!). Foram mais de 4 meses de espera. Meses nos quais os fãs procuraram lidar com a falta de novidades da melhor maneira possível: revendo seus episódios favoritos e conversando com outros fãs nas redes sociais. O dia 19/09 foi se aproximando, e surgiram alguns vídeos promocionais que deixaram todos ainda mais ansiosos por Rise.

E Andrew Marlowe fez esses quatro longos meses valerem a pena. Ofereceu aos fãs uma ‘premiere’ de tirar o fôlego. Soube dosar bem os elementos que fazem um episódio ser inesquecível: drama, tensão, fofura, mistério, reconciliações, cabelos perfeitos e uma pitada de diversão. Foi agraciado pela audiência: cerca de 13.6 milhões de espectadores (números não definitivos). A 2ª maior audiência do seriado – a maior é a de Boom!, 2×18 – , e a maior audiência de uma ‘premiere’ de Castle.

E, logo de cara, sangue. Muito sangue. Lanie tentando salvar a vida da amiga. Josh tentando salvar a vida da namorada. E, logo de cara, tensão. Troca de empurrões. Gritaria nos corredores do hospital. Josh culpando Castle pela morte do ‘Captain’, e pelo estado de Beckett. E Castle aceitando a culpa (preciso confessar que passei metade do episódio – ou mais – com pena do escritor). Sorte que nessas horas há sempre um pai/mãe presente para apaziguar a situação e servir de conforto.

O médico sugere que apenas o pai de Beckett permaneça no hospital. Os demais devem descansar. Mas é claro que Ryan, Esposito e Castle não deixariam o atentado à Kate sem explicação. Eles partem em busca do atirador, mas encontram apenas a arma do crime, que não fornece muitas pistas.

No dia seguinte, Beckett chama Castle ao hospital. Achei tão fofo ele arrumando o penteado na porta do quarto e tentando quebrar o gelo com um “eu soube que você abriu uma floricultura”. Beckett afirma que não lembra de nada. E duas coisas ficam evidentes: a decepção de Castle e a mentira de Kate. Ainda mais depois que ela afirma para Castle que precisa de mais tempo.

Depois de cerca de 3 meses, Kate volta ao trabalho. E encontra uma delegacia bastante diferente daquela que deixou. No lugar de Montgomery, Victoria ‘Iron’ Gates: a capitã linha dura que mandou Castle embora simplesmente porque não havia razões para um escritor permanecer na delegacia, que não gosta de diferenciações entre seus comandados, e que não permitirá que sua delegacia sirva como local para a busca de vingança pessoal. E no lugar de Castle … ninguém. Depois de saber, pelos amigos Ryan e Esposito que o escritor permaneceu investigando o atentado contra ela, mesmo após ser afastado por Gates e por ela própria, Kate decide procurar o (ex-)parceiro.

O fato dela aparecer na fila de autógrafos foi bem clichê. Mas foi uma saída adequada e compreensível. Tão compreensível quanto a raiva de Rick, e até mesmo quanto a necessidade de afastamento de Kate. Mas que deu dó de Castle, isso deu. Ele viu a amada praticamente morrer nos seus braços. E passou mais de dois meses imaginando que ela estava se recuperando nos braços de Josh (quer tortura maior?). Mas a raiva de Castle praticamente se dissipou quando ele soube das boas novas: Josh não existe mais (preciso acrescentar um “vai tarde”?). E, após Kate afirmar que construiu um muro quase que intransponível após a morte da mãe, sentimentalmente falando, ele até aceita voltar para a delegacia – afirmando que eles desvendarão o caso, o que faria o muro ruir.

E as coisas começam a retornar ao que eram antes.  Castle volta para a delegacia (com aquela ajuda amiga do prefeito) e Beckett pega sua arma de volta. E a dupla passa a investigar, junto com Esposito e Ryan, o assassinato de uma jovem. Mas, sem esquecer de trocar, em locais afastados dos olhos de Gates, informações sobre o caso da mãe de Beckett. Acho que virão muitas cenas do estilo “sussurando pelos corredores” por aí!

Só que nem tudo pode retornar ao estado anterior. E, por mais que Kate finja, ela não se recuperou de tudo que aconteceu com ela. A cena na qual ela fraqueja quando fica cara a cara com o suspeito ficou demais. É evidente que o trauma foi enorme. Não veríamos a “antiga Beckett” tão desesperada, perdendo o controle e gritando acusações para o bombeiro. O lado bom da história: Castle está lá, sempre, para a parceira. Tenta abrir os olhos dela, dizer que talvez seu raciocínio esteja equivocado. Mas Kate precisa acreditar que o incêndio que destruiu evidências sobre o caso de sua mãe tenha sido criminoso. Senão ela não terá um ponto de partida. Senão, ela não terá nada.

Depois de receber um telefonema de um amigo de Montgomery Castle conversa com Marta e avisa: vai mentir. Kate só viverá se ficar afastada do caso de sua mãe. Mas ele sabe que abrir o jogo não adiantaria. Então ele vai esconder a verdade da parceira. Decisão que irá, certamente, trazer problemas para o relacionamento dos dois, ainda nessa temporada. A grande pergunta é: quem, no lugar do escritor, agiria diferente?

Apesar de não abrir o jogo com Beckett, Castle tenta afastá-la do caso, ainda que momentaneamente. Foi bem fofo ele conversando com ela e tentando mostrar que “colocar o pé no freio” é a melhor opção e que ela é “alguém”, mesmo se desvinculando dessa história. E mais fofo ainda foi assistir ele apoiando Beckett quando ela estava sob a mira da arma do assassino da garota. Certeza que Kate não manteria a calma e reverteria a situação sem o apoio psicológico do parceiro.

Muita coisa já tinha acontecido no episódio. E faltavam poucos minutos para o término dele. Mas quem disse que não teria mais coisa importante acontecendo? Rise foi daqueles episódio cheios de informação – de qualidade – do começo fim.

Nos minutos finais, descobrimos que Kate aceitou o conselho de Castle: entregar conforto para a família das vítimas basta para ela, por enquanto. Descobrimos também que Alexis vai apoiar o pai, apesar de temer pela sua vida. Afinal de contas, Kate é a mulher que faz Rick feliz. E isso basta para Castle, por enquanto. E ainda certificamos aquilo que desde o início do episódio estava subentendido: Beckett lembra. Ela lembra de tudo. Agora, é esperar pelo momento que o muro caia, e ela consiga retribuir as amáveis palavras do escritor. Ou seja, o que vimos deve bastar para nós. Por enquanto.

Sim, eu sei: praticamente não falei do caso da semana. Mas, quem pode me culpar? Era tanta coisa para uma ‘review’ só que escolhi aquilo que eu julguei imprescindível. Prometo que no próximo episódio eu me atenho mais ao caso.

Escrevi demais, e falei pouco. Mas, por hoje, era isso. Semana que vem tem mais!

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

8 Comments

  1. Gabriela Machado

    muito boa!! não faltou falar do caso não, afinal quem ia ficar reparando no caso com uma tensão caskett daquela! varias revelaçoes, muita ação, kate mentindo mal (já que ficou na cara q ela lembrava rs) e ela terminando com josh!

  2. Gabriela Machado

    aaah e claro que tive que rir com ‘E Andrew Marlowe fez esses quatro longos meses valerem a pena. Ofereceu aos fãs uma ‘premiere’ de tirar o fôlego. Soube dosar bem os elementos que fazem um episódio ser inesquecível: drama, tensão, fofura, mistério, reconciliações, CABELOS PERFEITOS e uma pitada de diversão.’ mas fala sério, o cabelo da Stana tá muito perfeito, ela tá numa evolução visual que UAU! o cabelo da terceira temporada já tava no level maximo de perfeiçao

  3. Beatriz

    Yay, Mari! Mais uma ótima review. Ri muito com o ‘cabelos perfeitos’. Acho que ninguém prestou muita atenção ao caso mesmo. LOL.

  4. Anônimo

    hahahaah, “fofo” é o adjetivo que costumo usar pra indicar essa série também!

  5. Jussa Goes salles

    Atualmente é a melhor série; não sei o motivo dela não ser tão evidenciada. Quando você assiste fica tão encantada que não vê a hora de chegar a outra semana para ver o próximo capítulo. A série é inteligente, dinâmica e muito romântica sem ser chata. A season 401 foi muito, mas muito boa e mostra o que virá pela frente. Recomendo que assistam. Somente uma coisa me deixa chateada. Não consigo de ninguém, nem mesmo das emissoras (EUA e BR), a resposta se vão lançar o DVD da série aqui no Brasil. Se alguém souber, por favor me diga. Abs, Jussara

  6. Mônica Almeida

    Adorei esse primeiro episódio e sabia que os roteiristas iam cozinhar a gente em relação ao romance dos dois. Só espero que o Castle derrube o muro da Kate logo, logo.
    E que chefe é aquela? Sir?
    Ótima review, Mariela!

  7. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 28 a 3/6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account