Log In

Reviews

Bones – The Prisioner in the Pipe

Pin it

– Você acredita em destino?
– Claro que não. Ridículo.

Série: Bones
Episódio:  The Prisioner in the Pipe
Temporada: 7ª
Número do Episódio: 7×07
Data de Exibição nos EUA: 02/04/2012

Todos vivos? Depois desse hiato gigante, só mesmo The Prisioner in the Pipe para (re)animar os fãs de Bones. O episódio marcou a volta da série e também a volta de muitos telespectadores que já não estavam mais nem aí para as aventuras de Booth e Brennan.

Isso mesmo, a paspalhice sem igual dos nossos queridos Super Poderosos irritou muita gente. Também pudera, quase seis anos de espera e B&B vão para a cama, juntos, na surdina da noite, e ninguém vê! E depois a gravidez, assim, do nada? Confesso que isso me incomodou muito, até perceber que o Criador realmente sabia o que estava fazendo. E sabe o que ele estava fazendo? Vou explicar direitinho nessa review.

O Caso

Um homem é jogado no esgoto e seus restos mortais vão parar no vaso sanitário, para o desprazer de uma garotinha. Não vou dizer que a premissa é a mais genial do mundo. Quem teve um dia uma coveira para lidar, o resto dos casos me cheiram a muito patifaria.

O suspeito tinha muito a cara de assassino, e o pouco que lembro do caso -pois sim, durante o episódio eu só via Bones, Booth e pensava no bebê -, nada me chamou muito a atenção. Já disse e repito, eles até que são criativos com as histórias dos mortos, mas cada vez mais os motivos para o assassinato são os mais bestas, e fico me perguntando o que esse crime poderia acrescentar para a vida dos personagens ou para a série.

NADA.

E se é ou tudo ou nada, eu prefiro o tudo. Quero assassinos com motivos. Sou dessas.

Os Squints

Fico imaginando. Se Bones fosse Revenge, eu mataria a Daisy. Se Bones fosse Fringe, eu mandaria a Daisy para outro universo. Se Bones fosse Game of Thrones, eu daria como sacrifício humano. Porque vou contar para vocês, que atriz/personagem irritante. Confesso que tenho vontade de socar alguém quando ela aparece na televisão. Portanto, se a ‘squint’ do dia for a senhorita Wick, passem bem longe de mim.

Hodgela  estavam super apagados no episódio, apesar do entomologista conduzir quase todo o caso, senti que os dois estavam meio deslocados. E a Cam? Nem falo nada. A Cam só se justifica por causa da simpatia da Tamara.

Agora, se Sweets é um ‘squint’ eu já não sei, mas há tempos ele anda me irritando também. Será que depois de quatro anos ele ainda não cresceu? Transar no escritório da Bones e mentir para a doutora sobre o melhor lugar para o bebê nascer. Ah, se eu pudesse eu socava ele também.

Os casais

Parem de dar tempo no episódio para Daisy e Sweets! Quem liga para eles?

O foco do mundo estava voltado para a futura mamãe e o futuro papai babão. Cada dia mais lindos e recheados, o casal = agora oficial = visita hospitais, faz referência a sopas preferidas e à “nossa casa”. Discutem sobre religião e razões. Ah, Bones. Como você consegue ainda fazer isso? Bom, devemos em parte aos atores Emily Deschanel Hornsby e David Boreanaz por entenderem tão bem a química dos dois personagens.

Alguém percebeu que a dinâmica dos dois mudou? É sútil, mas está lá. O Booth olha para a Bones com um meio sorriso e os olhos cerrando, é como se ele pensasse “Deus, como eu quero bem”. Não é brega, é apenas verdadeiro. E aí você pensa, o que seria da série se não fosse esses dois?

A Emily tem encarnado um Bones menos confiante, mas atrapalhada. No começo achei estranho, mas pensem só? Ela perdeu a resistência e tornou-se ainda mais resiliente. É simplesmente um Brennan diferente. Quem não se desmanchou na cadeira quando ela disse, em um tom quase manhoso: “Eu quero ser legal”.

Bones cada vez mais crocrante.

The Prisioner in the Pipe

Um marco para a televisão. Não, não foi nem o melhor episódio de Bones, mas mesmo assim eu duvido muito que quem viu um dia vá esquecer as cenas do parto da Brennan. É aí que eu falo, Hart Hanson estava certo.

Em meus quase 20 e tantos anos de televisão, nunca vi um casal de série como esses dois. Sempre fui “shipper” de casais óbvios, que por muitas razões, acabavam não dando certo, ou se davam, a série logo acabava.

Sempre tive birra quando Hart e Stephen vinha com a conversa mole de que a série teria a maldição de A Gata e o Rato, e que até descobrirem um jeito de superar isso, B&B não seriam um casal. Mas ali estavam eles, em uma manjedora (eu vi o que você fez Hart), tendo um filho, às 4h47 da tarde. A Bones segurando firme no braço do companheiro, enquanto ele mantinha o foco, calma e emoção ao ajudá-la a ter a filha deles.

Há um mistério na vida.

Há 7 anos, a Fox resolveu investir mais uma vez no Boreanaz. Um tal Hart Hanson, criador de Joan of Arcadia, queria transformar os livros da Kathy Reichs em série, e no papel da protagonista, a desconhecida Emily Deschanel. Há um mistério na vida. E Bones tem uma vida própria.

Demos um drible na temida Maldição, e tudo por causa da gravidez da Emily Deschanel. O Hart queria que o início do namoro dos dois personagens não fosse o centro da série e por muito anos brincou com a possibilidade de vermos os dois juntos. Na sexta temporada, já cansado e nos cansando, ele resolveu dar um chance. Como? Colocando os dois embaixo dos lençóis de uma maneira inesperada.

Depois de algum tempo eu fui entender o porque. O platônico é o tipo do amor ideal, mas acaba quando se torna realidade. Gostamos dos joguinhos de sedução, mas temos medo de encarar o “vamos ver”. Se Bones tivesse trilhado esse caminho, seria bacana ver o primeiro beijo, a primeira transa, mas seria só isso, ficaríamos em uma espécie de ciclo pobre e vicioso de “primeiros”, até que um dia eles acabariam, e a série estaria fadada ao fim.

Temo uma oportunidade única de curtir Bones e Booth sendo pais, vivendo sob o mesmo teto e dividindo planos para o futuro. Eu estava errada, e cruelmente, Hart estava certo.

O mistério da vida está no rumo que as coisas tomaram depois que foi decido que Booth e Brennan seriam um casal. Ou teria ao menos dormido juntos no episódio The Hole in the Heart. A gravidez da Emily, que tomou os seis primeiros episódios da sétima temporada, fez com que o sonho de muitas pessoas se realizassem.

Vamos brincar de “Quem nunca? – Versão Bones”? Quem nunca prendeu a respiração quando a Brennan deu à luz? Quem nunca chorou ao relembrar o sofrimento que foi esperar os dois ficarem juntos? Quem nunca deu um sorriso bobo ai ver a pequena Christine nos braços da Angie? E quem nunca jurou que Bones já era e que ia ocupar o tempo com outro show? Quem nunca voltou atrás?

Ah, se eu acredito em destino? Tem como não acreditar?

Em nome de todos os fãs de Bones. 

Welcome Stapes.

Tudo realmente acontece quando sonhamos.

PS. Não consigo parar de ouvir How Bad We Need Each Other do Marc Scibilia.Se puderem, prestem atenção na letra.

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

20 Comments

  1. Alis Mariane

    E nem tenho o que complementar depois dessa sua review MARAVILHOSA!!! Vc disse TUDOO!!! TEARS IN MY EYES!!!

    Bones é a única série que mesmo depois de 7 anos me deixa com borboletas no estômago qd os dois personagens principais aparecem!! Que quimica mais gostosa e verdadeira tem Emily e David!!! Eles dão VIDA a esse seriado MARAVILHOSO!!!  

  2. Márcia Pires Santana

    Review fantástica! Como sempre você abordou todos os aspectos que faz Bones ser Bones, encontrou até uma explicação “O platônico é o tipo do amor ideal, mas acaba quando se torna realidade”, e me leva a entender que, mesmo depois de 7 temporadas, não me canso de rever momentos “shipper” de B&B( Emily e David sempre fantásticos) e acreditar que o “mistério da vida” estar em sempre nos encantarmos com o AMOR.

  3. Tati Siqueira

    Gente como eu amo bones e fiquei ansiosa por esse episodio…….a historia eu nem liguei, o que eu queria era ver o bebe e o casal juntos…….

    Mas ok……até prestei atenção em alguns detalhes do episodio…… A Cam tentando pegar o olho como se fosse campeonato…..e a alegria qdo conseguiu…..ri demais.

    A visita ao hospital e ela mostrando o sangue para todo os lados……juro que nesta hora pensei bastante qdo fico doente e preciso ir ao hospital…..que medo…..

    Mas o que eu mais ri foi a cena dela no presidio….ela “correndo” feito uma louca atrás do suspeito e todo mundo “quase” se matando e ao mesmo tempo abrindo caminho para ela e fechando para o Booth….o desespero dele é intenso….e o sossego dela é irritante……

    Mas a cena fofa é qdo eles pegam o bebe no colo, ali está claro o amor deles. Com esta cena eu perdoo o autor por não mostrar a cena “inicial” do romance deles…….foi linda e emocionante, como tbém a emoção da Angela em saber o nome que eles colocaram na criança……Christine Angela…….(PS bem gde – não gostei da junção).

    Enfim bones voltou…….vamos ver como será a Bones como mãe daqui pra frente.

  4. Beatriz

    Que review linda! Devo confessar que só comecei a ver Bones ano passado, mesmo assim me apaixonei por essa série, depois de uma mega-maratona de 6 temporadas. Não peguei o sofrimento que os fãs mais antigos tiveram, mas consigo sentir um pouco disso. Bones pode não ser uma série perfeita em termos de roteiro ou aclamada pela crítica, mas de alguma forma ela é perfeita para mim. E esse episódio vai ficar guardado na minha memória, assim como vários momentos que só Bones consegue fazer!

  5. Mônica Almeida

    Maria Clara, amei a review. Quanto ao episódio passei por ele sem prestar muita atenção ao caso, só mesmo em Booth e Bones. A química dos atores é realmente incrível. E a Christine é fofa demais. É impressionante como os bebês da tv já nascem criados.

  6. Siu

    Maria Clara, já estava ansiosa aguardando a sua review, pois gosto do seu posicionamento (não acha tudo um “mar de rosas” e expõe os pontos positivos e negativos de cada episódio com muita propriedade).

    Parabéns por suas colocações e ponderações que só vem acrescentar àqueles que são apaixonados por Bones.

    A propósito, sou uma das apaixonadas frenéticas por bones e estou suspirando até agora depois de ver este episódio . Concordo plenamente com tudo que você destacou, em especial o destaque à música de Marc Scibilia que realmente é linda. Também não consigo parar de ouví-la (a letra è perfeita)

  7. Lu

    Ótima review. E ALGUÉM PODE MATAR A DAYSE, POR FAVOR!!! Episódio em que essa insuportável aparece eu assisto com má vontade e avanço o video quando ela aparece. E a peste foi aparecer justamente no episódio do nascimento da princesinha!

  8. Tati Siqueira

     Tomara, mas em compensação terá um pai maravilhoso……

  9. Mariela Assmann

    Quando eu crescer, quero escrever review igual a Clara. The best. Amei sua review, achei maravilhosa, embora discorde de alguns pontos. Acho que algumas mudanças seriam normais no comportamento da Brennan, mas pra mim o personagem tá meio desvirtuado, como se ela fosse sempre a ‘errada’ e o Booth o certo. E embora eu tenha achado que alguns pedaços do episódio beiraram o ridículo, impossível ficar imune a fofura de Christine Angela. Eu ainda amo Bones, assisto com gosto e espero os episódios com ansiedade. Mas ñ consigo deixar de sentir falta das primeiras temporadas.

  10. Bianca Mafra

    Adorei a review, amei a sua tradução para os temas da Brennan, mas não concordo ainda com o jeito que o romance veio, o platonico realmente ajudou a não perder a quimica entre eles, mas tem jeito de fazer isso acontecer sem ter nos privado desse primeiro momento tão maravilhoso e que fico imaginando o quanto pode ter sido mágico. Tinha outras maneiras de fazer, mas admito que teria que ser muito bom para a série não se perder.

  11. Maria Clara Lima

    Bianca, não se esqueça que a Emily estava grávida. Nada do que realmente queríamos poderia acontecer com ela nessas condições. E eu sustento, talvez foi melhor assim.

  12. Maria Clara Lima

    Ah, Mari. Eu falei muito disso (Booth certo, Bones errada) no começo dessa temporada, mas nesse episódio eu não vi isso não. Achei que os dois tinham argumentos parecidos, sendo até o do Booth mais desajustado. Acho que a Bones passou por grandes transformações, ela evoluiu e ainda é a Bones de sempre. 

    Muito amorrr

  13. Paula™

    Clara, perdoa meu atraso para comentar…mas ainda tá valendo né? Ainda não vi o epi desta semana. Este epi foi histórico por motivos óbvios, mas como alguém aí em cima falou, eu ainda sinto falta dos olhares e do carinho que um tinha pelo outro antes da lambança chamada Hannah. É demais querer ter isso de volta à serie? No mais realmente ED e DB podem pular amarelinha que ainda assim poderemos ver a forte química entre os dois.
    PS1: o ódio que vocês sentem pela Daisy é o mesmo que eu sinto pelo Sweets!
    PS2: O legal em Hollywood é que lá os recemnascidos “nascem” com 2 meses.
    PS3: Imagina a menina falando pro Booth: Daddy, don’t call me Stapes :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account