Log In

Reviews

Bates Motel – Nice Town You Picked, Norma

Pin it
Série: Bates Motel
Episódio: Nice Town You Picked, Norma
Número do episódio: 1×02
Exibição nos EUA: 25/03/2013
93.625
4.6
8

Desde que me instalei no quarto de número 12, na extremidade do “L” do Bates Motel, percebi que tinha uma vista privilegiada. Minha janela ficava de frente para a casa principal, que o Norman e Norma dividem, ali no alto da colina, e eu tratei logo de espreitar pelas vidraças – com as portas trancadas, é claro.

Logo nos primeiros dias, um rapaz loiro e de estatura média apareceu bem cedinho e apertou a campainha da casa principal freneticamente! Gostei dele, porque, como a gente diz, ele “chegou chegando”, fazendo escândalos, se anunciando. Mais tarde, descobri que ele era o filho mais velho da Norma, Dylan, parece que os dois não se dão muito bem. E a cara dela recebê-lo foi impagável, ela não fingiu alegria ao vê-lo, não se esforçou o mínimo que fosse. Que mãe, hein?

Dali, ele seguiu para um bar de strippers e mostrou que as olheiras no rosto (a equipe de maquiagem da série arrasou) não estão ali por acaso. Devo confessar que me afeiçoei ao rapaz. Talvez, eu tenha uma quedinha por bad boys, mas convenhamos que aqui no Bates Motel, dos males, ele é o menor…

As emoções do dia não se esgotaram por ali, não. Ainda naquela manhã, o pai da Bradley quase morreu queimado, dentro do próprio carro. Uma cena horrorosa de ser ver, em que a equipe de maquiagem se fez notar mais uma vez. Quando a Norma comentou com o xerife Romero que aquilo era horrível, alguém atentar contra outra pessoa daquele jeito, ele riu com deboche, como se aquilo fosse corriqueiro em White Pine Bay. Ma-ca-bro.

A Bradley ficou arrasada, porque, embora o pai dela tenha sido levado com vida ao hospital, os médicos não acreditam que ele vá sobreviver. O Norman até comprou flores para a menina, para tentar confortá-la, mas foi impedido pelo namorado dela de entregar o ramalhete pessoalmente. Apesar de haver algo de muito sombrio no Norman, ele parece ter um coração puro, que se comove com as pessoas. Mesmo com o Dylan, que a Norma me deixou escapar ser meio-irmão dele: enquanto a mãe não parece ter um pingo de carinho pelo filho, o Norman até demonstrou algum afeto pelo irmão.

Por falar no Dylan, ouvi uma discussão entre ele e a mãe de madrugada… Ele queria saber como ela conseguiu dinheiro para comprar o hotel, pois, desde sempre, a família enfrentou dificuldades financeiras. Ela disse que foi o seguro de vida do finado marido que garantiu que ela começasse a vida nessa nova cidade e ele sugeriu que a morte do homem tenha sido muito conveniente para ela. Será que ela matou o pai do Norman?! A resposta dessa pergunta deve ser a grande “sacada” da série. Tem outro babado nessa história toda: a razão da matriarca não se dar bem com o filho mais velho é porque, enquanto ainda estava casada com o pai do Dylan, ela teve um affair com o pai do Norman – que, depois, virou seu marido, que Deus o tenha.

A Norma, aliás, é bem safadjenha. Enquanto estava em um café no centro da cidade, tentando fazer novas amizades, vi pelo vidro, ainda do lado de fora, a Norma se insinuar para o delegado Shelby (que é um gato, devo acrescentar!). Ela colocou os braços para fora do carro e disse “Coloque as algemas!”. Sério, o café que eu estava tomando bateu no estômago e voltou depois dessa frase horrorosa! É que na noite anterior, bem vi quando o xerife, acompanhado do Shelby, foi fazer uma visita à casa principal, perguntar à Norma sobre o ex-proprietário do imóvel, que estava desaparecido e foi visto discutindo com ela.

Pois bem, voltando ao presente, os dois estavam lá, conversando no meio da rua, quando o delegado bonitão a convidou para entrar na cafeteria. Que tipo de policial oferece uma xícara de flerte, digo, de café, à pessoa investigada? E os dois estavam se “paquerando” descaradamente. De fazer as pessoas sentada à mesa ao lado – incluindo eu – ter ânsia de vômito. Ouvi direitinho quando ele convidou a investigada para ir a um festival tradicional da cidade.

Ele disse:
– Não posso te pegar [em casa] por causa do caso do Keith [o desaparecido]. Mas podemos nos encontrar lá. Quer dizer… Eu vou estar lá, você vai, então…
E ela quase se matou (ops, melhor não usar essa palavra com ela), ela quase se acabou de rir com a insinuação do rapaz, como uma adolescente.

Voltei correndo para o hotel e do meu quarto, ainda consegui ver a Norma escolhendo uma roupa para a ocasião, pedindo opinião ao filho adolescente. Tem algo de sombrio na felicidade efervescente dela… Resolvi entrar na casa e espiar de perto o que acontecia ali. A Norma estava se trocando na frente do garoto, que parecia incomodado com o ato. Ela respondeu, contrariada “Sou sua mãe.” A relação dela e do Norman é muito estranha, há uma obsessão anormal ali.

Quando a Norma já havia saído, ouvi um estrondo muito alto vir da cozinha da casa principal. Dylan tinha Norman com o rosto pressionado contra a geladeira e gritava ao irmão mais novo que “ela” estava o destruindo. Havia um prato de porcelana quebrado sobre a pia e Norman olhava com rancor para os estilhaços, que seriam capazes de rasgar uma garganta. Pensei que aquilo era só para causar um suspense, que ele não faria nada. Mas ele fez e foi para cima do irmão com um martelo. O Dylan se esquivou e, em seguida, deu uma surra no Norman. Bates Motel não fica prometendo… Vai lá e faz.

No final da briga, o menino mais novo, que estava estendido no chão, dizia repetidamente:

– Ela não é uma prostituta, ela não é uma prostituta.

Ele se referia à Norma… E o fato dele dizer aquilo tantas vezes me fez acreditar que, bem lá no fundo, ele achava isso dela, sim – sobretudo depois de descobrir a “missão delegado”, em que ela disse que estava saindo com Shelby para que não investigassem o desaparecimento do ex-dono do hotel – que ela, by the way, assassinou.

Não acho que o Dylan seja uma má pessoa. Para mim, ele é carente do amor da Norma (não consigo me afeiçoar a ela!). Mas o Dylan é irônico, ele é “o humor” – ainda que negro – da série. Algumas vezes, a Norma me confunde, pois o rapaz a chama pelo nome, mas ela gostaria que ele o chamasse de “mãe”. Ainda não consegui decifrar se existe sinceridade nisso ou é apenas chantagem emocional. Mas é fato que a relação dela com os dois filhos é totalmente diferente, ela controla o Norman, não o deixa ter amigos. Já o Dylan é um rebelde (ainda que com causa). Em determinado momento, enquanto ela e o mais novo limpavam o chão da cozinha com pano úmido, o Dylan chegou e pisou no chão molhado, comendo uma bolacha sem usar um prato, deixando as migalhas caírem sobre o piso limpo. Toda pessoa que já varreu um chão na vida sabe que é a coisa mais irritante que alguém pode fazer (mas vendo assim, acontecer com os outros, achei engraçadíssimo). Dylan: <3

Senti pena dele ainda na cozinha, quando ele observou mãe filho dividindo uma tarefa e perguntou:

– Você não se cansam um do outro?

Entendi todo o ressentimento que ele tem da mãe, de ser um menino que, para estabelecer contato com a família, precisou investigar para descobrir onde eles moravam, pois eles haviam se mudado sem informá-lo. Que coisa mais triste! Mas, em seguida, aconteceu uma coisa que me fez repensar na compaixão que estava desenvolvendo pelo Dylan (que antes de me desapontar, fez mais uma piada com os parentes). A campainha tocou  e ele se levantou da cadeira prontamente, dizendo:

– Eu atendo, tudo bem. Não parem de esfregar.

Se fosse eu, esfregava a vassoura na cara dele depois dessa. Na porta, Emma (a menina com problemas respiratórios) chegou para estudar com Norman. Mas, antes que pudessem se dedicar aos livros, a menina precisou enfrentar um verdadeiro questionamento da Norma, que não hesitou em fazer perguntas inconvenientes, quis saber até expectativa de vida da menina, na maior cara de pau. O Dylan tentou interromper a conversa, parecendo ter bom coração. Entretanto, quando o Norman subiu para o quarto com Emma, ele se aproximou da mãe e fez a primeira piada de muito mau gosto:

– Você acha que ela tem que tirar aquilo do nariz quando eles se pegarem?

A Norma fez cara feia, talvez ela estivesse mesmo com piedade da menina ao fazer todas aquelas perguntas chatas e eu estou a julgando mal, pegando no pé dela quase que gratuitamente. Dylan, não esperava isso de você…

Depois dos estudos, Emma e Norman saíram para investigar acontecimentos passados da cidade litorânea em que eles vivem. Aparentemente, escravidão sexual e plantações de maconha fazem parte do lugar. Algo que o delegado Shelby já havia sugerido para a Norma, quando ele disse que as pessoas da cidade “fazem queijos artesanais e vivem em casa milionárias”, que a economia ali é algo obscuro. A cidade é um verdadeiro mistério.

Para tentar entender um pouco melhor das coisas que acontecem ali, até entrei no blog da Emma (ela assiste Homeland e ouve She & Him!), quem sabe ela divulga alguma informação útil sobre as investigações ao lado do Norman – já que, ocupada em seguir os passos da “chefinha” Norma, não terei tempo de acompanhar pessoalmente a jornada dos dois jovens.

Por falar na matriarca, mais no final da noite, ainda vi pela janela a Norma sensualizando para passar creme nas pernas, porque é o que todo mundo faz, quando… uma cicatriz! Em Bates Motel, nada do que aparece é, sempre vem surpresa. Como será que ela adquiriu a marca?

Surpresa, no entanto, não vai ser se o Dylan deixar o hotel de uma hora para a outra. Depois da briga na cozinha, quando Norma chegou e viu o filho mais novo machucado, ela disse que Dylan precisava partir. Ela não esperava que o menino concordasse em deixar o irmão ir embora… Mas ele concordou. Dando uma olhada no IMDB, percebi que o ator Max Thieriot (que interpreta o Dylan) vai participar de poucos episódios da série. E, analisando o enredo, querem muito o Dylan fora mesmo – mas eu quero que ele fique! A verdade é que ele está se arriscando. Durante a semana, ele fez insinuações para a mãe em relação à morte do marido, dando a entender que iria expor ao mundo como ela e o esposo viviam, que não tinham a vida perfeita que aparentavam. Pouco ainda foi nos revelado nesse sentido. Mas… Conhecendo a Norma, ele sabe que está brincando com fogo ao ameaçá-la.

Fogo também fez parte da última cena de Bates Motel, quando um homem apareceu pendurado, em chamas, no poste de uma das ruas da cidade. Mas esse é um mistério para os próximos capítulos. Alguém dos quartos ao lado tem alguma opinião sobre isso?

Aliás, quando será que o hotel vai receber os hóspedes oficialmente? Histórias interessantes podem surgir daí… Mas do quarto 12, eu não saio.

Séries citadas:

É jornalista formada pela Unesp e pós-graduanda em Gestão Cultural. No TeleSéries, escreve mensalmente a coluna Estilo. Aficionada pelas histórias de terror, sobrenaturais e de mistério, também não dispensa aquela comediazinha romântica... Pushing Daisies, Jeannie é um Gênio, A Feiticeira, Riget, Lost in Austen, Wonderfalls, Samantha Who?, Copper, Harper's Island e Hannibal estão entre suas séries preferidas de todos os tempos! :)

10 Comments

  1. lucas

    muito boa sua review Gaby , to ancioso pra assistir essa serie , sempre acompanho tudo o que vc escreve sobre bates motel,vou aproveitar o feriado e assistir os dois episodios e começar a acompanhar!

  2. Gabriela Pagano

    Oi, Lucas! Muito obrigada pelo comentário e pelas palavras simpáticas! :-) Tenho certeza que você vai amar essa série, viu? É muuito legal! Volta aqui e conta o que você achou, tá? =]] E continue acompanhando as review, por favor! hehe

  3. lucas

    pode deixar Gaby ,vou assistir hj ,amanha comento o q achei da serie.

  4. lucas

    Assisti os dois episódios e já estou ansioso pelo próximo!! A série é forte e ao mesmo tempo viciante. Adorei a Vera Farmiga como Norma Bates, a cena do estupro foi muito tensa e muito boa. Enfim, gostei de tudo: do elenco, da trilha sonora, da mistura de tons sombrios com neon. Estou aguardando as próximas reviews!

  5. Bruno

    Outro ótimo episódio acompanhado por um bela review. Teve de tudo. Duas pessoas queimadas, Norman apanhando da “escada”, Norma usando seu poder de sedução pra conquistar o delegado e perguntando a expectativa de vida de Emma – sem comentários-,White Pine Bay se revelando uma cidade multifuncional e uma bela referência do futuro hobby de Norman.
    Um por falar nisso, eu fui reassistir Psicose e reparei que na cena em em a irmã de Marion entra no quarto de Norman ,já no final do filme, ela vê um coelho sem uma orelha. E no primeiro episódio, quando Norman briga com a mãe por ela não deixá-lo ir “estudar” com as colegas ele vai direto do quarto e com raiva joga um coelho marrom de pelúcia na cama. Coincidência? Acho que não.

  6. Bruno

    correção a tempo: … uma bela referência ao futuro hobby de Norman.
    …com as colegas ele vai direto para o quarto

  7. Hugo Bruno

    Bom, Gaby, você realmente está em um quarto bastante estratégico. Quisera eu poder ver tudo o que você vê aqui do meu quarto, mas posso me manter atualizado lendo os seus review. ;p

    Quando o Dylan apareceu eu já esperava confusão. A cara da Norma não era das mais amigáveis; dava pra sentir a tempestade se aproximando. Desde que ele chegou os barulhos da casa dos Bates só aumentaram. Ô família problemática. As discussões dele e da Norma mal me deixam dormir de noite. :3

    E caramba! Coitado do pai da Bradley. Foi difícil de ver aquilo; tomara que ele sobreviva, mesmo sendo bastante improvável. Apesar de chocante, aquela visão foi reveladora. Lembrando da conversa do Shelby e da Norma sobre os negócios e a forma que as pessoas da cidade lidam com os problemas, e ao ver o corpo pegando fogo no final do episódio, percebi o medo nos olhos de Norma. Ela está escondendo um assassinato, e logo de um amigo de infância do xerife. Se descobrem o que ela fez… gente, quero nem pensar. Nem ela. XD

    Uma coisa que me chamou atenção do meu quarto foi ver a Norma e o Norman enquanto ela estava se vestindo. Deu pra ver como a relação deles é bizarra. Tudo entre eles é esquisito, e são os detalhes que deixam isso mais evidente. Os olhares, os gestos, ela trocando de roupa na frente dele e dizendo que não tem nada demais, ela interrogando a Emma… Sim, porque aquilo não foi normal. Eu realmente acredito que a Norma não é quem parece. Ela quer o Norman só pra ela, mesmo que inconscientemente, apesar de eu achar que ela sabe muito bem o que faz.

    A conversa com o Dylan me fez lembrar da primeira cena do primeiro episódio. O Norman desesperado batendo na porta da mãe e os dois chegando na garagem e encontrando o seu pai… lembrei da cara da Norma quando viu aquilo. Não foi natural, ou melhor, até foi. Como se ela já soubesse o que tinha acontecido. Acredito mesmo que tem mais coisa pra ser desenterrada nessa história. Cada vez mais nos entregam mais mistérios pra desvendar, como o daquele caderninho, mistério esse que eu quero muito desvendar logo!

    A sequência do Norman e da Emma correndo no final foi de tirar o fôlego! Tava com pena da Emma, vendo a hora que ela seria pega ou passasse muito mal e não pudesse continuar, mas tudo deu certo, felizmente. E eles encontraram a casa do caderninho! Tenho certeza que ainda vão voltar pra desvendar isso.

    Ahh, Gaby, adorando a hospedagem aqui. Mal posso esperar pra ter mais uma dose de emoção com Bates Motel, e que os mistérios fiquem cada vez mais misteriosos. XDD

  8. Gabriela Pagano

    Sabia que você ia gostar! hehe A Vera Farmiga está incrível mesmo, como sempre… E, como você, também, a-do-rei a mistura dos tons sombrios com o neon! Ficou muito interessante :))
    Obrigada pelos comentários, Lucas! Até semana que vem, então! :D

  9. Gabriela Pagano

    Não tinha pensado por esse lado… Realmente, se descobrem que ela matou um cidadão de White Pine Bay, quem pode acabar no poste, em chamas, é ela… E virar atração pública! White Pine Bay é mesmo macabra!

    Macabra também é a relação do Norman e da Norma mesmo. Eu também acho que ela sabe muito bem o que faz, mas não o Norman… Ele fica perdido ali. Mas ela faz o que faz pra confundir o filho mesmo e ter poder sobre ele. Ela é muito, muito estranha… E, aparentemente, má, perversa. E deve ter matado a marido… Mas ainda acho que o Norman (e os futuros apagões dele) tem algo com isso =s

    Sobre a casa na floresta, também estou mega curiosa! Acho que eles vão levar alguns episódios para descobrir o que tem lá. Mas, com certeza, vem chumbo grosso! haha

    Boa estadia no Bates Motel, Hugo. Mas ó.. Tranque a porta antes de dormir, viu? melhor se prevenir com a Norma por perto!

    E obrigada pela visita! :-)

  10. Gabriela Pagano

    Não lembrava da cena do coelho em Psicose. Olha que interessante! Com certeza foi uma suuper referência! Uma das coisas legais dessa série vai ser justamente isso, ficar “caçando” pontos em comuns com o filme… Mas tem que ser bastante detalhista! hehe
    Obrigada pelo comentário e pela visita, Bruno! =]
    Vamos continuar acompanhando esse hobby do Norman, que, a julgar pelo filme, ele vai ficar “muito bom” nessa “arte”. Até mais! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account