Log In

Opinião

Bang

Pin it
Cena de Bang

Fato: Bang é o melhor episódio de Desperate Housewives em dois anos – desde algum ponto do finalzinho de 2005 e do primeiro semestre de 2006, quando a série ainda estava em seu primeiro ano e caiu no erro de entrar em um formulismo maçante e desnecessário.

E Bang é realmente especial porque escapa da fórmula. Não temos aqui um big mistério policial ou um marido psicopata – ainda que a trama de Orson tenha sido ser o ponto de partida dos acontecimentos da semana -, nem a dispensável, a esta altura do campeonato, presença de Mike Delfino. Gabrielle e Carlos continuam as turras, mas felizmente parece que os produtores já perceberam que a fórmula já esgotou e insinuam no episódio o fim deste remake de A Guerra dos Roses.

O que temos aqui é uma incrível carga dramática, sem cair no dramalhão, e cenas de um humor leve, que funciona – as velhinhas visitando Bree sabendo que ela certamente serviria comida, Tom Scavo perguntando inocentemente para Bree se ela estava dando uma festa, Susan roubando o megafone da polícia. Desperate Housewives precisa de cenas como estas, onde faça rir também com sutileza – porque já sabemos que é impossível colocar toda semana as quatro protagonistas tomando alguma atitude egoísta e cruel que consiga gerar algum resultado cômico.

Sair da rotina é bom e fica provado aqui que esta é a solução para Desperate Housewives. Bang está repleto de elementos novos: tem uma história fachada em si, que se encerra no episódio; tem uma trama única que reúne em torno dela todos os personagens da série; oferece ao telespectador uma experiência narrativa diferenciada – a série retorna no tempo e mostra a ação de vários pontos de vista, no melhor estilo Pulp Fiction, -; um cenário diferenciado, mas ligado ao Universo de Wisteria Lane (o supermercado); faz bom uso de todos os personagens secundários da série (repare que todas as vizinhas e crianças estão lá, pela primeira vez em muito tempo); e cita o passado com classe, trazendo de volta ao vídeo Mary Alice Young. E, mais do que tudo, Bang é um episódio imprevisível e, com isto, amarra o telespectador de Desperate Housewives na cadeira como há tempos não amarrava.

Bang encerra ainda dois arcos da série na hora exata. Antes que suas personagens se esgotassem, as excelentes Laurie Metcalf e Kiersten Warren se despedem da série – com dois balaços certeiros.

E, claro, se restava alguma dúvida, agora não resta mais: Bang é a prova definitiva de que Felicity Huffman é mesmo a melhor atriz do elenco da série. Sua performance é brilhante no episódio e com boa antecedência é possível dizer que seu nome está garantido na lista de indicadas a melhor atriz em comédia no Emmy Awards. Qualquer lista de indicados que não inclua o seu nome é injusta.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

19 Comments

  1. Roberto Rodrigues Chaves Júnior

    Achei também o melhor episódio da temporada, assim que terminou sua exibição.Detalhe, outra cena cômica que funciona perfeitamente com a situação e com o espírito da série é quando Suzan fala para Carolyn para deixa-la entrar para tirar a Julie porque tem uma louca la dentro do supermercado, a resposta de Carolyn:”É…Sou eu”.Muito bom também foi os diálogos entre Suzan Mayer e Tom Scavo e a cena final do sonho da Lynette com a trilha de Steve Jablonsky realmente perfeita.

  2. Lucas M

    Qual musica esta tocando nos comerciais de ER hj? No comerical do episodio de ER pra essa smeana tocou uma musica diferente. Alguem pode me dizer? obrigado

  3. Luciano Bruce

    É tudo fluiu perfeitamente no episódio, até as pequenas peculiridades… como as vizinhas q chegam na casa da Bree, e logo esta oferece uns docinhos…Umas das vizinhas fla algo assim “Eu te disse q haveria comida aqui”

    =P

  4. Thomaz Jr

    O nelhor episodio de tds as temporadas para mim. Amo esse humor negro. Mesmo numa situação tragica há humor. Qdo diz que seu marido nao gosta de mulher gorda e bla bla bla ai ela pega e comi um cookie e diz esse é o 1o em anos. Issó é desperate housewives.
    Os sonhos de Lynette com Mary Alice foram perfeito. Falicity Huffman é a melhor atriz com o melhor papel na série.

  5. Li

    Até agora foi o episódio que mais gostei, só acho injusto dizer que a Felicity é a melhor atriz da série, as outras atrizes são muito boas também acho que a única que destoa um pouco é a Nicolette Sheridan, mas concordo que nesta temporada até o momento Felicity Huffmam tem tido um destaque maior que as outras. Só uma pequena crítica, esse Mark Delfino que no momento não faz nada, já que perdeu a memória parcialmente… já que tantos personagens entram e saem, quem sabe ele poderia desaparecer misteriosamente e nunca mais voltar!!!

  6. Gui Barranco

    A Felicity Huffman estava simplesmente perfeita nesse episódio!!! Não existe outro adjetivo pra ela.
    Realmente este foi o melhor episódio dos últimos tempos.

  7. Gui Barranco

    Concordo sobre o Mark Delfino. Ele já esgotou o personagem, já teve contexto com a história da ex-namorado e do filho, mas agora ele está perdido na série, sem um papel definido, ou um propósito concreto. Tomara que o Orson mate ele, e depois o Orson seja preso, enfim, só pra ele ter uma finalidade na série…

  8. João Nilson

    Melhor episodio da temporada, que já vinha tendo ótimos resultados. Laurie Metcalf fez aqui um trabalho excelente, chegando a ficar mais tempo em cena do que Marcia Cross, outras falas dignas de lembrar são “Eu sou a professora de catecismo de seu filho, muito bom garoto, então não faça nada que possa deixa-lo sem mãe” e “Atenção clientes, o espeçial de hoje é não levar tiro, porém só disponivel no fundo da loja”.

    Pra mim o Mike tinha que ter morrido naquele acidente msm, o ator que faz o novo par romantico da Susan é bem melhor e com ótimo timing cômico (ele falando “mandaremos ela conosco pra Paris, só que de economica, poltrona do meio, sem piedade” deu pra arrancar umas risadas)

    E o final com o Lynette sonhando com Mary Alice foi uma das cenas mais emocionantes já feitas; Desperate Housewives é um clássico por poder explorar qualquer tipo de historia sem pareçer forçado, seja comedia pestelão, humor negro, ação, misterio ou drama.

  9. Thiago Sampaio

    Sou telespectador exporádico de DH. Vi pouquissimas vezes e BANG foi o único que acompanhei do começo ao fim. Ele foi atípico, eu sei, mas deu pra concluir duas coisas:

    *Talvez ele se encaixe mais como ‘drama’ do q ‘comédia’
    *Poucas atrizes na TV são tão competentes quanto Felicity Huffmam. É impressionante como essa mulher consegue passar de cômica à dramática num piscar de olhos. A melhor cena do episódio foi a promessa de q cuidaria da criança… Perfeita

  10. Angelo

    Episódio perfeito. Fiquei uns 30 segundos com a boca aberta quando a Nora foi atingida no peito (gostava muito da personagem, mas a morte dela rendeu uma boa cena dramática), sem falar nos momentos finais quando a Lynete também foi baleada.

    Há muito que um episódio não mexia tanto com as minhas emoções dessa maneira, me deixando grudado no sofá.

  11. Felipe Eduardo

    Impressionante como essa serie me lembra os filmes de Almodovar, por conseguirem fazer tanta graça com o sofrimento das mulheres. Merecidamente a serie de ficção mais assistida nos EUA.

  12. gustavo

    o melhor episódio da série…
    aliás.
    um dos melhores episódios (de todas as séries juntas) que já vi…

  13. Thais Afonso

    Essa temporada está ótima, é tão bom ver a série retomando seu rumo. Huffman realmente é brilhante, mas eu também adoro a Cross. Só a Hatcher que parece cada dia mais sem brilho, talvez com um pouco de culpa da personagem.

  14. Aline

    Eu via DH muito de vez em qdo na S1, a S2, se vi uns 5 episódios foi muito (sempre esquecia), mas essa S3 tô acompanhando e tô adorando. Esse episódio foi fantástico. Huffman e Cross são atrizes muito competentes, que dá gosto de ver atuando.

    O Mike é tão bleh… sou mais o novo carinha… talvez pq ele é inglês *cough*

    Enfim, esse textozinho significa q de agora em diante teremos reviews de DH???

  15. João Nilson

    [Enfim, esse textozinho significa q de agora em diante teremos reviews de DH???] x2

  16. Leandro

    Desperate Housewives é muito mais do que as cenas das velhinhas visitando Bree sabendo que ela certamente serviria comida, ou da cena do Tom Scavo perguntando para Bree se ela estava dando uma festa, ou a da Susan roubando o megafone da polícia. Isso é humor pastelão.
    Pra mim o grande trunfo de DH é o deboche com o “american way of life” algo que em seriados eu só tinha visto até então no já saudoso Six Feet Under, claro que com outra narrativa, bem mais dramática, mas também com um toque de humor. Bang foi um bom episódio, o melhor da temporada até aqui, mas não só pela narrativa, e sim pela morte de Norah, uma mudança e tanto na série, além de que o tal novo vizinho apareceu bastante, acho que deve ser mais algum personagem que está chegando – me recuso a ler spoilers.
    Pra mim, o episódio em que a Bree abandona o filho pra mim segue sendo o mais foda de todos. Aliás esse episódio é da segunda temporada, que foi um pouco mais fraca, mas não podemos nos esquecer que DH também é um deboche das soap–operas americanas, por isso tem mais mesmo que usar e abusar dos clichês.
    Ah! Com relação ao Mike Delfino, não se esqueçam que a tal Monique, que ao que tudo indica foi morta pelo Orson, e que foi o estopim de toda a confusão do mercado, tinha o telefone do Mike escrito na mão, quando foi morta. Então Mike ainda deve ter surpresas reservadas.
    Enfim, DH segue sendo uma das séries mais divertidas e inteligentes – as vezes não tento pela trama, mas sim maneira como aborda a hipocrisia das famílias conservadoras e o tal american way of life em geral – dos últimos tempos. Bem melhor do que enlatados como Lost e Heroes, ou bobagens aborrecentes como Verônica Mars, The O.C. e Falcon Beach.

  17. Matheus

    Até que enfim um elogio a DH!O episódio foi muito bem feito, o melhor da temporada e um dos melhores da série.Verdade é que a série já vinha melhorando há um bom tempo mas os críticos ignoravam..Esse episódio só veio a marcar a volta de uma fase mais imprevisível, coerente e cômica.Ahh, e a Felicity é, realmente, a melhor atriz do seriado..Não só pelo episódio, mas por toda uma trajetória..Mas nesse episódio ela se superou!Quem não se emocionou com ela depois da morte da Nora?Quem não se emocionou com a Lynnete falando com a Mary Alice no sonho?É, esse episódio foi para, no mínimo, ficar com lágrimas nos olhos..Perfeito!

  18. Luiz

    Se a Felicity perder o Emmy pra America Ferrera ou se for esnobada das indicações que nem ano passado eu perco a fé na vida… Essa mulher atinge o sublime nesse episódio, provando que está mesmo um nível acima das demais (mesmo na temporada passada, ela fez muito com o pouco que tinha em mãos). E o episódio foi mesmo o mais empolgante de toda a série, desde a montagem fragmentada até os diálogos apuradíssimos (as falas da Carolyn pareciam escritas pelo Almodóvar, tamanha a habilidade com que extraíram humor do sofrimento feminino). Perfeito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account