Log In

Programação EUA TeleRatings

Audiência nos EUA de 5/3/2007 até 11/3/2007

Pin it

Sem título: Essa semana não teve um destaque muito grande, então sem mais delongas, vamos a coluna!

TV ABERTA

Rank Programa Canal Telespectadores*
1 AMERICAN IDOL [Quarta] Fox 28,55
2 AMERICAN IDOL [Terça] Fox 27,95
3 AMERICAN IDOL [Quinta] Fox 27,52
4 HOUSE Fox 24,40
5 ARE YOU SMARTER THAN A 5TH GRADER? Fox 20,66
6 DEAL OR NO DEAL [Segunda] NBC 18,39
7 WITHOUT A TRACE CBS 17,53
8 CSI CBS 15,45
9 COLD CASE CBS 15,45
10 HEROES NBC 14,90
11 TWO AND A HALF MEN CBS 14,55
12 CSI: MIAMI CBS 14,33
13 EXTREME MAKEOVER: HOME EDITION ABC 13,95
14 SURVIVOR 14: FIJI CBS 13,82
15 CRIMINAL MINDS CBS 13,68
16 24 HORAS FOX 13,05
17 DEAL OR NO DEAL [Domingo] NBC 12,91
18 RULES OF ENGAGEMENT CBS 12,51
19 LOST ABC 12,45
NCIS CBS 12,45

* Em milhões

* No ranking das emissoras dessa semana, a Fox (1°/14,11 milhões) desceu um pouco, mas segue tranqüila. A CBS (2°/10,76 milhões) também caiu, mas conseguiu o 2° lugar. A NBC (3°/7,93 milhões) abriu uma vantagem em relação a ABC (4°/6,76 milhões). E a CW (5º/3 milhões) caiu.

SEGUNDA

Às 20h, Deal or No Deal (NBC: 6°/18,39 milhões) teve uma audiência enorme, a maior do dia. Prison Break (Fox: 28°/9,72 milhões), uma reprise de How I Met Your Mother (CBS: 36°/8,56 milhões), o season finale de The Class (CBS: 34°/8,72 milhões) e Wife Swap (ABC: 44°/7,97 milhões) disputam pelos lugares seguintes. E de longe, reprises de Everybody Hates Chris (CW: 117°/2,16 milhões) e de All of Us (CW: 119°/1,86 milhão) foram os menos vistos da hora.

Às 21h, Heroes (NBC: 10°/14,90 milhões) passa uma reprise de Two and a Half Men (CBS: 11°/14,55 milhões) e um inédito de Rules of Engagement (CBS: 18°/12,51 milhões) e 24 Horas (Fox: 16°/13,05 milhões) e vira o líder do horário. Em quarto lugar fica Supernanny (ABC: 30°/9,58 milhões). E reprises de Girlfriends (CW: 118°/1,96 milhão) e de The Game (CW: 123°/1,71 milhão) ficam em último.

E às 22h, CSI: Miami (CBS: 12°/14,33 milhões) lidera mesmo em reprise. The Black Donnellys (NBC: 53°/6,88 milhões) segue de longe e What About Brian (ABC: 84°/4,85 milhões) fica em último.

TERÇA

Às 20h, American Idol (Fox: 2°/27,95 milhões) foi o programa mais visto do dia, seguido de uma reprise de NCIS (CBS: 19°/12,45 milhões). Disputando pelo 3° lugar ficaram Dateline (NBC: 56°/6,59 milhões), uma reprise de America’s Funniest Home Videos (ABC: 73°/5,53 milhões) e Gilmore Girls (CW: 89°/4,47 milhões).

Às 21h, a volta de House (Fox: 4°/24,40 milhões) deixou a concorrência desolada, com reprises de The Unit (CBS: 46°/7,68 milhões) e de Law & Order: Criminal Intent (NBC: 52°/7,05 milhões) e o Primetime (ABC: 54°/6,80 milhões) disputando o 2° lugar. E seguindo de longe, a estréia de The Search for the Next Pussycat Doll (CW: 97°/3,94 milhões), foi o programa menos assistido do dia – o reality show, no entanto, teve um desempenho bem melhor do que Veronica Mars vinha tendo no horário.

E às 22h, uma reprise de Law & Order: SVU (NBC: 32°/9,11 milhões) é líder, seguida de perto por 48 Hours Mystery (CBS: 37°/8,46 milhões) e de longe por uma reprise de Justiça Sem Limites (ABC: 66°/5,80 milhões).

QUARTA

Às 20h, American Idol (Fox: 1°/28,55 milhões) foi o programa mais assistido do dia e da semana. Jericho (CBS: 40°/8,10 milhões) ficou num longínquo 2° lugar, seguido de Dateline (NBC: 64°/5,93 milhões), George López (ABC: 67°/5,79 milhões), uma reprise de According to Jim (ABC: 72°/5,55 milhões) e America’s Next Top Model 8 (CW: 90°/4,46 milhões).

Às 21h, Criminal Minds (CBS: 15°/13,68 milhões) lidera mesmo em reprise. Logo após vem a estréia de The Wedding Bells (Fox: 21°/12,34 milhões) e a estréia de Crossing Jordan (NBC: 41°/8,08 milhões) em novo horário. A audiência de Jordan melhorou em relação ao horário antigo, aos domingos. No 4° lugar, ficaram According to Jim (ABC: 47°/7,55 milhões) e In Case of Emergency (ABC: 62°/6,06 milhões). Uma reprise de The Search for the Next Pussycat Doll (CW: 99°/3,70 milhões) foi o programa menos assistido do dia.

E às 22h, Lost (ABC: 19°/12,45 milhões) foi o líder, desbancando uma reprise de CSI: NY (CBS: 22°/11,79 milhões) e Medium (NBC: 35°/8,66 milhões).

QUINTA

Às 20h, a edição especial de American Idol (Fox: 3°/27,52 milhões) foi, sem surpresas, o programa mais visto do dia. Suvivor 14: Fiji (CBS: 14°/13,82 milhões) conquista o 2° lugar, seguido por reprises de Ugly Betty (ABC: 63°/5,96 milhões), My Name is Earl (NBC: 77°/5,39 milhões), de The Office (NBC: 86°/4,67 milhões) e de Smallville (CW: 114°/2,52 milhões).

Às 21h, Are you smarter than a 5th Grader? (Fox: 5°/20,66 milhões) prolongou a liderança da Fox. Reprises de CSI (CBS: 8°/15,45 milhões) e de Grey’s Anatomy (ABC: 38°/8,45 milhões) fecharam o pódio. Distante delas ficaram Scrubs (NBC: 65°/5,84 milhões), 30 Rock (NBC: 83°/5,15 milhões) e uma reprise de Supernatural (CW: 121°/1,81 milhão).

E às 22h, uma reprise de Shark (CBS: 23°/11,17 milhões) ficou na liderança. Reprises de Men in Trees (ABC: 60°/6,38 milhões), The Office (NBC: 85°/4,85 milhões) e 30 Rock (NBC: 96°/3,95 milhões) encerraram a noite.

SEXTA

Às 20h, 1 vs 100 (NBC: 39°/8,44 milhões) continua liderando contrar uma reprise de Ghost Whisperer (CBS: 55°/6,71 milhões). Uma reprise de House (Fox: 79°/5,35 milhões) fecha o pódio. Competindo pelo 4° lugar, ficaram uma reprise de Grey’s Anatomy (ABC: 91°/4,40 milhões) e o Friday Night Smackdown! (CW: 92°/4,34 milhões).

Às 21h, Close to Home (CBS: 29°/9,62 milhões) é o líder no horário, mas bem ameaçado pelo season finale de Las Vegas (NBC: 31°/9,24 milhões). Bem longe, competindo pela 3ª posição, estão uma reprise de Wife Swap (ABC: 88°/4,57 milhões) e a segunda hora de Friday Night Smackdown. Uma reprise de Wedding Bells (Fox: 101°/3,62 milhões) foi o programa menos assistido do dia.

E às 22h, Numb3rs (CBS: 26°/10,29 milhões) foi o programa mais visto do dia. Uma reprise de Lei & Ordem (NBC: 49°/7,41 milhões) e o 20/20 (ABC: 51°/7,05 milhões) encerraram a noite.

DOMINGO

Às 19h, o Nextel Cup Winners Circle (Fox: 24°/10,63 milhões) foi o líder no horário, desbancando o 60 Minutes (CBS: 25°/10,30 milhões). Em 3° lugar, ficou o America’s Funniest Home Vídeos (ABC: 43°/8 milhões), seguido por Dateline (NBC: 70°/5,62 milhões) e uma reprise de The Search for the Next Pussycat Doll (CW: 125°/1,42 milhão), que foi o programa menos assistido do dia e da semana.

Às 20h, a ABC ganha a liderança com Extreme Makeover: Home Edition (ABC: 13°/13,95 milhões). The Amazing Race 11: All Stars (CBS: 27°/9,82 milhões) fica num distante 2° lugar seguido por Os Simpsons (Fox: 33°/8,79 milhões), Grease: You’re the one I want! (NBC: 57°/6,47 milhões), The Winner (Fox: 59°/6,39 milhões) e uma reprise de 7th Heaven (CW: 120°/1,83 milhão).

Às 21h, Cold Case (CBS: 9°/15,45 milhões) liderou, passando Deal or No Deal (NBC: 17°/12,91 milhões). Family Guy (Fox: 42°/8,05 milhões), uma reprise de Desperate Housewives (ABC: 45°/7,74 milhões), The Winner (Fox: 71°/5,56 milhões) e uma reprise de America’s Next Top Model 8 (CW: 116°/2,26 milhões) ficaram para trás.

E às 22h, Without a Trace (CBS: 7°/17,53 milhões) esticou a liderança da CBS. O Aprendiz (NBC: 48°/7,46 milhões) sobe e fica no 2° lugar e uma reprise de Brothers & Sisters (ABC: 80°/5,35 milhões) encerrou a semana.

TV PAGA

Sem Monk e Psych, a semana na TV a cabo foi dos reality shows!

* I Love New York (VH1) teve uma audiência alta e ficou no 2° lugar, com 4,07 milhões.

* The Real World 18 (MTV) também teve uma audiência boa e entrou no 18° lugar, com 2,84 milhões.

* The Hills (MTV) teve uma de suas maiores audiências: 2,73 milhões, no 24° lugar.

* E o season premiere de Girls Next Door (E!) teve 2,17 milhões de telespectadores, a 2° maior audiência para uma estréia na história do E!

ESTRÉIAS

The Wedding Bells

The Wedding Bells (Fox) – Nova dramédia da Fox sobre uma família que é dona de uma firma de planejadores de casamento. Produzida por David E. Kelley (Ally McBeal, Justiça sem Limites), a série tem no elenco Teri Polo (The West Wing, I´m with Her), Sarah Jones (Amor Imenso) e Michael Landes (o primiero Jimmy Olsen de Lois & Clark). A estréia foi boa, mas nem chegou perto dos números de Are you Smarter than a 5th Grader semana passada.

The Search for the Next Pussycat Doll (CW) – Novo reality show de competição da CW que busca uma garota para entrar no grupo Pussycat Dolls – Don’t cha wish your girlfriend was hot like them? Os juízes são a fundadora do grupo Rob Antin, o cantor Mark McGrath, a rapper ‘Lil Kim e o dono da Geffen Records Ron Fair. Teve uma estréia sólida, com uma audiência boa.

Bom, essa foi mais uma teleratings. Boa semana, e até a próxima!

56 Comments

  1. Ana

    Que pessoa em sã consciencia gostaria de ser a próxima Pussycat Doll?

  2. Rafa Bauer

    Esse programa novo das Pussycat só teve audiência boa na estréia, depois caiu muito, abaixo da audiência de Veronica Mars, o que achei ótimo… hehehe

  3. Marcus Eloy

    Ja estou fazendo minhas “preces” pra próxima temporada:

    – Heroes e Prison Break mantenham o nível
    – Não cancelem VMars
    – Lost melhore

    De 2 anos pra cá cancelaram quase todas as séries que eu assistia… :@

  4. Maurício

    Marcus

    Faço as mesmas preces que você. E acrescento outra: Que o Monk melhore!!
    Acho que a série decaiu muito. ÉRa melhor no começo. Tenho medo que vire uma sombra do que já foi.

  5. Custódio

    Não entendo essas emissoras americanas. Um dia passa um episódio inédito, no outro é reprise… Credo! Ainda bem que pelo menos no SBT eles exibem Sobrenatural na ordem correta, sem reprises no meio. Acho que é por isso que algumas séries acabam saturando e perdendo cada temporada mais audiência.

  6. Maurício

    Custódio

    Concordo plenamente com você. Acho horrível esse sistema de reprises no meio da temporada. Que eles reprisem entre uma temporada e outra, BELEZA!

    Mas dentro da temporada. É o cúmulo. Se não tem episódios suficientes para a temporada (deveria ter diga-se de passagem). Deveriam então passar outro programa. Qualquer coisa…para preencher este espaço.

  7. Cesar

    Depois o pessoal reclama das reprises nos canais “brasileiros”. Se até lá eles reprisem, por que não aqui?

    Aliás, a reprise tem razão de ser. Eles ocupam perto de 2/3 do ano com séries, produzindo menos que isso. Ou seja, corta-se o custo, mas mantém-se a receita. Mesmo na reprise, as “blockbusters” dão mais audiência que a média.

  8. Maurício

    Cesar

    Não me importa as razões econômicas para isso. Isso é problema de empresário. Eu sou consumidor, e como consumidor manifesto minha opinião.

    Não gosto desse sistema. Acho horrível e acho um desrespeito com o telespectador. Além disso acho que é possível ter lucro fazendo temporadas inteiras. Barrados no Baile foi uma prova disso. Com temporadas de 32 episódios.

  9. Rubens

    Maurício, se você está rezando para que Monk melhore, assista entao a Psych, que tem um plot parecido (um super-detetive que atenta a pequenos detalhes) e é muito, mas *MUITO* melhor que o Monk, que parece que ja deu o que tinha que dar. Psych é melhor e muito mais divertido!

  10. Rubens

    Isso nada tem a ver com desrespeito ao telespectador… Uma semana tem 7 dias e um episodio de seriado americano leva em torno de 10 dias para ficar pronto. NAO TEM COMO nao ter reprises no meio da temporada!

    A menos que, ao invés de estrear em setembro, junto com toda a programacao da tv americana, eles estreiem em janeiro, que é como a producao de 24 faz, e é como a producao de Lost deverá fazer ano que vem.

    Um ou outro ate pode fazer isso, mas nao ha como atrasar toda a programacao da tv americana por 4 meses, só para atender a um brasileiro envocadinho. ;-)

  11. Thomaz Jr

    As reprises as vezes são até legais. Dramas são um saco de rever. Mas, sitcom, eu revejo e dou mta risada de novo. hehehe.
    Já que tds estão na trocida por melhoras, eu to trocendo para
    >>>30 ROCK>>Scrubs

  12. Cesar

    Maurício,

    o consumidro tem o direito de reclamar. Não está satisfeito, deixe de assistir. Simples assim.

    Se formos abstrair a questão econômica, então fecharemos as empresas e passaremos a viver como uma sociedade primária, vivendo à base do escambo. isto, possivelmente, levaria ao fim das redes de tv e, consequentemente, não teríamos nem reprises nem episódios inéditos.

    Ou seja, não dá para analisar NADA – ou quase nada – na vida sem levarmos em conta o aspecto econômico. A não ser que se more em Cuba. Não seja tão ingênuo.

  13. Thomaz Jr

    Creio que seja enviavel para os estudios produzir mais episodios por temporadas. Seria até interessante, pois episodio inédito da maior audiencia. Porem, como disse o Rubens o tempo de produção de um episodio é superior a 7 dias.
    Sem contar que os atores precisam de folga, pois a maioria concilia uma carreira cinematografica paralela.
    Acho que os americanos até se adaptaram a isso. Aqui no Brasil que a população acostumada com novelas estranha. Tanto que o Sony aderiu a exibir algumas séries sem reprises justificando isso. O público de algumas séries nao se daptam a reprises.

  14. Luciano Bruce

    Não reprisar???? Antes de mais nada, o seriado é um produto, certo q pode-se alterar o modo como serão exibidos para q se consiga maior audiência… Lost por exemplo terá quarta temporada mostrada continuamente. Do mesmo modo q ocorre com o 24…

    Agora condenar reprises é não ver vários lados do questionamento. Eu mesmo, só conheci alguns seriados dessa forma. Exemplo: Choque de horários…

    O formato de 22 a 23 episódios, acho q é o ideal, sem criar saturação, se existem seriados q nem andam conseguindo fazer uma temporada normal boa (vide ER, e o sonolento The 4400), imagimem se o seriado tivesse mais episódios??

  15. Luciano Bruce

    … só completando, não sou a favor de reprises no meio da temporada e sim entre elas!

  16. Paulo Antunes

    Maurício,
    Me desculpe mas eu tenho que criticá-lo: as temporadas de 32 episódios de Barrados no Baile pra mim não são modelo de qualidade. Aquilo levou a série ao esgotamento em dois toque. Digo o mesmo de The O.C. – foi ótimo ter uma primeira temporada com 28 episódios? Ah foi. Mas o resultado foi nefasto, no ano seguinte os produtores já não sabiam mais o que fazer com aquele personagens.

    É melhor 22 episódios bons do que 32 episódios meia boca.

    Melhor que isto só o padrão HBO – 13 episódios por ano – ou o padrão inglês – meia dúzia por ano. São bem produzidos e tem roteiros impecáveis.

  17. Maurício

    Rubens

    Agradeço a recomendação. Já asisto Psych desde o primeiro episódio e gosto muito. No início não gostei muito mas no decorrer dos filmes passei a gostar. E hoje gosto mais do que o Monk (e olha que gostei muito dessa última). Concordo com tudo que você falou a respeito dessa série. É muito mais divertida.

    Não sei quanto ao Monk já ter dado tudo. Porém acho que ela decaiu e muito e rezo para que melhore.

    Quanto as questões das reprises mantenho meu pensamento. Seria bem melhor assistir a temporada sem reprises. Eu considero desrespeito sim. Chega odia da semana que passa a série, eles passam reprise. Péra !
    Se um episódio leva esse tempo todo, é só começar a gravar a série com antecedência. No Brasil os atores trabalham em novelas diárias e continuam tendo tempo de fazer teatro, filmes, comerciais e etc. O próprio Rodrigo Santoro tem se queixado do tédio de trabalhar pouco em Miami. O atos que faz o papél de Sayd também.

    Outra coisa…nunca foi minha pretensão mudar a programação da TV americana. Seria me dar uma importância muito grande, nossa quem sou ou você para querer mudar a programação de outro país (decorrente dos fatores econômicos, sociais e culturais desse. Nunca tive essa pretensão. Apenas manifestei minha opinião sobre um sistema ao qual discordo. E talvez dar minha contribuição (pequena é verdade) para que aqui no Brasil isso mude.

    Essa coisa de quantidade de seriados altarar a qualidade. É relativo. Uma história quando bem contada, bem engendrada pode durar anos com qualidade. Barrados no Baile durou anos dessa forma e com altos indices de audiência. E séries com 22 episódios também produzem episódios pavorosos em qualquer série. Não é a quantidade de episódios que determina a qualidade de uma série.

    Não sou evocadinho. Não precisa ofender as pessoas para defender seu ponto de vista. Essa lição me foi passada aqui mesmo.

    Não acho minha opinião ingênua. Na economia cada categoria defende o seu lado e os seus interesses. Os trabalhadores pedem melhores salários, melhores condições de trabalho etc. Os empresários puxam a sardinha para seu lado. Desse choque a democracia vive. Com conquistas dos dois lados. Quando o Código de defesa do Consumidor foi lançado ninguém pensou nos empresários. Se pensou nos consumidores. Eles tiveram de se adaptar. Eu pensono meu lado. Como telespectador. Isso é natural.

    Além disso é possível economicamente fazer temporadas sem reprises sim. Com mais episódios ou começando depois. Ou com novas produções intercaladas. Oras!

  18. Maurício

    Mas de qualquer maneira o debate respeitoso é salutar. Aprendi muito vindo a esse blog e agradeço a participação mesmo discordando.

  19. Marcus Eloy

    Reprise me incomodava… principalmente quando eu não sabia que ia ser reprise.

    Hoje em dia não me incomoda mais porque eu pego tudo na net e vejo uma temporada em 2 ou 3 semanas, um episódio por dia! :)

  20. Cesar

    Maurício,

    Já que discordamos mesmo, e não acredito que mudaremos de opinião, me deixe apenas dizer uma coisa: se todas as discussões fossem nesse nível de educação, todos sairíamos ganhando.

    Só um detalhe: ao produzir 22 episódios e transmití-lo em 32 semanas, por exemplo, economicamente a emissora dilui o custo dela por 32 transmissões de receita, certo?

    22 x 100 (custo) = 2200
    32 x 120 (receita) = 3840
    Lucro de 1640

    Se fizer 32 episódios, transmitidos em 32 dias, isto reduz a margem de lucro.

    32 x 100 (custo) = 3200
    32 x 120 (receitas) = 3840
    Lucro de 640

    Esta é a lógica econômica das reprises.

    Abraço!

  21. Rô Floripa

    Eu adoro as reprises entre as temporadas, é a oportunidade de ver o que perdi e rever o que gostei. Aliás nem me importo com reprises no geral, se o produto é bom, é sempre um prazer revê-lo. Assisto MASH sempre que possso, e olha que eu venho vendo esta série faz muito tempo. Tenho alguns box de The West Wing e a revejo sempre. Outro dia cheguei de madrugada em casa e peguei o 1º ep da 2ª temporada e, mais uma vez, foi um grande prazer rever toda aquela qualidade.

  22. Maurício

    Cesar

    Obrigado pela forma educada com que se manifestou e agradeço os argumentos expostos. Porém, como você mesmo falou, ambos não mudaremos o pensamento e acho que existem muitas formas de ter lucro sem a diluição dos episódios (não contesto a veracidade de seus dados, mas acho que lucros podem ser perseguidos de outras maneiras, pois não acredito que Barrados no Baile deu pouco lucro). Mesmo considerando a impossibilidade de fazer temporadas com mais episódios (32). Acho que as emissoras ao invés de reprisar poderiam colocar outros programas. Ou passar 22 episódios de maneira contínua.

    Rô Floripa

    Mais uma vez estamos em lados opóstos de uma discussão. Também gosto de ver e rever séries e filmes. Também apóio as reprises entre temporadas. Sou contra as reprises internas (me entenda bem, não falo de reprises em horários alternativo – estas apóio- mas das reprises passadas no lugar de episódios inéditos. Acho, para mim pelo menos, que atrapalham na continuidade da história.

    Acho que os americanos tem essa cultura de reprise e que talvez isso seja mais decisivo para isso ocorrer do que fatores economicos. Ou talvez esses fatores determinem lucros por serem decorrentes daqueles. Sei lá.

    Só acho que aqui no Brasil nunca tivemos muito essa cultura. Eu pelo menos gosto de acompanhar as séries sempre com episódios inéditos. E já vi personalidades dizerem que não gostam de acompanhar séries como os americanos acompanham. Que preferem esperar sair em DVD e ver tudo de vez. Inclusive um amigo meu fez isso com Alias. Só assistiu quando a série saiu toda em DVD,. Alugando em locadora.

    Esse argumento de ver pela internet o coloca no mesmo nível dos americanos. Vendo antes de passar aqui. Mas uma hora eles também vão parar a produção lá. O que não elimina o problema. Além disso num país com poucos incluídos digitalmente eu não acredito ser um bom argumento. A gente tá falando de TV. Pense nisso.

    Enfim. Essa é minha opinião. Espero que tenha outros com a mesma opinião e que os que discordam eu possa ter convencido e os que não discordam pelo menos o façam de maneira educada. Como bem destacou o Cesar ao qual agradeço pelos dados trazidos que me fizeram pensar.

  23. Thomaz Jr

    Maurício,
    As novelas no Brasil duram só 8 meses em media, Afinal novela não tem temporadas, acabou e pronto.
    Novelas tem uma qualidade bem inferior a series americanas. Veja a grande familia. É produzido mais de 30 episodios por nao. Mas compare o roteiro com uma séries como uma comédias como Scrubs ou Frasier e verá a diferença gritante de qualidade.
    Pq não gravar antes? vc quetionou
    Simples, as séries são moldadas ao gosto do publico. Se não gradam são alteradas. Agora se já tem varios gravados. O q farão? gravar de novo ou exibir algo que nao agrada o publico?
    Não é agradavel ver reprises as vezes. Mas, é uma mal necessário.
    Pior são as series britanicas, Coupling se somas tds as 4 temporadas são só 23 episodios.

  24. Maurício

    Thomaz Jr

    Você citou o exemplo de séries excelentes. O seu exemplo foi pontual, eu me refiro a todo um sistema. Que abraça todo tipo de séries. Além disso, as séries quie você citou tiveram episódios horríveis. Portanto, como disse antes, não é quantidade que determina qualidade.

    Detesto novela, usei seu exemplo para demonstrar que é possível fazer séries sem reprises. Afinal, no Brasil as emissoras de TV conseguem dar conta com novelas diárias. Por que os rico canais norte-americanos não conseguiriam com séries semanais? Ainda mais séries de meia hora como Frasier.

    O seu argumento pode até valer com séries estreantes. Mas para séries já consagradas não tem essa de moldar ao gosto do público. Além disso as séries não são como as novelas. Estas sim são moldadas ao gosto do público. As séries são mais fechadas e em sua grande maioria com histórias fechadas por episódios sem arcos. A opinião do público não pesa tanto. Se tivesse peso o Frasier teria ficado com a Roz, como a maioria queria, no fim da série.

    Além disso não teria tantos episódios assim pré gravados. Daria tempo de fazer correções de rumo.

  25. Thomaz Jr

    Maurício

    Mesmo Desperate Housewives em sua 3a temporada, ouviu o público em relção a família Scavo que não estava agradando mto. Em The Class um núcleo foi abduzido da ssérie por não agradar tbm.

    Infelizmente,não assisti a tds os episódios de Frasier, mas nunca assisti nenhum que não não fosse ótimo. Qto ao final de Frasier, creio que o próprio ator quis manter seu personagem aberto a novas possibilidades. Afinal, ele já tem decadas de existencia.

    Já ouvi o próprio ator Pedro Cardoso dizendo que gostaria que A Grande Família tivesse apenas Uns 20 episodios/ano assim como as séries americanas.

    Acho que o sitema de reprises é viavel economicamente e tbm em termos de produção.

  26. Luís Henrique

    Essa semana sem supresas, apenas lost que subiu umj pouco(ainda bem, a série é boa!) e novamente american idol com todos os méritos de estar em primeiro, como é forte esse programa, heim? subiu a audiência de house e aRE yOU SMARTER THAN A 5TH GRADER?

  27. Maurício

    Isso é resultado de uma mente colonizada. Dizer que um sitema como esse é viável e aceitar semanas e semanas de reprise. Não é inteligente.

    OI final do Frasier foi horrível. Final de série não é lugar de deic=xar aberto a novas possibilidades. É para dar um destino ao personagem. ridiculo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account