Log In

Opinião Preview

As primeiras impressões de ‘Saving Hope’

Pin it
95.5
4.7
2

A televisão está saturada, isso é um fato verídico. O que mais vemos estrear seja na ‘fall season’ ou ‘summer season’ da vida são séries que nada de novo tem a acrescentar. Infelizmente, Saving Hope entra neste time de séries que não tem nada de novo. O show canadense é um drama médico, estilo que desde ER é o mais típico a se estrear na TV. Conta a história do Dr. Charlie Harris (Michael Shanks), um bem sucedido chefe de cirurgia que namora a também cirurgiã Dra. Alex Reid (Erica Durance). Os dois são felizes até o momento em que Charlie sofre um acidente que o deixa em coma. Mas a trama gira em torno do “além do natural”. A narrativa é poder mostrar Charlie como um espírito que vaga pelo hospital, enquanto seu corpo está lá, parado sem atividade. A premissa é interessante sem dúvida. Mas, como disse, infelizmente hoje vivemos mais do mesmo.

E apesar da narrativa até ser original, muito do que vimos aí é uma repaginação, por exemplo, da já cancelada A Gifted Man e os dramas amorosos não chegam aos pés da imaginação de Shonda Rhimes em Grey’s Anatomy. Ah, e claro, pelos dois primeiros episódios podemos perceber que a série segue a linha “casos da semana” que sempre se identificam com algum drama que o médico esteja vivendo naquele exato momento – fórmula bastante aproveitada em Grey’s, ER entre outros. Mas não vou desmerecer a série por ser mais do mesmo. Uma coisa é fazer mais do mesmo mal feito, outra coisa é fazer com decência.  E talvez este seja o diferencial de Saving Hope. Saber trabalhar bem os casos da semana. Eu particulamente, gostei bastante do drama da grávida do piloto que tem o filho, e logo depois morre, deixando para o pai adolescente a responsabilidade de criar um bebê prematuro, diga-se de passagem. Ou se não, do caso do garotinho que tem câncer e tem diversas paradas cardíacas no segundo episódio e assim, ele consegue ver Charlie no corredor perambulando, que chega a tentar enviar um sinal de que ele pode ver aquilo tudo, e mais do que todos, está sentindo mesmo que espiritualmente toda a situação.

Outro fator que garante uma boa trama em Saving Hope é o elenco. Mas todos eles separados, porque de alguma forma eu ainda não encontrei química entre eles. Mesmo assim, confesso que meu coração dispara toda vez que vejo Erica Durance, que já virou a eterna Lois Lane de Smallville. A atriz esta ótima no papel, se desvincula completamente de outras personagens suas, e tem carregado bastante estes episódios já exibidos. Aliás, seu par na série Michael Shanks é também um velho conhecido dos fãs de Smallville. Ele interpretou na série o Gavião Negro. O ator tem cumprido bem seu papel e consegue ate cativar os telespectadores com seu drama de moribundo. Infelizmente, a química entre ele e Erica ainda não aconteceu – talvez porque os dois tiveram poucas cenas juntos. Quem sabe uma hora ela aparece? Já o ator Daniel Gillies está super a vontade no papel do médico Joel Goran. Velho conhecido dos fãs de The Vampire Diaries, onde interpretou Elijah (espera aí, isso é uma reunião de despejados da CW?), ele pareceu ter se encontrado no papel, e até criou uma química com Alex, apesar de que, no segundo episódio, vemos que ele nada mais é do que o pegador do hospital. Entre outros, temos um time de coadjuvantes que são bem fraquinhos, mas cumprem seu papel. Dentre eles Julia Taylor Ross, Kristopher Turner, K.C. Collins completam o time…

E daí se você me pergunta, vale a pena assistir Saving Hope – uma série com uma história tão saturada? Até que vale. Convenhamos, estamos numa época em que as grandes séries estão de férias, e as opções são mínimas. Para ‘summer season’, a série até cumpre o seu papel. Ela terá poucos episódios, as histórias são centradas, então até compensa acompanhar. Parece que veremos a história de Charlie evoluir, e a luta de Alex para que ele sobreviva a este incidente. Eu só não sei sinceramente o que acontece com a trama da história depois de ele acordar – se ele acordar. Mas as esperanças para ela estão escassas – a audiência não está lá essas coisas. Vamos aguardar e ver o que Saving Hope guarda para nós.

Séries citadas:

Mineiro, professor e aficionado por séries. No TeleSéries resenha as séries Hawaii Five-0 e Saving Hope. Mas também é apaixonado por Grey's Anatomy,'CSI, Rookie Blue, The Vampire Diaries, The Good Wife, Homeland, The Walking Dead e muuuitas outras...

13 Comments

  1. Anacelia

    Gostei da série, principalmente por ter o Michael Shanks, o eterno Daniel Jackson de Stargate.
    Legal assistir sem grandes expectativas.

  2. Bruno

    Pessoalmente fiquei preso a cadeira em todo o primeiro episodio de SH. Já o segundo episódio não foi tão bom, infelizmente.

    Ok, ok, a narração em OFF é a cara de GA, o fantasminha (com direito a recado do alem!) lembra O MISTÉRIO DA LIBÉLULA e se quisesse ver pegação em hospital teria assistido MERCY. E tem também a luzinha azul irritante, que a principio pensei que só iria passar nas cenas dos mortos, mas não, é quase o tempo todo. E o excesso de maquiagem da Erica.

    Continuum está melhorzinha.

  3. Anderson Narciso

    Poisé Bruno, ia falar da luzinha azul irritante no texto, mas acabei esquecendo hehehehe… ela de fato é bem irritante! Mas ela ali, representa toda uma simbologia. Pelo menos eu acho hehehe …

    Obrigado pelo comentario!

  4. Bianca Mafra

    Anderson, estou adorando a série e vc dizer que não chega aos pés da Shonda Rhimes não quer dizer absolutamente nada, todos sabemos que vc a adora. mas como eu não gosto e nem assisto eu diria que está bem próximo de A Gifted Man mesmo, médico revendo conceitos, um drama sobrenatural e casos da semana. apesar de achar que prefiro A Gifted Man, estou gostando bastante da série. 

  5. Anafisio 08

    A série vem com uma ideia diferente, ou seja, Saving Hope sai do convencional quando a comparamos com outras séries médicas. Apesar de estar muito próximo da linha do abuso de ideias, contudo ainda é tolerante, por isso, certamente, irei assistir o segundo episódio. Achei o elenco pequeno pra um série médica, porém os atores são bons, só conhecia Daniel Gillies e de fato ele está bem a vontade no papel. O fato de termos um pseudoespírito narrando cenários da medicina concomitante a filosofia do cotidiano, assim como acontece com Meredith em Grey’s Anatomy, não me intrigou. O que me deixou um pouco perplexa foi forma como a protagonista encarou todo o acidente. Percebo nessas séries médicas que seus criadores insistem em colocar os médicos acima daquilo que é absolutamente humano (como dormir, comer, ter amigos, ter uma casa…). 
    Enfim, a série ajudou a passar o tempo, pelo menos enquanto estamos na fase de abstinência. Além do fato, de ter conseguido assistir o episódio sem interrupções, algo que não aconteceu com Dallas, Longmire e Necessary Roughness (estou assistindo cada episódio a prestações – aff).
    Parabéns pelo texto, apesar de ter spoiler (sem nenhum aviso prévio). Valeu! 

  6. Anderson Narciso

    Sou fã de Grey’s, sem dúvida! E Saving Hope não chega aos pés mesmo, digo e repito. Mas tem lá suas qualidades! Obrigado pelo comentário!

  7. Anderson Narciso

    Excelente lembrança Ana. Sempre acontece isso, em colocares médico acima do humano … E isso me incomoda viu? Mas fazer o que … hehe! xD. Obrigado pelo comentário! 

  8. Pingback: Saving Hope – Blindness

  9. Rosangela Dobrucki

    eu e minha familia adoramos o seridado td de bom.com tem de continuar com certeza, assistimos no domingo sem querer e agora quero saber que dia vai passar de novo.

  10. Fabiana Dias

    Menino!!! eu comecei a assistir e tava aqui pensando.. “eu conheço esse cara de algum lugar”…rs… mas agora que vc falou, finalmente eu fiquei sabendo quem é!! Amava Stargate!! Estou apenas no primeiro episódio. Nem sei se essa série já foi cancelada… vou pesquisar! Valeu pessoal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account