Log In

Preview

As primeiras impressões de ‘Dallas’

Pin it
Série: Dallas
Episódios: Changing of the Guards e Hedging Your Bets
Número dos Episódios: 1x01 e 1x02
Exibição nos EUA: 13/06/2012

Não é porque você não viu a Dallas original que iria querer ficar de fora dessa maravilhosa rede de intrigas. Um ‘remake’ que traz para a história da televisão um novo significado para o que seria refazer um show que há muito tempo se foi. Essa foi a impressão que tive dos dois primeiros episódios de Dallas, e vou lhes dizer o porquê.

Logo na abertura, com o tema antigo da série, já se pode reconhecer que a linhagem texana da história original está garantida. Aos que realmente não conhecem a história dos irmãos Ewing, a nova série da TNT fez um belo trabalho colocando a rixa de volta ao centro da trama. Agora, os primos Christopher e John Ross terão que brigar pela supremacia da fazenda Southfork.

Para os que viram JR e Bobby duelarem pelas terras da família  por duas décadas, devem ter ficado encantados com os pequenos detalhes como frases, olhares e truques de câmera. Colocar o novo e o velho juntos rendeu à série a força de virar o novo sucesso da televisão. Foi como acordar 20 anos depois, de um sonho movido pelas lembranças. Fico imaginando se pudessem fazer isso com algumas de minhas séries preferidas, mas nem todos têm esse privilégio.

Se me perguntassem o motivo pelo o qual eu verei Dallas até o dia que ela for cancelada, eu responderia que é porque eu adoro surpresas. Cansada de séries-forma-de-bolo onde os roteiristas precisam apenas se preocuparem em preencher as lacunas, eu diria que este retorno é um prato cheio para quem se interessa por reviravoltas.

O começo de Dallas me deixou tonta. Não consegui decidir de fato quem é o mocinho, quem é o vilão, ou se em pouco tempo irá surgir um gêmeo malvado primo dos dois protagonistas que irá tomar a terra deles e vender para a Disney. Ah, as possibilidade de uma montanha-russa a cada capitulo me deixa muito feliz. Afinal, isso que é uma novela no melhor estilo folhetim. Espero que a curta temporada costumeira do ‘verão’ não seja ruim para desenvolver tramas bem explicadas.

A história teve um bom início. O gancho com a Dallas de JR e Bobby não foi forçado, e está recheada de novos mistérios. Logo de cara as perguntas são muitas. Quem seria a mãe de Chris? Quem mandou o e-mail para Elena? Quem é a mexicana que está tentando comprar a fazenda e qual a ligação dela com John Ross? Foram tantas perguntas, tantas situações que a gente acha que vai para um caminho e aí, sem menos, vai para outro, que eu não sabia se ficava confusa ou feliz. Mas confesso que me peguei em alguns momentos desejando o tal gêmeo ou meio-irmão aparecendo!

Não é coisa fútil. Novelinhas como essa tratam da mais pura natureza humana. Em vários momentos podemos jogar um ‘quem nunca’. Apenas não citarei detalhes dos meus planos malignos, mas quem nunca pensou em tramar uma vingancinha ou outra.

Acho que estou apaixonada pelo roteirinho sem-vergonhas de Dallas.

Mas fora o que tem de mais importante, também é necessário falar do elenco. Jesse Metcalfe, Jordana Brewster? Olá, amigos. A nova geração de Dallas promete ser inesquecível. Eles estão super bem em seus papéis, apenas senti falta de um bom trabalho de fono, pois vamos combinar, o que é Dallas sem um belo sotaque texano? Apesar do esforço de alguns dos atores, ninguém ali estava com a malemolência de um cowboy. Mas fora esse pequeno detalhe, acredito que o elenco foi feito sob medida. O Metcalfe tem o jeito doce, forte e turrão do Bobby Ewing, a Jordana tem o ar inocente e decidido que toda heroína deve ter e o Josh Henderson é o cafajestão que todo mundo se apaixona. Está criada a tríade da melhor opereta do verão americano.

Mas de tudo, não posso deixar de falar da presença da antiga dinastia. Patrick Duffy, Larry Hangman, Linda Gray, todos eles estão melhores do que nunca, dentro da tristeza e malvadeza que faz um belo drama. E o que é bom? Eles agora estão em alta definição!

Como eu disse. Dallas tem tudo para fazer história novamente. A decisão de fazer uma continuação e não recontar a história foi a mais certa. E o que mais me surpreende é que a série, mesmo sendo uma espécie de “parte 2”, cheia de enredos de novela, ainda assim, me surpreendeu.

E que venham mais duas décadas.

Ps. O que foi aquela cena no estádio do Dallas Cowboy?

Quem ficou curioso e quiser conferir a continuação do grande sucesso dos anos 80, a Warner Brasil vai começar a exibir a série nesta segunda, dia 18, às 22h.

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

14 Comments

  1. biancavani

    Bem, MC (já que estamos na série do JR, rs), eu não vi a série original. Assisti aos dois primeiros de agora e achei ok, porque a gente está em um período de entressafra e não há nenhuma das GRANDES passando no momento. Ah, ainda tem o último epi de The Killing – que assistirei tal qual um ser no deserto bebendo a última gota do cantil…
    Mas, uai, eu estava achando que o JR tinha sacado o ardil do filho dele e da “filha” do cara que estava comprando as terras… Superestimei a esperteza dele, era só a cara de sacana inteligente que ele fez. E aquela tonta enganada por um e-mail! Fala sério. Bem, esta série segue mais o esquema de novela, e não o dos roteiros sofisticados dos novos tempos. Não exijamos mais que entrenimento, e isso ela promete, e muito.

  2. MicaRM

    Apaixonei pelo John Ross (que dúvida) e não simpatizei muito com o Christopher, mas como muitas reviravoltas ainda acontecerão, tudo pode mudar, inclusive meus amores.

    Quem será a tal mulher se passando pela filha do cara?

    Linda a cena no estádio….mas quem é que marca um encontro no meio de um estádio, entra por lados separados e caminha até exatamente o ponto central? Só em série mesmo…

  3. Paullo Kidmann

    Adorei o Texto, só esqueceu de Mencionar a Brenda Strong que vamos combinar é sempre ótimo vê-la em cena, pra mim está obvio quem mandou o e-mail pra a Elena foi o John…heheh Adorei a série conseguiu me deixar feliz, com raiva, nervoso, as vezes tive que respirar bem fundo, acredito que nas próximas premiações só vai dá Dallas, amei mesmo, a série é tão boa que me fez querer correr pra vê a antiga e que venha mais Dallas, não vejo a hora de acompanhar os próximos episódios

  4. Paullo Kidmann

    Adorei o Texto, só esqueceu de Mencionar a Brenda Strong que vamos combinar é sempre ótimo vê-la em cena, pra mim está obvio quem mandou o e-mail pra a Elena foi o John…heheh Adorei a série conseguiu me deixar feliz, com raiva, nervoso, as vezes tive que respirar bem fundo, acredito que nas próximas premiações só vai dá Dallas, amei mesmo, a série é tão boa que me fez querer correr pra vê a antiga e que venha mais Dallas, não vejo a hora de acompanhar os próximos episódios

  5. Maria Clara Lima

    Olá, B. hahaha…. JR é muito misterioso mesmo. Os dois JRs são! Estou muito empolgada com a dupla de pai e filho. Muitas maldades virão por aí.

  6. Maria Clara Lima

    O episódio duplo deixou tantas perguntas no ar que não tem como não ficar ansiosa mesmo. Será que vão responder algumas coisas nesta semana?

  7. Maria Clara Lima

    Deus, como pude esquecer a Brenda Strong? Essa história do e-mail ainda vai render muito. 
    Ah, também espero que outras pessoas da Dallas original apareçam na série. 

  8. biancavani

    E a mulher do JR 2 parece que trouxe, como enxoval,  um monte de maldades. O irmão dela (o mais bonitinho de todos os garotos da série, a meu ver) também deve ser muito mau. Vão se sentir bem à vontade com os novos familiares…

  9. Anafisio 08

    Primeira impressão: é definitivamente uma novela, para quem gosta é um prato cheio. Eu, particularmente e humildemente, acho a série boa, mas não a considero isso tudo que algumas pessoas estão dizendo. Quanto ao fato de descobrir quem é o vilão e quem é o mocinho, espero sinceramente, que as coisas continuem assim, pois essa história de vilão e mocinho não existe, somos humanos e todos temos nossas dificuldades que nos tornam muitas vezes vilões. Talvez por não ter o preto e o branco que não conseguimos torcer para ninguém (pelo menos até agora). Lembremos de Revenge, onde não há vilões e mocinhos. Quanto a Elena; mais uma “Elena” sonsa, como que alguém deixa de casar com uma criatura daquela por causa de um e-mail? Definitivamente não gosto desse nome. Quanto ao sotaque; acho que é um detalhe significativo, mas não tirou o charme da série. Melhor assim do que aquela coisa carregada, pesada e cansativa. Aguardando outros episódios, mas ainda preferindo Continnum e Saving Hope. 

  10. Cl Rod Br

    Como assim quem é a mãe do Chris? Parece que você assistiu a original e deveria saber que ele teve como mãe social Pamela Ewing (Victoria Principal), a primeira esposa do Bobby, e a mãe biológica Kristin Shepard ( Collen Camp e Mary Cosby ), irmã da Sue Ellen, que por sinal teve um papel talvez no momento mais importante da série que não vão falar porque alguém pode querer assistir a original e seria spoiler. E na época se especulou que o pai biológico era o próprio JR :D P/ quem não conhece Dallas é esse tipo de coisa que vai encontrar se a sequência manter o mesmo ritmo da original.
    E Dallas que é Dallas tem mocinhos e vilões bem definidos, tanto que isso ficou mais explícito no 3o. episódio.

    Dá para assitir a sequência legal mas nem de perto será o que foi Dallas original. Dallas só funcionou bem porque tinha um contexto da época, as pessoas eram mais ingênuas, os exageros da série tinha um peso que ao mesmo tempo deixava a série tosca e interessante, e que se os mesmos exageros fossem cometidos agora a série seria apenas tosca. Apesar da queda significativa de qualidade nas últimas temporadas, um dos motivos da série ter começado ficar ruim é porque chegando a década de 90, algo que Dallas era originalmente não cabia mais no contexto cultural.

  11. Willberge

    Achei muito legal a parte do J.R. negociando com o venezuelano ” A melhor forma de entender um homem é através de seus amigos e inimigos, meus amigos estão no governo, ja meus inimigos sera mais dificil encontrar !”, ou algo assim, hehe, muito bom, tbm adorei a cena no estadio !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account