Log In

Colunas e Seções Gastronomia

Aniversário em ‘New Girl’: o dia da pipoca perfeita!

Pin it

Zoey Deschanel é puro carisma. Depois de encantar a sétima arte com personagens inesquecíveis, como Allison, de Sim Senhor! (Yes Man), e Summer, de 500 dias com ela (500 days with Summer), desde 2011, a atriz garante doses semanais de riso leve e solto com New Girl. Na pele da adorável e nada convencional professora Jessica Day – a Jess –, Deschanel envolve-se em variados desafios do mundo adulto, aprendendo com as famigeradas crises pessoais, das quais ninguém passa ileso. Mas, apesar do caminho não ser fácil, sempre há algum motivo para comemorar a vida e agradecer por cada dia. E é nesse clima que a cozinha do Teleséries recebe você hoje, preparada para uma festa de aniversário ao melhor estilo Jess, com uma pipoca perfeita, digna de uma tarde de cinema (mas feita aí, na sua casa!).

NewGirl1

“É o meu aniversáááário!” – Jess

Mas, antes que o aroma da gostosa pipoca roube a sua atenção, é bom lembrar que a sessão de filme é só mais tarde, e que o dia da Jess começa cedo. Quase no final da atual temporada, o episódio Birthday (s03e13) deu conta de mostrar como é deliciosa a ansiedade de um aniversário (ainda mais no caso da Jess!). Logo no início da manhã, às 7h, a professora acorda pilhada, ao contrário das expectativas de Nick (Jake Johnson), seu colega de quarto e atual namorado, que planejava os primeiros festejos lá pelo meio-dia. Só que, quando ele percebeu, o sol já estava raiando, trazendo horas e horas para celebrar mais uma velinha no bolo de Jess. O jeito foi ter coragem e ir para a cozinha, arregaçar a mangas, e dar jeito de fazer um café da manhã cheio de amor.

NewGirl2Jess:

Eu amei meu café da manhã de aniversário! Eu não acredito que iria fazer tudo isso sozinho, você levaria horas!

Nick:

Eu sei, e com a sua ajuda levou seis minutos.

Jess:

Eu sei, eu sou tão rápida!

Amparada pela certeza de que não passaria mais um aniversário nutrindo milhões de expectativas não correspondidas, pela primeira vez em anos, Jess deixou de lado o seu velho programa de aniversário: ir ao cinema sozinha e comer uma boa pipoca amanteigada. Assim, ela largou o destino nas mãos de Nick que, junto com os amigos, bolou uma festa surpresa da qual Jess nem desconfiava. O problema é que, depois de um início de romance um tanto enrolado e engraçado, sem perceber, Nick tinha conquistado o patamar de namorado que organiza um dia perfeito para o seu amor – e não apenas uma noite, como ele havia planejado (haha!). Então, com o seu ar sempre desajeitado e ansioso, ele passou o dia entre ligações furtivas para os amigos e passeios esquisitos, tentando mostrar para Jess que estava tudo certo para as comemorações. A confusão foi tanta que, durante uma caminhada pelo parque, a professora invadiu uma festa de criança, pois acreditou ser uma surpresa para ela. Nick, atônito, nem teve tempo de processar a ideia e, quando viu, Jess estava com a sua habitual alegria devorando um delicioso cupcake. Bem, e o resultado disso? Segundos depois, a mordida já não estava tão doce, e o bolinho ficou largado, enquanto Nick corria atrás de uma chateada Jess. Ela havia percebido que, sem querer, grandes expectativas tinham frustrado mais um aniversário.

NewGirl3

Com a ajuda dos amigos, que também (re)aprenderam o valor da amizade durante o dia de preparativos – seja na união de Cece (Hannah Simone) e Schmidt (Max Greenfield) para defender-se do chato bartender Mike (Ben Falcone) ou na cozinha coletiva de Coach (Damon Wayans Jr.) e Winston (Lamorne Morris) que, juntos, fizeram o bolo de aniversário de Jess – Nick consegue se acalmar para dar início à festa. O que a turma não esperava é que Jess tivesse fugido, sob o olhar de todos, deixando apenas o recado de que estaria, onde mais (?), no cinema. A cena seguinte mostra Jess destinada a curar a fossa com duas pipocas imensas, cheias de muita manteiga. Porém, a hora de alegria estava chegando de surpresa, aos pouquinhos, sem ela notar. Antes do filme, Nick e os amigos começaram a homenagem, com recadinhos no telão, entrada de um bolo personalizado e decorações mega coloridas. O que ninguém esperava é que, mais uma vez, bem na hora de apagar as velinhas, Jess iria sumir. Nick, assustado, sai atrás da namorada. Ele a descobre na porta do cinema, visivelmente emocionada. Jess, afinal, estava expressando, do seu jeito único, um tanto tímido e “estranho”, como ela mesma diz, o quanto aquela surpresa havia acalmado o seu coração.  Afinal, aniversário é o dia em que nos sentimos especiais. É a data que tem um significado especial para a gente, ainda mais quando compartilhada com aqueles que amamos. Depois do choro, só restava curtir a festa, que, no fim, acabou seguindo a tradição de Jess – acompanhada de uma pipoca especial para se lambuzar de tanta alegria.

NewGirl4

De onde veio a pipoca?

Pipoca, palavra de origem Tupi-Guarani, significa “estalando a pele”. Em inglês, a pipoca chama-se popcorn (nome pela qual é conhecida mundialmente), que, literalmente, significa “estourar milho”. Muito antes de se tornar um dos snacks (lanches, petiscos) mais famosos e populares do mundo moderno, há milênios, a pipoca já era uma cultura presente na vida dos povos nativos da América. A origem da pipoca é creditada à região do Novo México, onde, em 1948, foram descobertos, em uma caverna chamada Bat Cave, os primeiros vestígios de grãos de milho estourados, os quais tinham cerca de 5.600 anos. Povos do México, como os Astecas, e das regiões de países como Peru e Guatemala, possuíam o hábito da pipoca. Inclusive, entre os Astecas, ela era utilizada como utensílio decorativo em cerimoniais. Os Estados Unidos, país que difundiu largamente o lanche a partir do século XIX, também possui heranças históricas da pipoca. Na região de Utah, foi encontrado um grão em uma caverna habitada pelos Pueblo Indians, datado em cerca de mil anos. Ainda, há registros de consumo da pipoca entre os índios Iroquois, na região dos Grandes Lagos. A tradição do prato na cultura americana ganhou força nos anos 1800, quando tornou-se um lanche muito popular. A pipoca também foi muito presente na época da Grande Depressão, pois era um produto de preço acessível, e durante a II Guerra Mundial, em substituição a gêneros em racionamento. O consumo da pipoca, como conhecemos hoje, é algo bem moderno, fruto do desenvolvimento dos últimos séculos, em especial da indústria do entretenimento, que popularizou a pipoca como um snack, especialmente no caso do cinema. Há menos de 40 anos, em 1981, a venda de pipoca aumentou ainda mais, com a invenção das práticas versões para forno micro-ondas. No Brasil, nossa cultura da pipoca acompanha a mesma onda mundial. É quase como dizer que não há cinema sem uma boa pipoca.

Pipoca de cinema na sua casa

Apesar de ser um lanche bastante simples, muita gente reclama que a pipoca de casa nunca é tão gostosa como a do cinema. Se você só faz as de micro-ondas, bem, com certeza o sabor não chegará nem perto. Assim como a maioria dos alimentos, as versões frescas – e mais naturais – de pipoca são sempre as melhores opções. E para fazer em casa, parecendo que a pipoca recém saiu daquelas enormes máquinas, o passo a passo tem alguns segredinhos. Mas, não se preocupe, não é nada difícil, tudo bem simples, sem medo do fogão. Para ajudá-los nessa tarefa, hoje, trago uma receitinha básica de pipoca com manteiga, que você poderá fazer mesmo sem ter aquelas panelas especiais para pipoca. E já garanto: você nunca mais vai achar a pipoca de cinema melhor que a da sua casa ;).

A pipoca perfeita de ‘New Girl’

NewGirl5

Ingredientes:

1 xícara (chá) de milho para pipoca

4 colheres (sopa) de óleo vegetal (milho, canola, soja)

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal

Sal a gosto

NewGirl6

Azeite, milho e manteiga. O trio perfeito!

Modo de fazer:

1. Cubra todo o fundo da panela com o óleo. Dependendo do tamanho da sua panela, a quantidade de óleo vai ser maior ou menor (para essa receita, utilizei uma com 24cm de diâmetro).

2. Largue três grãos de milho na panela. Tampe-a e coloque-a para esquentar em fogo médio-alto.

3. Quando os três grãos tiverem estourado, tire a panela do fogo, adicione o restante da pipoca e um pouco de sal, e conte trinta segundos (lembre-se de que a quantidade de milho nunca deve ultrapassar a medida do fundo da panela). Passado esse tempo, retorne a panela ao fogão, baixando um pouco a intensidade do fogo.

4. Com o tempo, a pipoca vai começar a estourar. A partir daí, não abra mais a panela, apenas mecha-a de vez em quando, sempre cuidando o barulho dos estouros. Quando os estalos diminuírem, baixe o fogo e, por fim, desligue a boca do fogão. Deixe a panela por alguns segundos e busque a tigela que você irá servir.

5. Despeje a pipoca na tigela e, na panela ainda quente, coloque a manteiga para derreter (não precisa acender novamente a chama do fogão).

6. Espalhe a manteiga derretida na pipoca, sempre misturando bem e, nessa hora, aproveite para regular o sal conforme o seu gosto.

E é só servir na hora, bem quentinha! Se você quiser repetir a dose, é importante lavar a panela, pois, como ela estará com resíduos da gordura das primeiras pipocas, pode acontecer de queimar algumas delas. O tempo fora do fogo, que pode parece frescura, é uma forma de distribuir e estabilizar a temperatura, acomodando bem os grãos no fundo da panela. Assim, no retorno ao fogão, todos os grãos fritarão de maneira igual, o que evitará que alguns não estourem ou queimem. Ainda, é sempre importante mexer a panela, para que os grãos não grudem nem queimem e, também, para estourar aqueles que ainda estão crus. Quanto ao sal, é bom temperar um pouquinho antes, na panela, como no passo a passo. Essa dica facilita bastante, pois nem sempre conseguimos salgar a pipoca por igual depois de pronta. Em relação à tigela, sempre escolha uma que seja maior do que a quantidade de pipocas, nunca no tamanho certo demais, pois, senão, será difícil de sacudi-la para salgar e misturar a manteiga. Ah, por fim, cuide para conservar o seu milho em local arejado e seco, evitando a umidade e trocas de temperatura. Quanto mais sequinho o grão estiver, mais fácil será de ele estourar durante o cozimento, além do que ficará bem mais crocante.

NewGirl7

Parece muita coisa para lembrar, mas é bastante simples. O processo é bem rápido, talvez um pouquinho mais demorado do que a pipoca de micro-ondas, mas, com certeza, mais recompensador e gostoso. Se você quiser, pode acompanhar com um refrigerante, que é tradicional. Eu já não sou dessas, pois não curto refri – nem gosto de incentivar ninguém a tomar. Se você já for maior de idade, diria que nada acompanha melhor do que uma cerveja bem gelada. E, caso contrário, nem se preocupe, pois essa pipoca sozinha já completa qualquer hora!

Até a próxima!

 

Fotos da comida: Guilherme Moreira

Séries citadas:

formada em jornalismo, trabalha como revisora e, sempre que tem oportunidade, adora falar, escrever e estudar sobre comida. Nas horas vagas, também gosta de exercitar os talheres e os copos. Compartilha suas receitinhas caseiras no blog Panela de Pau. Saudosa irreparável de Friends e Barrados no Baile, atualmente acompanha Homeland, Suits e House of Cards.

Website: http://paneladepau.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account