Log In

Spoilers

A Semana Lá Fora: The Vampire Diaries, Supernatural, Glee, 90210 e Sons of Anarchy

Pin it

Glee - Showmance

Rufam os tambores… e que comece a caçada por torrents e legendas! Está começando a temporada de estreias de TV americana e na semana que passou já tivemos várias novidades, todas devidamente comentadas na nossa coluna semanal de resenhas. Que saber o que rola no segundo episódio de Glee? Na estreia de The Vampire Diaries? Nas season premieres de Supernatural, 90210, Sons of Anarchy, So You Think You Can Dance e America’s Next Top Model? Siga a coluna! Que comenta ainda o final de metade de temporada de 10 Things I Hate About You e os episódios da semana de Dark Blue, Monk, Mad Men e Defying Gravity.

Glee: Showmance (1×02)
Exibição: 9/9/2009
MVP: Lea Michelle e Matthew Morrison

Glee é a prova de que você pode fazer uma série simples, com uma trama previsível e clichê, e ainda pode fazer uma série muito boa. O ritmo é perfeito e o episódio nunca é cansativo. As ironias e críticas são sutis, mas facilmente compreendidas. Porém, ainda que o trabalho de direção e roteirização sejam impressionantes, o maior acerto de Glee está em seu elenco.

Os atores são extremamente talentosos e tem vozes invejáveis, um timing cômico excelente e uma certa melancolia que nos permite levar os personagens mais a sério e criar uma conexão com eles. Destaco Lea Michelle e Matthew Morrison nesse episódio, mas também estou apaixonada pelas composições de Jessalyn Gilsig e Jayma Mays.

Além disso, eu sei que não sou a única a ficar louca pelas regravações que eles tem feito. Se “Don’t Stop Believing” passou o mid-season tocando no meu MP3, esse episódio trouxe a já bastante esperada (por mim) versão de “Gold Digger” que eleva a composição de Kanye West a um patamar de qualidade inacreditável. E Lea Michelle deu todo um frescor a “Take a Bow”, uma música que eu já não suportava mais. Só o que me incomodou foi o quão óbvio ficaram os trabalhos de dublagem, principalmente em “I Say a Little Pray for You”, o que tornou os números um tanto artificiais. Um detalhe, mas um detalhe que incomoda. (Thais Afonso)

10 Things I Hate About You - Don't Leave me This Way

10 Things I Hate About You: Don’t Leave me This Way (1X10)
Exibição: 8/9/2009
MVP: n/a

Com o final da primeira parte da temporada podemos concluir que: a intenção da ABC Family não é mostrar um show tão bom quanto o filme homônimo e sim usar da boa fama deste para promover um programa bem mais leve e sem muitas ambições. Tendo isso em mente, aquele que continuar assistindo não se importará com o elenco razoável e com o roteiro pobre. Particularmente acho que o principal defeito da série é a falta de um romance.

O romance de Joe-Chastity-Bianca-Cameron não conta porque isso é o que sentimos por alguém na quinta série do ensino fundamental. Até o beijo deles me parece ser de criança. O outro casal, Kat e Verona, é até fofo, mas não é aquele romance gostoso de Julie Stiles e Heath Ledger, me entende? O próprio nome do show exige que haja no mínimo aquele casal que tire o telespectador do sério porque não estão juntos ou porque estão, mas só fazem burrada e isso não acontece em 10 Things.

Sendo assim não estou interessada em como Bianca esconderá o que sente pelo ex da melhor amiga, ou como Kat lidará com a suspensão na sua ficha e muito menos com o que Cameron fará para esquecer a amada. A experiência foi no mínimo frustrante. Esperava muito mais, muito mesmo. (Lara Lima)

90210: To New Beginnings (2×01)
Data de Exibição: 8/9/2009
MVP: Jessica Lowndes

Um novo começo. Se a primeira temporada do seriado decepcionou muita gente, vamos mudar tudo e tentar de novo. É exatamente isso que este episódio significa e, apesar de algumas coisas terem funcionado melhor, não dá para criar muita esperança. Ao que parece, 90210 continuará sendo aquele seriado que eu assisto sem saber porquê.

Annie, a coisa irritante da primeira temporada, perde tempo de tela e perde o rumo: depois de estragar a festa de todos os colegas, obrigá-los a encarar o curso de férias e ter matado alguém, ela acaba na cama com um veterano da escola que nem olha na sua cara no dia seguinte – mas que tem uma foto sua nua prontinha para ser divulgada.

A volta para a escola da bipolar mais rapidamente curada na face terrestre garante o trio que deve dominar as atenções da temporada: Silver, Adrianna e Naomi. A primeira supera a partida de Ethan para Montana e tenta reconquistar Dixon, a segunda tenta um novo tipo de relação com Navid, mas tem o primeiro namorado por perto para atrapalhar, a última tenta superar Liam, ainda sem saber que ele dormiu com a irmã.

Ao que tudo indica vamos ter mais gente dormindo com mais gente e não vamos retomar as histórias inacabadas. Se vai dar certo? Só o tempo dirá. Mas é bom os roteiristas lembrarem que algumas coisas funcionavam antes. (Simone Miletic)

The Vampire Diaries - Piloto

The Vampire Diaries: Piloto (1×01)
Exibição: 10/9/2009
MVP: Nina Dobrev

Quando soube que Vampire Diaries iria virar série, decidi ler os livros. Foi uma tristeza só. O livro era tão ruim, mas tão ruim (tanto a história quanto o estilo da autora) que eu abandonei na metade do primeiro (coisa rara na minha vida de leitora). Mas percebi que fariam inúmeras mudanças no desenrolar da história e nos personagens. Elena, por exemplo, ficou morena, ganhou um irmão, entre outras coisas. Mas no final, várias dessas mudanças até que foram para melhor. Eu simpatizei bem mais com essa Elena pé no chão da série do que a moça arrogante que ela é nos livros.

Assim, assisti ao piloto com milhões de pés atrás e talvez por isso não tenha odiado. Na verdade até que achei simpático. É claro que não é exatamente um primor de qualidade, mas não é um horror também e é tipicamente adolescente. Os clichês e alguns cortes nas cenas foram o que mais me incomodou. Os medos de Elena com o corvo e a bruma são tão despropositados e absurdos quanto no livro, então não posso realmente reclamar. Stefan, por outro lado, é bem mais gostável na série (eu não o suportava no livro), embora Paul Wesley seja um ator raso (e não muito bonito) e tenha uma cara misteriosa padrão. Já Damon, que eu idolatrava no livro, soou meio forçado nesse piloto. Vamos ver o que o tempo nos reserva para os irmãos Salvatore. Mas de quem eu gostei mesmo foi do Matt, que é exatamente o que ele é no livro (pelo menos até onde li): um amor de garoto. E foi hilário ouvir Zach chamando Stefan de “tio Stefan”.

Mas bem que poderiam ter escolhido um elenco mais jovem, não? Já foi a época de usarem atores tão mais velhos em papéis de adolescentes. (Mica)

Supernatural: Sympathy for the Devil (5×01)
Exibição: 10/09/2009
MVP: Jensen Ackles

Supernatural está de volta! A série vem mostrando uma evolução significativa nestas últimas temporadas, a qual representa também um próprio amadurecimento das tramas, dos personagens e dos criadores do programa. E tornou-se praticamente uma marca do seriado começar um novo ano com uma trilha pesada no fundo e com cenas que mostram o caminho percorrido pelos irmãos até o momento. E nesta quinta temporada não poderia ser diferente. Sympathy for the Devil começa exatamente do ponto onde a série terminou o quarto ano. O último selo foi quebrado e Lúcifer está vagando pelo planeta, atrás de um corpo que lhe aceite (afinal de contas, ele também é um anjo). Uma vez encontrado o recipiente, ele estará pronto para comandar o seu exército de demônios, em uma briga travada contra os anjos.

Mas, por enquanto, este episódio procurou muito mais resgatar antigas estórias – o que é muito importante para uma série que é continuada. Um exemplo claro disso é que os roteiristas não esqueceram da quebra de confiança entre os irmãos Winchester, exatamente naquele momento em que Dean avisou para Sam nunca mais voltar se ele saísse por aquela porta. E, como bem sabemos, ele saiu. Apesar de Bobby e Dean tentarem compreender o momento de intoxicação que ele se passava pelo sangue demoníaco dado por Ruby, no fundo ambos o culpam. Dean, basicamente, sabe que não pode mais confiar no seu irmão e ele era a única pessoa que conseguia despertar isso.

Sympathy for the Devil foi um ótimo episódio neste aspecto, se equilibrando muito bem nesta trama entre Dean e Sam, nos métodos que deverão ser feitos para matar Lúcifer e na briga programada entre anjos e demônios. (Vinícius Silva)

Dark Blue - Betsy

Dark Blue: Betsy (1×09)
Data de Exibição: 9/9/2009
MVP: Nicki Aycox

A cada episódio eu me pergunto o que leva uma pessoa a ser um policial disfarçado. Aquilo não é vida! É uma angústia constante, sempre mentindo, enganando, e olhando por trás dos ombros para ver se alguém de um dos seus múltiplos passados/disfarces não estará à espreita para te destruir.

E mais uma vez Carter se aproveitou do passado de Jaimie para colocá-la disfarçada em uma operação. O problema é que cada vez que ele joga a garota de volta ao seu velho eu, ela se enfia em um buraco psicológico mais fundo. Todo aquele rolo com Dean ainda está ali presente (e ele não pretende deixá-la fugir tão fácil) e a cada dia fica mais difícil para ela mentir para Scott. Amar nesse tipo de trabalho não é uma opção. Sempre acaba em sofrimento. Não bastasse os possíveis envolvimentos com os criminosos (ou os colegas ainda mais ferrados do que você), ainda tem o medo constante de levar o perigo para aquele que se ama.

Não condeno Jaimie por querer dizer a verdade para Scott, e nem mesmo de culpar Carter por jogá-la volta e meia de volta à sua velha vida. Mas é de se esperar que eles parassem de ficar agindo como se o chefe fosse o ser mais frio e sem coração do universo, já que todos os três estão nessa unidade da polícia por escolha e sabem muito bem os sacrifícios exigidos. (Mica)

Monk - Mr. Monk Takes The Stand

Monk: Mr. Monk Takes The Stand (8×05)
Exibição: 11/9/2009
MVP: Jay Mohr e Tony Shaloub

E não foi só Jay Mohr que deu as caras no episódio: Joe Reitman, que já fez ponta em tudo que é seriado que eu conheço, também aporta neste episódio, neste caso como o assassino, que consegue sair impune de matar sua esposa, mas não impune de matar uma senhora. E, diga-se, acaba preso por bobeira própria, num dos melhores momentos “monk” dos últimos tempos.

É engraçado como a fórmula de Monk não cansa, mesmo que seja sempre ele a ter a sacada que salva o dia e que passou despercebida por todo o resto do pessoal. Talvez por isso tenha sido tão feliz a idéia de colocar Jay Mohr como o advogado metido que sempre ganha e que vê vencer Monk num tribunal como a chave de ouro para o lançamento de seu livro de celebridade.

Melhor que isso só o fato de que esse desafio acaba rendendo o excelente momento em que Monk derruba o advogado no tribunal e depois pode curtir os elogios em paz – quer dizer, depois que o microfone do banco das testemunhas for arrumado. (Simone Miletic)

Defying Gravity: Fear (1×07)
Exibição: 4/9/2009
MVP: Zahf Paroo, Laura Harris e Florentine Lahme

Para um episódio chamado Fear, esse sétimo de Defying Gravity foi bem decepcionante. As alucinações em momento algum convenceram como algo realmente assustador ou paralisante, mesmo com o esforço dos flashbacks para dar mais dimensão aos protagonistas, eles continuam planos. Em parte por causa dos estereótipos sobre os quais foram criados, em parte pela falta de tramas que possam adicionar qualquer coisa relevante.

A estória sobre o aborto de Zoe já cansou, a da missão a Marte também. A decisão de trocar os flashbacks com detalhes do treinamento da NASA pelo foco nas vidas pessoais e romances foi estúpida, pois apenas reforçou o aspecto de cópia genérica de Grey’s Anatomy da série. O mistério também não exerce o fascínio que deveria.

Para completar, os personagens que tiveram a sorte de serem interessantes no começo, em grande parte pelos atores minimamente carismáticos que foram escolhidos para interpretá-los, foram deixados de lado. Ajay, Rollie e Jen têm muito mais potencial para segurar a série do que os demais, e prova disso é que a pequena cena em que Zahf Paroo tem destaque é a melhor de todo o episódio. (Thais Afonso)

Sons of Anarchy - Albification

Sons of Anarchy: Albification (2×01)
Exibição: 8/9/2009
MVP: Charlie Hunnam

É guerra! Que início fantástico desta série. Desde o final da temporada passada, na realidade, temos visto no programa uma qualidade incrível. E Albification chega para, não apenas iniciar um novo ano, mas para introduzir as tramas que serão abordadas. E acreditem quando eu falo: estão ainda melhores. Os conflitos serão muito maiores, a começar ainda pelo assassinato de Donna. Ope voltou com sede de vingança. O Sons Of Anarchy, sob o comando de Sam Crow, já arranjaram alguém para culpar: os Mayans. Mas será que a dúvida de Ope já foi embora?

Sem contar que o próprio clube está passando por um desequilíbrio. São muitas suspeitas e ninguém parece confiar no outro. Jax, por exemplo, aceitou que é hora de mudar, mas sabe que precisará fazer tudo com bastante calma, principalmente porque ele quer descobrir a verdadeira história por trás do assassinato de Donna. Com tudo isso, uma outra guerra estará por vir. O contrabando de armas em Charming está ficando ainda mais competitivo agora que um grupo neonazista resolveu entrar no jogo.

E o final de Albification é quase que uma obra-prima de como criar uma tensão para fechar os arcos que foram (e devem permanecer) soltos. Sons of Anarchy continua impecável e já estou me tornando um completo fã desta maravilhosa série. (Vinícius Silva)

Mad Men - The Arrangements

Mad Men: The Arrangements (3×04)
Exibição: 6/9/2009
MVP: Elisabeth Moss, Kiernan Shipka e Ryan Cutrona

E parece que um arco se encerra nesse episódio. Gene, pai de Betty, morreu de repente, deixando a família com os nervos a flor da pele, principalmente a pequena Sally. O interessante é que Gene já sabia que ele estava prestes a morrer, principalmente se considerarmos o nome do episódio e a sua tentativa de conversa com Betty sobre os preparativos para seu funeral.

Sally foi o tipo de personagem que cresceu muito em apenas quatro episódios, por isso tenho medo que os roteiristas se esqueçam dela, agora que sua companhia de tela foi tirada da série.

Saindo um pouco da família Draper, vemos como as coisas funcionam na agência, onde os clientes são ouvidos e seus pedidos atendidos, por mais estúpidos que esses pedidos sejam, enquanto houver dinheiro envolvido, tudo continuará conforme o planejado.

A esposa de Salvatore finalmente se deu conta que seu marido é… diferente do que ela achava que ele era. Ainda não sei se ela tem a certeza de sua homossexualidade, mas ela percebeu, no mínimo, como ele fica a vontade ao representar uma mulher em um comercial, e sua fascinação por esse tipo de arte.

Peggy quer se mudar para Manhattan e descobre como é difícil conseguir o apoio de sua mãe, que usou uma frase extremamente simples para demonstrar o que achava dessa idéia:

Você sabe que será estuprada lá, certo?

E, além disso, Peggy também percebeu como precisa encarar um mundo de aparências até para achar uma companheira de quarto.

Ao que tudo indica, nos próximos episódios vamos finalmente voltar aos assuntos deixados em aberto na segunda temporada, deixando de lado esses episódios que funcionam sozinhos, como esses quatro até agora. (Lucas Bonini)

America's Next Top Model - How Short Can You Go

America’s Next Top Model: How Short Can You Go (13×01) e The Early Bird Gets a Makeover (13×02)
Exibição: 9/9/2009
MVP: n/a

Mais um ciclo de ANTM se inicia e dessa vez há uma pré-requisito para ser uma das modelos de Tyra: ser baixinha. Já não tivemos uma edição assim? Bom, considerando o quanto a Tyra gosta de underdogs esse pré-requisito não é nada chocante. Além da pouca altura, estão lá todos os elementos típicos de um primeiro episódio de ANTM: garotas com histórias tristes, garotas loucas, garotas arrogantes, garotas esquisitas. Algumas realmente fotogênicas e interessantes, outras nem tanto.

Entre as minhas favoritas estão a ruiva que parece ser autista (Nicole), a jovem mãe que sofreu abuso sexual (Era), a dos olhos de bambi (Rachel) e a do pé quebrado (Courtney). Mas geralmente isso vai mudando à medida que as meninas vão mostrando suas personalidades (verdadeiras ou falsas) e vão fazendo fotos mais ou menos legais.

A sessão imitando as fotografias de infância das meninas não me pareceu nada interessante à princípio, mas teve resultados muito bons. A maioria das meninas tirou fotos muito boas e a de Rae, que teve que lidar com o pior acessório da história do programa, foi realmente fantástica. Não sei o que eu faria se me colocassem em cima de um sapato absurdo daqueles, mas Rae foi bastante profissional e conseguiu deixar todo mundo embasbado, inclusive a top Chanel Iman. A jurada afirmou até que iria treinar a pose da loura em casa. Ponto pra minha favorita. A eliminada, Lisa, não surpreendeu. Afinal, ela nem deveria estar ali mesmo. Voltou para nada, porque é uma péssima modelo. (Thais Afonso)

So You Think You Can Dance: Los Angeles (6×01)
Exibição: 9/9/2009
MV Singer: sapateado

A quinta temporada mal acabou, e já temos uma nova temporada de So You Think You Can Dance, e agora na fall season, o que é bem importante. Pra quem não entende muito disso, a programação dos EUA é basicamente dividida em duas: A fall season e a mid-season. A maioria dos programas consagrados, campeões de audiência, estreiam no fall season. Enquanto na mid-season temos muitos realitys, episódios de programas que já foram cancelados, e séries mais “modestas” que de vez em quando viram hits ganham espaço na alta temporada.

Com SYTYCD aconteceu mais ou menos isso. A audiência vem crescendo a cada temporada e o show praticamente dominou no último verão. Essa mudança pode ser ótima e dar a Fox um grande oponente contra o mega hit Dancing With the Stars, ou pode ser trágica, fazendo com que o programa perca a audiência que já tinha, no meio de um calendário tão competitivo. Eu torço para a primeira opção é claro. A audiência desse episódio foi apenas decente, o calendário é louco (quartas, terças, quartas e depois terças e quartas) e o fato de passar exatamente na mesma hora de Dancing with the Stars, não ajuda muito.

Como nesse ano tivemos apenas uma hora e esse episódio meio que serviu para apresentar o programa para um novo público achei ótimo o fato de eles focarem mais nas audições boas do que nas ruins. O maior destaque foi, é claro, o trio de sapateadores: Ryan Kasprzak, Bianca Revels e Phillip Attmore. Dos três é claro que eu torço pro Ryan (irmão do Evan, da temporada passada), embora eu não ache que ele realmente chegue ao top 20. Em um mundo ideal, é claro, ele substituiria o Tyce coreografando Broadway.

Além de tanto sapateado, é claro que os dançarinos de contemporâneo quase que dominaram a noite, como já é de se esperar em SYTYCD. Mollee Gray e Amber Williams, foram hypadas à beça pelos juízes (afinal são lindas e têm uma “história”), mas quem realmente me impressionou (e tiveram menos tempo que as outras meninas) foram Alexie Agdeppa e Paula Van Oppen. Espero ver mais das duas em Vegas. Eu particularmente gostei mais da Alexie, mas acho que das duas a Paula é a que tem mais chance de chegar ao Top 20. (Julia Mathias)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

27 Comments

  1. Lucía

    Que capítulo foi aquele de Sons??? Maravilhoso!!!!! Aquela cena final foi de arrepiar as pessoas mais duras… A série esta mostrando a que veio e muito bem…

  2. Cleide

    Defying Gravity foi cancelada

    e Supernatural regressou ao som de AC/DC (premonição da vinda ao Brasil, AC/DC no Brasil)
    episódio com gostinho de quero mais sempre
    adorei o review :)

  3. victor hugo

    Das que vi:
    – Supernatural 5×01 – foi um ótimo episodio.
    – Vampire Diaries -1×01 Não esperava tbm muita coisa talvez por isso tenha até gostado.
    – Glee 1×01 – é uma série q tem uma boa escolha em suas musicas mas….

  4. Camila Oliveira

    Como ainda estou baixando o episódio de Sons of Anarchy, evitei ler a review. Mesmo assim, me disseram que foi um ótimo episódio. Verei isso a noite.

    GLEE:

    Eu estava com muita expectativa esperando o segundo episódio e Showmance correspondeu. Adorei as músicas. Só não gostei muito de Take a Bow, mas =/ Quanto ao episódio em si, muito engraçado. Aquela cena das cheerleaders no Clube do Celibato me matou de rir. No mais, adoro a Emma, ela é uma fofa. Também achei que o Finn e a Rachel têm uma química incrível. Ah, já ia esquecendo, eu acho que fui a única, mas adorei “I Say a Little Prayer for You” e quero ver como as coisas ficarão com a Quinn no Glee Club.

    Só espero que Glee não seja a nova Pushing Daisies. Gosto muito dessa série…

  5. victor hugo

    Esqueci de comentar vi tbm o piloto da remake Melrose Place mas não valhe a pena…a história é ruim, os atores são sem carisma e é tão chata q merece cancelamento.

  6. Dan Artimos

    Glee sensacional… 90210 com melhoras… Melrose Place arrasa em charme…

    sobre 10TIHAY, o décimo não foi season finale, pois foram encomendados mais 10 episódios para passar a partir de janeiro…

  7. Ivan Guevara

    Dormi na metade de Glee, mas pretendo ver de novo.
    Sobre Vampire Diaries, foi mto pior do que eu imaginava. Uma mistura do trash de 90210 contos da cripta

  8. Mica

    Glee: De fato um detalhe que incomoda. Tira boa parte do brilho aquelas dublagens. De resto eu até que gostei bastante da série (embora tenha odiado as duas primeiras músicas e achado o número sexual que fizeram na escola o cúmulo do mau gosto).

    10 things: Eu já disse, mas repito: eu tenho dois motivos para assistir essa série: 1) quero ver Kat e Patrick ficarem juntos de vez; 2) adoro ver o Patrick e sua voz deliciosa.
    Ponto. Não há nada mais que me leve a ela semana após semana. Mas como é light, só dura 20 minutos, dá para encarar. Entretanto está na hora de colocarem um pouco de cérebro nessa Bianca (e na Kat também, diga-se de passagem, pq ela é patética em sua tentativa de ser pró-ativa) e um pouco mais de realidade nessa sua vida amorosa.

    Supernatural: Fantástico. Nossa, esperei ansiosamente por essa estreia. Mas Vinícius, vc esqueceu de falar no Castiel. Ele deu um show nesse episódio (thanks God, Misha Collins é regular agora). Adorei a implicação de que foi Deus quem o trouxe de volta à vida e salvou os irmãos na hora que Lucifer foi libertado.
    E a fã(nática) mostrou bem um lado muito ativo do fandom de Supernatural. Morri de rir ao vê-la supreendendo-se ao conhecer Dean.
    Adorei o fato de Dean não ter engolido o que Sam fez. Tanto Bobby (embora tenha culpado o demônio) quando Dean falaram o que Sam merecia ouvir. E nada de sentir dó do Sam não. Está na hora dele colocar a mão na consciência e mudar a partir dos erros cometidos.
    E que carinha sacana o Lucifer, não? Engambelou o pobre Nick direitinho.

  9. Mica

    Ivan, se vc achou que Vampire Diaries foi pior do que você imaginava, é porque vc não tentou ler o livro do negócio. Se tivesse lido, veria como ficou beeeem melhor e assistível. (até hoje tenho traumas com aquele aborto literário)

  10. Julia

    Glee: Gostei bastante do episódio, embroa concorde que o número que fizeram no auditório foi de muito mal gosto. Poderiam ter feito algo sensual, mas com mais classe. E as dublagens me incomodam um pouco, mas nada que não dê pra relevar.

    10 things: Talvez por ter 0 expectativas com essa série to gostando bastante. E Mica, sinceramente, prefiro a Bianca exatamente assim, meio sem cérebro, morro de rir com ela. Agora a kat, concordo, é meio patética na maioria das vezes.

    Vampire Diaries: Série standart da CW, pessoas bonitas (fora o Stefan que sinceramente só conseguiu o papel por ter cara de gargula, a la Robert Pattinson), roteiro não-fede-nem-cheira-mas-dá-vergolha-alheia-às-vezes (tipo na hora que ela fica falando como não tinha “paixão” no outro namoro dela).

    Supernatural: A-MEI! Sério, impressionante como eu não dava nada por essa série até o meio da terceira temporada e agora é fácil uma das minhas séries favoritas. Cass é DEMAIS, e acho que vai ser bem interessante a relação dele com o Dean, agora que a relação dos irmãos Winchester está abalada.

    Sons Of Anarchy: Primeiramente uma correção. Sam Crow não é o nome do líder do clube, é uma sigla e significa “Sons of Anarchy Motorcycle Club, Redwood Original”, o nome do líder é Clay. mas fora isso o episódio foi ótimo! Ainda mais quando você pensa que a atriz que faz a Gemma é mulher do showrunner da série aquele final fica ainda mais doentio. O meu único medo é que no final dessa luta entre Jax e Clay nada mude, afinal o que Jax quer pro clube exatamente? Isso aidna não ficou claro.

  11. Leonardo Toma

    Sobre Glee: também me incomodo muito com as dublagens descaradas. Podiam fazer como o elenco do filme Across the Universe fez: gravar as vozes ao vivo, no momento da gravação.

    Se bem que eu não sei se os produtores teriam dinheiro para fazer isso ou se os atores teriam capacidade (e talento) para gravar ao vivo…

  12. Ana

    Glee: Bom, tenho que dizer que Glee tem me surpreendido. Foi um episódio tão bom!Tô assistindo toda hora a parte em que a Emma aparece cantando All by myself e, meu Deus, a apresentação da assembléia foi um momento tão vergonha alheia que eu não conseguia parar de rir.

    The Vampires Diaries: sinceramente? Tirem todas aquelas conversas entre Elena e Stefan, pelo amor de Deus. Me entediou tanto que eu até agora eu não lembro do que eles estavam falando. Mas eu pretendo assistir. Ainda mais por causa de toda a história dos Salvatore.

    10 things I hate about you: Confesso que 10 things acabou se tornando algo extremamente agradável nesse período sem nada para assistir na TV. Sim, eu acho essa Bianca um poço de superficialidade, eu não acho a Lindsey Shaw uma boa atriz (não ao estilo Julia Stiles no filme), mas eu garanto: ver o Ethan Peck… faz tudo valer a pena.

  13. Mica

    Ana, cá entre nós, também não lembro nada do que foi falado no episódio de Vampire Diaries. Lembro das expressões faciais, da névoa e da Elena escrever constantemente no diário sobre a morte dos pais, mas fora isso, não lembro de diálogo algum.

  14. Fernando dos Santos

    Supernatural:Cada vez melhor!!Interessante notar como a série mudou e evoluiu nestes cinco anos.
    No começo eram quase só episódios autocontidos,fechados e agora é quase um drama serializado.
    A carga dramática aumentou e muito, mas o humor ainda se faz presente e em boas doses.

    Monk:A temporada final ainda nem estreiou aqui mas eu já estou começando a ficar com saudades do detetive obssessivo-compulsivo que está se despedindo da tevê.

    Defying Gravity:Quem teve a infeliz idéia de fazer um Grey’s Anatomy no espaço e com um pequeno número de personagens?
    Grey’s já é insuportável mesmo sendo situada em um hospital de uma grande cidade e agora os caras resolvem fazer algo parecido com poucos personagens confinados a um pequeno espaço.

  15. Rubens Fructuoso

    Supernatural: a única coisa que presta na CW! Só lembro que esse canal existe por causa da série.

    Glee: muito boa! Espero que a temporada toda seja assim.

    Mad Men: não esperava a morte do pai da Betty. Achei que fossem abordar mais a relação dele com a família e os netos. Foi surpreendente a reação da Sally. Achei impagável a expressão da mulher do Salvatore. A impressão é que a importância e a participação do Salvatore crescerão muito nessa temporada.

  16. Pedro Paulo

    Resumindo, como eu esperava duas merdas verdadeiras, as duas estréias a CW(TVD e MP) me surpreenderam positivamente. Não que TVD possa ser comparada com True Blood, mas eu achei bacana, me prendeu a atenção, apesar dos inúmeros clichês.

  17. Raruiz

    Glee:
    adorei esse episódio…
    Sobre a cena da assembleia foi vergonha alheia, e eu ri demais…
    A emma no carro cantando All by myself foi hilário.
    A cena de “I’ll say a little pray for you” e “Take a bow” a dublagem ficou muito descarada. Espero que diminua a longo da temporada.
    PS. Não sei pq mas tenho a sensação de que Glee será a Pushing Daisies e Chuck dessa fall season. (Batendo 3 vezes na madeira)

    The Vampire Diaries
    CW por favor devolva os 40 minutos perdidos da minha vida! Mande para Ribeirao Preto. Obrigado.
    O que foram os diálogos Elena e Estefan? E as expressões sem graça do estefan?
    Acho que depois de True Blood e Moonlight estou exigente com historias vampirescas.

  18. Juninho

    Glee,sem comentarios,embora não exibiu um episodio tão bom quanto o piloto,fez bonito mais uma vez.

    10 Things conseguiu se equilibrar entre o ruim,o pessimo e o bom e isso em apenas 20 minutos,sério pra mim foi um dos piores episodios ainda mais para uma Season finale!

    90210 voltou bem melhor,e mesmo com toda critica,gosto da série não tem jeito.

    Vampire Diaries,acabei assistindo mesmo sem muita vontade e gostei achei bem melhor que aquele lixo de Crepúsculo,mas não chega nem aos pés de True Blood,é uma boa série,só isso!

  19. Snow

    nego tem que parar de fazer series/livros/filmes pra mulherzinha leitora de julia que tem fogo na periquita.

    Mulherada tem que parar de comprar livro na seção de “mais vendidos” e ir procurar e folhear livros de verdade. pqp

  20. wer

    alguém que acha que Moonlight era boa não é exatamente alguém exigente. ficadica!

  21. Thomaz Jr.

    Rubens Fructuoso,

    Realmente, a Sally deu um show.

    Achei interessante a forma com que a mulher do Salvatore começou a perceber a homossexualidade dele. Não com um flagrante. Optou por um caminho menos obvio e mais sutil(como sempre), ela percebe como uma mãe ou pai que nota a “diferença” de um filho.

  22. Jorge P. - DF

    Estava com saudades da coluna. Nem havia me lembrado que supernatural voltou! Tomara que esta temporada não seja irregular como a última.

  23. Bruno A.

    “CW por favor devolva os 40 minutos perdidos da minha vida!”[2]

    Boa! Se você conseguir, me avisa, porque eu vou pedir reembolso também.

  24. Nanda

    Glee:

    Concordo plenamente. As dublagens me incomodaram muito. Fica muito superficial. Adoro a treinadora Sue! Ela tem até twitter agora, hilário!

    http://twitter.com/S_SylvesterGLEE

    “CW por favor devolva os 40 minutos perdidos da minha vida!”[3]

    Odiei VD e Melrose. Ugh. Só Supernatural salva essa emissora.

  25. Richie_btvs

    sobre 10 things…

    nunca tinha assistido uma serie na mid season…
    sempre quando acabava a ultima serie em maio, eu entrava em hiatus juntos com as emissoras…
    mas gostei de 10 things…
    eh uma serie sem pretençao nenhuma, e talvez seja isso que eu goste…
    eu passei o nome, por que eu sei que ninguem vai conseguir chegar perto do casal do filme e vi uma serie engraçadinha pra se ver enquanto os “cachorros grandes” nao chegam…
    Sobre vampire diaries -> achei a serie um pastelão ambulante. foi sofrivel assistir ao primeiro episodio ate o minuto 31:50 quando toca running up the hill do placebo. a serie so ficou mesmo interessante quando o BOONE apareceu.Mas pelo ator que pelo personagem. so vou assistir ao segundo episdio por causa da trilha sonora do primeiro.
    Supernatural -> depis de um final de temporada decepcionante de tao previsivel que foi supernatural conseguiu fazer uma premiere boa, mas nao melhor que a passada. foi um episodio bom, mas nao otimo, como as premieres de super costumam ser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account