Log In

Spoilers

A Semana Lá Fora: Chuck em 3D, Medium e o 100º episódio de House

Pin it
http://www.teleseries.com.br/wp-content/uploads/2009/02/house100.jpg

Chuck

E chegamos em fevereiro, mês tomado de episódios inéditos na televisão. Na semana que passou, na cola do Super Bowl, a NBC trouxe um episódio em 3D de Chuck e a volta de Medium. Além das duas, outro destaque da semana foi o 100º episódio de House, que surpreendeu muita gente por não ter nenhuma grande surpresa.

Além das três séries, a coluna tem reviews de três comédias – os elogiados episódios da semana de How I Met Your Mother e The Big Bang Theory e a ressaca pós-Super Bowl de The Office.

No gênero ação, reviews de CSI:Miami, com a volta da Alexx Woods, Bones e 24 Horas. Em sci fi, Battlestar Galactica, Lost e o Mestre dos Brinquedos em Smallville. E ainda tem Gossip Girl. E William H. Macy em ER. A coluna tem leitura para todos os gostos!

Chuck: Chuck Versus the Third Dimension (2×12)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Adam Baldwin

As críticas que ouço sobre Chuck são que a série é clichê, que parece um videoclipe com 40 minutos, etc. Para mim esse é o charme da série. A série não tem pretensão de ser Lost ou Heroes. É entretenimento puro e cada vez mais bem feito. Nunca quis tanto um par de óculos 3D na vida (risos).

Tudo começa quando Chuck tem um flash durante um evento promocional na Buy More. O astro de rock Tyler Martin (Dominic Monaghan de Lost) está sendo ameaçado de morte. Chuck acaba responsável para cuidar dele justo no dia em que resolveu que precisa tirar folga da vida de espião. E que tenta lidar com o fato de ter visto Sarah matar a sangue frio (aposto que a audiência masculina vibrou com o sonho de Chuck).

As cenas de Zachary e Dominic foram muito divertidas e o episódio foi recheado de referências. Aqueles que assistiram A Fantástica Fábrica de Chocolate lembraram-se do filme durante a disputa pelo ticket de ouro e na escolha do Morgan no final. No entanto, pra mim, o mais engraçado foi Adam Baldwin. O agente Casey sempre é o que mais diverte justamente por não fazer o tipo engraçadinho. Ele lançando o dardo tranqüilizante em Chuck simplesmente por não conseguir mais ouvi-lo foi de chorar de rir. (Tati Leite)

The Office: Lecture Circuit (5×14)
Exibição: 5/2/2009
MVP: Steve Carell e Jenna Fischer

Depois da audiência de 22 milhões no domingo passado, The Office ficou sem os ganhos do Super Bowl: no seu horário habitual voltou aos oito milhões. Fica a confirmação de que a série, decididamente, não é para as massas. Por melhor que seja.

Não que ela seja estritamente intelectóide. Longe disso, às vezes pode ser bem infantil. Mas a estrutura narrativa, com estórias interligadas e desenvolvimento dos personagens, atrapalha e muito a captação de novos fãs. Pena, pois quanto mais gente pudesse acompanhar os momentos constrangedores criados por Michael Scott, melhor seria. Ele vê Karen grávida e pergunta quando foi a última vez que ela transou com Jim? Ao menos temos um pouco de sua redenção ao falar de Holly (lembram? A peituda do RH) e fará com Pam uma viagem pra revê-la. Mais momentos constrangedores?

Só que não vivemos apenas de constrangimento: que dizer da ótima dupla formada por Jim e Dwight? Ou da nota de 3 dólares de Creed? Pena tanta gente não se conectar com a série. É uma comédia tão boa! (Thiago Sampaio)

House

House: The Greater Good (5×14 – 100º episódio)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Omar Epps, Robert Sean Leonard e Judith Scott

Apesar deste ter sido o 100º episódio, House não veio com nenhum grande evento, nenhum acontecimento especial. Mas foi um episódio bom, eficiente, com diversos acontecimentos.

Tivemos a Cuddy buscando vingança, já que agora ela tem que ficar longe de sua filha por que House causou o pedido de demissão de Cameron como sua assistente. Tivemos Foreman encontrando problemas após tirar a Thirteen do placebo, que acabou enfrentando severos efeitos colaterais ao remédio, chegando a ficar cega. House e Foreman acabaram curando a moça que, para (in)felicidade dos fãs, está recuperada.

E, por fim, tivemos o melhor do episódio: o caso da semana, onde uma grande médica pesquisadora, que tentava achar uma cura para o câncer, abandona a pesquisa para poder viver a sua vida. Fica o dilema: ela fez a coisa certa, uma vez que se perseverasse talvez encontrasse a cura da doença? Por outro lado, deveria ela sacrificar sua própria vida, diariamente numa tarefa em que era infeliz? Achei a questão interessante e concordo com a atitude dela, as pessoas devem buscar a felicidade a sua maneira. Mas faço uma ressalva: no caso especifico de um bem maior, ela podia muito bem tentar conciliar sua pesquisa com o que lhe dava real satisfação. (Lucas Leal)

ER: A Long, Strange Trip (15×14)
Exibição: 5/2/2009
MVP: n/a

Esse episódio tinha tudo para ser o pior da temporada. No entanto, os minutos foram passando e eu fui gostando. Não se transformou em nada maravilhoso e acredito – e torço muito para – que só teremos episódios realmente bons mais para o final da temporada, já que entramos na fase ‘tapa buracos’, por assim dizer. Até por isso, pela primeira vez, não escolho um MVP.

Preciso confessar que Brenner tem ganhado minha simpatia. Estou gostando dele com a Neela. Não cabia mais na história dela ficar esperando o Ray. O lado péssimo do episódio foi a irmã da Sam dar em cima do Gates. Totalmente dispensável. Clichê do clichê. Espero que esse flerte tenha parado por aí.

Adorei a participação do Dr. David Morgenstern pelo simples fato que eu gostava muito da personagem e de ser fã do William H. Macy. E adorei a idéia de contarem um pouco da história do County antes de ser o County que conhecemos. E mostrar que antes de Mark existiu um médico tão apaixonado pelo seu lugar de trabalho. (Tati Leite)

Gossip Girl: Carnal Knowledge (2×17)
Exibição: 2/2/2009
MVP: n/a

Todos sabiam que Blair iria até as últimas conseqüências para dar um troco na detenção que a professora Rachel Carr havia programado. Mais do que isso, quando ela viu as chances de entrar em Yale indo por água abaixo, ela nem sequer pensou duas vezes: é guerra. No entanto, a irresponsabilidade de “B” foi longe demais mentir que Rachel e Dan tinham um caso, apesar de, obviamente, eles terem algum tipo de ligação, que foi muito bem captada no final do episódio passado.

Impressiona-me como a Serena sempre dá um jeito de sabotar o seu namoro com Dan. Eu já acho o casal extremamente chato e insuportável – muito por conta destes términos – e ela sempre arranja uma maneira de fazer com que eles se tornem ainda mais chatos.

Bom para Rachel que, quando foi demitida da Escola pelo Conselho de Pais, se entregou completamente a Dan. Quero saber como eles vão ficar quando ela souber que não foi demitida.

O episódio também teve o lado Chuck, completamente diferente desta trama principal que estava correndo. Cada vez mais ele descobre um pouco do passado do seu pai que ele nem conhecia. Sempre mantendo as coisas em segredo, Bart participa de um clube fechado ao estilo De Olhos Bem Fechados, filme de Stanley Kubrick com Tom Cruise e Nicole Kidman. É claro que Chuck vai querer descobrir que clube privado é esse, a partir de inúmeros convites que estavam guardados no cofre. E, assim, GG continua com uma excelente segunda temporada, muito diferente daquele ano de estréia. (Vinícius Silva)

Texto publicado originalmente no weblog Sob a Minha Lente.

How I Met Your Mother

How I Met Your Mother: The Possimpible (4×14)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Neil Patrick Harris

Barney descobre entre as cartas dos fãs de Robin uma carta do departamento de imigração. Ela descobre que precisa arranjar um emprego ou terá que deixar o país. Em qualquer outra série isso poderia ser o caminho para casarem a Robin com um dos rapazes. E, graças a Deus, isso não foi feito.

Barney resolve ajudar Robin a criar um currículo em vídeo que, segundo ele, o ajudou a conseguir várias ótimas propostas de emprego. Claro que o vídeo é uma das coisas mais engraçadas já mostradas na série, com direito a Neil Patrick cantando (deu muita vontade de rever Dr. Horrible). E os autores continuam mostrando de uma forma divertida e ao mesmo tempo romântica o quão apaixonado Barney está. Ele treinando como pedi-la em casamento sem que ninguém perceba foi hilário.

No final, sem Robin saber, Barney manda o vídeo e consegue que ela fique no país. Neil Patrick Harris dá um show e esse episódio já entrou pra lista dos meus favoritos. (Tati Leite)

The Big Bang Theory: The Financial Permeability (2×14)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Jim Parsons

O melhor episódio desta temporada. Sério, de longe. Um dos cinco melhores de TBBT. Eu ria de me acabar e ainda ria contando ao meu marido como tinha sido o episódio inteiro. Nunca a interação de Penny e Sheldon foi tão feliz e nunca a esquisitice de Sheldon foi tão meiga!

Penny:

Não, eu não posso. Sheldon, querido, eu não quero que as coisas fiquem esquisitas entre nós.

Sheldon:

Não seria esquisito também se eu tivesse que dizer olá para você toda a manhã no meu caminho para o trabalho e você vivesse em uma caixa de papelão e lavasse o seu cabelo com água da chuva?

A lógica de Sheldon é mais forte que qualquer outra coisa, a ponto dele não se chatear em ficar sozinho enquanto os amigos vão ao cinema sozinho, simplesmente porque era a única solução possível para o problema que ele mesmo criou.

E, apesar do brilhantismo de Jim Parsons estar mais aparente que nunca, todo o elenco teve ótimos momentos, ótimas linhas. A interação de todos foi o que garantiu que o episódio tivesse ritmo do começo ao fim, sem tempo para pararmos de rir. (Simone Miletic)

CSI:Miami

CSI:Miami: Smoke Gets in Your CSIs (7×14)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Emily Procter

Eu tentei desistir de CSI:Miami. Mas, por algum motivo oculto, eu não consigo. E quando eu vejo um episódio como o dessa semana, fica claro por que: sim, a série tem muitos defeitos. E é estrelada por David Caruso, o que, por si só, já é contra-indicativo. Mas ela consegue entreter (a mim pelo menos).

A seqüência em que Ryan e Calleigh ficam presos no sótão em uma cena do crime, são alvejados e quase queimados vivos, é extremamente tensa e convincente. O caso relacionado ao mercado negro de órgãos, apesar de ser previsível de diversas maneiras, foi interessante. Não importa o quanto enrolem com o relacionamento entre Eric e Calleigh, eu adoro esses dois. E, ainda, tivemos a participação de Khandi Alexander.

Eu nunca fui muito fã da atriz – e continuo a achando péssima – mas senti saudades dela, muitas saudades. A nova legista é sem graça e a atriz Megalyn Echikunwoke não tem carisma. Alexx Woods era cheia de personalidade e vivacidade e sua dinâmica com o time era perfeita. E Alexander tinha uma presença de cena que faz falta. Adorei a participação e me vi desejando que ela voltasse. (Thais Afonso)

Medium: Soul Survivor (5×01)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Maria Lark

Medium retorna em sua quinta temporada com um episódio extremamente afinado. Eu, particularmente, adoro quando Alison leva mais tempo para entender exatamente o que seus sonhos significam, quando eles fazem com que ela cometa erros pelo caminho, parece que isso torna as histórias mais reais.

Devalos já está confortável de volta ao cargo, como se algum tempo tivesse se passado, mas não muito, com a abertura nos lembrando dos últimos acontecimentos da temporada passada: a volta dele, Joe conseguindo um novo emprego após ganhar uma grana com sua invenção.

Eu achava que realmente existia um espírito no caso e fiquei surpresa com a descoberta da autobiografia e toda a mentira. E achei a história da folha guiando Alison pelo meio do caminho até bem poética.

De novo Joe mostra o quanto é especial, ajudando suas filhas a lidar com seu dom, ou melhor, encaixando o dom de suas filhas no mundo a volta delas. Bridget tem tido mais destaque desde a última temporada e com motivos, a menina é ótima. Toda a história do porque ela desenhava seu professor nu estar ligada a ele ter uma doença, tudo tão bem amarrado, que dá gosto de ver. (Simone Miletic)

24 Horas

24 Horas: Day 7: 02:00 p.m. – 03:00 p.m. (7×07)
Exibição: 2/2/2009
MVP: Kiefer Sutherland e Janeane Garofalo

O Esquadrão Classe Bauer desistiu de prosseguir com suas operações conduzidas numa van – mesmo que a responsável pelo computador fosse Chloe. A sensatez chegou e eles resolveram falar com a presidente, não antes sem participarem de uma boa cena de invasão na primeira metade do episódio.

Nesses tensos minutos, a sensação de “tempo real” voltou firme em 24 Horas: o módulo foi destruído e Dubaku quase foi capturado. Mas ainda falta muito pra acabar o dia e as complicações devem continuar: o coitado do responsável pelo módulo explodiu e o primeiro cavalheiro agora se encontra nas mãos de Dubaku. Ehr… Como?

Espera um momento: se o primeiro cavalheiro, que seria muitíssimo importante para a presidente, estava todo esse tempo sobre controle do sangalês, por que não usá-lo como peça de chantagem? Aliás, a dupla de agentes demorar quase duas horas pra matar o cidadão quase que destruiu a sensação de tempo real. Só quase.

Completando essa hora movimentada, temos Janis (a nova Chloe), intervindo na liberação de um produto tóxico em Ohio, onde tivemos a fatalidade de um pobre técnico altruísta… Mas não há tempo pra lamentações: Dubaku tem uma nação pra destruir. E não pode se atrasar pra jantar com a namorada! (Thiago Sampaio)

Bones: The Hero In The Hold (4×14)
Exibição: 5/2/2009
MVP: David Boreanaz e Noel Fisher

Eu comecei odiando o episódio. Simples assim. Como eles se atrevem a colocar Seeley Booth preso e sem saída? O ódio só foi passando à medida que fui percebendo as coisas. Primeiro: era o retorno do Cavador de Túmulos – alguém ainda lembrava-se do caso dele ter ficado em aberto no longínquo início da segunda temporada? – e, sem segundo lugar, a certeza de que Booth ia conseguir sair dessa só aumentava a curiosidade de descobrir o como.

Adorei a participação de Noel Fisher como Tedy Parker, esse menino dá show toda vez que aparece, e ele ficou perfeito como parceiro fantasma de Booth. E, quem sabe, ele apenas e tão somente não apareceu somente para que Booth entende-se que dizer “eu te amo” nem sempre é fácil, mas às vezes necessário.

Foi interessante, ainda, ver Brennan, sempre tão controlada, mais uma vez a flor da pele, mais uma vez porque é Booth quem está em perigo. Só não gostei porque, mais uma vez, os roteiristas brincam conosco ao não deixarem claro o que se passa com os personagens, no caso o quanto Hodgins ainda era assombrado pelo fato de quase ter morrido naquele carro enterrado. (Simone Miletic)

Battlestar Galactica

Battlestar Galactica: Blood on the Scales (4×14)
Exibição: 3/2/2009
MVP: Edward James Olmos e Mary McDonnell

A revolução na Galactica durou pouco, mas mexeu mais comigo do que o holocausto cylon. Em parte por ter, agora, anos de empatia com os personagens e, principalmente, por causa das traições. Já vai tarde, Gaeta! E Zarek? Ele já teve minha simpatia, mas suas ações dúbias revelaram o quão cruel ele é. O que foi o massacre do conselho na Colonial One? Deuses!

Não sei como será daqui pra frente, mas de uma coisa tenho certeza: “Adamão” sairá fortalecido. Depois que a Terra se revelou uma colônia cylon, a humanidade perdeu o rumo, assim como o Almirante, que tomou decisões questionáveis (ficar com Roslin não foi uma delas). Mas recusar o falso julgamento de Zarek, escapar do fuzilamento e marchar até o CIC pra recuperar sua nave trouxe o velho Adama de volta.

Houve redenção para outros: Starbuck e Apollo formaram uma excelente dupla; os Final Five deram uma guinada, Anders nos braços de Kara, Tigh confiável novamente e Chief sendo fundamental na reação. E outros também tiveram seus momentos: como Hot-Dog (bom garoto!) e a Laura Roslin (alguém chorou quando ela reviu Adamão?).

Até Baltar, que só fez fugir e traçar uma Seis durante a revolução, saiu ganhando, pois deixou de ser o maior traidor dentre os humanos. Agora é juntar os cacos, levantar a cabeça… e averiguar a avaria do casco encontrado por Tyrol. (Thiago Sampaio)

Lost: The Little Prince (5×04)
Exibição: 4/2/2009
MVP: Josh Holloway

Às vezes parece que venho aqui apenas pra repetir a opinião de outra pessoa, mas lendo a review de Thais Afonso em seu blog, onde comenta o fato de definirem Jack e Kate como protagonistas, mas que, desde então, os dois não tiveram boas histórias. Eu concordo 100%. Assim como muito suspense foi feito sobre a identidade do cliente de Dan Norton e nunca Lost nos entregou algo tão óbvio como essa resposta.

Tudo mais na série está funcionando, eu estou curtindo os pulos temporais e mais teorias brotam do meu cérebro. Será que aqueles pés que vimos no meio da mata eram dos losties do futuro? E as vozes, será que eles têm algo a ver com elas? Porque eles fariam aquilo? E quando Sawyer e Juliet vão transar (eu sei que é o desejo da maioria)?

Por falar em Sawyer: comovente o sofrimento dele neste episódio. Outra coisa me fez pensar: será que, nessas quatro temporadas que assistimos, o John Locke do futuro não apareceu no lugar do John do Passado? Pergunto, pois, o John do futuro já sabia da importância da ilha, e, quando víamos o John do passado, era exagerada a insistência dele em querer ficar na ilha. Ahh! Sei lá, até no episódio que menos acrescentou nessa temporada, eu fico cheio de perguntas. E tem quem diga que Lost não é um fenômeno. (Paulo Fiaes)

Smallville: Requiem (8×14)
Exibição: 5/2/2009
MVP: Justin Hartley

Grandes expectativas para Requiem? Claro, Mestre dos Brinquedos está nesse episódio. O que mais podemos esperar desse capítulo? Oliver Queen sem camiseta, Chloe em Metropolis sem Jimbo, e pasmem: Lex Luthor sem rosto. Ah, esse foi o dia que Lana Lang foi embora, mas isso todos já devem saber.

Enfim, S2, dupla infame que vai para Melrose Place, se Deus quiser, deu poderes para Lana em Power, fazendo com que Clana voltasse mais poderoso que nunca. O Super Casal agora está atrás do malfeitor que tentou explodir Oliver Queen. Mas a grande questão era: matar ou não matar.

Oliver mostrou seu lado negro, mas quem pagou de Darth Vader foi Lex Luthor, que mesmo de longe quer vingança. Falando em lado negro, a loirinha Olsen também mostrou suas garrinhas. Mas nada mais sinistro do que um homem feito falando com bonecos.

O que tiramos de Requiem? Hum… que agora podemos assistir Smallville em paz. (Clara Lima)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

31 Comments

  1. anderson

    LOST é simplesmente uma aula de roteirização.
    magnifico é pouco.

  2. Thiago Sampaio

    Chuck
    Nunca vi a série… Mas ouço tanto sobre suas referências oitentistas que fico me perguntando se faço besteira em não acompanhá-la. Pelo menos esporadicamente. Quanto ao episódio, mesmo quem baixou consegue vem em 3D usando os óculos? Cool! Porque não fazem sempre isso então? É esquisito assistir sem os óculos?

    The Office
    Melhor comédia… ever!

    House
    Nem sabia que era o episódio 100. Até o episódio da situação de reféns tava com mais cara do que esse. Mas tudo bem, tivemo “mais do mesmo”. Ou seja? Seguimos com a premissa, o que sempre é ótimo. De positivo fica o diagnóstico, que eu achei sensacional! A mulher tava menstruando pelo corpo todo? How cool was that? E por que diabos a 13 não morre logo?!

    ER
    Achei muito tosco usarem os atores da série incluídas nas alucinações do paciente. Tirou quase toda a seriadade da situação, que concordo com a Tati, se salvou no final com a homenagem de Morgesntern (William H. Macy não merecia MVP não?). Os devaneios de Oli sobre os anos 60 foram bem melhores com outros atores (principalmente sua versão jovem). E fica essa idéia mesmo: antes de 94, havia outros Mark Greenes nesse hospital.

    De resto, temos uma bela duma concertada de Brenner (meio furado isso, mas ele está bem mais agradável), uma irmã pra Sam (tenho que discordar… gostei da personagem) e, claro, uma volta rapidinha de Mimi Leder! Única diretora da série a levar um Emmy (Love’s Labor Lost) e que não fazia um epi desde Healer (esses dois, na verdade, estão no top 10 ER daqui do Teleseries). Ela não fez um trabalho tão bom como antigamente, mas cara… Leder filmou ER mais uma vez! =)

    How I Met Your Mother
    E num é que baixei, mas esqueci de ver HIMYM?! Isso não é um bom sinal.

    The Big Bang Theory
    Tô com saudades da série… E graças à Warner, não tenho mais reprises à tarde, porque de noite tô na facul. Não é que o canal vai me fazer baixar o seriado?

    24 Horas
    Só reafirmando: a primeira metade do episódio foi tensa! A temporada está muito boa, e pra quem insiste em certas perguntas, aqui está a resposta: sim, a América ainda precisa de Jack Bauer!

    Battlesta Galactica
    Que situação desgramada! Um monte de traidores à bordo, Adamão pra ser executado… Brilhante, brilhante. Claro, teve alguns furos, algumas situações inexplicadas, o episódio merecia uma maior duração… Mas que diabos, foi sensacional.

    Lost
    Os ilhados viraram Forrest Gump agora: testemunhas próximas de todos os acontecimentos. E de vez em quando, o fator surpresa vai caindo… Meia hora antes da revelação, todo mundo já sabia que aquele era o navio de Rousseal, não? Daqui a pouco vão ver o tsunami que levou o Black Pearl no meio da ilha…

    Mas tenho que dar o braço a torcer, Paulo: essa do Lock foi uma excelente pergunta! Tipo, sobre os sussuros eu já tinha cogitado, mas a idéia do Locke atual falar com os ilhados de temporadas atrás… Lembram-se quando ele acertava quando ia começar a chover? Ih, droga. Meu nariz começou a sangrar. Pois é Anderson… Apesar dos pesares, os roteiristas estão mandando muito bem

    E do que acompanhei e está na lista.. é isso. Até a próxima

  3. Mica

    Smallville:
    Finalmente Lana Lang se foi! Infelizmente foi de uma forma que eu não queria. Do jeito que ficou, ela nunca sairá de verdade do coração do Clark. Aff! Isso avacalha com minha alegria de ver logo Clark e Lois juntos.
    Mas mesmo assim chorei aos cântaros no final. Porque me deu raiva, mas foi triste ver a Lana absorvendo toda aquela kryptonita e escolhendo abdicar do amor pelo bem maior. Mas agora as palavras da loirinha no primeiro episódio fazem sentido. Mesmo assim não foi lá um grande episódio. Nenhum desses que a Lana participou foi. Na minha opinião ela não precisava ter voltado. Tinha sido tão mais impactante ela abdicando dos dois por vídeo no final da temporada passada…

    LOST:
    Esta temporada está muito boa. Queria comentar um monte de coisa, mas a verdade é que no momento tudo me foge :-(
    Digo apenas que gostei do aparecimento da Rousseau (uma graça de garota, toda delicada) e ainda mais do Jin estar vivo (a cara de susto dele ao ver quem era a francezinha…impagável).
    O Sawyer foi fantástico durante o episódio. Digo, o Sawyer é fantástico sempre. Não tenho vontade de vê-lo com a Juliet, mas se acontecer não vou morrer de raiva.
    Como será que resolverão os 3 anos de diferença que há entre a história da ilha e fora dela?

    Battlestar Galactica:
    Fantástico. Não tenho outra palavra para descrever o episódio. A Starbuck está melhor que nunca. Muito legal a dobradinha dela com o Lee. Aquela hora da granana…(isso foi nesse episódio ou no anterior? Vi os dois em seqüência!!!) Mas gostei muito dela na hora que o Sam é baleado também. E rever o Lampkin foi muito bom, especialmente com o conflito dele sobre o que fazer, mas no final o bom senso (e o bom coração) ganhando.
    É claro que me emocionei com a Roslin e com o Adama durante todo o trajeto, mas o que eu mais gostei no episódio foi do Tyrol (todas as cenas dele foram muito boas) e da cena final do Gaius com o Gaeta (esses dois tiveram algo em Caprica, não pode ser!). Mostrou a humanidade do Gaeta e a do próprio Baltar.
    Acho legal que o Gaeta se rebelou, pagou por isso, mas no fundo ele não era um cara mau (ou mesmo muito errado). Ele se viu numa sinuca: era aceitar os cylons ou se rebelar. Ele não podia aceitar os cylons, não depois do que eles o engambelaram a fazer em New Caprica. Ou ele dava um tiro na própria cabeça ou se revoltava e tentava livrar a frota das máquinas. Ele tinha motivos e foi o mais razoável possível dentro do motim. Mas Zarek também tinha sua própria agenda, e ao contrário de Gaeta, não era ingênuo. Uma rebelião só se consolida se tiver atos extremos. Sangue ia jorrar para manter Zarek e Gaeta no poder.
    Não vejo como covardia a atitude de Gaeta no final, muito pelo contrário. Ele sabia que não podia sacrificar a frota inteira e percebeu que aquele ainda não era o momento para se rebelarem contra a liderança de Adama/Roslin. Ou melhor, a rebelião tinha plantado a semente, mas os frutos ainda teriam que germinar e um dia seriam colhidos.
    Nossa, amo esta série. Estou assistindo com dor no coração sabendo que são os últimos episódios.

  4. Tati Leite

    Chuck: Thiago, não tenho noção se funcionaria o óculos 3D. Eu apenas queria um pq nunca assisti nada com 3D na vida. rsrsrs.

    Quanto a assistir a série. Eu gosto muito, principalmente a 2ª temporada que está melhor trabalhada. Só não vá esperando a melhor coisa do universo. É série para passar o tempo. (Isso é opinião de uma pessoa que numa contagem rápida com as amigas no final de semana chegou a conclusão que está acompanhando 21 séries).

    How I met your mother: ASSISTA!!! Foi muito legal.

    Lost: Eu também matei na hora que era o barco da Russeau. Essa coisa deles voltarem tem esse lado que nada vai ser tão surpreendente assim porque tudo pode acontecer. Eu já esperava que a Russeau fosse aparecer e até achei que usariam a atriz que fazia a filha dela. Acompanhar o povo da ilha tá muito mais divertido.

    BSG: Foi sensacional. O anterior, friamente falando, foi melhor mas esse não ficou atrás. Gente, o Gaeta morrer foi até um prêmio pra ele. Eu confesso que meu lado mau adorou. O meu problema é que detesto gente burra e incompetente. E no final das contas o Gaeta foi burro e incompetente. rsrsrs. O Zarek desde a rebelião eu já achava que ele deveria morrer. Quando o Lee impediu a Starbuck de dar um tiro nele eu pensei: Ele vai se arrepender. Não deu outra.

    A Kara ficar com o Anders ferido na minha opinião foi perfeito. Os 2 são mais parecidos nesse sentido. Lembrei quando ela caiu com a nave e ele queria porque queria resgatá-la e o Lee não deixava. Não que o Lee estivesse errado. Militarmente ele estava certo mesmo (pausa para um momento raro: eu defendendo o Lee hehehe). A Kara e o Anders ‘dão defeito’. São impulsivos. Nunca que ela deixaria ele ali pra morrer sozinho. Achei legal pq pensei que ela fosse mudar pq ele é um cylon. Estou gostando pq parece que aos poucos essa coisa de cylons x humanos vai tomando outra forma e as ‘fichas’ vão caindo e as pessoas percebendo o que o Helo já faz há séculos. Tudo tem seus 2 lados e enquanto ficarem nessa coisa ‘eu sou melhor que vc’ ou ‘a culpa é sua e vc tem que morrer’ nada vai dar certo. Tá lá Gaeta que não me deixa mentir. Morreu. rsrsrs.

    Adorei Adama e Tigh juntos. Nunca na vida pensei que fosse gostar do Tigh.

    O Chief (ao lado do Helo) continua sendo meu predileto EVER!

    24: Eu não acho que o mundo precise de um Jack Bauer. Agora acho que precisamos de um Jack Bauer para percebermos o que não devemos fazer no mundo. rsrsrsrs. E independente de qualquer explicação besta, estou adorando Tony e Jack de volta. Gosto dos 2 juntos. Pena que o Tony está um tanto Jack demais. O legal era justamente ele de contraponto do Jack.

    Bones: Eu me acabei com o Booth dando tchauzinho pro fantasminha e a Bones achando que era pra ela. E gostei da participação do Brenda Ferh dessa vez lá para ajudar o irmão. E também gostei da Bones menos fria. Quando ela dá na cara da mulher foi muito bom.

  5. Barbie

    Eu AMO a Thirteen! AMO AMO AMO AMO AMO!!! Adorei o disgnóstico de House também!!!

    Eu adoro CSI:Miami quando os episódios são da Calleigh. Quanto menos Horatio, melhor.

    Eu achei que Bones poderia ter sido beeeem melhor, e ao contrário de quem fez a crítica, o que eu achei mais legal do episódio foi mostrar como o Hodgins ainda estava assustado. Se a gente soubesse antes, provavelmente não teria tanto impacto.

    Nem sabia que Medium tinha começado. Baixando nesse minuto, já. E a Maria Lark é perfeita, já faz tempo que ela sempre é MPV aqui em casa.

  6. Guilherme Barranco

    The Big Bang Theory teve realmente um dos melhores episódios. Eu adorei a lata de dinheiro e as cobras. Morri de rir quando o Sheldon fala: Por isso que é guardado por cobras…

  7. Camila Oliveira

    Chuck foi hilário. Eu também queria um óculos 3D!

    House eu achei sensacional, principalmente o diagnóstico no final. Eu também amo a 13, me emocionei quando ela perdeu a visão.

    The Big Bang Theory é uma das séries mais sensacionais do momento. Nesse episódio não teve como não rir. Sheldon é o meu ídolo! Graças a ele já sei onde guardarei minhas economias.

  8. Vinicius Silva

    Eu adorei o epi de House, sério mesmo aiuhaiuhsius
    nao me importo com o povo que diz que a série não é mais mesma. Pra mim continua bacana!

  9. Andréa

    Eu não achava a Emily Procter ruim, mas depois do episódio da morte do Horacio eu fiquei decepcionada. Como ela é canastrona!!!!!!

  10. Eduardo

    A Long, Strange Trip foi pra mim o melhor episódio de ER desde Heal Thyself. Acho que o episódio capturou perfeitamente a essência do sistema de traumas de forma nostálgica.

    A escolha de roteirista não podia ter sido mais ideal: Joe Sachs é o tipo de pessoa que compreende muitíssimo bem como se define a importância do ER como unidade de tratamento. Se não fosse ele no roteiro, teria sido Lisa Zwerling.

    Confesso que eu já previa a volta de Mimi Leder como diretora já faz uns 2 anos. Quando ela dirigiu um dos últimos episódios de The West Wing, já sabia que ela tinha vaga garantida na reta final de ER. Agora só falta Rod Holcomb, Jonathan Kaplan e Felix Enriquez Alcalá para completar a reta final.

    Adorei Shannon Woodward, a atriz que interpretou a irmã da Sam. A história felizmente não seguiu o caminho clichê de criar um triângulo amoroso com Gates e preferiu concentrar na Sam em si, e seus dilemas pessoais envolvendo comprometimento e sua relação tumultuada com a mãe.

    Por fim, foi uma surpresa ver o bom e velho David Morganstern nos corredores do ER novamente. Foi no primeiro ano da série que eu conheci William H. Macy como ator. Parece que ele nunca deixou o personagem ou a série. Interessante ver ele interagindo com pessoas como Morris. Só não entendo como Frank lembraria dele já que ele entrou no hospital 2 anos após a saída de David.

  11. Daniel

    Lost mais uma vez um pé no saco. Baixei a toa.(2)

    E 24 sempre sensacional.

  12. João PT

    Discordo completamente do review acerca de Gossip Girl, gostei muito mais do primeiro ano do que o segundo.
    No segundo só 3/4 episódios é que me cativaram realmente. Este episódio teve aquela traminha boba de Chuck em descobrir os segredos do pai. E a estupidez de Serena ao precipitar-se daquela forma.
    Acho que a série precisa de mudar.

    LOST is Life!

  13. Ana

    House
    Por que tanto destaque p/ a 13? Acho que é a terceira vez que ela ‘quase’ morre nessa temporada – e isso porque estamos AINDA no episódio 14. E por falar nesse número, eu ODEIO 14. O Foreman já era chato sozinho… agora com ela, sério, piorou.
    Quanto ao caso… bizarro demais. E o House caindo? Nossa, dei MUITA risada.

    ER
    Foi um epi legal. Só achei meio esquisito os atores com aqueles cabelos e tudo o mais. Quanto a irmã da Sam… só espero que ela não entre em um triângulo amoroso com o Gates e a irmã.

    Gossip Girl
    Foi um episódio melhor. A cena em que as meninas descobrem que não podem usar celular na escola e depois a Hazel no banheiro, completamente descontrolada… foram ótimas. Prefiro muito mais o Chuck nessa trama do que todo aquele descompasso entre ele e a Blair.

  14. Giovanna

    House: Wilson parado no tempo. Será este o drama de final de temporada. E House sem revidar Cuddy! Um olhar mais profundo encontra alguns “eventos especiais” no episódio 100. por mais que David Shore tenha dito que eles não existiram.

    24: Renée é o Jack de saia FATO. É a grande novata da série, personagem que acrescentou muito aos ex-CTU. cada episódio que assisto parece curto, de tão bom que é. Passa muito rápido!

    Smallville: Oliver sem camisa *___* Lana FORA! Vo nem gastar meus dedinhos.

    Lost: Não gosto da Kate, do Jack tb não, gosto da Juliet e do Desmond. Mas tenho que admitir que quando a Kate fez referência a sua lealdade, eu gostei, e lembrei dela costurando o Jack nos primeiros epis.

  15. Tati Leite

    Thiago Sampaio: Eu até pensei em colocar o William H. Macy como MVP mas achei que era forçar uma barra. Eu achei que estava sendo influenciada pelo fato de achar ele ótimo ator até respirando. rsrsrs.

  16. Raruiz

    The Office, HIMYM e Chuck
    Baixando e comento depois.
    Mas adoro as três, logo acredito que vou gostar e já estou chorando por não ter oculos 3D.
    Então eu assisti um dos filmes dos Pequenos Espiões em 3D… Afe

    The Big Bang Theory
    Realmente este episódio foi um dos melhores da temporada.
    O Sheldon abrindo a lata com dinheiro é hilário…
    E explicando para Penny porque ela deveria pegar o dinheiro emprestado.
    A-D-O-R-E-I

  17. leoff

    “Daqui a pouco vão ver o tsunami que levou o Black Pearl no meio da ilha…”

    Quer dizer que o Jack Sparrow pode ser o Jacob? Faz sentido. Só acho difícil convencerem o Johnny Depp a fazer uma ponta. Esses roteiristas de LOST não sabem nada. :-P

  18. Lary

    [b]Chuck[/b]

    bom, assiti daqui dos EUA, e apesar de gostar do episodio pra aqueles que queriam ver em 3D o lado 3D decepcionou um pouquinho
    no site da pra assistir em 3D sim se tiver os oculos, porem os oculos nao sao as cores basicas de 3D, sao uns especiais (laranja e azul ao inves d vermelho) que eles distribuiram.. assisti o comercial numa tv grande hd com os oculos e nao deu pra ver muuuito 3D nao, no intervalo do superbowl.. e na segunda assisti numa TV normal 21 polegas, nao vi nada em 3D praticamente, a diferenca era quase nula e os malditos oculos de papel caindo…
    entao… pra quem ficou morrendo de vontade de ter os oculos, da pra se contentar sim so vendo o episodio normal =D que foi otimo apesar da decepcao em (nao) ver tudo 3D

  19. Eduardo

    Brannon Braga, o ex-produtor de Star Trek, vem fazendo bonito como roteirista em 24 Horas. Seu domínio de ação, caracterização e suspense mantém a série em altíssima qualidade em plena sétima temporada. Agora que fechou o enredo do CIP, quero ver o que vai rolar com o primeiro-cavalheiro.

    Já Lost, não há nada que se possa dizer que não tenha sido dito. A quinta temporada engatou a quinta marcha e não permite mais a entrada de espectadores novatos. O uso dos pulos temporais como uma ferramenta de narrativa de forma tão natural mostra o talento de produtores/autores como Carlton Cuse e Damon Lindelof, além da presença de roteiristas competentes como Liz Sarnoff e Brian K. Vaughan.

  20. alex

    eu particulamente achei o epi de sv fraco,salvando pela cena final,que foi emocionante,ja que eu sempre fui um fa do casal clana.

  21. Cat

    House: Wilson parado no tempo. Será este o drama de final de temporada. E House sem revidar Cuddy! Um olhar mais profundo encontra alguns “eventos especiais” no episódio 100. por mais que David Shore tenha dito que eles não existiram (2)

    Nossa, o tem afoi a infelicidade e o qto ela sempre cercou a vida dos personagens de house. Lembro q desde a 1ª temp. eles sempre dizem o qto house é infeliz e foi mto legal ver o outro foco dessa história.
    O q foi o Wilson sofrendo pela Amber..ainda!!! CUTE CUTE CUTE!!!!!!

    A mulher tava menstruando pelo corpo todo? How cool was that?(2)
    Esse foi um dos diagnósticos mais bizarros e interessantes de House!!!!!

    Adorei o episodio!!! mas convenhamos a 13 tá entalada, num desce, não tem jeito.

  22. Rafa Bauer

    Medium: gostei muito do episódio. O roteiro foi muito bom, como costuma acontecer na série, mas nada estupendo, como deveria ser uma premiere. O que me chamou a atenção é que o episódio foi muito bem dirigido e as cenas com as folhas de papel realmente foram poética e cumpriram bem a função narrativa.
    A história do cara com o ferro atravessado na cabeça que é contada no “Acredite se quiser” realmente aconteceu. Mas a parte em que falam de uma troca de corpo foi inventada. A explicação que é dada em estudos psiquiátricos e neurológicos é que uma grande massa encefálica dele foi perdida, justamente a parte da personalidade, por isso ela se transformou.

    Mas o episódio foi muito bom, mal posso esperar para ver o próximo.

  23. Rosana

    Battlesta Galactica
    Adorei o eps, o Gaeta morrer foi a cereja que faltava. Só fiquei com um pouco de dó do Narcho.

  24. Elô

    “…e fará com Pam uma viajem pra revê-la.”
    O certo é viagem…

  25. Juninho

    Também assim como todos fiquei louco pelo oculos 3D,Mas embora não tinha o oculos curti um otimo episodio,muito engraçado,inclusive uma das partes mais engraçada foi a competição na Buy More,a cena do desinfetante de Banheiro foi hilario.
    E Pra quem diz que a série é clichê,está perdendo uma otima série,com a unica pretenção Divertir,e muito.

  26. VIVIANE JOSINO DOS SANTOS

    FINALMENTE LANA SE FOIIIIIII!!
    DUAS TEMPORADAS ATRASADA MAIS SE FOI!!
    O EPISÓDIO FOI INCRIVÉL, MOSTROU TODA A
    GENEALIDADE DE LEX, QUE MOSTROU SER MAIS MADURO NA SUA DECISÃO DE SER VILÃO DO QUE O IMATURO E RIDICULAMENTE INGÊNUO KAL- EL.
    FELIZMENTE A COISAS QUE SE NÃO PODE PAGAR!
    A CARA DE BUNDA MAL LAVADA DO KAL, SEM PODER CHEGAR PERTO DA LANA! AFF! MARAVILHOSO!!
    AGORA VAMOS VER SE ELE SE TORNA FINALMENTE UM SUJEITO HOMEM, SE BEM COM AQUELE COLAN AZUL?
    MAIS EM FIM TENHA MAIS ATITUDE E MENOS MEDO DE TOMAR DECISÕES, PRIMCIPALMENTE AQUELAS QUE INTERFEREM NA SUA VIDA. QUE VENHA DOONDAY E QUE A
    SURRA LHE ACORDE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account