Log In

Spoilers

A Semana lá Fora: as finales de Dexter, Californication e Dupla Identidade e os convidados de Two and a Half Men

Pin it

Two and a Half Men

Está é a última coluna “A Semana Lá Fora” do ano. E já estamos em síndrome de abstinência por aqui, já que não teremos o que ver e e resenhar pelas próximas semanas…

Mas ainda há muita coisa interessante para comentarmos. Confira:
• as visitas de Emilio Estevez e James Earl Jones em Two and a Half Men
• o Natal de The Big Bang Theory
• o polêmico final de temporada Dexter
• uma Sarah Connor obcecada em Terminator: Sarah Connor Chronicles
• o irregular final de temporada de Californication
• a volta do hit “Let’s Go to the Mall” em How I Met Your Mother
• episódio de Natal em NCIS
• momentos em família em Criminal Minds
• um retorno em Prison Break
• a season finale do drama inglês Dupla Identidade.

Two and a Half Men: The Devil’s Lube (6×11)
Exibição: 15/12/2008
MVP: Charlie Sheen e Emilio Estevez

Emilio Estevez aparece e morre. Assim começa a participação do irmão do Charlie Sheen em Two and a Half Men. (Em tempo: para mim o Charlie Sheen sempre será o irmão do Emilio). Andy é um dos amigos mais antigos de Charlie e seu parceiro de farras por muito tempo, até que mudou para Nova York. Durante uma conversa na varanda, em que relembram os velhos tempos ao lado de Alan (impagável Charlie dizendo que Andy foi o irmão que ele nunca teve), Andy tem um ataque cardíaco e morre.

Charlie começa a achar que irá morrer. E passa a comprar presentes e se ‘despedir’ das pessoas que ama. No entanto, não inclui Alan entre essas pessoas, deixando o irmão furioso. Durante o velório do amigo, ele pede ao irmão que consiga alguém mais animado para falar durante a cerimônia. Alan, ironicamente, sugere James Earl Jones (a voz de Darth Vader e da CNN). Charlie acaba adormecendo e assiste seu próprio velório, com a presença de James, e acompanhado por Andy que lhe dá informações sobre a vida no inferno.

Fechando o episódio temos mais uma vez o aparecimento de Rose, a ex-vizinha e stalker de Charlie. Ele resolve pedí-la em casamento. No entanto, minutos antes seu médico telefona avisando que a saúde dele está ótima. E Rose perde mais uma vez a oportunidade de ter Charlie ao seu lado. (Tati Leite)

The Big Bang Theory: The Bath Item Gift Hypothesis (2×11)
Exibição: 15/12/2008
MVP: Jim Parsons

Esse foi o episódio especial de Natal de Big Bang Theory, ou como diria Sheldon, o festival pagão de Saturnália. E como Penny não sabia que os Nerds não o celebram, cometeu o terrível erro de comprar um presente para Sheldon, que entra em espiral paranóica sobre como comprar um presente que seja exatamente recíproco ao de Penny. O quê leva a cena mais hilária de todo o episódio e talvez até de toda temporada: Penny lhe dá um guardanapo assinado por Leonard Nimoy (Jornada nas Estrelas) e Sheldon fica tão feliz quando descobre que o ator limpou sua boa nele, e que portanto ele possui DNA para cloná-lo, que para retribuir de maneira completa, ele abraça Penny.

Mas a série é mesmo de Sheldon, porquê a trama paralela envolvendo Leonard, o físico bonitão e Penny foi bem chatinha. Nem o acidente de Leonard com a moto parada e a tentativa de fazer uma gag com a indiferença de todos a sua perna machucada funcionaram comigo. (Thais Afonso)

Dexter

Dexter: Do You Take Dexter Morgan? (3×12)
Exibição: 14/12/2008
MVP: Michael C. Hall

Não gostei muito não. Com o maior arco da temporada (leia-se o embate contra Miguel Prado) encerrando-se no episódio anterior, essa season finale soou muito vazia. Fora o sempre certeiro trabalho de interpretação de Michael C. Hall e suas tradicionais frases de efeito, não sobra praticamente nada. Nem os confrontos contra Ramon e Skinner que deveriam ser os momentos mais tensos, serviram pra alguma coisa, já que Dexter se livrou desses problemas rapidamente. A última cena foi o casamento do protagonista com Rita, o que, segundo a narração vai ajudá-lo a deixá-lo mais ‘humano’ (a tal ‘humanização’ que ajudou a destruir House, só pra constar). Então aqui me resigno a deixar alguns pitacos sobre como os principais problemas e algumas soluções para a série retomar a curva ascendente nas próximas temporadas:

Chega de flashbacks, visões, sonhos e o escambau envolvendo Harry, ok? Todo o estoque de pieguice que isso poderia proporcionar já foi usado. Não gosto de ficar revirando os olhos numa série potencialmente tão boa como essa.

– Em diversos lugares, é possível ler comentários positivos sobre o talento do elenco coadjuvante de Dexter. Mas não sobre as subtramas dadas à eles. Elas precisam ser mais integradas aos arcos principais da série, ou, no mínimo, mais interessantes. Eu NÃO ME IMPORTO se o Angel tem necessidades sexuais não supridas, ora bolas.

– Eu falei ali em cima da tal humanização de Dexter. Isso é simplesmente uma bomba relógio. O diferencial do personagem é justamente o fato dele não ser humano, não sentir o mesmo que outras pessoas e, conseqüentemente, não jogar pelas mesmas regras de convivência social (no máximo, ele se adapta à elas). Então colocar ele na posição de tirar de circulação o homem que estava assediando seus enteados é uma trapaça das mais baixas, pois a atitude que ele tomou gera identificação direta com telespectador (e o ‘tcham’ da série antes até era a identificação, mas através de comportamentos mais inesperados e específicos, não com uma simples defesa da ninhada).

– Temos mais duas temporadas garantidas (num universo ideal, deveriam ser as últimas duas temporadas, mas divago), o ideal seria usar esse fato e criar um grande arco que se utilizasse de todo esse período, ao invés de cada temporada ter começo-meio- fim, por pura precaução.

– Se parar pra pensar as tramas das três temporadas tem o mesmo foco: Dexter começa a confiar em alguém, o trata como seu igual e, eventualmente essa pessoa trai sua confiança. Essa mesma história já foi apresentado de maneiras levemente diferentes. A repetição dessa mesma fórmula desgastou enormemente o programa. Pensem fora da caixa, por favor.

Combinando essas idéias, dá pra fazer um revival bacana da série pra 2009. Só precisa de vontade. Se bem que a audiência de Do You Take Dexter Morgan? foi a melhor de toda a série, o que provavelmente forçará os roteiros cada vez mais na esteira da repetição das tramas e humanização (ugh) do protagonista. Oremos. (Juliano Cavalcante)

Texto publicado originalmente no Cavalca Blog.

Terminator: Sarah Connor Chronicles: Earthlings Welcome Here (2×13)
Exibição: 15/12/2008
MVP: Lena Headey

Depois de dois episódios como quase figurante, com pouco tempo de tela e nada de muito relevante para fazer, Sarah ganha um episódio centrado nela. Já que Cameron e Derek também tiveram os seus, acho que John será o próximo, o quê pode ser muito bom, ou muito ruim. Sua aparição aqui serviu apenas para que soubéssemos como Riley foi parar no passado (ela é do futuro) e como está sendo manipulada por Jesse para afastar John “dela” (parece ser Cameron, mas eu ainda acho que pode ser a própria Sarah). E em uma trama que deve focar John e Riley, a Summer Glau ainda rouba completamente a cena.

Sarah persegue sua obsessão com os três pontos e vai parar em uma daquelas convenções sobre OVNIs. Lá, ela encontra-se com um homem disfarçado de mulher que blogava sobre coisas suspeitas com as quais trabalhava em uma empresa mais suspeita ainda. E ao explorar essa pista, Sarah acaba se enfiando em uma grande enrrascada. É impressão minha ou ela está ficando insana? A outra Sarah, a de branco, me lembrou muito a maravilhosa Sarah de Linda Hamilton. Eu queria ver aquela Sarah na série o tempo todo! Então, eu estou meio que torcendo para que ela pire, e perca um pouco dessa serenidade atormentada.

Também reapareceram Catherine e Ellison. E Ellison começou a ensinar John Henry. E eu fiquei com a impressão de que já sei o porquê das máquinas terem se rebelado. (Thais Afonso)

NCIS

NCIS: Silent Night (6×11)
Exibição: 16/12/2008
MVP: Mark Harmon

Com participação de Peter Coyote (Brothers & Sisters, The 4400), NCIS teve seu episódio natalino. O time precisa resolver o assassinato de um casal cujo o principal suspeito é um militar que foi declarado morto há 17 anos e o legista que identificou e liberou o corpo foi Duck. Eles ainda contarão com a ajuda do detetive Kemp que é casado com uma ex-namorada de Dinozzo. E parece que a história dele com ela teve uma certa importância.

Ziva passa questiona Tony sobre se ele está arrependido por não ter casado e tido filhos. Abby tem dificuldades de decidir o presente de natal dos amigos. Principalmente do Gibbs. Num momento de desabafo com Duck ela diz:

Eu nunca sei o que comprar para ninguém, especialmente Gibbs! O que comprar para um cara que não tem nada e não quer nada?

No final temos Gibbs convencendo a personagem de Coyote – que era inocente – a visitar a filha. E revela o seu verdadeiro desejo de Natal: um abraço da sua filha. E ainda liga para o ‘papai Gibbs’. Porque até mesmo séries policiais têm momentos ‘oh que lindo’. (Tati Leite)

Criminal Minds: Normal (4×11)
Exibição: 17/12/2008
MVP: Mitch Pileggi

Esse episódio foi bem diferente do usual. Logo no começo vemos Norman, um homem pacato e obviamente subserviente a sua esposa. Ela corre, está atrasada para a própria festa. Ele sai em seguida. É provocado por uma mulher no trânsito. E atira nela. Nós sabemos exatamente quem a equipe está caçando o tempo todo e nós vemos todas as suas reações. Mas o episódio ainda consegue surpreender. A BAU procura Norman desesperadamente antes que ele possa machucar a própria família, mas ele, em seu surto psicótico, já a matou; continua, porém, a acreditar que a esposa e as filhas estão vivas. E nós acompanhamos seu delírio até a seqüência final, com uma eletrizante perseguição na rodovia.

Houveram coisas que me incomodaram. É irreal que o cara tenha matado três pessoas com uma espécie de espingarda em um subúrbio americano e ninguém tenha escutado um tiro, por exemplo. Ou a novata agente Todd agindo como uma amadora. Mas considero o episódio muito bom. E a última cena definitivamente foi maravilhosa. O quê dizer da visita de JJ com seu bebê, de todos da equipe reunidos, brincando e rindo, mesmo depois de um dia daqueles? Até Hotch sorriu. E essa é a parte que eu tenho mais apreciado nessa temporada: a equipe tem sido mostrada em momentos como esse, e tem sido retratada como uma família. E isso me tem feito gostar ainda mais de todos eles e da série. (Thais Afonso)

Californication

Californication: La Petite Mort (2×12)
Exibição: 14/12/2008
MVP: David Duchovny

Tenho que admitir, depois de uma temporada impecável, sinto que a finale de Californication (novamente) desapontou. Porque a sensação que tive foi que não houve uma historia contada pra essa finale, eles apenas precisavam tirar Karen de circulação por um tempo (será?), pra Hank e Karen não se tornarem um casal “teen” e, ao mesmo tempo, darem uma nova perspectiva na vida de Hank, que agora cuidará da sua filha adolescente.

A morte de Lew, assim como a morte de Miguel em Dexter, repercutiu pouco no episódio seguinte, e eu esperava mais, principalmente em Californication, já que eles eram amigos de verdade. Achei fraca a decisão dos roteiristas em não manterem Hank como o pai da criança, mas essa temporada ficou provada que não devo criticá-los, porque todos pensávamos que havia sido uma decisão errada terem juntado Hank com Karen na temporada anterior, e o desenvolvimento dos dois nessa temporada foi excelente.

E Charlie se apaixonou por uma atriz pornô e jogou (mais uma vez) pro alto seu casamento. Será interessante vê-lo novamente solteiro junto com Hank, sinto que teremos um pouco de dois solteirões e uma “aborrescente” na próxima temporada.

Agora, mesmo o episódio deixando a desejar, Californication teve uma temporada espetacular, merece todas as indicações a prêmios que vem recebendo e espero que a série de alguma forma seja reconhecida. (Paulo Fiaes)

How I Met Your Mother: Little Minnesota (4×11)
Exibição: 15/12/2008
MVP: Jason Segel e Cobie Smulders

Eu estava começando a perder as esperanças mas HIMYM parece está voltando a divertir. Ted recebe a notícia que sua irmã caçula vai mudar para NY e isso não o deixa nada feliz. Ele só consegue pensar no quanto sua irmã é irresponsável. E ainda precisa lidar com o medo dela se envolver com Barney que há anos tem vontade conhecer a caçula dos Mosby.

Marshall ao notar que Robin sente saudades de casa resolve levá-la ao bar que costuma freqüentar todas às vezes que sente saudades de Minnesota. Robin adora e eles passam a se divertir muito. No entanto, para que ela possa continuar a acompanhá-lo precisa fingir ser de Minnesota. E ela o faz muito bem despertando o ciúme do amigo. Num momento de raiva ele conta que ela é do Canadá. Robin então faz um discurso – divertidíssimo – do orgulho que ela tem do seu país.

Barney consegue provar a Ted que sua amizade vale mais que qualquer caso com a irmã dele, com a ajuda involuntária de Lily que não consegue manter segredos durante o período natalino. Porém, o melhor momento é quando Marshall apresenta a Robin um bar só de canadenses e se passando por um canta no karaokê “Let’s Go to the Mall”, sucesso dos tempos que Robin era uma estrela teen. Só isso valeu todo o episódio. (Tati Leite)

Prison Break

Prison Break: Going Under (4×15)
Exibição: 15/12/2008
MVP: Muse Watson

As reviravoltas continuam, mas essa não sei se vou gostar. Depois de todos assassinatos à sangue frio (incluindo aí vários familiares dos personagens), a série usará o “nem tudo é o que parece”? No fundo a companhia é meio que do bem? Mmm… O episódio deve ter agradado aos fãs mais hardcore, graças ao agrado do retorno de Muse Watson, reprisando o papel de Westmoreland numa alucinação de Michael, mas… Sei não.

A saúde de Michael foi conduzida à um ponto tal que apenas a nada a ver ajuda da Companhia em operá-lo poderia salvá-lo. E digo nada a ver pois o General tem centenas de agentes à disposição, e não acredito que Lincoln Burrows, mesmo com pais sendo ex-agentes, fosse a melhor opção pra recuperar Scylla. E ainda tendo que se unir à T-Bag, Gretchen e Don Self? Honestamente, nem sei dizer quem é o pior desse trio…

No mais, acho que nem preciso citar a incrível falta de química entre Scofield e Sarah. Por que diabos Michael não pensou “na mulher que ama” durante a cirurgia? E todos engoliram essa de tecnologia à frente de nosso tempo? Não faz mal; depois de uma sequência de excelentes episódios, esse deslize deixo passar tranquilo. E Sucre, que não tem mais nada a ver com a trama, terá seu final feliz? E Mahone, o melhor da série, ainda volta? Respostas, provavelmente, no último Prison Break do ano. (Thiago Sampaio)

Dupla Identidade (Spooks): episódio 7×08
Exibição: 8/12/2008
MVP: Gemma Jones

No episódio que encerra a temporada, o MI5 se vê frente a uma ameaça nuclear e Ros e sua equipe correm para evitar o pior, ao mesmo tempo em que se vêem na mira de assassinos a serviço do serviço secreto russo.

A equipe se vê obrigada a recorrer a Connie para obter informações. Ao saber dos planos de seus ex-patrões, ela pede para ser enviada para fora do país como parte do acordo. Para o horror de Harry e os demais, Connie revela que os russos pretendem detonar uma maleta com uma mini-bomba nuclear em Londres. O responsável pela detonação da bomba é um das centenas de agentes adormecidos que estão em solo britânico, apenas aguardando a ordem para agir.

Enquanto Ros, Lucas e Connie tentam despistar os russos, Harry vai ao encontro de Viktor, que comanda a equipe da FSB em Londres e logo descobre que nem eles sabiam dos planos de seus compatriotas. Uma trégua é firmada a fim de localizar a bomba – programada para explodir em frente ao Consulado dos EUA (em uma clara alusão à tensão causada no leste europeu pelos planos de implantação de um escudo antimísseis utilizando países da região, que tanto irritou o governo russo – essa ligação com os eventos atuais é que torna a série ainda mais interessante e realista).

Connie tem uma chance de redenção no final e a aproveita, desarmando o dispositivo nuclear, mas prefere colocar fim à própria vida a encarar o julgamento e a prisão pela morte de Ben e por sua traição ou, pior, ser entregue aos russos. É uma pena perder uma personagem tão interessante, cuja interação com Harry me fazia lembrar dos bons tempos quando Ruth ainda estava na Thames House.

Apesar de a ameaça ter sido contida, a trégua é rapidamente quebrada: a última cena o mostra Harry amarrado e amordaçado, a caminho da Rússia… espero que não seja a última vez que o vimos. Ainda não está confirmada uma 8ª temporada mas, caso a série retorne, será uma longa espera até outubro do ano que vem. (Patrícia Emy)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

29 Comments

  1. Leandro

    Thiago , será que esse espisódio de hoje de Prison Break é um series finale? por que não foi confirmado que ela volta ano que vem.

  2. Mica

    Aff, preciso assistir urgentemente Spooks para poder comentar. O mesmo digo de NCIS.

    E até agora só ouvi comentários negativos desse episódio de TSCC. Juro que não entendo. Eu achei muito bom. Esses últimos três episódios tem sido mais dramáticos, se preocupando em construir uma linha que só vai ser explicada mais a frente. Mas eu tenho a sensação de que as pessoas não se dão conta disso.
    Seja como for, me irritei com a atitude da Riley. Quero dizer, ela foi de (provavelmente imagem falsa)garota divertida e descompromissada, que dava leveza ao John e possibilidade dele escapar da sua realidade insana, para garota neurótica, pessimista, auto-destrutiva muito rápido. Quero dizer, eu entendo a pressão que ela tinha nos ombros e o conhecimento de que tudo iria acabar logo logo devia deixa-la meio louca, mas exatamente quando ouve essa sobrecarga dentro dela? Não vi um motivo específico para isso.
    E a Jesse também, tem a sutileza de um elefante. Senhor! Merecia morrer essa daí. Eu deixei de gostar da Riley no momento que ela começou a ficar chatinha como o próprio John, mas fico aqui me perguntando o que a levou a tentar se matar.
    (droga! Não gosto de comentar TSCC aqui, pq depois fico repetitiva nos meus reviews, heheheh)
    Mas é como eu disse. O episódio foi legal, mas o melhor mesmo foi o trailer do próximo (só em fevereiro, infelizmente). Estou tão ansiosa que vcs não conseguem nem imaginar.

  3. Leandro

    Pow brincadeira de vocês….eu fazendo tudo pra fugir dos spoilers do final de temporada de Dexter, antes de assisti-lo e acabo vendo um dos mais sinistros spoilers na review de Californication.

    Essa foi feia

  4. Nuno Lopes

    Concordo exactamnete com o Leandro, ainda não vi o finale de Dexter, e estou a ler o review ao finale de Californication e vejo um spoiler gigantesco.

    Essa foi terrivel…

  5. luiza

    Alguém sabe me dizer se Spooks vai passar por aqui,no people and arts ?ou sem previsão?

  6. Paulo Fiaes

    Leandro,

    eu escrevi californication, e como assim teve spoiler de Dexter? a morte de Miguel se deu no episódio anterior a este, que também foi escrito na coluna da semana passada. sério, me desculpe caso tenha entregue algum spoiler, mas até onde sei, a morte de Miguel é passado, realmente não vi como spoiler.

  7. Thiago

    Paulo, meio que entendi o que Leandro quis dizer…

    Tipo, vai que ele prefere não baixar Dexter, e esperar passar na TV. Ou, que seja, vai que ele está atrasado com os epis de Dexter. Como ele está em dia com Californication, foi ler o texto. E… descobriu o que não queria com Dexter =T

  8. Mauro

    Olha, mesmo com um final bem decepicionante de Californication, ainda acho que foi a melhor série da temporda!

  9. Mica

    Exatamente, Thiago. Eu também. Embora tenha baixado Dexter, deixei para assistir tudo em janeiro (e agora já sei do que não queria, mas…acontece).
    E, embora se trate de uma coluna de spoilers, a gente lê spoilers da série que quer, certo?

  10. Celso

    NCIS eu vou ver hoje ainda então nem lí o texto.

    Sobre o TSCC achei o episódio mais fraco de todos. Nada a ver ir atrás de ET´s. Se for cancelada não me surpreenderá. De novo a Sarah fica com dó e se ferra. Neste caso tem de ser como a Cameron e mandar bala caraca.

    Não falaram sobre Heroes mas convenhamos, a série está uma droga. Lamentável como as coisas estão totalmente sem nexo e as histórias piores que os mutantes da Record (tiveram que se esforçar muito).

  11. CRISTINA

    Democraticamente discordo do que foi dito acima sobre a série Dexter.
    Adorei a temporada1
    Adorei o final, em especial a cena do Dexter deitado na mesa provocando o Skinner.
    Adoro o fato de que cada temporada, de certa forma, tenha começo, meio e fim.
    Em fim, amo essa série!!!
    E que venha a próxima!!!

  12. Celso

    Esqueci de comentar sobre o Dexter. Apesar de achar que o encontro com o Zé da Faca foi muito rápido, achei que não precisaria alongar demais, talvez se tivesse acontecido no começo do episódio, quem sabe não seria perfeito.

    Achei a Debra querendo saber o passado do pai meio forçado. O quê ela ganha com isso? Nadica de nada.

    A briga da Debra com a LaGuerta foi totalmente esquecida e elas são as melhores colegas. Talvez a sapatice da LaGuerta seja o motivo e ela queira um fight com a Debra.

    Acho que o Dexter devia pedir tranferência para o CSI Miami, pois a delegacia do Dexter é pior que a do Brasil, tudo tosco.

  13. Mica

    A Sarah não estava atrás de ETs…ela estava atrás dos 3 pontos, que coincidentemente aparecem em histórias de ETs, o que é bem oportuno, visto a tecnologia avançada que é usada para a construção das IA. E o cara lá falando do super metal encaixou direitinho com o material que dará vida aos exterminadores. Ou seja, a única ligação com os ETs (e por isso ela foi atrás), são os experimentos militares. A Sarah não é boba, e viu que onde há fumaça com certeza há fogo.
    E eu acho sim que a nave que surge no final é muito, muito parecida com as naves do futuro que fazem patrulha. (nós conhecemos apenas as mais acabadinhas nos campos de concentração e afins, mas com certeza a tecnologia das máquinas é muito superior às naves mostradas no primeiro filme e mesmo na série até agora).

  14. Paulo Fiaes

    me desculpem então por ter cometido essa falha e entregue spoiler sobre dexter, realmente, não havia pensado como Thiago e Mica falaram. prometo me policiar nos proximos textos.

  15. Thais Afonso

    É exatamente isso que a Mica falou, não tem nada a ver com ETs. As pessoas viram máquinas que ou vem do futuro, ou são algumas das tecnologias que reinarão no futuro construídas no presente, como protótipos e interpretaram como sendo algo de outro mundo. A Sarah estava procurando por uma ligação entre os três pontos e a Skynet e aparentmente ela encontrou.

  16. Patricia E.

    Achei o finale de Dexter morno. Bom, a temporada como um todo foi morna, então não destoou tanto do resto.

    Não me importo com temporadas com uma trama fechada, até prefiro assim, só acho que precisam mudar algumas coisas pra não ficar com aquela sensação de “variações do mesmo tema” e também concordo com vários pontos que o colunista expôs, especialmente em relação às tramas paralelas.

    Luiza, há tempos que não acompanho Spooks (Dupla Identidade) pelo People&Arts então não sei nem em que temporada eles estão atualmente ou se há previsão de exibirem a 7ª. Uma pena, pois essa série merecia uma divulgação melhor.

  17. francisco koller

    Uma pergunta de leigo. Aonde vocês assistem aos episódios inéditos destes seriados, se ainda não passaram na tv a cabo(net)que assisto?
    Abraços e feliz natal.

  18. Lucas "Gandalf" Leal

    Thais eu adorei a trama de Penny e Leonard nesse episódio…como tenho gostado já faz algum tempo
    acho q eles evoluiram mto nesse aspecto

    Juliano
    discordo totalmente, eu sou um dos q adorou essa temporada de Dexter, não achei o finale impactante, mas ainda assim a temporada como um todo foi ótima…PRINCIPALMENTE pelo grilo falante de Dexter, Harry, q magnifica foi essa cena final com Dexter chorando, mas vendo sua personificação de Harry chorando…
    da falta de trama pros coadjuvantes eu até concordo…tirando a Laguerta e a Debra o resto do elenco (o Masuka por exemplo) sempre fica BEM de lado…mas não acho q isso deixe a série ruim…poderia ser um plus…mas penso pelo geral e pela audiencia teria um efeito contrário acho q se der espaço pros outros personagens da 5 min de episódio e já vem o mundo reclamar q o Dexter tem aparecido pouco e bla bla bla e se colocam eles conexos a trama principal vão reclamar das coincidencias e bla bla bla
    e discordo totalmente da suposta ‘humanização’…humanização é se ele deixasse de matar alguém ou tivesse se tornando humano, ele ter sentimentos por pessoas especificas não faz dele mais ou menos psicopata, enquanto ele matar a série funcionara perfeitamente, bomba relogio é se em algum momento ele cogitar deixar de matar por conta da familia e amigos…ele fez exatamente o inverso, matou por conta da familia..q pai de familia NORMAL faria isso? honestamente eu chamaria a policia naquele caso ali (pedofilia)…ele não, foi e matou o cara!acho q ele está criando sentimentos por certas pessoas apenas…mas não acho q isso faz dele humano, enquanto ele tiver um lado negro não vejo problema algum com a série, pelo contrário ele gostar de certas pessoas é MTO mais realista, por sinal familia soprano tinha mto disso…o Tony era um psicopata mas amava a familia acima de tudo (nem vejo a série mas já vi mtos comentando sobre)…
    e eu até pensei q poderia acontecer dele ficar em duvida de matar com o Miguel, por ele ser padrinho e etc…mas eles amarraram bem fazendo o sangue da camisa ser falso, o q ruiu toda amizade e confiaça dos dois culminando na morte do Prado, e isso sim me incomoda mto mais pois criou uma formula, como vc bem falou, de q sempre q alguem descobrir quem ele é vai pra vala…e isso é sempre um passo atrás…ou seja o personagem evolui no aspecto pessoal dando passo q uma hora ele vai encontrar alguém…o q eu esperava q fosse agora, q ele não matasse Miguel pq eles eram amigos (não pq ele ia ser padrinho e etc) mas isso não ocorreu pq eles de fato não eram amigos e Dex tava sendo usado!mas acho q a série abriu caminho pra mudança de formula…acho q foi um teste pra ver como isso seria recebido pela audiencia…
    e acho vcs (q criticam) contraditorios…numa mão vcs criticam a repetição da formula, mas o pouco q a série inova (evolução da trama social do personagem) vcs criticam e dizem q devia continuar como estava…se vcs criticassem q devia mudar de outro jeito sem ser ele casar e ter filhos e criar amizade ok…mas vcs criticam q dizem q devia continuar igual…ai não entendo
    pq então me pergunto COMO alguém pode se conectar com Dexter e descobrir quem ele sem o personagem evoluir??? como pode se fazer isso sem ir pra vala quem descobriu? honestamente na minha visão a mudança da trama da série passa necessariamente por uma mudança de personalidade do Dexter…então nem entendo essas criticas q são repetidas as 4 ventos…numa mão falam q a série mudou e isso estragou a série…na outra falam q a série manteve a formula e isso estragou a série…não entendo mesmo!
    e bom quarta temporada mtas pontas soltas vamos ver como eles vão tratar essa questão do filho, da Debra e do Anton, do passado do Harry e etc

    Californication me pareceu aqueles episódios de despedida mesmo…Mia deve sair por um tempo…idem a Marcy, idem a Karen…ou seja o elenco feminino deve sumir (idem a Sonjia tb já q o filho não é do Hank) com a morte do Lew será q o Hank vai se envolver com a loiraça lá? seria interessante…mas gostei da temporada e achei o finale mediano…não foi OH, mas não foi ruim…achei q eles iam mostrar o enterro do Lew e a série podia ser brilhante como a finale de Skins com um ar de dragicomico ou podia cair no drama e errar feio…acho q a decisão foi legal…Lew se despedindo de Hank apos o fim do livro…a estátua dele lá (ri mto quando o Hank abaixou e deu pra ver o pau da estátua por baixo da saia uhahuauha)
    enfim foi um bom episódio

    Pb foi aquele famoso eposódio de meio…depois do apice dos ultimos episódios esse foi mais de dialogo e menos ação…a série desliza quando faz isso, mas não achei q o episódio foi ruim não…)tão pouco foi bom…mas enfim) espero q esse final de temporada vá bem e a série termine de forma digna depois de duas temporadas mais fracas a quarta vem mto bem

    Terminator foi legal, mas essa doideira dos 3 pontos me cansa um pouco…prefiro a trama Rilley-John-Cameron, q apesar de série teen tem fluido mto bem
    ps viajei ou mudaram a atriz q faz a riley?

  19. Matheus Lins

    No fim das contas, a maioria dos subplots introduzidos nesta temporada foram completamente irrelevantes para o seu desfecho, dando-me a impressão de existirem apenas para ocuparem espaço (Quinn/Deb/Japa, os casos amorosos do Batista e Masuka etc).

    Também não gostei da resolução rápida que a situação do Skinner teve. Para alguém tão temido dito perigoso, sua morte foi bem abrupta e simples e fácil. Esperava um embate mais tenso e intenso.

  20. Patricia E.

    Fernando, uma boa notícia: Spooks terá pelo menos mais uma temporada, com o início das filmagens previstos para março, de acordo com press release divulgado no site da BBC, reproduzido também em um artigo no site Digital Spy (ambos publicados em 4 de dezembro).

  21. francisco koller

    Alô terra, tem alguém aí ou estão no planeta dos macacos? A gentileza e a educação te abandonaram ou foram roubadas pelo governo federal assim como as verbas da educação, merenda escolar e dos nossos salários? Os terráqueos devem ser muito ocupados para responderem à minha pergunta essencialmente simples ou estão hipnotizados assistindo a “Favorita”. Esperarei ao capítulo 171 desta história.

  22. Fernando dos Santos

    Patrícia E.,

    Obrigado pela informação.Espero que a série ainda se mantenha no ar por muitos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account