Log In

Spoilers

A Semana Lá Fora: as estreias de The Middle, Stargate Universe e Cleveland Show e os retornos de Californication, Lie to Me e Brothers and Sisters

Pin it

Brothers and Sisters - The Road Ahead

A Semana lá Fora está de volta, cobrindo algumas das atrações da TV americana entre os dia 27 de outubro e 4 de novembro. Além das colunas especiais para Dexter (leia aqui) e Desperate Housewives (leia aqui), tivemos várias séries novas retornando e outras chegando e outras ainda se consolidando.

Das estreias, destacamos as chegadas de The Middle, The Cleveland Show e do esperado spin-off Stargate Universe. Temos ainda as novas temporadas de Brothers and Sisters, Lie to Me, Californication e Cold Case.

Completando a coluna, resenhas de FlashForward, The Forgotten (pela primeira vez no site), Melrose Place (com a volta da Jane Mancini), Cougar Town, The Good Wife, Gossip Girl, Eastwick, House e Smallville (com o supervilão Metallo). Confira e deixe seu comentário.

Brothers and Sisters: The Road Ahead (4×01)
Exibição: 27/9/2009
MVP: Patricia Wettig, Sally Field e Calista Flockhart

Brothers and Sisters normalmente acerta em suas premieres, curiosamente esse só não foi o caso com o episódio piloto da série, mas aqui, no primeiro episódio dessa quarta temporada, eles conseguiram unir o que fazem de melhor em um único episódio.

Série focada em drama familiar necessita sempre passar pelo lado cômico e dramático que as brigas possuem, e aqui não foi diferente, levando o noivado de Justin e Rebecca para um nível absurdamente pessoal, Norah e Holly começam uma disputa que a principio segue o rumo descontraído e cômico, porém com o passar do tempo as coisas se complicam, principalmente para o casal.

Kitty e Robert estão lutando para manter o casamento, e cada um culpa o outro pelo fracasso, porém o mais interessante disso tudo, apesar de clichê, é a notícia da doença de Kitty, pelo final do episódio tudo indica câncer, porém não sei até que ponto eles vão levar essa história, visto que ela acabou de adotar um filho e ainda luta para manter o casamento estável, talvez envolver mais uma história para ela, seja muita coisa.

E por falar em muita história, tivemos o contrário com Sarah que apareceu em pouquíssimas cenas, porém extremamente engraçadas, mas tudo indica que sua falta de participação no episódio se deve à gravidez de sua intérprete, Rachel Griffiths. Por fim, vimos Kevin e Scotty levando sua relação para um nível mais sério com a questão dos bebês, que nesse caso resolveram optar por inseminação artificial ao contrário da opção mais utilizada: adoção, claro que nada ainda foi resolvido, mas foi hilário ver Scotty sugerindo que Norah iria se dispor a ser a barriga de aluguel.

Levando tudo em consideração, foi um ótimo começo, mesmo repetindo muito do que a série já fez, mas retratar um ambiente familiar é assim mesmo, nada é novo. (Lucas Bonini)

The Good Wife - Stripped

The Good Wife: Stripped (1×02)
Data de Exibição: 29/9/2009
MVP: Julianna Marguilies

Não consigo imaginar outra pessoa senão Julianna Marguilies para este papel. Ela traz uma característica indispensável para viver essa esposa: a serenidade e é essa serenidade que me tira do sério às vezes, afinal, ser indicada pelo marido para defender uma stripper sendo que há vários vídeos na Internet dele com strippers é de despertar em qualquer um o instinto assassino; e, no entanto, lá está ela, uma esposa ferida, mas decidida a continuar a vida.

A minha única reclamação quanto a este segundo episódio é que novamente ela foi à prisão e Peter tinha informações sobre o caso que ela defenderia. Não gostaria que isso fosse recorrente até porque eventualmente a série caminhará para um desfecho do caso dele e do casamento dos dois e ao final disso como ela ganhará seus casos na justiça? Enfim, Alicia não ganhou nos tribunais nesse segundo episódio, mas os roteiristas deram um jeito do réu ir pra cadeia, o que foi muito interessante, seria estranho se ela ganhasse sempre. (Lara Lima)

House: Epic Fail (6×01)
Exibição: 28/9/2009
MVP: Hugh Laurie

Quando o episódio começou primeiro tomei um susto, parei e fui olhar no menu se estava certo. Estava. E as cenas do jogo eram tão reais que eu também faria como Thirteen e Taub e acabaria experimentando o jogo se visitasse o escritório de Vince, o paciente da semana.

O detalhe é que House ainda não voltou ao hospital, ou melhor, voltou e se demitiu. Tentou novas coisas e acabou na cozinha com Wilson – o que gerou as melhores cenas do episódio – e se descobriu um exímio cozinheiro.

Enquanto tudo enlouquecia no hospital com Foreman tendo de provar que é capaz de liderar a equipe enquanto trata alguém que não teme em buscar suas respostas no Dr. Google – ótimo personagem, diga-se – algumas vezes eu até tinha dúvidas de que House não estava de provocação. Mas, ao longo do episódio, percebemos a mudança anunciada no primeiro episódio da temporada de forma mais consistente.

Excelente episódio, que mostra o potencial da temporada: como o hospital se adaptará ao novo House? Como será quando ele voltar a conviver com os pacientes? O melhor de tudo é isso: a curiosidade que te faz ansioso pelo próximo episódio. (Simone Miletic)

Californication - Wish You Were Here

Californication: Wish You Were Here (3×01)
Exibição: 27/9/2009
MVP: David Duchovny e Jason Beghe

Acho que o retorno de nenhuma série despertou tanta ansiedade em mim quanto o de Californication. E o motivo não foi nenhum gancho bombástico ou mudança drástica. O motivo foi o elenco convidado escalado para fazer parte desse terceiro ano. Os nomes Kathleen Turner, Peter Gallagher (quase comecei a cantar “Califórnia” quando ele apareceu), Embeth Davidtz (que na minha opinião tinha o personagem mais subestimado de Em Terapia) e Diane Farr me chamaram a atenção imediatamente. Eu esperei roendo as unhas. E quando bati o olho nos primeiros trinta minutos dessa temporada, fiquei totalmente feliz!

O quarteto nem se destacou assim, Duchovny continua a ser o astro absoluto e Jason Beghe como o professor alcoólatra chamou mais atenção que todo o resto. Mas o que me deixou mais feliz foi que Californication continua a ser uma série divertida, despojada e descolada, Moody continua hilário e os que chegaram agora parecem se encaixar bem a nova premissa. Farr, Gallagher e Davidtz estabelecem uma dinâmica interessante como o grupo de acadêmicos engomadinhos que cercará Hank. É algo diferente da boemia de Ashby e Mia, mas acho que cedo ou tarde eles se mostrarão tão incorretos quanto a dupla da temporada passada. E Turner já rende várias risadas, apesar do personagem um tanto batido. Acho que se o roteiro continuar nesse nível, ou melhor, Californication tem tudo para ser uma das melhores comédias do ano. (Thais Afonso)

The Middle - Piloto

The Middle: Piloto (1×01)
Exibição: 30/9/2009
MVP: n/a

Todo mundo sabe que em todas as famílias sempre existe um louco. Se você não conseguir reconhecer algum na sua, então o louco é você. Agora, quando há um bando de loucos na mesma família, aí você tem uma bela série de TV. É o caso de The Middle, comédia que estreou essa semana na ABC dos Estados Unidos.

O episódio piloto é cheio de cenas curtas, ágeis e bem fechadas. Ele se propõe a apresentar os personagens de maneira didática, uma família que mora em Indiana, no meio da América, na cidade de Orson, no meio do nada. Mas o ‘meio’ do título vai além disso.

Frankie, interpretada por Patricia Heaton, é uma vendedora de carros no meio de uma vida diferente da que imaginou quando jovem. Casada com Mike, uma espécie de Hommer Simpson, ela tem três filhos: Axl, um’boa vida’; Sue, uma adolescente que nunca consegue fazer nada direito e Brick, o estranho filho mais novo cujo melhor amigo é uma mochila.

O humor sarcástico da série e o lado trambiqueiro de Frankie a ajudam a rir das desgraças e contratempos da vida cotidiana de uma família desajustada e cheia de problemas, mas que dão à protagonista a certeza de que ela não trocaria isso por nada. The Middle é uma comédia para americano ver. E para o resto do mundo rir junto. (Rafael Maia)

Cougar Town: Into the Great Wide Open (1×02)
Data de Exibição: 30/9/2009
MVP: n/a

Acho que o problema de Cougar Town é que fica complicado acreditar no desespero da protagonista quando esta é ninguém menos que Courteney Cox. A eterna Friends (desculpem, mas quando rotulam a atriz é difícil fugir disso) não é o tipo de mulher que chega aos 40 e, ao perceber que não tem mais a flexibilidade e a energia dos 20 anos se vê diante de duas saídas: ou se torna ridícula dando em cima de garotos com idade pra ser seu filho ou se entrega a depressão.

Jules ao que parece não perdeu as esperanças e tenta reviver os tempos de mocinha, sai com a amiga para bares e até arruma encontros. Mas tô pra te dizer que não é engraçado ela ficar durante vários encontros com um cara na cama apenas dormindo. Enfim, o que quero dizer é que adoro Courteney Cox e valeu a tentativa de humor, mas não deu. Embora eu esteja curiosa pra ver ela e Josh Hopkins “se pegando”. (Lara Lima)

The Cleveland Show - Piloto

The Cleveland Show: Piloto (1×01)
Exibição: 27/9/2009
MVP: n/a

Welcome, chocolate people! Pois é Seth MacFarlane conseguiu. Tudo. Foi indicado ao Emmy, conseguiu criar personagens que superaram em várias áreas a influência pop que parecia imbatível de Os Simpsons e, a cada temporada, vai ampliando o alcance de sua influência pela grade de programação da Fox e por Hollywood. E ele conseguiu de novo. The Cleveland Show teve sua estreia adiada em um ano, nem foi ao ar e já tinha uma segunda temporada garantida, vazou na Internet e justamente por isto, ou apesar disto, estreou com índices de audiência surpreendentes.

Eu já imaginava que o piloto fosse mais ou menos como foi: mostrando Cleveland e Cleveland Jr. encontrando um novo núcleo familiar, formado por personagens excêntricos e coadjuvantes mais excêntricos ainda.

Mas eu realmente esperava que, como em American Dad, MacFarlane tentasse se descolar do formato de Uma Família da Pesada. Infelizmente não acontece e a estrutura dos dois show acaba sendo exatamente a mesma, com o mesmo tipo humor – a diferença é que no lugar do Stewie temos um desbocado garoto, mais igualmente divertido, chamado Rallo. A grande diferença é que, diferente de Peter Griffin ou Stan Smith, que são dois imbecis egocêntricos, Cleveland tem outra índole – é apenas imbecil.

The Cleveland Show tem tudo pra dar errado mas, naturalmente, parece que tudo vai dar certo. Como tudo na vida do Seth MacFarlane. (Paulo Serpa Antunes)

Gossip Girl - The Lost Boy

Gossip Girl: The Lost Boy (3×03)
Exibição: 28/9/2009
MVP: Leighton Meester

O terceiro episódio confirma o que já estava sendo sinalizado desde o início desta temporada de Gossip Girl: as tramas estão ficando mais maduras. The Lost Boy traz uma Serena mais decidida e sem grandes crises existenciais, um Chuck mais ‘homem’ do que ‘garoto’ e uma Georgina que faz o que sabe fazer de melhor: enganar todo mundo, de Blair ao espectador do outro lado da TV.

O grande segredo do episódio, no entanto, deve perdurar por mais algumas semanas. Tudo porque uma visita inesperada a Scott, o filho de Lily e Rufus, faz com que o menino perca a coragem de contar a Rufus toda a verdade. Essa questão, aliás, deve ganhar mais atenção daqui para frente já que a nada politicamente correta Georgina ouviu o tal segredo quando Scott conversava com Vanessa.

Agora, o grande lance do episódio é perceber como Blair Waldorf se mostra cada vez mais como a protagonista da série, que carrega as cenas mais interessantes, mais tocantes e mais engraçadas.E grande parte disso se deve ao casal muitíssimo bem entrosado e lindo, convenhamos, que ela forma com Chuck. Eu ousaria até afirmar que os dois têm tudo para se tornar um dos clássicos casais de séries de TV de todos os tempos. (Rafael Maia)

Melrose Place - Vine

Melrose Place: Vine (1×04)
Exibição: 29/9/2009
MVP: Josie Bissett, Katie Cassidy e Stephanie Chaves-Jacobsen

Jane Mancini está de volta. E parece que chegou para infernizar a vida dos moradores do condomínio. E para aqueles que ainda guardam na memória a imagem da doce Jane da 1ª versão devem lembrar que com o passar do tempo ela mostrou que ela podia ser bem maquiavélica. A primeira esposa de Michael Mancini trará sérios problemas para Ella, pelo menos foi isso que o final do episódio deixou em aberto.

Kelly Carlson, de Nip/Tuck, também aparece no episódio para ‘salvar’ Lauren de ser presa. Claro que está na cara que ela na verdade vai agenciar a moça. E não duvido que a situação em que Lauren se envolveu no hotel não tenha sido criada por Wendi.

Não querendo bater na mesma tecla mas já batendo, não vejo a hora da Violet sumir da série – não é spoiler, é só um desejo meu – não muito pela personagem. Acontece que a atriz não está conseguindo segurar o papel e quando o seriado é muito bom, um ator pode acabar com a história, imagina quando o seriado está longe de ser maravilhoso. (Tati Leite)

Eastwick: Reaping and Sewing (1×02)
Exibição: 30/09/2009
MVP: Jaime Ray Newman

Quem gosta de seriados água com açúcar tem em Eastwick um prato cheio. O segundo episódio foi um pouquinho superior ao primeiro. Após a apresentação natural dos personagens, algumas tramas começam a serem traçadas, mas nada de muito complexo, até porque nem combinaria com a série.

Das três principais personagens, sem dúvidas a que tem se saído melhor é Jaime Ray Newman, que interpreta Kat, a ruivinha com poderes ligados à natureza. Talvez essa constatação seja um tanto quanto óbvia tendo em vista que, até o momento, a personagem dela é que menos tem destaque na história.

Durante o episódio, em determinados momentos ficamos loucos para por um pouco de pimenta na história e ver tramas menos previsíveis e mais interessantes. Mas aos poucos acabamos constatando que a previsibilidade às vezes não é uma coisa ruim. Eastwick pode não tratar de um tema surpreendente, mas consegue ser bem feita e cativar o telespectador lá pela metade do episódio.

Uma pergunta extremamente precoce fica na mente: após desvendado todo o (fraco) mistério da temporada, conseguirão os roteiristas terem mais pano pra manga para garantir a sobrevivência da série? Se a qualidade da série for aumentando gradativamente, como se espera, serei um dos torcedores do sucesso do programa. (Ivan Guevara)

Stargate Universe - Air

Stargate Universe: Air – Partes 1 e 2 (1×01 e 1×03)
Exibição: 2/10/2009
MVP: Robert Carlyle

É sempre difícil começar a assistir uma nova série quando se é completamente fã da série original. Você tenta ser imparcial, mas no fundo nunca sabe se conseguiu ou não. Stargate Universe é completamente diferente do que Stargate SG-1 nos apresentou até agora e ao mesmo tempo é uma volta ao lar. Ao introduzir Eli, um rapaz relativamente comum e que nunca tinha ouvido falar no programa Stargate, o episódio explicou para ele e para o novo fã do que se trata esse negócio de portais, Ancients e afins. E para os fãs de longa data, Air nos trouxe de volta o General O’Neill, a Coronel Carter e Daniel Jackson. Foram pequenas cenas, mas imprescindíveis para fazer a ligação entre as séries.

E SGU aparenta ser mais madura que as anteriores, com um clima mais dark e uma falta de companheirismo que tínhamos como garantido em SG-1 e Atlantis. Mesmo assim, eu simpatizei de cara com o Dr. Rush e o Tenente Scott e mesmo Eli (de personalidades opostas, mas que se completavam muito bem durante a crise) e aos poucos fui criando um certo carinho pelo restante da ‘tripulação’ também.

A premissa da série todo mundo já sabe: portal com nove símbolos foi encontrado e num ataque repentino a única solução foi discarem-no e entrar sem saberem o que esperar do outro lado. Agora a tripulação está presa em uma nave moribunda a galáxias de distância (fazendo Pégasus parecer logo ali), sem terem a menor idéia de como voltar para a Terra ou mesmo se irão sobreviver. E por incrível que pareça, eu, que não dava nada pela série e só conferi por amar SG-1 e Atlantis, fiquei completamente rendida. Vamos ver como a série lidará com as histórias daqui para a frente, mas a julgar pela premiere, material SGU tem, com certeza. (Mica)

Smallville - Metallo

Smallville: Metallo (9×02)
Exibição: 2/10/2009
MVP: Brian Austin Green

Eis um episódio que me deixou incrivelmente decepcionada. Não porque tenha sido ruim, mas porque eu esperava algo diferente. Depois de apresentarem John Corben na premiere (e, diga-se de passagem, fazerem-me simpatizar totalmente com o cara), destroem o personagem da forma mais abissal possível. E não falo nem do fato de transformarem-no em Metallo. Na verdade, foi como as coisas aconteceram que me decepcionou. Fala sério, kryptonita de novo? Pensei que já tínhamos superado essa fase!

Mas tudo bem, eu até aceitaria sua transformação e até mesmo a mudança de personalidade (a explicação do Dr. Emil me convenceu….só me pergunto o que raios o doutor está fazendo trabalhando no hospital de Metrópolis!), o que não dá para engolir são os motivos. Mal elaborados demais. Irmã que morre por culpa de assaltante salvo pelo Borrão lá é motivo de querer uma caça às bruxas contra o vigilante? Por favor! Um pouco de originalidade é bom e eu gosto.
Por outro lado, foi Metallo quem fez Clark perceber (mais uma vez) que sua humanidade não é uma coisa ruim, afinal, como defender um mundo no qual você não vive e não entende?

Mas cá entre nós, o que eu quero mesmo é rever Zod. (Mica)

FlashForward: White to Play (1×02)
Exibição: 1/10/2009
MVP: n/a

Com certeza episódios pilotos são os mais esperados pelos fãs de séries, principalmente pela antecipação criada em cima de algum projeto, porém o segundo episódio é aonde vemos se realmente a série consegue manter uma qualidade após um piloto ótimo, ou se pelo menos ele consegue consertar aquele piloto que não funcionou. E FlashFoward tem alguns problemas pela frente.

O primeiro: a série ainda não se definiu, não sabe se é drama (o foco nos personagens é mínimo, não houve nenhum desenvolvimento), ficção científica, policial, suspense… Ou seja, esse momento de definição deveria ter vindo com o piloto, ou pelo menos nesse segundo episódio deveria haver alguma informação que indicasse a intenção da série.

O segundo: esqueça essa de “ser um novo Lost“, nada aqui se parece com a série dos perdidos, a não ser o uso de FlashForwards (que já se tornou irritante, eles repetem muito a visão das pessoas, como se o público fosse esquecer de uma hora para outra). A série se foca demais em uma investigação tediosa e não entra no verdadeiro drama e a parte interessante de tudo: as pessoas viram o futuro, que tal se se concentrarem nos personagens, em suas motivações, em suas crenças, etc? Mas parece que os roteiristas optaram pelo caminho mais fácil.

De qualquer forma, se encarada como uma série sem compromissos (o que pode ser difícil, devido a tanta pretensão e antecipação) a série funciona com aqueles cliffhangers, principalmente o que envolve o agente Noh, não pelo mistério em si, mas sim pelas futuras participações de Shohreh Aghdashloo. (Lucas Bonini)

Lie to Me - The Core of It

Lie to Me: The Core of It (2×01)
Exibição: 28/9/2009
MVP: Tim Roth

Lie to Me me decepcionou. Mas talvez a culpa seja minha. Talvez a série sempre vá ser aquela série da qual eu espero mais e acho que pode render mais, porém ela só ocasionalmente chega lá. Eu achei que depois dos ótimos episódios do final da temporada passada e com a entrada de um novo showrunner, Shawn Ryan, que trabalhou em The Shield, a série voltaria com tudo. Voltou com tudo que me incomodava. O didatismo desnecessário e exagerado, caso que não chama atenção, o foco quase prejudicial em Lightman.

O Roth, aliás, continua maravilhoso. Mas não acho que Lie to Me precisa continuar insistindo na linha House ou Mentalist, onde só o protagonista é capaz de enxergar as coisas importantes. Chamou a minha atenção quando fica óbvio que a personagem de Erika Christensen tem múltipla personalidade e Cal explica tudo para Gillian, como se ela não fosse a psiquiatra.

Loker ficou tão de lado que nem tenho o que falar sobre ele, mas talvez seja melhor assim, porquê ele é o personagem mais irritante da série. E Ria tinha um caso bobo, mas Monica Raymund levou como podia, não deixando que seu segmento se tornasse um desperdício total. Será que a série entrará mesmo em um novo eixo? Será que os diálogos vão ficar mais orgânicos e menos explicativos? Será que os personagens conseguiram se desenvolver em meio à estrutura de dois casos por semana mais o interesse quase que exclusivo em Lightman? Eu tenho minhas dúvidas, mas ainda não estou disposta a desistir. (Thais Afonso)

Cold Case: The Crossing (7×01)
Data de Exibição: 27/9/2009
MVP: Erin Chambers

Somente músicas de Ray Charles. Se, por um lado, o primeiro episódio da nova temporada de Cold Case pode ter decepcionado quem, como eu, esperava um desfecho definitivo da tentativa de assassinato de Lilly Rush, por outro ele entregou um caso bastante consistente, com clima de anos 60 e ótimas músicas. Não fosse a tal expectativa eu ia adorar todo episódio.

Do final da temporada vemos a prévia do julgamento de Kitchener, que tentou matar a detetive. Ao contrário do esperado ele não vê justiça no tribunal e acaba livre até o julgamento, que demorará a acontecer. Lilly não consegue esperar pela justiça, ao que parece, e termina o episódio seguindo o ex-militar bêbado após vê-lo saindo de um bar.

E, em meio a investigação da morte de uma garota que encontrou o amor e a morte em um navio, Darcy Curtis interpretada pela gracinha Erin Chambers, a equipe segue sua vida: Curtis e Kat se tornam um casal, o capitão tenta dar força a sua detetive e Nick Vera vai em busca de um novo par de sapatos.
A despeito de eu ter gostado bastante do episódio, Cold Case terá de se esforçar mais se quiser garantir uma nova temporada no próximo ano. (Simone Miletic)

The Forgotten - Diamond Jane

The Forgotten: Diamond Jane (1×02)
Exibição: 90/9/2009
MVP: Christian Slater

Eu adoro um seriado, se for policial então… E foi assim que The Forgotten entrou para minha listinha de ’20 e muitos’ seriados semanais. Sem contar que tinha Christian Slater. Eu realmente acredito que os produtores estão com um plano macabro de trazer os ídolos dos anos 80 para a TV e assim eu ficar sem dormir (risos).

Toda semana um grupo de civis liderados por um ex-policial (Slater) se reúnem para ajudar a polícia a identificar uma vítima e descobrir o seu assassino.
Eu gostei bastante da forma como a série é apresentada. A narração é feita pela própria vítima que vai contando um pouco de como chegou até ‘seu fim’ a cada nova descoberta da equipe. E aos poucos vamos sabendo mais sobre os membros do grupo. Uma das coisas que mais chamou minha atenção é o fato de mostrar para quem assiste que Donovan pode ter se afastado da polícia mas no seu inconsciente ainda age como policial. Nesse episódio tentando salvar um dos membros de sua equipe recorreu a arma que não existia, no primeiro episódio ele deu voz de prisão a um suspeito.

Outro ponto positivo do episódio foi que apesar de Kerr Smith (Dawson’s Creek) ser o convidado, ele não era o culpado. Isso é uma falha recorrente nos shows: o rosto mais conhecido é sempre culpado. Espero que o show não seja cancelado e que possamos descobrir exatamente o que aconteceu com a filha desaparecida de Donovan. (Tati Leite)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

30 Comments

  1. Matheus U.

    Sobre o The Cleveland Show e tenho que dizer que foi muito bom, mas que está longe de ser um American Dad! ou um Uma Família da Pesada!
    Confesso que eu (como muitos aqui do Teleséries que eu sei!) estavam descrentes com a série, mas eu acho que a série foi o tapa na cara dessa fall season! E vivas ao Seth McFarlane!

  2. paullo kidmann

    Gossip girl: de fato eu odiava a Blair e mais ainda o Chuck mais dpois do fim da segunda temporada posso garantir q no momento eles são a melhor coisa do sériado…é bom ver os personagens amadureçendo e tbm a trama afinal a premiere dessa temporada foi bem mediana. Não entendi qual foi a do Scott em não querer contar a verdade p o Rufus e dimirei a Vanessa a respeitar sua vontade. E ver a Blair dando piti dpois de pegar o Dan com a Gorgina na cama foi hilária!!!
    Melrose place: Amei o epi, a série ta cada vez melhor…Amo a Ella. e realmente a Jane veio p dar mais trama a série. não sei se é pq eu gosto da ashlee mais eu gosto da Violet…
    Eastwick: gostei do epi assim como gosto da série heheheheh é um dos meus Guity Pleasure!!!!

  3. Rafa Bauer

    Californication voltou MUITO bem. Vi os 2 primeiros episódios da nova temporada e já estou achando melhor que as outras duas. Vamos ver se vai manter o nível.

    Agora FlashForward, #totalfail. O piloto já foi um show de horrores em que só as cenas com efeitos especiais se salvavam. Agora, só restaram os personagens-zumbis, interpretados por atores-zumbis com uma história totalmente sem timing e sem sabor.
    Acho que vai acontecer com FlashForward o mesmo que aconteceu comigo em relação a Heroes: vou insistir, insistir, insistir, e abandonar antes do fim da 1ª temporada…

  4. paullo kidmann

    Cougar Town gosto da série, amo a Courtney cox…torço muito pelo sucesso da série mais esse epi foi inferior ao pilot…teve otimos momentos como quando ela machuca a perna e na boate quando a velha coloca a perna no ombro do cara. e as sequencia de fotos principalmente as com a policia…

  5. thiago machado

    Tá, no Melrose original a Jane teve seus dias de bitch, mas no geral ela era ^boazinha^ e só ficou bitch quando foi trocada pelo Jake (que preferiu a chata da Alison). Não entendi pq ela voltou super bitch.

    O episódio foi uma decepção. Como assim nenhuma cena da Jane com Sydney ou com Michael? A catfight das duas na piscina é uma das cenas mais clássicas da série.

    Eu não quer ver os personagens antigos interagindo com os novos, quero ver os antigos com antigos!

  6. Tati Leite

    Stargate Universe: Eu precisava escrever que quase morri de rir com o pobre do Eli sendo obrigado a ouvir uma palestra do Daniel Jackson sobre como descobriu o Stargate. Eu só pensava que foi idéia do Jack em fazer alguém aturar o que ele teve que aturar. Aliás, é por conta do Eli que vou assistir a série. Adorei o personagem dele. E a Ming-Na apareceu pouco mas me irritou muito.

    The Good Wife: Estou torcendo muito para que Marguiles seja indicada a um Golden Globe pela série. Seria ótimo ela repetir o feito da 1ª temporada de ER. E ela está perfeita no papel. Eu acredito que o fato do Peter ajudar a esposa faz parte do ‘mistério’ sobre a prisão dele. E se ele é culpado de algo além da infidelidade.

  7. Rodrigo B.

    Eu gostei da premissa de The Middle, que como já foi dito em diversos lugares, se assemalha a de Malcolm in The Middle, mas ao assistir o piloto ficou a impressão de que faltou um algo mais, embora a série tenha tido alguns momentos divertidos. De qualquer maneira, eu pretendo dar mais algumas chances. Se vai ser um must-see ou apenas algo que você assiste quando não tem nada pra ver, só o tempo dirá.

    Ruinzinho mesmo foi o lead-in dela, Hank(que nem direito a comentário por aqui teve…hahaha)

  8. Pingback: Tweets that mention A Semana Lá Fora: as estreias de The Middle, Stargate Universe e Cleveland Show e os retornos de Californication, Lie to Me e Brothers and Sisters » TeleSéries -- Topsy.com

  9. Junior Delduque

    Sinceramente, a season premiere de Brothers & Sisters foi muito aquém do esperado. Espero que eles melhorem isso já, já. É provavelmente meu seriado predileto atualmente e eu não quero cancelamento para ele antes da 6ª temporada de jeito nenhum.

  10. Jorge P. - DF

    Thais, como fã incondicional de Moody e Californication, fiquei com água na boca de assistir, pois nem sabia que a série já estava voltando!

  11. Fernando dos Santos

    Stargate Universe-Alguém sabe como foi a audiência do piloto e a reação do publico e da crítica?
    Eu li que alguns fãs mais ortodoxos da franquia não estavam gostando muito da idéia de fazerem uma série mais sombria contrastando com a leveza de SG-1 e Atlantis, enquanto outros achavam interessante tentar uma nova abordagem.

    The Forgotten-A premissa parece interessante e se a série emplacar vão acontecer dois milagres.
    1)A ABC com dois procedurals firmes na grade(o outro é Castle).
    2)Uma produção protagonizada por Christian Slater dando certo.

  12. Ana

    House
    É fato: as melhores cenas são com House, Wilson e Cuddy. House na frente do sofá falando que assiste Biggest Loser porque acha que os gordinhos podem vê-lo comendo sorvete foi hilário. Assim como a aula de culinária.
    Cameron e Chase como figurantes, sem comentários como sempre.
    E tô louca para ver o próximo episódio para poder falar um bem grande: “Chupa, Foreman!”. Sério, entre os pupilos antigos, ele é o mais pedante e irritante. E tê-lo visto demitindo a 13 (OK, não gosto dela, mas que cara imbecil, pelo amor de Deus) só confirmou isso.

    Gossip Girl
    Tá tão na cara que a Leighton Meester é diva e a protagonista de Gossip Girl que não dá para entender porque o nome da Blake “sem expressão” Lively vem primeiro. Os plots da Serena podem até ser bons, mas nunca chega ao máximo porque a Blake é um tanto… limitada.
    E, na minha humilde opinião, a temporada de GG começou nesse último episódio (os dois primeiros foram chatos demais).

    Glee
    Bom, ninguém comentou, mas eu precisa escrever aqui sobre Glee. Em primeiro porque a Kristen Chenoweth (Oh, Olive!) apareceu e ela é MARAVILHOSA e segundo porque Glee continua muito bem! Até a Rachel tá deixando de ser toda diva.

  13. glaubercast

    Quem nunca viu SG-1 e Atlantis e tb os filmes e cia., ou seja, nunca viu nada……..dá pra começar acompanhar Stargate Universe sem ficar perdido ?

  14. Cristina

    glaubercast
    Acredito q vc pode aconpanhar sim.
    Se vc leu o q a Mica escreveu, o piloto deve a intesão d conquistar novos fãs.
    (Ao introduzir Eli, um rapaz relativamente comum e que nunca tinha ouvido falar no programa Stargate, o episódio explicou para ele e para o novo fã do que se trata esse negócio de portais, Ancients e afins.)

  15. Nanda

    Mica, Metallo SEMPRE foi feito de Kryptonita. O que você esperava? Que eles mudassem totalmente o personagem? Desculpe, não entendi essa. Eu adorei o epi, um dos melhores da série. BAG deu um show.

    A única parte engraçada de Cougar Town foram as sequências das fotos. Courtney ainda não me convenceu, está exagerada demais.

    Estou adorando FF, essa comparação com Lost é uma bobagem.

    E surpreendentemente estou gostando de The Good Wife. Julianna está perfeita.

  16. Beno Suckeveris

    Pena que dependemos da audiência americana para ter algum seriado inteligente. Gossip Girl deveria ter acabado faz tempo. Em compensação, Pushing Daisies e Life on Mars deveriam ter continuado. Dos citados acima, só acompanho Smallville e Californication (sim, uma exceção no mundinho careta da terra do Obama).

  17. Luisa

    nossa, eu to adorando flash forward!!! foi a série nova que eu mais gostei, junto com the good wife!

    sobre gossip girl, pode até estar amadurecendo, mas essa temporada tá meio chatinha… tomara que melhore.

  18. Mica

    Nanda, não, não queria que mudassem o personagem, de forma alguma. Eu é que não conheço absolutamente nada de Superman XD. Mas se era para usar um vilão feito de Kryptonita, então que não tivessem usado e abusado da droga do meteoro antes. A simples menção da bendita já me deixa irritada.
    E eu também gostei do episódio. O que me irritou foi a transformação do John Corben no Metallo. Quero dizer, nem a transformação, mas a motivação dele. Foi tão sem sal…transformou o personagem num idiota e ele parecia tudo, menos um idiota.
    E vou aproveitar e fazer uma pergunta (pq tenho memória ruim mesmo): quando Zod possuiu o corpo do Lex, ele foi expulso da Terra e aprisionado sei lá onde, certo? Então como ele podia estar aprisionado na cidadela com parte do seu exército? (era Kandor a cidade? Aff..memória..memória…) O que eu estou perdendo que não estou conseguindo fazer a ligação correta?

    Também estou adorando FF. Ela de fato está exagerando nos takes repetitivos dos flashes, mas de resto eu acho tudo muito bom. Sem contar os atores, que eu adoro.

    glaubercast, a Cristina já te respondeu, mas é isso aí mesmo. Stargate Universe não foi feito com o fã de Stargate em mente, mas sim um novo público, por isso pode assistir sem medo ^_^.

  19. Thiago Sampaio

    Ainda não vi Good Wife essa semana, mas pelos comentários por alto (li pouca coisa, pra evitar spoiler) parece que manteve a qualidade do piloto. E isso parece ser ótimo. Como disse a Tati, Emmy para Julianna!

    Sobre Flashfoward, tenho que concordar inteiramente com o Rafa Bauer. Lucas, a premissa da série é ótima, mas mesmo muito confusa e perdida. Ainda não aceito que uma médica tenha chegado em casa tão cedo depois de um zilhão de feridos em acidentes, que os diálogos sejam tão didáticos, que não cogitem que as pessoas mintam no site, que… sei lá! Fora que a direção e atuação são péssimas! Ninguém se salva lá (e isso é em parte culpa da direção). Se for pra comparar, FF não é a nova Lost, é mesmo a nova Heroes. Tem até um D. Gibbons como Sylar…

    No mais, vi TBBT e gostei mais do que a premiere, além de estar em minha fila The Middle (eu amava Malcolm, e essa parece ser a mesma coisa, só que focada na “Lois”) e… sei lá mais o que. Umas comédias aí =P

    Acho massa download, véi. A gente viaja uma semana e tudo fica pronto pra quando quisermos ver

  20. glaubercast

    vlw Cristina e Mica.
    O enredo me agrada em mto.

    Sempre foi defensou de Gossip Girl, mas q a temporada tá chata é fato. Estou com os 3 episódios aqui e por enquanto não consegui passar do 1o.

    Já Flashfoward está me agradando e muito. Pra mim, junto com Fringe e Grey’s Anatomy são os melhores q eu acompanho no momento.

  21. Victor Hugo

    * The Middle
    Muito bom, provando q a ABC teve o cuidado de escolher suas comédias. (Exceto Hank)
    *Eastwick
    Foi bom tbm mas temo q ao final da primeira temporada não tenha gás.

  22. Mônica A.

    Brothers & Sisters – Baixei já faz um tempo e estou com preguiça de assistir. O que acontece comigo?

    Cougar Town – Pois é, ainda estou assistindo, não sei até quando. Essa semana a Jules me lembrou muito a Monica Geller. Sei lá, acho que a personagem está um pouco caricata. Na verdade, assim como a Lara, estou esperando pra ver a Courtney e o Josh Hopkins se pegando.

    Gossip Girl – Os episódios estão melhorando a cada semana. O casal Blair/Chuck segue fofo e a Serena estava legal nesse episódio. Quanto ao Scott, eu achei que ele não teria coragem mesmo de revelar quem era.

    Eastwick – Podem me chamar de louca, mam estou gostando pra caramba da série. Me divirto com a Joanna. Ela é atrapalhada e engraçada. E adorei a participação da Cybill Shepherd.

    Smallville – Adorei o episódio. Não conheço os quadrinhos, então cada vilão é novo pra mim. Mas o que mais gostei foi ver o Clark voltando ao Planeta Diário e o encontro com a Lois. Muito fofo! E mais ainda ao vê-lo sorrindo. Ela ainda não tinha sorrido nessa temporada.

    FlashFoward – Nada a ver com Lost. Estou gostando bastante da série. Mas já fiquei com algumas dúvidas. No FF da Olivia ela só vê o Lloyd, mas o Dylan, filho dele, conhece ela. E a Charlie conhece o Dylan, mas no FF dela parece ter visto o D. Gibbons e não o Dylan. Meio confuso, mas acho que é isso que os roteiristas querem, né? Ai, tomara que o Noh não morra.

    The Forgotten – Ainda não vi o segundo episódio, mas amei o primeiro. Tomara que vingue.

  23. Nanda

    Mica, esse Zod é do passado, ele vem da cidade de Kandor. Ele ainda é Major Zod, e ainda não sabe que o planeta Krypton foi extinto, se é que dá para entender. :) O Zod que possuiu o Lex já é o General, que ultimamente está na Panthom Zone.

  24. Mica

    Nanda…desculpe a ignorância aqui, mas…não consegui entender. Quero dizer, entendi sua explicação, mas não a lógica da coisa. Como o Zod do passado pode estar na Terra agora? E pq ele estava preso juntamente com o povo de Kandor? Porque para isso fazer sentido, então ele terá que necessariamente voltar para Krypton do passado, ser liberto, virar General e sei lá mais o que acontece depois até Krypton ser destruída. Caso contrário não faz sentido ele estar aqui na Terra no tempo presente. (vixe, acho que embolei minha dúvida ainda mais, hehehe)
    E cá entre nós, me apaixonei completamente pelo Zod ^_^. (culpa do Callum Blue, eu sei)

  25. [S.E.P]Diego M.C

    Stargate Universe, ponto alto do ano…

    Gosto muito de Stargate, assisti todos os episódios de Sg-1 e Atlantis…

    Uma baita saudade de Stargate, a nova série parece que vai ser boa… não gostei de atlantis ter acabado, mas que venha Universe!!!

  26. Nanda

    Ah, Mica, isso eles ainda terão que responder :) Nem Zod sabe o que aconteceu. A minha teoria é que isso é coisa do Braniac, e eles são clones, já que Doomsday não deu certo. Pelo que entendi Kandor é uma cidade em miniatura (não me pergunte, coisa dos quadrinhos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account