Log In

Especiais

‘A Menina Sem Qualidades’ – #1, #2, #3 e #4

Pin it

Um canal cult, um livro alemão e uma produção de cinema. Essa é formula básica de A Menina Sem Qualidades, primeira série de dramaturgia produzida pela MTV Brasil. Serão 12 episódios, que irão ao ar de segunda a quinta à meia noite.

Este post é sobre os quatro primeiros episódios e de cara já é possível ver que a menina é bem diferente da do título, pois ela tem sim muitas qualidades. Ana (a MARAVILHOSA Bianca Comparato) tem 16 anos e uma visão de vida bem diferente da maioria dos jovens da sua idade. Ela não tem paciência para internet, não liga para sua aparência e já leu todos os pensadores que você possa imaginar.

No decorrer do primeiro episódio descobrimos que Ana é apaixonada por Selma e que a menina não corresponde mais aos seus sentimentos, uma vez que seus pais são contra o relacionamento das duas. Isso gera uma fúria em Ana que espanca, com um soco inglês, um menino.

Depois desse ato, Ana vai para um nova escola, especializada em recuperar “almas indomáveis”. Assim que chega, tem uma recepção não muito agradável de seus novos colegas de classe (uma das cenas mais tensas do episódio). E quando Ana está se recuperando do susto, Olavo chega para confortá-la e testemunhamos o início de uma nova amizade.

O segundo episódio é completamente descartável. Só vou comentar sobre seu o início, no qual Olavo discursa seu ponto de vista sobre o colégio e o porquê de ele ter se aproximado de Ana. Ele chega à conclusão que ambos são da mesma “espécie” e que não entende os outros alunos da escola.

Ele continua divagando sobre seus problemas e dispara a única coisa boa deste episódio inteiro:

Os meus pais ainda são casados. Às vezes me pergunto se tenho algum trauma por ver os dois morando juntos e se não é por causa disso que eu tenho essa dificuldade de comunicação.

Genial tirada dos roteiristas. Acho que eles gastaram todas as suas munições nesse diálogo, porque depois disto é ladeira abaixo. Surgem alguns personagens sem importância e Olavo ganha de Ana um presente não muito comum pelos seus 17 anos.

O terceiro episódio fica concentrado na chegada de Alex Al Hardini, de 18 anos, filho de pai libanês e mãe brasileira. Ele mexe com as estruturas de Ana, uma vez ele ser tão ou mais complexo que ela. Descobrimos um pouco sobre seu passado e o porquê dele ser assim tão peculiar.

A história de Ana e Olavo chega ao fim, se é que em algum momento ela começou, pois Ana só tem olhos para Alex, lutando o episódio inteiro contra esse novo sentimento, mas no final acaba cedendo.

O quarto episódio fica focado em mostrar o fortalecimento do elo entre Ana e Alex. Ele conta mais sobre seu passado e fica evidente que seus pais não foram e não são muito presentes em sua vida. Ele desafia a Ana a ler um livro muito complexo e que poucas pessoas conseguiram ler.

A mãe de Ana, Laura, percebe que a filha está diferente e as duas entram em uma embate, que dura muito pouco e termina com Ana pedindo para a mãe fazer as suas unhas.

Sinto muita falta de um conflito mãe x filha. Ana parece ser muito revoltada, talvez por ser muito inteligente e sua mãe é muito liberal, talvez por viver com a cabeça nos anos 80. Os conflitos são muito rasos e sem sentido.

O clímax acontece quando Ana e Alex estão “passeando” por um cemitério. Fica muito claro que ele começa a manipulá-la. Ela falha no seu primeiro desafio, pois não consegue ler o livro. Depois eles entram em um embate e a conclusão de Ana deixa Alex satisfeito. O que será que ele está tramando?

Agora umas observações:

Alguém me explica porque um professor argentino está dando aula de literatura?!?!?!?! Estou falando de Tristán. Ele apareceu timidamente em todos os quatro episódios, mas até agora não disse a que veio. A única informação que temos é que ele tem um passado misterioso e seu casamento com Bianca não anda muito bem.

Tecnicamente falando a série é muito boa. Felipe Hirsch afiado na direção e trilha sonora, a fotografia brilhante de Inti Briones e as excelentes atuações, em especial de Bianca Comparato, encheram a tela. As participações especiais são ilustríssimas: Dado Villas Lobo (pai de Selma) e Wagner Moura (pai de Alex), o que enriquece a produção.

Porém achei o contexto meio confuso. Agora não sei se o problema foi a minha falta de inteligência ou o se a história realmente está sendo mal contada. A sensação que tive é que se eles condensassem esses quatro primeiros episódios em um único, o resultado teria sido mais satisfatório. Só não parei de assistir pois a sinopse é realmente muito boa e tenho esperança na virada da trama, que ainda não aconteceu. Deixo registrado que o segundo episódio foi um desperdício de dinheiro, tempo e talento.

Agora é aguardar e ver se a história deslancha.

Mas se mesmo depois de todas as dificuldades que eu relatei você ainda quiser assistir, a MTV Brasil disponibiliza os episódios na integra no site. Como a trilha sonora é excepcional, eles liberam no blog da série o playlist de cada episódio. Vale a pena conferir!

E você, também assistiu à semana de estreia de A Menina Sem Qualidades, compartilha da mesma opinião que a minha ou tem outra visão? Deixe seu comentário!

Séries citadas:

Carioca, formado em Atuária e Estatística pela UERJ. Deixa os números de lado quando se trata de séries. Sem nenhuma experiência no mundo jornalístico, chegou ao TeleSéries com muita vontade de aprender e hoje faz parte do time de colaboradores de notícias e resenhas. Acompanha: Scandal, How to Get Away with Murder, Homeland, The Walking Dead, The Americans, Nashville, Parks and Recriation, Modern Family, Orphan Black, Devious Maids e atualmente está alucinado com The Good Wife. Já sonhou morar em Everwood, trabalhar na redação do News Night with Will Mcavoy, ser um bombeiro em Third Watch e ter como vizinhas às garotas Gilmore.

13 Comments

  1. Suzana

    Oi, Felipe,

    “Alguém me explica porque um professor argentino está dando aula de literatura?!?!?!?!”

    O
    escritor italiano Antonio Tabucchi era professor de Literatura
    Portuguesa em Siena, mas chegou a dar aulas em Portugal. Era ainda o
    tradutor italiano de Fernando Pessoa – escritor que o arrebatou de tal
    maneira que foi aprender português para melhor entendê-lo e a seus
    colegas escritores.

    Então, nada há de extraordinário um argentino ser professor de literatura brasileira.

    Abs,

    Suzana

  2. Felipe Ameno

    Oi Suzana, muito obrigado pelas informações! :) Realmente não sabia e confesso que não acho comum. Acho que é por isso que fiquei tão supreso…Ainda estou esperando uma explicação de o porquê dele estar no Brasil! Tirando essa minha “desinformação”, espero que tenha gostado do texto. Abraços

  3. Maurício Köslipp

    Eu gostei bastante dos quatro primeiros episódios e vou continuar assistindo. As atuações, trilha sonora e fotografia são excelentes.

  4. Felipe Ameno

    Bom dia Maurício! Também gostei muito da parte técnica, a fotografia é de uma qualidade impressionante. A trilha e as atuações são perfeitas. Só ainda não fiquei totalmente empolgado com a história, pois ela parece ser muito melhor na sinopse! Vamos ver se essa semana engrena! Abs

  5. Babiih

    Adoreei os 4 episodios excelente!! vou continuar assistindo achei muito bom.!

  6. Felipe Ameno

    Vou continuar a escrever sobre a série Babiih! Deve ter alguma notinha diária sobre os episódios! Espero que volte e deixe seu comentário! :)

  7. pedro luiz costa

    olá Felipe; tive uma duvida semelhante a sua : vi a reprise de 1 vez só os 4 episodios que foram ao ar na madrugada de sabado ( teve tambem no domingo) , pensei se seria mais satisfatorio como episodios isolados .

  8. Fernanda

    Olá Felipe, desde que a MTV começou a divulgar a série eu fiquei super curiosa, e eu achoque ela está me respondendo bem. Os diálogos são mesmo muito intrigantes e as vezes parecem enigmas, o que deixa a série mais interessante. Adorei a sua crítica e também partilho da opinião que o segundo episódio foi totalmente inútil. Ele meio que foi contraditório a personalidade da Ana.

  9. pedroluiz02

    reeza alenda que Rui Barbosa abriu um escritorio em NY com o cartaz : ensina-se ingles para americanso

  10. Felipe Ameno

    Fernanda, muito obrigado pelo seu comentário e que bom que gostou da crítica! Já está disponível aqui no Teleséries o review do episódio 5 e mais tarde entra no ar o do 6!

  11. Clarissa Oliveira

    A história está confusa pq fizeram muits recortes do livro. O livro é denso. Mas a discussao pq o Alex faz Tristan sofrer é boa. Tem a ver com a primeira frase do primeiro episódio.

  12. RaquelSt

    Eu assisti a 8 episodios da série e só tenho uma coisa a dizer…Anh??? Eu nao entendi quase nada,os dialogos sao meio…sem nexo e algumas cenas nao precisavam ser colocadas,como por exemplo:partes dela tomando banho… Eu sei que a base é muito boa mas,algumas coisas nao fazem sentido… Imagine um quarto vasio,mobilhado,com tres livros abertos e um prato vasio no chao…(QUEE????) Sao coisas como essas que podiam ter sido melhoradas…

  13. RaquelSt

    Agora,imagine se eles economisacem tempo nao fazendo esse tipo de coisa, A MENINA SEM QUALIDADES teria mais de 12 episodios……

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account